Planejamento participativo: processo de interação entre serviço e comunidade na Estratégia Saúde da Família

Autores

  • Fernanda Marques da Costa Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Ciências da Saúde da Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES.
  • Jair Almeida Carneiro Doutorando em Ciências da Saúde pela UNIMONTES.
  • Marizete Ribeiro Almeida Especialista em Saúde da Família, Especialista em administração dos serviços de Saúde.
  • Maura Almeida Carneiro Graduada em Medicina pela Faculdades Unidas do Norte de Minas (FUNORTE).

Palavras-chave:

Planejamento participativo, Promoção da saúde, Estratégia Saúde da Família

Resumo

Este trabalho objetivou desenvolver um plano de
ação para a intervenção nos problemas vivenciados pelos
moradores vinculados à equipe de Saúde da Família Alterosa,
Montes Claros/MG, identificados a partir do planejamento
participativo. A Estimativa Rápida Participativa e o Método
Altadir de Planificação Popular foram as metodologias
norteadoras das atividades, possibilitando o enfrentamento de
um problema vivenciado pela população. Entre os problemas
destacados pela comunidade, a realização de caminhada
orientada foi selecionada como prioridade, segundo os critérios do método participativo. O planejamento participativo permitiu a mobilização dos moradores, e a equipe atuou como facilitadora do processo, auxiliando a comunidade a enfrentar um dos problemas vivenciados. Realizou-se a capacitação da comunidade para atuar na melhoria da sua qualidade de vida, incluindo uma maior participação no controle desse processo, bem como a interação entre serviço e comunidade, desenvolvendo atividades no âmbito coletivo e individual, abrangendo ações de promoção e de prevenção da saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Viana ALDÁ, Dal Poz MR. A reforma do Sistema de Saúde no Brasil e o Programa de Saúde da Família. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva. 2005; 15(Supl): 225-64.
2. Aguiar RAT. A construção internacional do conceito de Atenção Primária à Saúde (APS) e sua influência na emergência e consolidação do Sistema Único de Saúde no Brasil. [Dissertação de Mestrado da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais]. Belo Horizonte, 2003.
3. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488/ GM, de 21 de outubro de 2011. Política Nacional de Atenção Básica, estabelece a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2011.
4. Cardoso JP, Vilela ABA, Souza NR, Vasconcelos CCO, Caricchio GMN. Formação interdisciplinar: efetivando propostas de promoção da saúde no SUS. Revista Brasileira em Promoção da Saúde. 2012; 20(4): 252-58.
5. Aguiar GN, Fagundes GC, Leão KMB, Almeida PHO, Souza MS. Planejamento participativo realizado em área de abrangência do Programa Saúde da Família. Revista APS. 2006; 9(1): 45-9.
6. Antunes LA, Filho ITO, Colares M, Guimarães PDG, Peixoto LM, Lemos JRM et al. Planejamento participativo: ferramenta de sucesso na parceria entre PSF, comunidade e prefeitura. RUC - Revista Unimontes Científica. 2007; 9(1): 111-8.
7. Poswar FO, Carvalho CR, Lima JS, Santana KR, Rocha LF, Faria SM et al. Planejamento participativo e interação comunitária na Estratégia Saúde da Família. EFDeportes.com. Revista Digital. Buenos Aires. 2013; 18(181)[internet]. 2013. [citado em 02 de julho de 2013]. Disponível em: http://www.efdeportes.com/. Acesso em: 02 de julho de 2013.
8. Parente, JRF. Planejamento participativo em saúde. SANARE - Revista de Políticas Públicas. 2013; 10(1): 12-8.
9. Fernandes MA, Augusto EDC, Éricka MCS. Técnica da estimativa rápida: estratégias para promoção da saúde comunitária. Revista de Enfermagem da UFPI. 2013; 2(3): 83-7.
10. Tancred IFB, Barrios RL, Ferreira JHG. Planejamento em saúde. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo,[internet] 1998. [citado em 01 de julho de 2013] (Série Saúde & Cidadania). Disponível em http://www.saude.sc.gov.br/gestores/sala_de_ leitura/saude_e_cidadania/ed_02/index.html.
11. Elias FCC, Barros F, Lucena M, Navarro AC. Um programa de exercício de caminhada e musculação de baixa intensidade promoveu a redução do índice de massa corporal e a regulação da pressão arterial em mulheres que foram submetidas a gastroplastia. RBPFEX. 2007; 1(4):17-31.
12. Dos Reis Filho AD, Silva MLS, Fett CA, Lima WP. Efeitos do treinamento em circuito ou caminhada após oito semanas de intervenção na composição corporal e aptidão física de mulheres obesas sedentárias. RBONE - Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. 2012; 2(11): 498-507.
13. Figueredo MRC, Navarro AC. Redução da porcentagem de gordura em mulheres praticantes de exercício aeróbio moderado com um aumento da ingestão de carboidrato na dieta. RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. 2012; 5(28): 234-41.
14. Bernardini AO, Manda RM, Burini RC. Características do protocolo de exercícios físicos para atenção primária ao diabetes tipo 2. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. 2011; 18(3): 99-107.
15. Cardoso LM , Ovando RGM , Silva SF, Ovando LA. Aspectos importantes na prescrição do exercício físico para o diabetes mellitus tipo 2. RBPFEX – Rev. Bras. de Presc. e Fisio. do Exercício. 2007; 1(6): 112-8.
16. Canovas DC, Guedes DP. Impacto de diferentes intensidades de caminhada em fatores de risco cardiovasculares em mulheres sedentárias. Saúde e Pesquisa. 2012; 5(1): 48-56.
17. Campos ALP, Del Ponte LS, Cavalli AS, Afonso MR, Schild JFG, Reichert FFl. Effects of concurrent training on health aspects of elderly women. Rev. Bras. de Cineantropometria & Desempenho Humano. 2013; 15(4): 437-47.
18. Miranda REC, De Mello MT, Antunes HKM. Exercício físico, humor e bem-estar: considerações sobre a prescrição da alta intensidade de exercício. Rev. Psicologia e Saúde. 2011; 3(2): 38-44.
19. Silva PSB, Ferreira CES. Exercício físico e humor: uma revisão acerca do tema. Educação Física em Revista. 2011; 5(3): 345-351.
20. Brügger NAJ. Respostas imunes agudas ao exercício aeróbio contínuo e cíclico. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. 2012; 3(4): 49-65.
21. Torres AG, Silva HMP, Torres DFN, Firmo WCA, Chaves AS. Efeitos da prática da caminhada de idosos em grupo: um olhar do protagonista. JMPHC. Journal of Management and Primary Health Care. 2013; 4(1): 19-26.
22. Ponte KMC, Junior JAAS, Ponte MKC, Ferreira AGN, Neto FRGX. Grupo de caminhada: uma ferramenta potencializadora para a promoção da saúde e qualidade de vida do idoso. Revista CPAQV - Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida. 2012; 4(2): 1-22.

Downloads

Publicado

2020-05-25

Como Citar

Marques da Costa, F. ., Almeida Carneiro, J. ., Ribeiro Almeida, M., & Almeida Carneiro, M. . (2020). Planejamento participativo: processo de interação entre serviço e comunidade na Estratégia Saúde da Família. Revista Renome, 3(2), 170–183. Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/renome/article/view/2589

Edição

Seção

Relato de Experiência

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < 1 2