FRAGILIDADES E FORTALEZAS DO TRABALHO DE ENFERMEIROS ATUANTES NO PERIOPERATÓRIO DE CIRURGIA CARDÍACA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rnm23173092202090106

Palavras-chave:

Cardiologia, Trabalho, Enfermagem Perioperatória

Resumo

Objetivo: conhecer a percepção do enfermeiro quanto ao processo de trabalho no período perioperatório de cirurgia cardíaca. Métodos: estudo qualitativo, exploratório e descritivo com 14 enfermeiros atuantes em um complexo hospitalar referência em cirurgia cardíaca no extremo Sul do Brasil. A coleta de dados ocorreu entre julho a agosto de 2018, por meio de entrevista semiestruturada, os registros foram submetidos à análise de conteúdo de Bardin. Resultados: emergiram duas categorias: Fragilidades encontradas por enfermeiros no processo de trabalho no período perioperatório de cirurgia cardíaca e Fortalezas vivenciadas por enfermeiros no processo de trabalho no período perioperatório de cirurgia cardíaca. Considerações finais: identificou-se como fragilidades as atribuições desempenhadas pelo enfermeiro, falta de trabalhadores, materiais e manutenção de equipamentos e preparo emocional dos pacientes; como fortalezas destacou-se a busca pelo conhecimento, a recuperação, orientações e apoio ao paciente, suporte da equipe e rotina específica das unidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Radovanovic CAT, Santos LA, Carvalho MDB, Marcon SS. Arterial Hypertension and other risk factors associated with cardiovascular diseases among adults. Rev. Latino-Am. Enferm. [Internet]. 2014 [cited Oct 2019]; 22(4):547-53. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v22n4/0104-1169-rlae-22-04-00547.pdf
2. Dessotte CAM, Rodrigues HF, Furuya RK, Rossi LA, Dantas RAS. Stressors perceived by patients in the immediate postoperative of cardiac surgery. Rev Bras Enferm [Internet]. 2016 [cited Oct 2019]; 69(4):694-703. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v69n4/en_0034-7167-reben-69-04-0741.pdf
3. Barretta JC; Auda JM; Barancelli MDC; et al. Pós-operatório em cirurgia cardíaca: refletindo sobre o cuidado de enfermagem. Rev Fund Care Online. 2017 [cited Oct 2019] jan/mar; 9(1):259-264. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/4042/pdf_1
4. Jacondino MB, Martins CL, Thofehrn MB, Garcia BL, Fernandes HN, Joner LR. Vínculos profissionais no trabalho da enfermagem: elemento importante para o cuidado. Enfermería. Global. 2014 [cited Oct 2019]; 34:160-71. Disponível em: http://scielo.isciii.es/pdf/eg/v13n34/pt_docencia2.pdf
5. Bardin, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.
6. Vasconcelos EM, De Martino MMF. Preditores da síndrome de burnout em enfermeiros de unidade de terapia intensiva. Rev Gaúcha Enferm. 2017 [cited Oct 2019]; 38(4):e65354. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v38n4/1983-1447-rgenf-38-04-e65354.pdf
7. Santos APA, Camelo SHH, Santos FC, Leal LA, Silva BR. Nurses in post-operative heart surgery: professional competencies and organization strategies. Rev Esc Enferm USP. [Internet]. 2016 [cited Oct 2019]; 50(3):472-478. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v50n3/0080-6234-reeusp-50-03-0474.pdf
8. Soares MI, Resck ZMR, Camelo SHH, Terra FS. Gerenciamento de recursos humanos e sua interface na sistematização da assistência de enfermagem. Enfermeria Global. [Internet]. 2016 [cited Oct 2019]; 42: 353-365. Disponível em: http://scielo.isciii.es/pdf/eg/v15n42/pt_administracion3.pdf
9. Milagres CS, Lodi JC. Formas de enfrentamento e saúde do enfermeiro diante de estressores ocupacionais. Pensar Acadêmico, Manhuaçu, v. 14, n. 2, p. 100-107, julho-dezembro, 2016 [cited Oct 2019]. Disponível em: http://pensaracademico.facig.edu.br/index.php/pensaracademico/article/view/19/20
10. Siman AG, Brito MJM. Mudanças na prática de enfermagem para melhorar a segurança do paciente. Rev Gaúcha Enferm. 2016 [cited Oct 2019]; 37(esp):e68271. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v37nspe/0102-6933-rgenf-1983-14472016esp68271.pdf
11. Dessotte CAM, Rodrigues HF, Furuya RK, Rossi LA, Dantas RAS. Stressors perceived by patients in the immediate postoperative of cardiac surgery. Rev Bras Enferm [Internet]. 2016 [cited Oct 2019]; 69(4):694-703. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/2670/267046623018.pdf
12. Lucas MG, Oliveira EBC, Oliveira IC, Basseto M, Machado RC. Impacto de uma capacitação para enfermeiros acerca da assistência no pós-operatório de cirurgia cardíaca. REV. SOBECC. [Internet]. 2018 [cited Oct 2019]; 23(2): 89-95. Disponível em: https://revista.sobecc.org.br/sobecc/article/view/89/pdf
13. Sene ESO, Jardim DP. Atuação da enfermagem em cirurgia cardíaca minimamente invasiva videoassistida. Rev. SOBECC. [Internet]. 2016 [cited Oct 2019]; 21(3):170-7. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2016/12/827227/sobecc-v21n3_pt_170-177.pdf)
14. Silva LLT, Mata LRF, Silva AF, Daniel JC, Andrade AFL, Santos ETM. Cuidados de enfermagem nas complicações no pós-operatório de Revascularização do miocárdio. Rev baiana enferm. [Internet]. 2017 [cited Oct 2019]; 31(3):201-8. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/20181)
15. Balsas AM, Silveira SM, Bilro SA, Marques MC. Management of self-care of patients with heart failure: Intervention Nursing - Integrative Review. RIASE [Internet]. 2017 [cited Oct 2019]; 3(2):967-80. Disponível em: http://www.revistas.uevora.pt/index.php/saude_envelhecimento/article/view/209/360)
16. Souza GC, Peduzzi M, Silva JAM, Carvalho BG. Teamwork in nursing: restricted to nursing professionals or an interprofessional collaboration. Rev Esc Enferm USP. [Internet]. 2016 [cited Oct 2019]; 50(4):640-647. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v50n4/0080-6234-reeusp-50-04-0642.pdf

Publicado

2020-05-17

Edição

Seção

Artigos Originais