REFLEXÕES SOBRE O ENSINO DE GEOGRAFIA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA EM SALA MULTISSERIALIZADA

Autores

  • Ícaro Santos Rocha
  • Dulce Pereira dos Santos

Palavras-chave:

Multisserialização. Inclusão. Geografia.

Resumo

O ensino em salas multisseriadas surgiu como uma maneira de proporcionar o ensino aos indivíduos que por muito tempo foram excluídos do acesso à escola, sendo, portanto, um aspecto ligado ao processo de segregação social que existe predominantemente em países subdesenvolvidos. Neste contexto, a quantidade reduzida de alunos presentes faz com que surjam classes multisseriadas, unindo alunos de duas ou mais turmas diferentes. Tal situação leva o professor a lidar com a questão de ter que ministrar conteúdos diferentes em turmas com grande diversidade de níveis de aprendizagem, tanto pelo aspecto de haver alunos em séries diferentes, quanto pelo fator cognitivo. Vale ressaltar que a temática da educação inclusiva não é abordada apenas na questão da multisserialização e da educação do campo, mas também no ensino de pessoas com deficiência, que possuem as suas especificidades e que estão no ensino regular não apenas para a promoção da sua socialização, mas também para aprender como todos os outros alunos. Sendo assim, ocorre a necessidade de observar a educação do campo, a multisserialização e a educação inclusiva com as suas peculiaridades, visando o estabelecimento de um processo de ensino-aprendizagem que preze pela diversidade e pela equidade, onde todos possam aprender. No que se refere à geografia escolar, o professor deve garantir que os alunos possam compreender os conteúdos relacionados à disciplina prezando sempre pelo respeito ao tempo do aluno aprender, utilizando recursos que facilitem o seu aprendizado, além de construir conhecimentos relacionados ao espaço de vivência do discente e o seu papel como cidadão. Portanto, o respectivo trabalho tem como objetivo fazer considerações sobre o ensino de alunos com deficiência e os desafios enfrentados para o seu desenvolvimento no contexto de uma turma multisseriada em Miralta, distrito de Montes Claros-MG. A metodologia desta produção se estabelece por meio de levantamentos bibliográficos, a empiria por meio do exercício da docência e entrevistas realizadas junto a professora de apoio da turma. Apesar dos fatores que contribuem para uma melhor compreensão dos conteúdos, muitos obstáculos existem para que o processo de ensino-aprendizagem possa ser mais efetivo no local em questão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 5 de outubro de 1988.

BRASIL. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Ministério da Educação; Brasília, 2001.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: geografia / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/ SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Base nacional comum curricular. Brasília, DF: MEC, 2015. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em 04/11/2019.

HAGE, S. A. M. A Multissérie em pauta: para transgredir o Paradigma Seriado nas Escolas do Campo. 2009. Disponível em: https://faced.ufba.br/sites/faced.ufba.br/files/multisserie_pauta.pdf. Acesso em 02/10/2019.

HAGE, S. A. M. Transgressão do paradigma da (multi)seriação como referência para a construção da escola pública do campo. Educ. Soc., Campinas, v. 35, nº. 129, p. 1165-1182, out.-dez., 2014.

LOPES, S. L. Orgs. Práticas educativas na educação do campo: desafios e perspectivas na contemporaneidade. Boa Vista: Editora da UFRR, 2015. Disponível em: https://www.finom.edu.br/assets/uploads/cursos/categoriasdownloads/files/20.pdf. Acesso em 04/10/2019.

MINAS GERAIS. Guia de Orientação da Educação Especial na rede estadual de ensino de Minas Gerais. Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais, versão 3, 2014. Disponível em: http://www.espacoprofessor.com/2017/02/guia-de-orientacao-da-educacao-especial.html. Acesso em 11/11/2019.

PARENTE, C. M. D. Escolas Multisseriadas: a experiência internacional e reflexões para o caso brasileiro. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.22, n. 82, p. 57-88, jan./mar. 2014.

RODRIGUES, C. L. Educação no meio rural: Um estudo sobre salas multisseriadas. Dissertação. Universidade Federal de Minas Gerais, 2009. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/FAEC-8MAHYM. Acesso em 02/10/2019.

SAMPAIO, A. A. M. Orgs. Ler o Mundo com as Mãos e Ouvir com os Olhos: Reflexões sobre o Ensino de Geografia em Tempos de Inclusão. Uberaba – MG, 2011.

SANTOS, R. S. Educação do campo: classes multisseriadas e seus desafios pedagógicos. 11º enfope, 11º fopie, 2017. Disponível em: https://www.google.com/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=snfope%2Farticle%2Fdownload%2F5363%601. Acesso em 01/10/2019.

SILVEIRA, R. A. M. Formação e “deformação” docente. In Ler o Mundo com as Mãos e Ouvir com os Olhos: Reflexões sobre o Ensino de Geografia em Tempos de Inclusão. Uberaba – MG, 2011.

ZEFERINO, V. M. A educação do campo e seus desafios. TCC. Universidade Federal do Paraná, 2014. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/ha20ZEFE&isAllowed=y. Acesso em 04/10/2019.

Downloads

Publicado

2020-03-25

Como Citar

Santos Rocha, Ícaro, & Pereira dos Santos, D. (2020). REFLEXÕES SOBRE O ENSINO DE GEOGRAFIA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA EM SALA MULTISSERIALIZADA. Revista Ciranda, 4(1), 41-53. Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/ciranda/article/view/1570

Edição

Seção

Artigos