Paisagens e empirismo, elementos constitutivos das experiências em Geografia: um estudo sobre as veredas do chapadão de Catalão (Goiás)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22238/rc2448269220181602213239

Palavras-chave:

Trabalho de Campo. Região. Cerrado. Drenagem. Agronegócio.

Resumo

O presente artigo apresenta os resultados de um trabalho de campo que teve como área de estudo as veredas do chapadão de Catalão (Goiás, Brasil), nos municípios de Goiandira, Catalão e Ipameri, onde as mudanças no uso do solo são constantes, pois as chapadas são formas de relevo mecanizadas, adubadas e irrigadas que sofreram grande emprego de agrotóxicos nas últimas décadas. Partiu-se do levantamento bibliográfico, fotográfico e de observações empíricas, sendo que o desenvolvimento desta investigação vem ao encontro do método e das técnicas das pesquisas qualitativas que enfatizam a participação dos pesquisadores no contexto estudado. Entre os conceitos trabalhados neste texto estão paisagem, percepção e veredas, com destaque para as obras de Bertrand (1968), Ab’Sáber (1969), Rougerie (1971), Bernaldez (1981), Ribeiro (1989), Christofoletti (1993), Santos (1997), Feltran Filho (1997), Ferreira (2006), entre outros. Esses teóricos mostram que, ao analisar uma paisagem, é preciso considerar fatores condicionados à ecologia, como usos do solo, percepção, compreensão e gerenciamento dela.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jean Carlos Vieira Santos, Universidade Estadual de Goiás - UEG, Anápolis, Goiás, Brasil.

Possui Graduação, Mestrado e Doutorado em Geografia pela Universidade Federal Uberlândia (UFU). Atualmente é Professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGEO/Unidade Cora Coralina) e do Programa de Pós-Graduação em Territórios e Expressões Culturais no Cerrado (PPG-TECCER/Anápolis) da Universidade Estadual de Goiás (UEG).

 

Vandervilson Alves Carneiro, Universidade Estadual de Goiás - UEG, Anápolis, Goiás, Brasil.

Possui Graduação em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP); Mestrado e Doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Atualmente é Professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGEO/Unidade Cora Coralina) da Universidade Estadual de Goiás (UEG).

Lorranne Gomes da Silva , Universidade Estadual de Goiás - UEG, Anápolis, Goiás, Brasil.

Possui Graduação em Geografia pela Universidade Estadual de Goiás (UEG); Mestrado e Doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Atualmente é Professora do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGEO/Unidade Cora Coralina) da Universidade Estadual de Goiás (UEG).

Vinícius Polzin Druciaki, Universidade Estadual de Goiás - UEG, Anápolis, Goiás, Brasil.

Possui Graduação em Geografia pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO); Mestrado em Geografia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e Doutorado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Atualmente é Professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGEO/Unidade Cora Coralina) da Universidade Estadual de Goiás (UEG).

Referências

AB’SÁBER, A. N. Formas de relevo. São Paulo: EDART, 1982.

AB’SÁBER, A. N. Os domínios de natureza do Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê, 2003.

AB’SÁBER, A. N. Um conceito de geomorfologia a serviço das pesquisas sobre o quaternário. Geomorfologia, São Paulo, n. 18, n.p., 1969.

AGUIAR, L. M. S.; MACHADO, R. B.; MARINHO FILHO, J. A diversidade biológica do cerrado. In: AGUIAR, L. M. S.; CAMARGO, A. J. A. Cerrado: ecologia e caracterização. Planaltina: Embrapa Cerrados; Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2004, p. 19-42.

ALLISON, R. J.; THOMAS, D. S. G. Landscape sensitivity. New York: John Wiley & Sons, 1993.

ARAÚJO, A. D.; FREITAS, M. de O.; BAGGIO FILHO, H. Qualidade ambiental da água superficial do córrego Quatro Vinténs no município de Diamantina-MG. Cerrados, Montes Claros, v. 14, n. 1, p. 77-95, jan./jun. 2016.

ARRUDA, G. Cidades e sertões: entre a história e a memória. Bauru: EDUSC, 2000.

BARBOSA, A. S.; MAGALHÃES, T. Cerrado: “dor fantasma” da biodiversidade brasileira. Revista do Instituto Humanitas Unisinos, São Leopoldo, n. 382, p. 11-15, 2011.

BERNALDEZ, F. G. Ecologia y paisaje. Madrid: H. Blume, 1981.

BERTRAND, G. Paisagem e geografia física global – esboço metodológico. Cadernos de Ciências da Terra, São Paulo, n. 13, p. 1-27, 1968.

BOLÓS, M. C. Problemática actual de los estudios de paisaje integrado. Revista de Geografia, Barcelona, v. 15, n. 1-2, p. 45-68, 1981.

BRASIL. Lei n. 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis n. 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis n. 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória n. 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 28 maio 2012. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm>. Acesso em: 20 abr. 2018.

CARNEIRO, V. A. Concepções de trabalho de campo e ensino de Geografia nas licenciaturas do Sudeste Goiano. 2009. 272f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2009.

CARVALHO, A. C. A. Análise ambiental de um subsistema de vereda em unidades de conservação: Reserva Ecológica do IBGE – RECOR e Estação Ecológica de Águas Emendadas – ESECAE/DF. 2015. 127f. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

CARVALHO, P. G. S. As veredas e sua importância no domínio dos cerrados. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v. 15, n. 168, p. 54-56, 1991.

CASTROGIOVANNI, A. Ensino de geografia: práticas e textualizações no cotidiano. Porto Alegre: Mediação, 2000.

CHRISTOFOLETTI, A. A inserção da geografia física na política de desenvolvimento sustentável. Geografia, Rio Claro, n. 18, p. 1-22, 1993.

COLL, C.; TEBEROSKY, A. História e Geografia. São Paulo: Ática, 2000.

CRUZ, O. A ilha de Santa Catarina e o continente próximo: um estudo de geomorfologia costeira. Florianópolis: EdUFSC, 1998.

CURI, N. Vocabulário de ciência do solo. Campinas: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 1993.

DEMO, P. Pesquisa qualitativa: busca de equilíbrio entre forma e conteúdo. Revista Latino-Americana, Ribeirão Preto, v. 6, n. 2, p. 89-104, abr. 1998.

FELTRAN FILHO, A. A estruturação das paisagens nas chapadas do Oeste Mineiro. 1997. 252f. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.

FERREIRA, I. M. Bioma cerrado: caracterização do subsistema de vereda. In: ENCONTRO REGIONAL DE GEOGRAFIA, 9., 2005, Porto Nacional. Anais... Porto Nacional: EREGEO, 2005.

FERREIRA, I. M. Modelos geomorfológicos das veredas em ambiente de cerrado. Espaço em Revista, Catalão, v. 7/8, n. 1, p. 7-16, jan./dez. 2006.

GOODEY, B.; GOLD J. Geografia do comportamento e da percepção. Belo Horizonte: EdUFMG, 1986.

GUERRA, A. T. Dicionário geológico-geomorfológico. Rio de Janeiro: FIBGE, 1978.

JARDÍ, M. Paisage: una síntesis geográfica. Revista de Geografia, Barcelona, v. 24, p. 43-60, 1990.

LOPES, D. L. Diário de campo: o registro da reconstrução da natureza e da cultura. In: WHITAKER, D. C. A. Sociologia rural: questões metodológicas emergentes. Presidente Venceslau: Letras à Margem, 2002, p. 135-142.

MACIEL, A. B. C.; LIMA, Z. M. C. O conceito de paisagem: diversidade de olhares. Sociedade e Território, Natal, v. 23, n. 2, p. 159-177, jul./dez. 2011.

MARIA, V. R. B. Inventário florístico das áreas úmidas do Rio Formoso, município de Bonito, MS. Bonito: Fundação Neotrópica do Brasil, 2009.

MARTINS, R. A. Aplicação do geoprocessamento no estudo integrado das áreas de preservação permanentes nos municípios de Morrinhos e Caldas Novas-GO. 2010. 171f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Goiás, Catalão, 2010.

MEIRELLES, M. L.; GUIMARÃES, A. J. M.; OLIVEIRA, R. C.; ARAÚJO, G. M.; RIBEIRO, J. F. Impactos sobre o estrato herbáceo de áreas úmidas do cerrado. In: AGUIAR, L. M. S.; CAMARGO, A. J. A. Cerrado: ecologia e caracterização. Planaltina: Embrapa Cerrados, 2004, p. 41-68.

MORAES, A. C. R. Geografia: pequena história crítica. São Paulo: Hucitec, 1990.

OLIVEIRA FILHO, A. T. Floodplain “murundus” of Central Brazil: evidence for the termite – origin hypothesis. Journal of Tropical Ecology, Cambridge, v. 8, n. 1, p. 1-19, 1992.

OLIVEIRA FILHO, A. T.; FURLEY, P. A. Monchão, cocuruto, murundu. Ciência Hoje, São Paulo, n. 11, p. 30-37, 1990.

OLIVEIRA, L. Contribuição dos estudos cognitivos à percepção geográfica. Rio Claro: UNESP, 1977.

OLIVEIRA, L.; MACHADO, L. M. C. P. Paisagem & paisagens. In: ENCONTRO INTERDISCIPLINAR SOBRE O ESTUDO DA PAISAGEM, 3., 1998, Rio Claro. Anais... Rio Claro: UNESP, 1998.

RIBEIRO, A. G. Paisagem e organização espacial na região de Palmas e Guarapuara. 1989. 336f. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1989.

RIBEIRO, A. G. Teoria da paisagem aplicada ao desenvolvimento rural sustentado. In: ENCONTRO DE GEÓGRAFOS DA AMÉRICA LATINA, 8., 2001, Santiago. Anais... Santiago: EGAL, 2001.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. T. Campo limpo. s.d. Disponível em: <http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Agencia16/AG01/arvore/AG01_37_911200585233.html>. Acesso em: 18 out. 2017.

ROSA, J. G. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: José Olympio, 1956.

ROSS, J. L. S. Geomorfologia, ambiente e planejamento. São Paulo: Contexto, 2000.

ROUGERIE, G. Geografia das paisagens. São Paulo: Difusão Europeia, 1971.

SANTOS, M. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1997.

SANTOS, R. J. Pesquisa empírica e trabalho de campo: algumas questões acerca do conhecimento geográfico. Sociedade & Natureza, Uberlândia, n. 11, n.p., jan./dez. 1999.

STEINKE, V. A. Uso integrado de dados digitais morfométricos (altimetria e sistema de drenagem) na definição de unidades geomorfológicas no Distrito Federal. 2007. 229f. Tese (Doutorado) – Universidade de Brasília, Brasília, 2007.

STURZA, J. A. I. Paisagem e organização espacial na bacia do Ribeirão Ponte de Pedra-MT. 1999. 104f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 1999.

TUBELIS, D. P. Veredas and their use by birds in the cerrado, South America: a review. Biota Neotropica, Campinas, v. 9, n. 3, p. 363-374, 2009.

UFG. Universidade Federal de Goiás. Novas espécies de plantas são descobertas por pesquisadora da Regional Jataí. s.d. Disponível em: <https://jatai.ufg.br/n/90652-novas-especies-de-plantas-sao-descobertas-por-pesquisadora-da-regional-jatai>. Acesso em: 18 out. 2017.

VELOSO, M. P. Visita técnica – uma investigação acadêmica. Goiânia: Kelps, 2000.

WIKIPÉDIA. Microrregião de Catalão. s.d. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Microrregi%C3%A3o_de_Catal%C3%A3o>. Acesso em: 22 out. 2017.

Downloads

Publicado

2018-12-30

Como Citar

SANTOS, . J. C. V.; CARNEIRO, . V. A.; SILVA , L. G. da .; DRUCIAKI, V. P. . Paisagens e empirismo, elementos constitutivos das experiências em Geografia: um estudo sobre as veredas do chapadão de Catalão (Goiás). Revista Cerrados, [S. l.], v. 16, n. 02, p. 213–239, 2018. DOI: 10.22238/rc2448269220181602213239. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/918. Acesso em: 4 jul. 2022.