O Mercado Municipal de Araguaína/TO como propulsor de alimentos do cerrado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22238/rc24482692202018014465

Palavras-chave:

Conservação da biodiversidade. Segurança alimentar e nutricional. Tocantins.

Resumo

Este estudo teve como objetivo compreender a importância do Mercado Municipal de Araguaína/TO como propulsor de alimentos do cerrado, gerando segurança alimentar e nutricional aos feirantes e aos consumidores, visto que acontece primeiramente o autoconsumo e posteriormente a comercialização, garantindo renda e sustento às famílias. O delineamento utilizado foi o estudo de caso. Foram aplicados questionários semiestruturados junto aos feirantes do Mercado Municipal, no período de setembro à novembro de 2019, além de levantamento de material bibliográfico e registro fotográfico. Os resultados mostram que houveram diversos conflitos entre feirantes e comerciantes para posterior implementação pelo poder público do Mercado Municipal de Araguaína, o que aconteceu em 1978, garantindo assim, inclusão social e renda, fortalecimento da cadeia produtiva dos frutos do cerrado, além da promoção da segurança alimentar entre feirantes e consumidores locais. Porém, esses alimentos estão ameaçados com o avanço da soja e pecuária sobre o bioma cerrado, comprometendo a diversidade de produtos ofertados pelos feirantes do Mercado Municipal em Araguaína.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Osmar Oliveira de Moura, Universidade Federal do Tocantins – UFT, Araguaína, Tocantins, Brasil

Possuiu Graduação em Geografia pela Universidade Federal do Tocantins (UFT). Atuou como bolsista CAPES no Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID). Atualmente é Membro do Grupo de estudos “Educação para e no século XXI: diálogos interdisciplinares, escritas e eventos acadêmicos” e Grupo de Estudos Agrários e Direitos Humanos (GEADH/UFT).

Ana Caroline Pereira dos Santos, Universidade Federal do Tocantins – UFT, Araguaína, Tocantins, Brasil

Possuiu Graduação em Geografia pela Universidade Federal do Tocantins (UFT). Bolsista do CNPq com o projeto de pesquisa intitulado “Dinâmica da Paisagem da microrregião geográfica de Araguaína/TO: subsídios para o planejamento e conservação ambiental” e integrante do grupo de pesquisa Análise da paisagem, conservação da biodiversidade e agroecologia na Amazônia Legal (GeoPaisagem).

Silvania Reis de Araújo, Universidade Federal do Tocantins – UFT, Araguaína, Tocantins, Brasil

Graduanda em Geografia pela Universidade Federal do Tocantins (UFT).

Maurício Ferreira Mendes, Universidade Federal do Tocantins – UFT, Araguaína, Tocantins, Brasil

Possuiu Graduação em Biologia e Geografia pela Universidade do Estado do Mato Grosso (UNEMAT), Mestrado em Ambiente e Sistemas de Produção Agrícola pela Universidade do Estado do Mato Grosso (UNEMAT) e Doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Goiás (UFG). É professor do curso de Geografia da Universidade Federal do Tocantins (UFT), Câmpus Araguaína, e colaborador do programa de mestrado em Demandas Populares e Dinâmicas Regionais (PPGDire). Líder do grupo de pesquisa Análise da paisagem, conservação da biodiversidade e agroecologia na Amazônia Legal (GeoPaisagem).

Referências

AB' SABER, A. N. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

BARBOSA, M. G. R. O Mercado Municipal de Araguaína: um Enfoque Sobre Comércio Informal. 2010. 30 f. Monografia (Graduação em Geografia) – Universidade Federal do Tocantins, Araguaína/TO, 2010.

BARROS, I. F. O agronegócio e a atuação da burguesia agrária: considerações da luta de classes no campo. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 131, p.175-195, 2018.

BEZERRA, J. L. M. Educação Patrimonial: novas perspectivas para o ensino de História. 2016. 119 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de História). Universidade Federal do Tocantins, Araguaína/TO, 2016.

BRASIL. Lei nº 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11346.htm. Acesso em: 16 dez. 2019.

CASTILLO, R. Agronegócio e Logística em áreas de cerrado: expressão da agricultura científica globalizada. Revista da ANPEGE, João Pessoa, v. 3, n. 3, p. 21-27, 2007.

CASTILHO, D. CHAVEIRO, E. F. Por uma análise territorial do cerrado. In: PELÁ, M.; CASTILHO, D. (Orgs.). Cerrados: perspectivas e olhares. Goiânia: Editora Vieira, 2010. p.35-50.

CASTRO, I. E. Geografia política: território, escalas de ação e instituições. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

CHAVEIRO, E. F.; BARREIRA, C. C. M. A. Cartografia de um pensamento de cerrado. In: PELÁ, M.; CASTILHO, D. (Orgs.). Cerrados: perspectivas e olhares. Goiânia: Editora Vieira, 2010. p. 15-33.

COSTA, L. D. Relações sociais na cidade de Araguaína: um enfoque sobre o mercado municipal (1971-2005). 2005. 32 f. Monografia (Graduação em História). Universidade Federal do Tocantins, Araguaína/TO, 2005.

CONSERVAÇÃO INTERNACIONAL. Relatório anual de atividades. 2005. Disponível em: https://www.conservation.org/docs/default-source/brasil/ci-relatorio-anual-de-atividades-2005-baixa-150.pdf?sfvrsn=d657d7e8_2. Acesso em: 10 dez. 2019.

DROST, S.; KUEPPER, A. B.; PIOTROWSKI, P. M; ADVISERS, C. Tocantins: um hotspot para o desmatamento do cerrado. 2019. Disponível em: https://chainreactionresearch.com/wp-content/uploads/2019/04/CRR_Tocantins-Report-Portuguese.pdf. Acesso em: 06 out. 2019.

EMBRAPA CERRADOS. Manejo e aproveitamento de frutas nativas do cerrado. Brasília: Embrapa Cerrados, 2004.

EQUIPO PLANTEL. O que são classes sociais? São Paulo: Boitatá, 2016.

GANEM, R. S.; DRUMMOND, J. A.; FRANCO, J. L. A. Ocupação humana e impactos ambientais no bioma cerrado: dos bandeirantes à política de biocombustíveis. In: IV Encontro Nacional da Anppas, 2008, Brasília. p. 1-20. Disponível em: http://www.anppas.org.br/encontro4/cd/ARQUIVOS/GT5-484-211-20080518092403.pdf. Acesso em: 06 fev. 2019.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D.; T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

HASHIZUME, M. Município do Tocantins lidera ranking de soja e de pobreza. Disponível em: https://reporterbrasil.org.br/2009/07/municipio-do-tocantins-lidera-ranking-de-soja-e-de-pobreza/. Acesso em: 21 dez. 2019.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Índice de Desenvolvimento Humano. 2010. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/to/pesquisa/37/30255?tipo=ranking&localidade1=170384. Acesso em: 22 dez. 2019.

KLINK, C. A.; MACHADO, R. B. A conservação do cerrado brasileiro. Revista Megadiversidade, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 147-155, 2005.

LIMA, D. A. Terra, trabalho e acumulação: o avanço da soja na região Matopiba. 2019. 291 f (Doutorado em Geografia) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociências, Campinas, SP, 2019.

MAZOYER, M.; ROUDART, L. História das agriculturas no mundo do neolítico à crise contemporânea. São Paulo: Editora UNESP, 2008.

MENDES, M. F. Políticas públicas em assentamentos rurais: potencialidades e limitações do PAA e do PNAE em Mato Grosso. 2017. 234 f. Tese (Doutorado) Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Socioambientais (IESA/UFG), Programa de Pós-Graduação em Geografia, Goiânia, 2017.

MENDES, M. F.; NEVES, S. M. A. S.; MACHADO, T. S. The Food Acquisition Program as an inducer of food sovereignty. Mercator, Fortaleza, v. 18, e18024, p. 1-15, 2019.

MONTEIRO, D. C. B.; PIRES, C. R. F. Avaliação da estabilidade físico-química de geleias de murici armazenadas sob diferentes condições de temperatura e luminosidade. Revista Desafios, Palmas, v. 03, n. especial, p. 87-98, 2016.

OLIVEIRA, A. G.; COSTA, M. C. D.; ROCHA, S. M. B. M. Benefícios funcionais do açaí na prevenção das doenças cardiovasculares. Journal of Amazon Health Science, v. 1, n.1, p.1-10, 2015.

PUHL, V. J. De uma agricultura sustentada à sustentável. Caderno Mato Grosso Sustentável e Democrático. Cuiabá: Formad, 2006. p. 71-83.

RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do poder. SP: Ática, 1993.

REIS, A. F.; SCHMIELE, M. Características e potencialidades dos frutos do cerrado na indústria de alimentos. Brazilian Journal of Food Technology, Campinas, v. 22, p. 1-12, 2019.

RIBEIRO, C. L.; PEREIRA, R. J.; PIRES, C. R. F.; LACERDA, G. E.; NASCIMENTO, G. N. L. Composição centesimal e aspectos físico-químicos dos frutos da bacaba (Oenocarpus distichus Mart.). Revista Cereus, Gurupi, v. 9, n. 3, p. 153-170, 2017.

RODRIGUES, E. T. Frutas do cerrado: a influência do cerrado na diversificação da gastronomia. 2004. 88 f. Monografia (Pós-graduação em Gastronomia e Segurança Alimentar), Universidade de Brasília, Brasília/DF, 2004.

SILVA, R. A. Desigualdades socioespaciais na cidade média de Araguaína-TO. 2016. 181 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Estadual do Ceará, Centro de Ciências e Tecnologia, Fortaleza, 2016.

SOUZA, L. B. Implicações climática de um modelo neodesenvolvimentista: impactos, riscos e injustiças no estado do Tocantins, Brasil. Revista Brasileira de Climatologia, Curitiba, v. 19, n. 12, p. 129-145, 2016.

TUAN, YI-FU. Espaço e Lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: DIFEL, 1983.

ZUNINGA, A.; COQUEIRO, K. T. O.; SIQUEIRA, M. A. S. Capacidade antioxidante de frutos nativos do cerrado (Hancornia speciosa, Campomanesi axanthocarpa, Eugenia dysenterica) uma breve revisão. Revista Desafios, Palmas, v. 5, n. 1, p. 128-134, 2018.

Downloads

Publicado

2020-04-08

Como Citar

OLIVEIRA DE MOURA, O.; PEREIRA DOS SANTOS, A. C.; REIS DE ARAÚJO, S.; FERREIRA MENDES, M. . O Mercado Municipal de Araguaína/TO como propulsor de alimentos do cerrado. Revista Cerrados, [S. l.], v. 18, n. 01, p. 44–65, 2020. DOI: 10.22238/rc24482692202018014465. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/844. Acesso em: 20 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Categorias