Memória, afeição ao lugar e política: um olhar sobre o patrimônio em seus enredos derivados da geograficidade humana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202005

Palavras-chave:

Lugar. Patrimônios Material e Imaterial. Patrimônio X Estado.

Resumo

O objetivo deste trabalho é realizar uma análise sobre a constituição do patrimônio cultural de forma que se agreguem à problematização sobre o tema, visões que contribuam para o entendimento do estabelecimento da relação de pertencimento do Homem com o Lugar, na tentativa de obter uma compreensão do Patrimônio enquanto elemento de afeto e segurança para o sujeito no ambiente e no que concerne às conexões deste com o Estado. Para tanto utilizou-se basicamente como metodologia a reelaboração / retrabalhamento bibliográficos. Pôde-se refletir que o patrimônio cultural vem ganhando destaque em políticas governamentais que, em certa medida, valorizam a democracia cultural no que concerne às formas e as expressões que o Ser Humano recria e reinventa no Lugar e em seu imaginário, firmando o sentido do patrimônio na sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rahyan de Carvalho Alves, Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES, Montes Claros, Minas Gerais, Brasil

Possui Graduação em Geografia pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES), Mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Atualmente é Professor da Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES) e cursa Doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

José Antônio Souza de Deus, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Possui Graduação em Geologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Mestrado e Doutorado em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Atualmente é Professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Referências

ALMEIDA, Maria Geralda. Patrimônio e meandros políticos para pensar sua gestão. OLAM - Ciência & Tecnologia. Rio Claro (SP), ano XII, pp.148-166, jan./dez. 2012.

ALVES, Renato. Os 10 hábitos da memorização: desenvolva uma memória de elefante. São Paulo (SP): Gente, 2009. p.11-19.

CERQUEIRA, Letícia Mourão. Patrimônio cultural, políticas urbanas e de preservação: os casos de Diamantina/MG e Tiradentes/MG. 2006. 378 f. Dissertação. Programa de Pós-graduação da Escola de Arquitetura. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte (MG), 2006.

CHOAY, François. A alegoria do patrimônio. Tradução de Luciano Vieira Machado. 4. ed. São Paulo (SP): Estação Liberdade; UNESP, 2006. 282 p.

COSTA, Everaldo Batista. A dialética da construção destrutiva na consagração do Patrimônio Mundial. São Paulo (SP): Humanitas: FAPESP, 2009. 308p.

CURY, Isabelle. A construção do conceito de Paisagem Histórica Urbana. In.: 2º Colóquio Ibero-Americano: Paisagem cultural. Belo Horizonte (MG) [Anais...], 2012. p. 01-15.

FUNARI, Pedro Paulo; PELEGRINI, Sandra de Cássia Araújo. Patrimônio Histórico e Cultural. Rio de Janeiro (RJ): Jorge Zahar, 2006. 72 p.

GASTAL, Suzana. Alegorias urbanas: o passado como subterfúgio. Campinas (SP): Papirus, 2006. 220 p.

GHIRARDELLO, Nilson; SPISSO, Beatriz. Patrimônio histórico: como e por que preservar. Grupo de Trabalho Patrimônio Histórico e Arquitetônico. Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado de São Paulo. Bauru (SP): Canal 6, 2008. 36 p.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Monumentalidade e cotidiano: os patrimônios culturais como gênero de discurso. In: OLIVEIRA, Lúcia Lippi (Org.). Cidade: história e desafios. Rio de Janeiro (RJ): Fundação Getúlio Vargas, 2002. p.108-123.

ICOMOS. Carta internacional sobre a conservação e o restauro dos monumentos e dos sítios. Ministério da Cultura. Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional. Brasília (DF), 2007.

IPHAN. Comitê técnico da candidatura do Rio à Patrimônio Mundial. Ministério das Relações Exteriores. Ministério da Cultura. Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional. Brasília (DF), 2012. 335 p.

IPHAN. Cidades e os seus patrimônios. Ministério da Cultura. Cultura. Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional. Brasília (DF), 2018. 131 p.

LIMA, Fernanda Pedrosa. Diagnóstico sobre a institucionalização e a efetividade do planejamento em municípios históricos: “Diamantina e Tiradentes”. 2008. 310f. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte (MG), 2008.

NASCIMENTO, Ricardo Pereira. Revoluções e pensamentos em guerra: Algumas leituras. Campinas (SP): Papirus, 2011. 178 p.

SILVA, Fernando Fernandes. As cidades brasileiras e o Patrimônio Cultural da Humanidade. São Paulo (SP): EdUSP, 2003. 204 p.

SIMÃO, Maria Cristina Rocha. Preservação do patrimônio cultural em cidades. Belo Horizonte (MG): Autêntica, 2001. 102 p.

TUAN, Yi-Fu. Espaço, tempo, lugar: um arcabouço humanista. Tradução de Werther Holzer. Geograficidade, v.01, n.01, p.08-19, 2011.

UNESCO. Patrimônio mundial no Brasil. 3ª. Edição. Ministério da Cultura. Caixa Econômica Federal. Brasília (DF), 2005. 107 p.

UNESCO. Textos fundamentais da Convenção do Patrimônio Mundial de 1972. Ministério da Cultura. Caixa Econômica Federal. Brasília (DF), 2013. 104 p.

Downloads

Publicado

2020-06-30

Como Citar

ALVES, R. de C.; SOUZA DE DEUS, . J. A. Memória, afeição ao lugar e política: um olhar sobre o patrimônio em seus enredos derivados da geograficidade humana. Revista Cerrados, [S. l.], v. 18, n. 01, p. 352–372, 2020. DOI: 10.46551/rc24482692202005. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/836. Acesso em: 4 jul. 2022.