ANÁLISE DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO EM RIOS URBANOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22238/rc2448269220201801107128

Palavras-chave:

Qualidade ambiental. Bacias urbanas. Recursos hídricos

Resumo

As Áreas de Preservação Permanente (APP) são áreas nas quais a vegetação deve ser mantida, a fim de se garantir a preservação dos recursos hídricos, a estabilidade geológica, a biodiversidade, e consequentemente o bem-estar humano. No entanto, quando localizadas ao entorno dos cursos hídricos, sobretudo em centros urbanos, as APP têm sido transformadas e ocupadas, gerando prejuízos ambientais e sociais. Diante do exposto, o objetivo deste trabalho foi avaliar os impactos ambientais sobre os aspectos água, solo e vegetação na APP do Ribeirão Anhumas em Campinas, São Paulo. Para tanto, utilizou-se de uma abordagem quali-quantitativa com objetivo exploratório, mediante a realização de uma pesquisa de campo e análise documental. Os resultados permitiram inferir que, os usos degradantes do solo aliados a sazonalidade de precipitação influenciam negativamente a qualidade da água do Ribeirão Anhumas. De forma complementar, as amostras de solo colhidas no Alto e Médio Curso indicam baixo teor de matéria orgânica, dificultando a estabilidade e retenção de água e desenvolvimento de vegetação. Verifica-se, portanto, a necessidade de aplicação de medidas de correção no solo e no curso d’água, para que estas áreas possam cumprir o estabelecido em legislação e funcionar como elemento de integração urbana e qualidade ambiental.

Palavras-chave: Qualidade ambiental. Bacias urbanas. Recursos hídricos.

 

ANALYSIS OF ENVIRONMENTAL IMPACTS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS (APP) AS A MANAGEMENT INSTRUMENT IN URBAN RIVERS

ABSTRACT

 Permanent Preservation Areas (APP) are areas in which vegetation must be maintained, in order to guarantee the preservation of water resources, geological stability, biodiversity, and consequently human well-being. However, when located around water courses, especially in urban centers, APPs have been transformed and occupied, generating environmental and social losses. Given the above, the aim of this study was to assess the environmental impacts on water, soil and vegetation in the APP of Ribeirão Anhumas in Campinas, São Paulo. For this purpose, a qualitative and quantitative approach was used with an exploratory objective, by conducting field research and documentary analysis. The results allowed to infer that the degrading uses of the soil allied to the seasonality of precipitation negatively influence the water quality of Ribeirão Anhumas. In a complementary way, the soil samples collected in the High and Medium Course indicate low organic matter content, hindering the stability and water retention and development of vegetation. Therefore, there is a need to apply corrective measures in the soil as well as in the watercourse, so that these areas can comply with the legislation and function as an element of urban integration and environmental quality. Keywords: Environmental quality. Urban basins. Water resources. 

 

ANÁLISIS DE LOS IMPACTOS AMBIENTALES EN EL ÁREA DE PRESERVACIÓN PERMANENTE (APP) COMO HERRAMIENTA DE GESTIÓN EN RÍOS URBANOS

RESUMEN

Las Áreas de Preservación Permanente (APP) son áreas en las que se debe mantener la vegetación, para garantizar la preservación de los recursos hídricos, la estabilidad geológica, la biodiversidad y, en consecuencia, el bienestar humano. Sin embargo, cuando se ubican alrededor de cursos de agua, especialmente en centros urbanos, las APP se han transformado y ocupado, generando pérdidas ambientales y sociales. Dado lo anterior, el objetivo de este estudio fue evaluar los impactos ambientales sobre el agua, el suelo y la vegetación en la APP de Ribeirão Anhumas en Campinas, São Paulo. Para este propósito, se utilizó un enfoque cualitativo y cuantitativo con un objetivo exploratorio, mediante la realización de investigaciones de campo y análisis documental. Los resultados permitieron inferir que los usos degradantes del suelo aliados a la estacionalidad de la precipitación influyen negativamente en la calidad del agua de Ribeirão Anhumas. De manera complementaria, las muestras de suelo recolectadas en el curso alto y medio indican un bajo contenido de materia orgánica, lo que dificulta la estabilidad y la retención de agua y el desarrollo de la vegetación. Por lo tanto, es necesario aplicar medidas correctivas en el suelo y en el curso de agua, para que estas áreas puedan cumplir con la legislación y funcionar como un elemento de integración urbana y calidad ambiental.

Palabras-clave: Calidad ambiental. Cuencas urbanas. Recursos hídricos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joice Machado Garcia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas – PUC-Campinas, Campinas, São Paulo, Brasil

Possuiu Graduação em Engenheira Ambiental e Sanitarista pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Atualmente é Mestranda e Bolsista CAPES do Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Infraestrutura Urbana pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas).

Regina Márcia Longo, Pontifícia Universidade Católica de Campinas – PUC/Campinas, Campinas, São Paulo, Brasil.

Possui Graduação em Agronomia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Mestrado e Doutorado em Engenharia Agrícola pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Docente e Pesquisadora do Programa de Pós Graduação em Sistemas de Infraestrutura Urbana pela PUC-Campinas (Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologia - CEATEC).

Referências

AGEITEC. Agência Embrapa de Informação Tecnológica. Árvore do Conhecimento. Glossário. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/especies_arboreas_brasileiras/arvore/CONT000g08hphpk02wx5ok026zxpg7c9wrkm.html. Acesso em: 20 ago. 2018

ALTOÉ, R. T.; OLIVEIRA, J. C.; RIBEIRO, C. A. Á. S. Sistema de informações geográficas na definição de corredores ecológicos para o município de Conceição da Barra - ES. Anais do Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Goiânia, GO, Brasil, 12. 2005. Disponível em: <http://marte.sid.inpe.br/col/ltid.inpe.br/sbsr/2004/11.20.16.25.12/doc/1995.pdf>. Acesso em: 10 mai. 2019

APHA. American Public Health Association. (2005). Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater. Washington: APHA.

BASSO, L. A.; MOREIRA, L. G. R.; PIZZATO, F. A influência da precipitação na concentração e carga de sólidos em cursos d’água urbanos: o caso do arroio Dilúvio, Porto Alegre-RS. Geosul, v. 26, n. 52, p. 145-16, 2011. https://doi.org/10.5007/2177-5230.2011v26n52p145

BRASIL. Resolução nº357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes. Diário Oficial da União de 18 de março de 2005. p.58-63. Disponível em: <http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=459>. Acesso em: 23 ago. 2019.

BRASIL. Fundação Nacional de Saúde. Manual prático de análise de água. 2013. Brasília: Fundação Nacional de Saúde (FUNASA). Disponível em: <http://www.funasa.gov.br/site/wp-content/files_mf/manual_pratico_de_analise_de_agua_2.pdf>. Acesso em: 23 set. 2018.

CARPI JUNIOR, S. et al. Levantamento de riscos ambientais na bacia do ribeirão das Anhumas. In: TORRES, R. B. et al. Recuperação ambiental, participação e poder público: uma experiência em Campinas. p. 262-302, 2006. Campinas: IAC/UNICAMP. Disponível em: <http://www.iac.sp.gov.br/projetoanhumas/pdf/riscos_ambientais_bacia_ribeirao_anhumas.pdf>. Acesso em: 02 ago. 2018.

CETESB. Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Guia nacional de coleta e preservação de amostras: água, sedimento, comunidades aquáticas e efluentes líquidos. São Paulo: CETESB; Brasília: ANA. Disponível em: <http://arquivos.ana.gov.br/institucional/sge/CEDOC/Catalogo/2012/GuiaNacionalDeColeta.pdf>. Acesso em: 02 ago. 2018.

COSTA, M. O. Impactos ambientais a partir das atividades agrícolas em áreas instáveis da Serra da Jurema/PB. 2012. 30 f. TCC (Graduação em Geografia e Território: Planejamento Rural, Urbano e Ambiental) - Universidade Estadual da Paraíba, Guarabira, 2012.

EMPLASA. Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano S/A. Produtos Cartográficos. Ortofotos Digitais. 2010. São Paulo.

GALVANI, E.; LIMA, N. G. B. Fotografias hemisféricas em estudos microclimáticos: referencial teórico-conceitual e aplicações. Ciência e Natura, v. 36, p. 215-221, 2014. Disponível em: <http://oaji.net/articles/2017/1602-1487593551.pdf>. Acesso em 14 set. 2018.

GARCIA, J. C. et al. Fontes de adubação potássica na lixiviação de potássio em neossolo quartzarênico. Revista Eletrônica Thesis, v. 24, p. 76-89, 2015. Disponível em: <http://www.cantareira.br/thesis2/ed_24/materia5.pdf>. Acesso em 30 ago. 2019.

GARCIA, J. M. et al. Uso de fotografias hemisféricas para avaliação da qualidade ambiental na Mata de Santa Genebra, Campinas-SP, Brasil. Ciência Florestal, v. 28, n. 1, p. 175-190, 2018. http://dx.doi.org/10.5902/1980509831651

GROSTEIN, M. D. Metrópole e expansão urbana: a persistência de processos insustentáveis. São Paulo em Perspectiva, v. 15, n.1, p. 13-19, 2001. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-88392001000100003

HORBE, A. M. C. et al. Contribuição à hidroquímica de drenagens no município de Manaus - AM. Acta Amazônica, v. 35, p. 119-12, 2005. http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672005000200002

HULSMEYER, A. F.; MACEDO, S. S. APPs urbanas e as mudanças no Código Florestal: diretrizes para a legislação municipal. In: X Colóquio Quapá-SEL, Brasília, 2015.

KIEHL, E. J. Manual de edafologia: relações solo planta. 1979. São Paulo: Ceres.

KLEIN, C.; AGNE, S. A. A. Fósforo: de nutriente à poluente!. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, Santa Maria, v. 8, n. 8, p.1713-1721, 2013. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/reget/article/viewFile/6430/pdf>. Acesso: 31 jul. 2019.

LADWIG, N. I.; DAGOSTIM, V.; BACK, A. J. Análise da paisagem da região carbonífera do estado de Santa Catarina, Brasil, realizada com imagens de satélite. Ra’eGa, v. 43, p. 93-107, 2018. http://dx.doi.org/10.5380/raega.v43i0.50813

LIMA, W. P.; ZÁKIA, M. J. B. As Florestas Plantadas e Água: Implementando o conceito de Microbacia Hidrográfica como Unidade de Planejamento. São Carlos: Rima Editora, 2006.

LOBÓN, G. S. et al. Influência das chuvas na qualidade da água distribuída ao consumo humano. Anais da Exposição de Experiências Municipais em Saneamento, Poços de Caldas, MG, Brasil, 19, 2015. Disponível em: <http://www.trabalhosassemae.com.br/sistema/repositorio/2015/1/trabalhos/5/1/t1t1e1a2015.pdf>. Acesso em 24 nov. 2018.

LONGO, R. M. et al. Environmental indicators in forest fragments from urban watershed. WIT Transactions on Ecology and the Environment, v. 215, p. 121-132, 2018. http://dx.doi.org/10.2495/EID180111

LONGO, R. M. et al. Environmental quality in urban forests in Campinas – Sao Paulo State/Brazil. International Journal of Environmental Impacts, v. 2, n. 2, p. 117–130, 2019. http://dx.doi.org/10.2495/EI-V2-N2-117-130

LUZ, L. M. et al. Estudo geoambiental em bacias urbanas em Belém – PA. Boletim Amazônico de Geografia, v. 1, n. 2, p. 145-160, 2014. http://dx.doi.org/10.17552/2358-7040/bag.v1n2p145-160

MENEZES, J. P. C. et al. Relação entre padrões de uso e ocupação do solo e qualidade da água em uma bacia hidrográfica urbana. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 21, n. 3, p. 519-534, 2016. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-41522016145405

METZGER, J. Estrutura da paisagem: o uso adequado de métricas. In: CULLEN JUNIOR, L.; PÁDUA, C. V.; RUDRAN, R. Métodos de estudos em biologia da conservação e manejo da vida silvestre. Curitiba, Editora da Universidade Federal do Paraná, 2003.

OLIVEIRA, J. S. S. Índices de vegetação (NDVI, IVAS, IAF, NDWI) como subsídio à gestão do uso e ocupação do solo na zona de amortecimento da Reserva Biológica de Saltinho, Pernambuco. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil. 2013. Disponível em: <https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10607>. Acesso em: 31 jul. 2019.

OLIVEIRA, T. H. et al. Avaliação espaço-temporal do Índice de área foliar e impacto das atividades antrópicas na Reserva Ecológica Estadual Mata São João da Várzea, Recife – PE. Anais do Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Curitiba, PR, Brasil, 15, 2011. Disponível em: <http://marte.sid.inpe.br/col/dpi.inpe.br/marte/2011/07.06.17.53/doc/p0525.pdf>. Acesso em 21 ago. 2019.

PEDROSO NETO, J. C. Análise do solo: determinações, cálculos e interpretação. Minas Gerais: EPAMIG, 2012. Disponível em: <http://docplayer.com.br/25596151-Analise-do-solo-determinacoes-calculos-e-interpretacao.html>. Acesso em 16 nov. 2018.

PIASENTIN, A. M. Índice de Qualidade da Água - IQA da bacia contribuinte do reservatório Tanque Grande, município de Guarulhos, SP. 2009. 165 f. Dissertação (Mestrado em Análise Geoambiental) - Universidade Guarulhos, Guarulhos, 2009.

RAIJ, B. V. et al. Recomendações de adubação e calagem para o Estado de São Paulo. Campinas: Instituto Agronômico & Fundação IAC, 1997. (Boletim Técnico 100).

RONQUIM, C. C. Conceitos de fertilidade do solo e manejo adequado para as regiões tropicais. Campinas: Embrapa Monitoramento Por Satélite, 2010.

SANTOS, J. S. M. Análise da paisagem de um corredor ecológico na Serra da Mantiqueira. Dissertação de mestrado, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, São José dos Campos, SP, Brasil. 2002.

SÃO PAULO. Decreto Estadual 10.755 de 22 de novembro de 1977. Dispõe sobre o enquadramento dos corpos d’água receptores na classificação prevista no Decreto n. 8.468 (1), de 8 de setembro de 1976, e dá providências correlatas. Diário Oficial do Estado, São Paulo, 22 de novembro de 1977. Caderno Executivo 1. p. 7. Recuperado em 28 novembro, 2018, de https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto/1977/decreto-10755-22.11.1977.html

SILVA, A. E. P. et al. Influência da precipitação na qualidade da água do Rio Purus. Acta Amazônica, v. 38, n. 4, p. 733-742, 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672008000400017

SILVA, A. P. M.; BARBOSA, A. A. Validação da função mancha de inundação do SPRING. Anais do Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Florianópolis, SC, Brasil, 13, 2007. Disponível em: <http://marte.sid.inpe.br/col/dpi.inpe.br/sbsr@80/2006/11.15.21.46.50/doc/5499-5505.pdf>. Acesso em: 16 ago. 2019.

SILVA, D. D. E.; FELIZMINO, F. T. A.; OLIVEIRA, M. G. Avaliação da degradação ambiental a partir da prática da cultura do feijão no município de Tavares-PB. Holos, v. 8, p. 148-165, 2015. Disponível em: <http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/2063/1318>. Acesso em: 08 jul. 2019.

SOUSA, D. M. G.; LOBATO, E. (Ed.). Cerrado: correção do solo e adubação. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2004.

SOUSA, E. M. S.; FERREIRA, E. A.; MORAES, M. V. A. R. Análise da intervenção antrópica no balneário Curva São Paulo em Teresina – PI. REGNE, v. 2, Edição Especial, p. 1058-1066, 2016. Disponível em: <https://periodicos.ufrn.br/revistadoregne/article/view/10568/7485>. Acesso em: 19 nov. 2018.

SOUSA, J. S. Áreas de Preservação Permanente Urbanas: mapeamento, diagnósticos, índices de qualidade ambiental e influência no escoamento superficial. Estudo de caso: Bacia do Córrego das Lajes, Uberaba, MG. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil), Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, Brasil. 2008. Disponível em: <https://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/14120/1/Joyce.pdf>. Acesso em: 18 nov. 2018.

SOUZA, A. D. G.; SOUZA, A. H. A influência da área urbana sobre a qualidade da água na bacia hidrográfica do Ribeirão dos Poços (Poços de Caldas, MG). HOLOS Environment, v. 15, n. 2, p. 139-151, 2015. http://dx.doi.org/10.14295/holos.v15i2.9441

SOUZA, C. A. et al. Correlação entre variáveis abióticas e biótica em água de abastecimento público em Goiás. Anais do Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental, São Paulo, SP, Brasil, 27, 2017. Disponível em: <https://www.tratamentodeagua.com.br/wp-content/uploads/2018/06/I-376.pdf>. Acesso em: 02 ago. 2019.

TEIXEIRA, P. C. et al. (Ed.). Manual de métodos de análise de solo. Brasília: Embrapa Solos, 2017.

TOGNON, A. A., DEMATTÊ, J. L. I.; DEMATTÊ, J. A. M. Teor e distribuição da matéria orgânica em latossolos das regiões da floresta amazônica e dos cerrados do Brasil central. Scientia Agricola, v. 55, n. 3, p. 343-354, 1998.

TORRES, R. B.; ADAMI, S. F.; COELHO, R. M. (Org.). Atlas socioambiental da bacia do ribeirão das Anhumas. Campinas: Pontes Editores, 2014. Disponível em: <http://www.iac.sp.gov.br/atlasanhumas/>. Acesso em: 24 abr. 2019.

YOSHIOKA, M. H.; LIMA, M. R. Experimentoteca de solos: pH do solo. Paraná: UFPR, 2005. Disponível em: <http://mecdb3.c3sl.ufpr.br:8080/xmlui/bitstream/handle/123456789/2179/ph do solo.pdf?sequence=1>. Acesso em: 29 maio 2018.

Publicado

2020-04-20

Como Citar

MACHADO GARCIA, J.; MÁRCIA LONGO, R. ANÁLISE DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO EM RIOS URBANOS. Revista Cerrados, v. 18, n. 01, p. 107-128, 20 abr. 2020.