Mudanças no uso e cobertura da terra em uma bacia hidrográfica da borda ocidental da Bacia Sedimentar do Paraná, em Campo Grande/MS

Autores

DOI:

10.46551/rc24482692202401

Palavras-chave:

Transformação da paisagem, Commodities, Pecuária, Degradação

Resumo

Neste trabalho foram analisadas as mudanças no uso e cobertura da terra em uma bacia hidrográfica que se encontra em zona de expansão da soja, na transição entre o planalto e a escarpa de erosão, na região central do estado de Mato Grosso do Sul. A análise foi conduzida utilizando a série histórica da Rede MapBiomas, coleção 7.1 (1985-2021). Nos anos de 2021, marcado por uma situação de seca, e 2023, com distribuição de chuvas dentro da média histórica, foram calculados índices radiométricos de vegetação a partir de imagens Sentinel-2. Esse refinamento permite observar as mudanças interanuais na cobertura e uso da terra e os efeitos da seca sobre a vegetação. Em 1985 a vegetação nativa composta por formações florestais, savânicas e campo alagado, ocupava 29,16% da área da Bacia Hidrográfica do Córrego Limpo (BHCL). Em 2021, a vegetação nativa aumentou para 30,02%, principalmente devido à regeneração natural em áreas de pastagens abandonadas em terrenos declivosos. Durante o período analisado, a classe de uso predominante foi pastagem, ocupando 50,04% da área em 1985 e 37,41% em 2021. A redução na área de pastagem é consequência do avanço da cultura da soja, que em 2021 correspondia a 11,81% da área total da BHCL. Apesar da área estar inserida em uma Unidade de Conservação de uso sustentável, os processos de degradação observados são os mesmos que os de áreas não protegidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Viviane Capoane, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul – UEMS, Campo Grande (MS), Brasil

É Graduada em Geografia e Mestre em Ciência do Solo pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), e Doutora em Geografia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Atualmente é Professora do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS).

 Endereço: Avenida Dom Antonio Barbosa (MS-080), 4.155. Campo Grande - MS. CEP 79115-898.

Referências

ALVARES, C. A. et al. Köppen‟s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, [S./l.], v. 22, n. 6, p. 711-728, 2014.

AMORIM, A. E. S.; CAPOANE, V. Classificação automatizada do relevo utilizando a ferramenta Geomorphons: estudo de caso para o município de Campo Grande - MS. Revista Brasileira de Geografia Física, [S./l.], v. 15, p. 750-766, 2022.

ARNETH, A.; BROWN, C.; ROUNSEVELL, M. D. A. Global models of human decision-making for land-based mitigation and adaptation assessment. Nature Climate Change, [S./l.], v. 4, n. 12, p. 550-557, 2014.

BOMBARDI, L. M. Atlas: Geografia do uso de agrotóxicos no Brasil e conexões com a União Europeia. São Paulo: FFLCH - USP, 2017 (Food and Agriculture Organization of the United Nations).

CAMPO GRANDE, Poder Executivo, Decreto Municipal n. 8.264, de 27 de julho de 2001. Cria a Área de Proteção Ambiental da Bacia do Córrego Ceroula – APA do Ceroula – localizada no município de Campo Grande-MS, e dá outras providências. Diário Oficial de Campo Grande - DIOGRANDE, Poder executivo. Campo Grande, MS. 2001.

CAPOANE, V.; CARVALHAL, H. O. D. Mudanças na cobertura e no uso da terra na bacia hidrográfica do córrego ceroula no período entre 1985 e 2021. Revista Pantaneira, [S./l.], v. 23, p. 1-18, 2024.

CAPOANE, V. Expansão da soja no estado de Mato Grosso do Sul no período entre 1988 e 2020. In: BARBOSA, E. F. F. M.; MARINHO, V. L. F.; GÜNTZEL, A. M. (Org.) Mato Grosso do Sul no início do século XXI: Integração e desenvolvimento urbano-regional. Campo Grande, MS: Life Editora, 2023. p. 25-38.

CAPOANE, V. Impactos do período seco e geadas no vigor da vegetação: estudo de caso para a bacia hidrográfica do córrego Guariroba, Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Revista Cerrados, Montes Claros – MG, v. 20, n. 02, p. 221-241, jul./dez. 2022.

CAPOANE, V. Mapeamento dos pequenos reservatórios e análise dos impactos ambientais associados na bacia hidrográfica do córrego Guariroba, Campo Grande – MS. GEO UERJ (2007), [S./l.], v. 39, p. 1-23, 2021.

CARVALHAL, H. O. D.; CAPOANE, V. Caracterização Geoambiental da Bacia Hidrográfica do Córrego Ceroula, Mato Grosso do Sul. In: XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA. Anais XIX SBGFA ... Rio de Janeiro, 2022. pg. 132-136.

CARVALHO, L. Valsa brasileira: do boom ao caos econômico. São Paulo: Todavia, 2018.

CEMTEC. Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima de MS. Banco de dados 2024. Disponível em: https://www.cemtec.ms.gov.br/boletins-meteorologicos/. Acesso em: 05 fev. 2024.

CHABOUSSOU, F. Les plantes malades des pesticides. Paris: Editions Débard, 1980.

ESA – European Spatial Agency. Sentinel Application Platform – SNAP. Desktop implementation version 9.0.0. 2022. Disponível em: https://step.esa.int/main/download/snap-download/. Acesso em: 20 nov. 2023.

GRASSI, G. et al. The key role of forests in meeting climate targets requires science for credible mitigation. Nature Climate Change, [S./l.], v. 7, p. 220-226, 2017.

HANCOCK, G. R.; WILLGOOSE, G. R.; EVANS, K. G. Testing of the Siberia landscape evolution model using the Tin Camp Creek, Northern Territory, Australia, field catchment. Earth Surface Processes and Landforms, [S./l.], v.27, n.2, p.125-143, 2002.

HANCOCK, G. R.; MARTINEZ, C.; WELLS, T. Modelling and assessment of soil carbon variability at the point and hillslope scale. In: OXLEY, L.; KULASIRI, D. (Eds), MODSIM 2007. International Congress on Modelling and Simulation. Modelling and Simulation Society of Australia and New Zealand, 2007. p.1743-1748.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapeamento de recursos naturais do Brasil: Escala 1:250.000 – Documentação técnica. Rio de Janeiro: IBGE – Diretoria de Geociências, 2021.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. SIDRA. Sistema IBGE de Recuperação Automática. Produção Agrícola Municipal

a. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/tabela. Acesso em: 20 nov. 2023.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. SIDRA. Sistema IBGE de Recuperação Automática. Produção Pecuária Municipal 2022b. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/tabela/3939. Acesso em: 20 nov. 2023.

LACERDA FILHO, J. V. et al. Geologia e recursos minerais do estado de Mato Grosso do Sul - Escala 1:1.000.000. CPRM, 2006.

LINDSAY, J. B.; CREED, I. F. Removal of artifact depressions from digital elevation models: towards a minimum impact approach. Hydrological Processes, [S./l.], v. 19, n. 16, p. 3113-3126, 2005. DOI: 10.1002/hyp.5835

MAPBIOMAS. Rede MapBiomas coleção 7.1, 2023. Disponível em: https://mapbiomas.org/colecoes-mapbiomas-1?cama_set_language=pt-BR

MAPBIOMAS. Estatística de Acurácia, Coleção 7.1. 2023. Disponível em: https://plataforma.mapbiomas.org/. Acesso em: 18 dez. 2023.

MARENGO, J. A. et al. Increased climate pressure on the agricultural frontier in the Eastern Amazonia–Cerrado transition zone. Scientifc Reports, [S./l.], v. 12, n. 457, p. 1-10, 2022.

MOTTA, P. E. F. da et al. Levantamento de reconhecimento de baixa intensidade dos solos do Município de Campo Grande, MS. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2013.

PIGNATI, W. A. et al. Distribuição espacial do uso de agrotóxicos no Brasil: uma ferramenta para a Vigilância em Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, [S./l.], v. 22, n. 10, p. 3281-3293, out. 2017.

POPP, A. et al. Land-use protection for climate change mitigation. Nature Climate Change, [S./l.], v. 4, n. 12, p. 1095-1098, 2014.

POWERS, R. P.; JETZ, W. Global habitat loss and extinction risk of terrestrial vertebrates under future land-use-change scenarios. Nature Climate Change, [S./l.], v. 9, p. 323-329, 2019.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. T. As principais fitofisionomias do bioma cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P. de (Ed.). Cerrado: ambiente e flora. Embrapa Cerrados. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica. p. 151-212, 2008.

ROUSE, J. W. et al. Monitoring vegetation systems in the great plains with ERTS. In: Earth Resources Technology Satellite‐1 Symposium, 3, Washington, 1973. Proceedings. Whashington: NASA, 1974, v.1, p. 309-317, 1973.

ROSA, R. Introdução ao Sensoriamento Remoto. 7. ed. Uberlândia: EDUFU, 2009.

ROSS, J. L. S. et al. Macroformas do relevo da América do Sul. Revista do Departamento de Geografia, [S./l.], v. 38, p. 58-69, 2019.

SANO, E. E. et al. Cerrado ecoregions: A spatial framework to assess and prioritize Brazilian savanna environmental diversity for conservation. Journal of Environmental Management, [S./l.], v. 232, p. 818-828, 2019.

SEMADUR. Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano. 2020. Arquivos vetoriais. Disponível: http://www.campogrande.ms.gov.br/semadur/arquivos-vetoriais-de-campo-grande/ e http://portal.capital.ms.gov.br/semadur/canaisTexto?id_can=5951. Acesso: 23 jan. 2020.

SONG X.-P. et al. Global land change from 1982 to 2016. Nature, [S./l.], v. 560, n. 7720, p. 639-643, 2018.

SOUZA, J. A elite do atraso. Rio de Janeiro: Estação Brasil, 2019.

SOUZA, J. A radiografia do golpe. Rio de Janeiro: Leya, 2016.

SOUZA, C. M. et. al. Reconstructing three decades of land use and land cover changes in Brazilian biomes with Landsat archive and earth engine. Remote Sensing, [S./l.], v. 12, n. 17, p. 1- 27, 2020.

VITOUSEK, P. M. et al. Human domination of Earth’s ecosystems. Science, [S./l.], v. 277, n. 5325, p. 494-499, 1997.

TYGEL, A. et al. Atlas dos agrotóxicos: fatos e dados sobre agrotóxicos na agricultura. 1. ed. Rio de Janeiro: Heinrich Böll, 2023.

WINKLER, K. et al. Global land use changes are four times greater than previously estimated. Nature Communications, [S./l.], v. 12, n. 2501, p. 1-10, 2021.

ZALLES, V. et al. Rapid expansion of human impact on natural land in South America since 1985. Science Advances, [S./l.], v. 7, n. 14, p. 1-11, 2021.

ZHONG, K. et al. Dynamic changes in temperature extremes and their association with atmospheric circulation patterns in the Songhua River Basin, China. Atmospheric Research, [S./l.], v. 190, p. 77-88, 2017.

Downloads

Publicado

2024-01-01

Como Citar

CAPOANE, Viviane. Mudanças no uso e cobertura da terra em uma bacia hidrográfica da borda ocidental da Bacia Sedimentar do Paraná, em Campo Grande/MS. Revista Cerrados, [s. l.], v. 22, n. 01, p. 03–29, 2024. DOI: 10.46551/rc24482692202401. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/6813. Acesso em: 14 jul. 2024.