A cobertura natural e o uso da terra na bacia hidrográfica do Ribeirão do Brejão, Triângulo Mineiro: relações com os componentes do meio físico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202331

Palavras-chave:

Perfis geoambientais, Geomorfopedologia, Cerrado, Nova Ponte (MG), Agricultura moderna

Resumo

O objetivo deste trabalho consiste no estudo da cobertura natural e o uso da terra na bacia hidrográfica do Ribeirão do Brejão, Nova Ponte (MG), em cenários dos anos de 2005 e 2020, por meio de mapeamentos em escala 1:25.000. Essas informações foram relacionadas aos componentes do meio físico, a partir da organização de perfis geoambientais. A área de estudo está posicionada na porção noroeste da Bacia Sedimentar do Paraná, em chapada dissecada pelo rio Araguari, caracterizada por topos aplainados latossolizados, escarpas com rampas coluvionares e perfis de solos pouco desenvolvidos, que interferiram diretamente na dinâmica ocupacional da área. Desde a década de 1930, políticas governamentais incentivaram o avanço da ocupação no Cerrado brasileiro. A bacia do Ribeirão do Brejão é exemplo do reflexo destas políticas públicas de expansão da agricultura moderna, que promoveu a modificação/substituição da sua cobertura vegetal natural. Embora a bacia já fosse caracterizada por uma expansão agrícola consolidada em 2005, durante estes 15 anos, teve-se um avanço da agricultura de grãos (milho e soja) sobre a vegetação (mata) e pastagem, concomitantemente, ao aumento de represamentos para suprir a demanda de irrigação, sobretudo em áreas com contextos geológicos, geomorfológicos e pedológicos favoráveis à mecanização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Ferreira da Silva, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz – ESALQ/Universidade de São Paulo – USP, Piracicaba (SP) Brasil

É Graduado em Geologia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU - Campus Monte Carmelo, 2023). Atualmente é Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Solos e Nutrição de Plantas da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ, Universidade de São Paulo).

Endereço: Departamento de Ciência do Solo, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ, Universidade de São Paulo), Av. Pádua Dias, 11, Caixa Postal 9, Piracicaba, São Paulo, Brasil, CEP 13418-900.

Alan Silveira, Universidade Federal de Uberlândia – UFU, Monte Carmelo (MG), Brasil

É Graduado, Mestre e Doutor em Geografia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP/Campus de Rio Claro). Atualmente é Professor Adjunto do Instituto de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia (IG/UFU), atuando no Curso de Graduação em Geologia (Campus Monte Carmelo) e no Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGGEO/IG Uberlândia).

Endereço: Universidade Federal de Uberlândia, Campus Monte Carmelo, Rodovia LMG 746, km 1, SN, Monte Carmelo, Brasil, CEP 38500-000.

Marília Inês Mendes Barbosa, Universidade Federal de Uberlândia – UFU, Monte Carmelo (MG), Brasil

É Graduada, Mestre e Doutora em Geologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Atualmente é Professora Adjunto do Instituto de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU/Campus Monte Carmelo).

Endereço: Universidade Federal de Uberlândia, Campus Monte Carmelo, Rodovia LMG 746, km 1, SN, Monte Carmelo, Brasil, CEP 38500-000.

Referências

ABDON, M. M. Os impactos ambientais no meio físico – erosão e assoreamento na bacia hidrográfica do Rio Taquari, MS, em decorrência da pecuária. 2004. 319 f. Tese (Doutorado em Ciências da Engenharia Ambiental), EESC- Universidade de São Paulo – USP, São Carlos, 2004.

AB'SABER, A. N. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. Ateliê Editorial, São Paulo, 2003.

AB’SÁBER, A. N.; COSTA JÚNIOR, M. Contribuição ao Estudo do Sudoeste Goiano. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n. 4, p. 3-26, 1950.

ARAÚJO FILHO, M. C.; MENESES, P. R.; SANO, E. E. Sistema de classificação de uso e cobertura da Terra na análise de imagens de satélite. Revista Brasileira de Cartografia, [S./l.], n. 59/2, p. 171-179, 2007.

BACCARO, C. A. D. As unidades geomorfológicas e a erosão nos chapadões do município de Uberlândia. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 6, n. 11/12, p. 19-33, jan./dez. 1994.

BRASIL. Lei n.º 4.771, de 15 de setembro de 1965. Código Florestal. Brasília: Diário Oficial da União, 1965. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm>. Acesso em: 10 maio 2020.

BRASIL. Lei n.º 5.106, de 02 de setembro de 1966. Dispõe sobre os incentivos fiscais concedidos a empreendimentos florestais. Brasília: Diário Oficial da União, 1966. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1950-1969/l5106.htm>. Acesso em: 10 maio 2020.

BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução Conama n°303, de 20 de março de 2002. Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente. Diário Oficial da União, 2002. Disponível em: <https://conama.mma.gov.br>. Acesso em: 21 set. 2020.

BRASIL. Lei n.º 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis n° 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis n° 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória n° 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, 2012. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm>. Acesso em: 10 maio 2020.

CHARLTON, R. Fundamentals of Fluvial Geomorphology. London and New York: Routledge, 2007.

CHAVES, M. L. S. C; DIAS, C. H. Mapa Geológico e Relatório da Folha Nova Ponte SE.23-Y-C-I, escala 1:100.000. Belo Horizonte: Programa de Mapeamento do Estado de Minas Gerais. 2017. 35 p.

CONGEDO, L. Semi-automatic classification plugin documentation. Roma: Universidade de Roma La Sapienza. 2016. 198 p. Disponível em: <https://doi.org/10.13140/RG.2.2.29474.02242/1>. Acesso em: 16 jun. 2020.

DINIZ, B. P. C. O Grande Cerrado do Brasil Central: geopolítica e economia. 2006, 231 f. Tese (Doutorado em Geografia Humana), Departamento de Geografia da FFLCH/USP, São Paulo, 2006.

GUERRA, M. E. A. As “Praças Modernas” de João Jorge Coury no Triângulo Mineiro. 1998. 220 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo), EESC/USP, São Carlos, 1998.

GUERRA, A.J.T.; BOTELHO, R.G.M. Erosão dos solos. In: CUNHA, S. B.; GUERRA, A. J. T. (Org.). Geomorfologia do Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998. p.181-227.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Ortomosaicos da folha SE.-Y-C-I-2-NE, pertencentes as articulações MI-2489-2-NE e MI-2489-2-NO, com escala 1:25.000. 2005. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br >. Acesso em: 16 jun. 2020.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual Técnico do uso da Terra. Rio de Janeiro, 2013. 170 p. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv81615.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2020.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Biomas e Sistema Costeiro-Marinho do Brasil. Mapa e Relatório Metodológico: escala 1:250.000. Rio de Janeiro, 2019. 159 p. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101676.pdf>. Acesso em: 16 jun. 2020.

KLINK, C. A.; MACHADO, R. B. A conservação do Cerrado brasileiro. Megadiversidade, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, 2005. p. 147 – 155. Disponível em: <http://professor.pucgoias.edu.br/sitedocente/admin/arquivosUpload/17973/material/Cerrado_conservacao.pdf>. Acesso em: 16 jun. 2020.

LEVIGHIN, S. C.; VIADANA, A. G. Perfis-ecológicos como técnica para o estudo da condições ambientais. Sociedade & Natureza, [S. l.], v. 14, p. 26-29, 2002.

LÓKI, J. Agriculture: Crop Cultivation and Horticulture. In: Szabó, J.; Dávid, L.; Loczy, D. (eds). Anthropogenic Geomorphology: A Guide to Man‐made Landforms. Springer Science + Business Media B.V.: Dordrecht. 2010. p. 55-68.

MIRANDA, A. P. T. Arquitetura moderna no Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba: indícios para a construção de uma cultura arquitetônica (1945-1975). 2014. 250 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo). Universidade de São Paulo – USP, São Carlos, 2014.

MOURA, V. P. G. A pesquisa com Eucalyptus e Pinus na região dos cerrados. In: SIMPÓSIO SOBRE O CERRADO VII: Estratégias de Utilização, 1989, Brasília. Anais [...]. 2.ed. rev. Planaltina: EMBRAPA - CPAC, 1997. p. 183-197.

MOTA, J. C. Planos Diretores de Goiânia, anos 60: a inserção dos arquitetos Luís Saia e Jorge Wilheim no campo do planejamento urbano. 2004. 217 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo), EESC/USP, São Carlos, 2004.

MOTTA, P. E.; BARUQUI, A. M.; SANTOS, H. G. Levantamento de reconhecimento de média intensidade dos solos da região do Alto Paranaíba, Minas Gerais. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2004, 238 p. Disponível em: <https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/965578/1/bpd442004altoparanaiba.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2020.

NOMIYAMA, D. H.; MARCON, G.; REIS, L. F.; NETO, P. B. Agricultura Sustentável – Ministério do Meio Ambiente (MMA). Brasília – DF: Editora Ibama, 2000. 190 p. Disponível em: <http://www.camaradecultura.org/agricultura.pdf>. Acesso em: 05 jun.2020.

NOVAIS, G. T. Caracterização climática da mesorregião do Triangulo Mineiro/Alto Parnaíba e do entorno da Serra da Canastra (MG). 2011. 175 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia, 2011. Disponível em: <https://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/16101/1/CaracterizacaoClimaticaMesorregiao.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2020.

OSCO, L. P.; RAMOS, A. P. M. Classificação de imagens Sentinel-2 no sistema QGIS 2.18. 2018. 28 p. Disponível em: <https://www.instrutorgis.com.br/wp-content/uploads/2018/05/QGIS_Classificacao_para_Sentinel2_2018.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2020.

ROSS, J. L. S. Relevo brasileiro: uma nova proposta de classificação. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, v.4, p. 25-39, 1985.

SANO, E. E.; ROSA, E.; BRITO, J. L. S.; FERREIRA, L. G. Mapeamento da cobertura vegetal do bioma cerrado. Brasília, DF: Embrapa Cerrados, ISSN 1676-918x, 2008, 93 p.

SILVA, B. F. DA; SILVEIRA, A.; BARBOSA, M. I. M. Cartografia Geomorfológica Aplicada à Bacia Hidrográfica do Ribeirão do Brejão, Município de Nova Ponte (MG): Indicativos da Evolução do Relevo e Contribuições ao Planejamento. Revista Brasileira de Cartografia, [S./l.], v. 72, n. 3, p. 474-489, 2020.

SILVA, L. L. O papel do Estado no processo de ocupação das áreas de Cerrado entre as décadas de 60 e 80. Caminhos de Geografia – Revista online. Uberlândia, MG, v. 1, n. 2, p. 24-36, 2000. Disponível em <http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/15251/8552>. Acesso em: 10 maio 2020.

VILLELA, F. N. J.; ROSS, J. L. S.; MANFREDINI, S. Análise Geomorfopedológica na Borda Leste da Bacia Sedimentar do Paraná, Sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Geomorfologia, São Paulo, v. 16, n. 14, p. 669-682, 2015.

ZANATTA, F. A. S.; LUPINACCI, C. M.; BOIN, M. N. Correlação entre uso da terra e feições geomorfológicas: uma proposta de análise a partir da cartografia retrospectiva. Sociedade & Natureza, v. 32, p. 494-512, 2020.

ZINCK, J. A. The Geopedologic Approach. In: ZINCK, J. A.; METTERNITCH, G.; BOCCO, G.; VALLE, H. F. D. (eds). Geopedology: An Integration of Geomorphology and Pedology for Soil and Landscape Studies. Springer Science + Business Media B.V.: Dordrecht. 2016. p. 27-60.

Downloads

Publicado

2023-12-21

Como Citar

SILVA, B. F. da; SILVEIRA, A.; BARBOSA, M. I. M. A cobertura natural e o uso da terra na bacia hidrográfica do Ribeirão do Brejão, Triângulo Mineiro: relações com os componentes do meio físico. Revista Cerrados, [S. l.], v. 21, n. 02, p. 348–376, 2023. DOI: 10.46551/rc24482692202331. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/6279. Acesso em: 26 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Categorias