A espacialização dos Parques Tecnológicos no estado de São Paulo: Algumas considerações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202218%20

Palavras-chave:

Globalização, Avanços Tecnológicos, Parques Tecnológicos, Estado de São Paulo

Resumo

Nos últimos anos, com a intensificação do processo de globalização e o avanço de novas tecnologias, ocorreram transformações nas dinâmicas e cadeias produtivas, permitindo que alguns autores afirmassem a mudança de uma sociedade industrial para sociedade do conhecimento (CASTELLS, 1999). Neste contexto, que a busca pelo avanço da tecnologia passou a fomentar o mercado capitalista, ocasionando na competitividade de empresas entre diferentes escalas geográficas (local, regional, nacional e global). É nesta perspectiva que surgem os parques tecnológicos, com o objetivo de fomentar a criação de ambientes inovadores, visando à produção e difusão da inovação, seja ela de base tecnológica, com novos produtos e processos, ou de marketing e organizacional, entre outras. No Brasil, com os programas de incentivo à inovação e criação de parques tecnológicos, atualmente há 103 iniciativas (MCTI, 2019), tendo sua concentração no estado de São Paulo. Este artigo tem como objetivo compreender a espacialização dos parques tecnológicos no estado de São Paulo, destacando o papel das redes técnicas, enquanto condições gerais de produção favoráveis à sua implantação, a metodologia utilizada neste estudo pautou-se em pesquisa bibliográfica, documental, com coleta de dados no IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Taina Akemy Chiaveri Vicari Iwata, Universidade Estadual Paulista – UNESP, Presidente Prudente (SP), Brasil

É Graduada em Geografia pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), câmpus de Presidente Prudente. Atualmente é mestranda em Geografia “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP/câmpus de Presidente Prudente).

 Endereço: R. Roberto Símonsen, 305 - Centro Educacional, Pres. Prudente - SP, 19060-900

 

Referências

ARAUJO, G. M; GOMES, M. T. S. O papel do poder público no processo de interação na formação de ambientes inovadores: o Centro Incubador de Empresas (CIE) e o parque tecnológico de São José do Rio Preto (São Paulo). Geografia em Atos (Online), [S./l.], v.8, n. 15, p. 112-135, dezembro, 2019. Disponível em: <https://revista.fct.unesp.br/index.php/geografiaematos/article/view/7008>. Acesso em: 27 jun. 2020.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES PROMOTORAS DE EMPREENDIMENTOS DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS. (ANPROTEC). Estudo de Projetos de Alta Complexidade: Indicadores de Parques Tecnológicos. 2020. Disponível em: <https://anprotec.org.br/site/wp-content/uploads/2020/06/PNI_FINAL_web.pdf>. Acesso em: 26 de jun. 2020.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES PROMOTORAS DE EMPREENDIMENTOS DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS. (ANPROTEC). Parques Tecnológicos no Brasil: Estudos, Análises e proposições. 2009. Disponível em: <https://anprotec.org.br/site/wp-content/uploads/2020/06/estudo-parques_pdf_16.pdf>. Acesso em: 26 de jun. 2020.

BENAKOUCHE, T. Tecnologia é sociedade: contra a noção de impacto tecnológico. In: DIAS, L. C.; SILVEIRA, R. L. L. (Orgs.) Redes, sociedades e territórios. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2005.

BRASIL. Estudo de Projetos de alta complexidade: indicadores de parques tecnológicos / centro de apoio ao Desenvolvimento tecnológico. Ministério da ciência, tecnologia e inovação – Brasília: CDT/UnB, 2014. Disponível em: <https://docplayer.com.br/5451496-Estudo-de-projetos-de-alta-complexidade-indicadores-de-parques-tecnologicos-centro-de-apoio-ao.html>. Acesso em: 31 Jul 2020

BRASIL. Consulta pública PNI. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). 2020. Disponível em: <http://www.mctic.gov.br/mctic/opencms/textogeral/Consulta-Publica-PNI.html>. Acesso em: 15 Jun. 2020.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CASTRO, I. E. de. Análise Geográfica e o problema epistemológico da escala. Anuário do Instituto de Geociências, Rio de Janeiro, v. 15, 1992. Disponível em: <http://www.ppegeo.igc.usp.br/index.php/anigeo/article/view/1505/1394>. Acesso em 10 ago. 2020.

COSTA, J. M.; UEDA, V. Redes técnicas e território: notas sobre a reticulação espacial. Boletim Gaúcho de Geografia, Porto Alegre, [S./l.], v.32, 1, p.131-145, 2007. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/bgg/article/viewFile/37452/24202>. Acesso em: 18 out. 2020.

CORREA, R. L. Redes Geográficas: Reflexões sobre um tema persistente. Cidades, [S./l.], v. 9, n. 16, 2016. Disponível em: <https://revista.fct.unesp.br/index.php/revistacidades/article/view/2378> Acesso em: 03 jun 2020.

CORREA, R. L. A rede urbana. São Paulo: Ática, 1991.

DIAS, L.C. Redes: emergência e organização. In: CASTRO, I.E., et al. (Orgs.). Geografia Conceitos e Temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995. p. 141-162.

DIAS, L.C. Redes: emergência e organização. In: CASTRO, Iná Elias; GOMES, Paulo César da Costa; CORRÊA, Roberto Lobato (org.). Geografia: Conceitos e temas. 3. ed., Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001. p. 141-162.

DIAS, L. C. D. Geografia e Qualidade de vida: pensando as redes técnicas. Geosul, Florianóplis, v. 9 n. 17 (1994). Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/geosul/article/view/12880>. Acesso em: 18 out. 2020.

FERREIRA, J. D.; SUBELDIA JUNIOR, O. L. L.; SCHNEIDER, M. B. Política industrial brasileira recente. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, [s./l.], v. 38, n. 2, p. 173-185, 11 out. 2016. Disponível em: <http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciHumanSocSci/article/view/30839>. Acesso em: 20 Jun. 2020.

FIGLIOLI, A.; PORTO, G. S. Financiamento de parques tecnológicos: um estudo comparativo de casos brasileiros, portugueses e espanhóis. R. Adm., São Paulo, v. 47, n.2, p.290-306, Jun 2012. Disponível em:<https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0080-21072012000200010&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 20 Jun. 2020.

GOMES, M.T.S. Espaço, inovação e novos arranjos espaciais: Algumas considerações. In: OLIVEIRA, F.G.de; OLIVEIRA, L. D. de; TUNES, R.H; PESSANHA, R.M. (Orgs). Espaço e economia. Geografia econômica e a economia política. Rio de Janeiro: Consequência, 2019.

GOMES, M.T.S. A geografia da inovação e os agentes produtores dos “espaços híbridos da inovação”. In: GOMES, M.T.S; TUNES, R.H; OLIVEIRA, F.G de. Geografia da inovação: território, redes e finanças. Rio de Janeiro. Consequência, 2020.

HAESBAERT, R. Territórios Alternativos. São Paulo: Contexto, 2002.

HAESBAERT, R. Escalas Espaco-Temporais: Uma Introdução. Boletim Fluminense de Geografia, [S./l.], v. 1, n.1, pp. 31–51, 1993.

HAGERSTRAND, T. A propagação de ondas de inovação. Boletim

Campineiro de Geografia, Campinas, v. 3, n. 2, 2013. Disponível em: <http://agbcampinas.com.br/bcg/index.php/boletimcampineiro/article/view/131/pdf_15>. Acesso em: 10 out. 2021.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa de Inovação. 2017. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/estatisticas/multidominio/ciencia-tecnologia-e-inovacao/9141-pesquisa-de-inovacao.html?edicao=27431&t=publicacoes>. Acesso em: 10 jun. 2022.

LENCIONI, S. Região Metropolitana de São Paulo como Centro de Inovação do Brasil. Cadernos Metrópole, São Paulo, v. 17, n. 34, p. 317-328, Nov 2015. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S223699962015000200317&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 15 jun. 2020.

LENCIONI, S. Condições gerais de produção: um conceito a ser recuperado para a compreensão das desigualdades de desenvolvimento regional. Scripta Nova. Revista electrónica de geografía y ciencias sociales, Barcelona/Universidad de Barcelona, v. XI, n. 24, 2007.

MATUSHIMA, M. K. As abordagens teóricas da inovação: Uma contribuição ao debate da Geografia da Inovação. In: GOMES, M. T. S; TUNES, R.H; OLIVEIRA, F.G de. Geografia da inovação: território, redes e finanças. Rio de Janeiro. Consequência, 2020.

MELO, R .de C.N. Parques Tecnológicos no estado de São Paulo: incentivo ao desenvolvimento da inovação. 2014. 252 f. Tese (Doutorado em Geografia Humana), Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2014.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÕES (MCTI). Parques Tecnológicos do Brasil. 2022. Disponível em: <https://anprotec.org.br/site/wp-content/uploads/2022/01/ParquesTecnologicosBrasil-2021-Final-vr.pdf>. Acesso em: 03 mar 2022

MURPHY, Zera. Parque tecnológico de Stanford – Os próximos cinquenta anos. (1992). conferência mundial de parques tecnológicos, 1992, Finlândia. in: Guedes, Maurício (ed), FORMICA, Piero (ed). A economia dos parques tecnológicos. Rio de Janeiro: Anprotec – IASP, 1997.

OLIVEIRA, F.G. de. Reestruturação produtiva e inovação: novas redes técnicas desigualdades sociais. In: GOMES, M.T.S; TUNES, R.H; OLIVEIRA, F.G de. Geografia da inovação: território, redes e finanças. Rio de Janeiro. Consequência, 2020.

PEREIRA, L. A. G. Redes e fluxos em Geografia: uma abordagem teórica. Revista Tocantinense de Geografia, Araguaína, v. 04, n.01, 2015. Disponivel em: <https://docplayer.com.br/49557839-Redes-e-fluxos-em-geografia-uma-abordagem-teorica.html>. Acesso em: 03 mar. 2022

RACINE, J. B.; RAFESTIN, C.; RUFY, V. Escala e ação: Contribuição para a interpretação do mecanismo de escala na prática da Geografia. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 45, n. 1, p. 123-136, 1983.

RUFINO, M. Redes técnicas, territórios e escalas: Leituras sobre a modernização e crítica da economia política do espaço. In: OLIVEIRA, F.G.de; OLIVEIRA, L. D. de; TUNES, R.H; PESSANHA, R.M. (Orgs). Espaço e economia. Geografia econômica e a economia política. Rio de Janeiro: Consequência, 2019.

SANTOS, M. Técnica, Espaço, Tempo: globalização e meio técnico-científico-informacional. São Paulo: Hucitec, 1994.

SANTOS, M. Metamorfoses do espaço habitado. 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1996.

SANTOS, M. A Natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 1999.

SANTOS, M. Da Totalidade ao Lugar. São Paulo: EDUSP, 2005.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M.L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SCHILLER, M. C. O. S. Inovação, redes, espaço e desenvolvimento. São Paulo, E- papers, 2008

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e ciclo econômico. Editora Nova Cultural: São Paulo, Brasil, 1997.

SOUZA, M. L. de. Escala Geográfica, "Construção social da escala" e políticas de escala". In: Os conceitos fundamentais da Pesquisa Socio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand, 2013. p. 179-216.

SOUZA, M. L. O Território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: CASTRO, I.E., et al. (Orgs.). Geografia Conceitos e Temas. Rio de janeiro: Bertrand Brasil, 1995. p. 77 – 116.

SPOLIDORO, R. A sociedade do conhecimento e seus impactos no meio urbano. In: PALADINO, Gina (org.), MEDEIROS, Lucília A. (org.). Parques Tecnológicos e Meio Urbano: artigos e debates. Brasília: Anprotec, GTU International, 1997.

STEINER, J. E.; CASSIM, M. B.; ROBAZZI, A. C. Parques Tecnológicos: Ambientes de Inovação. Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo. 2012. Disponível em: <http://www.iea.usp.br/publicacoes/textos/steinercassimrobazziparquestec.pdf>. Acesso em: 10 ago. 2020.

TUNES, R. H. Uma abordagem crítica da inovação e do conhecimento na geografia do capitalismo contemporâneo. In: OLIVEIRA, F.G.de; OLIVEIRA, L. D. de; TUNES, R.H; PESSANHA, R.M. (Orgs). Espaço e economia. Geografia econômica e a economia política. Rio de Janeiro: Consequência, 2019.

TUNES, R. H. Geografia da inovação: território e inovação no Brasil no século XXI. 2015. 526 f. Tese (Doutorado em Geografia Humana) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

TRINDADE, G. A. Globalização, Redes e Relação Mundo - Lugar: Insistindo em um debate ainda não esgotado na geografia. Revista GeoNordeste, São Cristovão – SE, v. XX, n. 02, 2009. Disponível em: <https://seer.ufs.br/index.php/geonordeste/article/view/2454>. Acesso em: 14 jun. 2020.

Downloads

Publicado

2022-08-01

Como Citar

IWATA, T. A. C. V. . A espacialização dos Parques Tecnológicos no estado de São Paulo: Algumas considerações. Revista Cerrados, [S. l.], v. 20, n. 02, p. 21–51, 2022. DOI: 10.46551/rc24482692202218 . Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/5097. Acesso em: 13 ago. 2022.