A territorialização dos indígenas Katxuyana na região do Trombetas, oeste do Pará

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202220

Palavras-chave:

Indígena. Identidade. Território. Territorialidade. Territorialização

Resumo

O artigo analisou o processo de territorialização dos indígenas Katxuyana, no município de Oriximiná, oeste paraense. No início dos anos 2000, os Katxuyana retornam para seu território de origem, após viverem por mais de 30 anos em outros territórios. O processo de territorialização para os Katxuyana tem um duplo significado: afirmação de uma identidade e a luta pela demarcação de seu território tradicionalmente ocupado. Esses coletivos têm relações diferenciadas com a forma de apropriação do território, gerando muitas vezes conflitos, lutas e territorialidade, sobre o qual se estabelece um sistema cultural que constituem os pilares do povo indígena e o sentido de pertencimento daquele território, que vai muito além de um meio de subsistência, possuindo dimensões simbólicas que fundamentam a vida social. Desta forma, as ações que envolvem o coletivo indígena são as reivindicações pelo direito de uso e autonomia política no território. Para a elaboração deste texto, foi realizada revisão bibliográfica referentes aos conceitos de territorialização, territorialidade e identidade, com ênfase em autores da Geografia e áreas afins, bem como, incorporou-se as reflexões frutos dos diálogos realizados com os Katxuyana, obtidas por meio de entrevistas, reuniões e trabalhos de campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciene Monteiro Penha, Universidade Federal de Rondônia – UNIR, Porto Velho (RO), Brasil

É Graduada em Geografia pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e Mestra em Geografia pela Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Atualmente é Professora da Rede Estadual de Educação do Estado do Amazonas (SEDUC/AM).

Endereço: Rua Marcílio Dias, n° 325, apt. 301, bairro Centro, Manaus – AM, CEP: 69.005-270.

Adnilson de Almeida Silva, Universidade Federal de Rondônia – UNIR, Porto Velho (RO), Brasil

É Graduado e Mestre em Geografia pela Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR) e Doutor em Geografia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Atualmente é Professor do Departamento de Geografia e do Programa de Pós-Graduação Mestrado e Doutorado em Geografia da Universidade Federal de Rondônia (UNIR).

Endereço: Rua Curitiba, n° 2932, bairro Caladinho, Porto Velho – RO, CEP: 76.808-244.

Referências

ACEVEDO, Rosa; CASTRO, Edna. Negros do Trombetas: guardiães de matas e rios. Belém: UFPA, 1993.

AGÊNCIA BRASIL. Censo Demográfico não será realizado em 2021. Reportagem publicada em 23/04/2021. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/radioagencia-nacional/economia/audio/2021-04/censo-demografico-nao-sera-realizado-em-2021. Acesso em: 19 de outubro de 2021.

ALMEIDA SILVA, Adnilson de. Territorialidades e identidade dos coletivos Kawahib da Terra Indígena Uru-Eu-Wau-Wau em Rondônia: “Orevaki Are” (reencontro) dos “marcadores territoriais”. 2010. 301 f. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010.

ALMEIDA SILVA, Adnilson de. Territorialidades e identidade dos coletivos Kawahib da Terra Indígena Uru-Eu-Wau-Wau em Rondônia: “Orevaki Are” (reencontro) dos “marcadores territoriais”. 2015. 301 f. Tese (Doutorado em Geografia), Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015.

ANDRADE, Manuel Correia de. Territorialidades, desterritorialidades, novas territorialidades: os limites do poder nacional e do poder local. In: SANTOS, Milton; SOUZA, Maria Adélia; SILVEIRA, Maria Laura (orgs.). Território: Globalização e Fragmentação. São Paulo: Hucitec, 1994. p. 213-220.

ANDRADE, Lúcia. Os quilombos da bacia do rio Trombetas: breve histórico. In: Revista de Antropologia, [S./l.], v. 38, n. 1. São Paulo: USP, 1995.

ANDRADE, Manoel Correia de. A terra e o homem no Nordeste. 6. ed. Recife: Ed. Universitária UFPE, Recife, 1998.

CAIXETA DE QUEIROZ, Ruben. Trombetas-Mapuera: território indígena. Brasília: Funai/PPTAL, 2008.

CAIXETA DE QUEIROZ, Ruben; GIRARDI, Luísa. Dispersão e concentração indígena nas fronteiras das Guianas. Revista Brasileira do Caribe, [S./l.], v. XIII, n. 25, jul-dez, 2012. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/rbrascaribe/article/view/2086. Acesso em: 05 de fevereiro 2021.

COSTA SILVA. R. G. A desamazonização da Amazônia: conflitos agrários, violência e agrobandidagem. In: Conflitos no Campo Brasil 2021. Goiânia: CPT Nacional, 2022. p. 104-111.

DERBY, Orville. O rio Trombetas. In: Boletim do Museu Paraense de História Natural e Ethnographia (Emilio Goeldi). Tomo II. Pará: Alfredo Silva, 1897- 1898. Disponível em: <http://www.archive.org/stream/ boletimdomuseup00ethngoog#page/n7/ mode/1up >. Acesso em: 10 de julho de 2021.

FRIKEL, Protásio. Os Katxuyana: notas etno-históricas. Publicações Avulsas n. 14. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 1970.

FUNES, Eurípedes. Nasci nas matas, nunca tive senhor: história e memória dos mocambos do Baixo Amazonas. Tese de Doutorado. São Paulo: PPGHS/FFLCH/ USP, 1995.

GALLOIS, Dominique; RICARDO, Carlos A. (Coords.). Povos indígenas do Brasil: Amapá e Norte do Pará. São Paulo: CEDI, 1983. v. 3.

GRUPIONI, Denise Fajardo. Kaxuyana: de volta à sua terra de origem. 2010.

GRUPIONI, Denise Fajardo. Dispersão sedentarizante nas terras indígenas Tumucumaque e Paru d’Este. In: RICARDO, Beto; Fany (orgs.). Povos indígenas no Brasil 2006-2011. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2011.

HAESBAERT, Rogério. Des-territorialização e Identidade: a rede “gaúcha” no Nordeste. Niterói: EDUFF. 1997.

IEPÉ. Comissão Pró-Índio de São Paulo; Instituto de Pesquisa e Formação Indígena São Paulo. 2020. Disponível em: <https://institutoiepe.org.br/2014/12/por-que-demarcar-a-ti-katxuyana-tunayana-conheca-seis-das-principais-razoes/. Acesso em 18 de fevereiro de 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Os indígenas no censo demográfico 2010. Brasília, DF, 2010. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/indigenas/indigena_censo2010.pdf. Acesso em: 20 de junho de 2020.

LADEIRA, Maria Inês. Espaço Geográfico Guarani-mbya: significado constituição e uso. Edição de Publicação. São Paulo: EDUEM / EDUSP, 2008.

LITTLE, Paul E. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Brasília: UnB, 2002. Série Antropologia n° 322. 32p.

MELLO, Adriana Russi Tavares. Tamiriki, Pata Yotono Kwama: a reconstrução de uma casa, a valorização de uma cultura e o protagonismo dos ameríndios Kaxuyana às margens do Rio Cachorro (Oriximiná-PA). 2014. 275 f. Tese (Doutorado em Memória Social) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

MEIRA, Sergio. A família linguística Caribe (Karíb). Revista de Estudos e Pesquisas, Brasília: FUNAI, [S./l.], v. 3, n. 1-2, 2006.

MORAES, Antônio Carlos Robert de. Território e história no Brasil. São Paulo: Annablume, 2005.

PACHECO DE OLIVEIRA, J. Uma Etnologia dos “Índios Misturados”?: situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Rio de Janeiro: Revista Mana, [S./l.], 4.1, p.47-77, 1998. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/mana/v4n1/2426.pdf. Acesso em: 12 de março de 2021.

SAUMA, Julia Frajtag. The Deep and the Erepecuru: Tracing Transgressions in an Amazonian Quilombola Territory. 2013. Tese de Doutorado. Londres: University College London, 2013.

SAQUET, M. A. As Diferentes Abordagens do Território e a Apreensão do Movimento e da (I)materialidade. Geosul, Florianópolis, v. 22, n. 43, p. 55-76, jan./jun. 2007.

SAQUET, M. A. Abordagens e concepções de território. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

RODRIGUES, João Barbosa. Rio Trombetas. In: Exploração e Estudo do Valle do Amazonas. Rio de Janeiro: Typografia Nacional, 1875.

SOUZA, Francisco Bernardino de. Lembranças e curiosidades do Valle do Amazonas. Pará: Typographia do Futuro, 1873. Disponível em: <http://www.archive.org/stream/ lembranasecurio00sousgoog#page/n7/mode/1up>. Acesso em 10 julho de 2021.

Publicado

2022-09-01

Como Citar

PENHA, L. M.; SILVA, A. de A. . A territorialização dos indígenas Katxuyana na região do Trombetas, oeste do Pará. Revista Cerrados, [S. l.], v. 20, n. 02, p. 84–105, 2022. DOI: 10.46551/rc24482692202220. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/5000. Acesso em: 1 dez. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)