A comida como linguagem e o mercado como cozinha: a alimentação em mercados públicos enquanto um símbolo social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202223%20

Palavras-chave:

Mercado Público, Lugar, Símbolo, Comida-linguagem

Resumo

O objetivo deste artigo é fazer uma reflexão e análise sobre a simbologia do alimentar-se em mercados públicos e problematizar sobre a estratégia metodológica de um estudo de caso realizado no Mercado Municipal de Diamantina (MG). Baseando-se em um marco teórico pautado nos conceitos de “comida-linguagem” e “cozinha-mercado” presentes na obra de Lévi-Strauss (1991; 2006) e “habitus” de Bourdieu (1987; 1998) aos quais se agrega a clássica categoria geográfica Lugar, a partir de cuja reelaboração compreendeu-se que historicamente o Mercado revela-se como um espaço passível de intervenções sociais e políticas públicas, não relacionados apenas a fatores econômicos- vale ressaltar-, e visualizando tal estabelecimento público como um Lugar que simboliza a reprodução e construção de uma cultura popular local e no qual o “habitus” de alimentar-se vincular-se-ia a diversificadas identidades intrínsecas aos frequentadores, como a regional, familiar, comunitária e rural/ urbana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Rodrigues da Costa Neves, Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF, Juiz de Fora (MG), Brasil

É Graduada em Turismo pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Doutora em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Atualmente é Professora pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Endereço: Rua José Lourenço Kelmer, s/n – São Pedro, Juiz de Fora (MG).

José Antônio Souza de Deus, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Belo Horizonte (MG), Brasil

É Graduado em Geologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Doutor em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Atualmente é Professor pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Endereço: Av. Presidente Antônio Carlos, n. 6627 – Pampulha, Belo Horizonte (MG).

Referências

ARNO, C. Memórias de um estudante. 2. ed. Rio de Janeiro: Gráfica Olímpica, 1949. p. 20

BOURDIEU, P. Gostos de classe e estilos de vida. In: ORTIZ, R. Sociologia. São Paulo: Ática, 1983.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Editora Perspectiva, 1987.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

CASCUDO, L. C. História da alimentação no Brasil. São Paulo: USP, 1983. 2 v.

CASTRO, E. C. Tropeiros em Mariana Oitocentista. 1. ed. Belo Horizonte, MG: Fino Traço, 2014.

DEUS, J. A. S. et al. Metodologias qualitativas aplicadas ao Estudo da Paisagem no Vale do Jequitinhonha/ MG- Brasil. In: VARGAS, M. A. M.; SANTOS, D. L. Tempos & Espaços da Pesquisa Qualitativa. Aracaju: Criação Editora, 2018, p. 279-304.

GARINE, I. Alimentação, culturas e sociedade. O Correio da Unesco, Brasília, v.15, n.7, 1987.

GIARD, L. Cozinhar. In: CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: morar, cozinhar. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

LÉVI-STRAUSS, C. A Origem das Maneiras à Mesa. Mitológicas 3. Cosac &Naify, 2006.

LÉVI-STRAUSS, C. O cru e o cozido. São Paulo: Brasiliense, 1991.

MOTT, L. A feira de Brejo Grande: um estudo de uma instituição econômica num município sergipano do baixo São Francisco. 1975. 348 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade de Campinas, Campinas/SP, 1975.

MOTT, L. Feira e mercados: pistas para pesquisa de campo. Em: Sérgio Ferretti (org). Reeducando o olhar: estudos sobre Feiras e Mercados, Edições UFMA-PROIN-CS. São Luís, 2000. p. 21.

NEVES, M. R. D. Mercado Municipal de Diamantina/MG na ótica fenomenológica. 2015. 134 f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Instituto de Geociências da Universidade Federal de Minas Gerais, 2015.

PINTAUDI, S. M. Os mercados públicos: metamorfoses de um espaço na história urbana. CIDADES, [s./l.], v. 3, n. 5, 2006, p. 81-100.

PRADO Jr. C. História Econômica do Brasil. 38. ed. São Paulo: Brasiliense, 1990.

SANTOS, V. J. R. O acarajé nas políticas públicas: reconhecimento do Ofício das Baianas de Acarajé como Patrimônio Cultural do Brasil. In: SEMINÁRIO SOBRE ALIMENTOS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS TRADICIONAIS, 2012, São Cristóvão, SE. Anais... São Cristovão-SE: UFS, 2012.

SETTON, M. G. J. A teoria do habitus em Pierre Bourdieu: uma leitura contemporânea. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 20, maio/jun/jul/ago, 2002.

Publicado

2022-09-15

Como Citar

NEVES, M. R. da C.; SOUZA DE DEUS, J. A. . A comida como linguagem e o mercado como cozinha: a alimentação em mercados públicos enquanto um símbolo social. Revista Cerrados, [S. l.], v. 20, n. 02, p. 164–182, 2022. DOI: 10.46551/rc24482692202223 . Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/4710. Acesso em: 1 dez. 2022.