A Ferrovia Sorocabana: o auge, a decadência, a concessão à iniciativa privada e a proposta de reativação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202208

Palavras-chave:

Ferrovia Sorocabana. Concessão. Reativação da ferrovia. Trecho entre Presidente Prudente e Presidente Epitácio.

Resumo

A Ferrovia Sorocabana foi criada em 1876 e teve um papel importante na organização do território paulista, no transporte de cargas e passageiros. Com o desenvolvimento da industrialização a partir dos anos de 1950, as ferrovias começaram a perder sua importância dando espaço às rodovias. Nos anos 1970, a Ferrovia Sorocabana passou a ser administrada pela FEPASA - Ferrovia Paulista S/A. A partir dos anos 1990 iniciou-se o processo de desestatizações das ferrovias federais e estaduais, a ferrovia passou por transformações e foi concedida à América Latina Logística (ALL), sendo desativado o trecho entre Presidente Prudente e Presidente Epitácio. Porém, nos últimos anos iniciou-se o debate pela reativação desse trecho da ferrovia Sorocabana por algumas entidades locais e regionais, entre elas, a União das Entidades de Presidente Prudente. Este artigo tem por objetivo tecer algumas considerações sobre a ferrovia Sorocabana, destacando sua origem, seu papel, a concessão à iniciativa privada e a proposta de reativação. A metodologia baseou-se na revisão bibliográfica, em pesquisas em sites (DNIT - Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, ANTT - Agência Nacional de Transportes Terrestres, ALL - América Latina Logística S.A., VLI - Sistema de Logística Integrada), visita ao Museu da Estrada de Ferro Sorocabana no município de Sorocaba/SP, entrevistas e aplicação de questionários em órgãos públicos e privados, como Prefeitura Municipal, Núcleo de Desenvolvimento Regional de Presidente Prudente e UEPP (União das Entidades de Presidente Prudente).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Eduardo Sampaio, Universidade Estadual Paulista – UNESP, Presidente Prudente (SP), Brasil

É Graduado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Atualmente é Professor da Rede Pública do Estado de São Paulo.

Endereço: R. Roberto Símonsen, 305 - Centro Educacional, Pres. Prudente - SP, 19060-900.

Maria Terezinha Serafim Gomes, Universidade Estadual Paulista – UNESP, Presidente Prudente (SP), Brasil

É Graduada e Mestra em Geografia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) e Doutora em Geografia pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente é Professora da Graduação e do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual Paulista (UNESP).

Endereço: Universidade Estadual Paulista – Campus de Presidente Prudente, Rua Roberto Símonsen, 305, Centro Educacional, Pres. Prudente – São Paulo, Brasil. CEP: 19060-900.

Referências

ALL. América Latina Logística. 2022. Disponível em: https://relatoweb.com.br/all/. Acesso em: 23 jan. 2022.

ANTT.Agência Nacional de Transportes Terrestres. Disponível em:

<http://www.antt.gov.br/>. Acesso em: 20 jan. 2021.

BARAT, J. A evolução dos transportes no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE: IPEA, 1978.

BNDES. PPP, concessão e privatização: quais as diferenças? Disponível em:<https://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/conhecimento/noticias/noticia/tipos_desestatizacao>. Acesso em: 19 fev. 2021.

CASTILHO, D. Modernização territorial e redes técnicas em Goiás. 2. Ed. Goiânia: UFG, 2017.

CUNHA, A. S. da. Descaminhos do trem: as ferrovias na Bahia e o caso do trem da Grota (1912-1976). 2011. 233 f. Dissertação (Mestrado em História) – Salvador: Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, 2011.

DEFFONTAINES, P. Como se constituiu no Brasil a rede de cidades. Boletim Geográfico, São Paulo, v. 15, 1944, p. 299 – 308. Disponível em: https://www.unifal-mg.edu.br/geres/files/Deffontaines_1944_v2_n15_jun.pdf. Acesso em: 10 out. 2021.

DNIT. Departamento nacional de infraestrutura de transportes. 2022. Disponível em: <https://www.gov.br/dnit/pt-br>. Acesso em: 23 jan. 2022.

GRANDI, G. Estado e capital ferroviário em São Paulo: a Companhia Paulista de Estradas de Ferro entre 1930 e 1961. São Paulo: FFLCH/USP, 2013.

FACCIO, A.J. Infraestrutura ferroviária e privatização. O caso do ramal

Passo Fundo- Marcelino Ramos na Região do Alto Uruguai. 2012. 150 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Geociências, Porto Alegre, 2012.

FICI, R. P. As ferrovias brasileiras e a expansão para o Centro-Oeste. 2007. 339 f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Faculdade de Filosofia, Letras e ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

FINGER, A.E. Um século de estradas de ferro: arquiteturas das ferrovias no Brasil entre 1852 e 1957. 2013. 465 f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo)—Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

FONTELLES, A. B. Privatização do sistema ferroviário brasileiro. 2003. 40 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Economia)- Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2002.

FRANCISCO, A. M. A quadrícula como estratégia de desenho urbano das cidades planejadas ao longo da linha férrea na Alta Sorocabana. Oculum Ensaios. Revista de Arquitetura e Urbanismo, [S./l.], v. 18, p.1-16, 2021.Disponível em: https://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/oculum/article/view/4781. Acesso em: 10 jan.2022.

G1, Ministério Público Federal luta pela reativação da ferrovia há 15 anos. 2021. Disponível em: <http://g1.globo.com/sp/presidente-prudente-regiao/noticia/2016/12/ministerio-publico-federal-luta-pela-reativacao-da-ferrovia-ha-15-anos.html> Acessado em: 05 fev. 2021.

KAWABE R.M; FADUL E. M C. Luz e sombra num processo arriscado: a privatização de serviços públicos no Brasil. Anais do 22º ENANPAD. Foz do Iguaçu: ANPAD (CDROM).

HERRERA, H. M. Manchester Paulista? Formação de classe e lutas de trabalhadores e trabalhadoras têxteis em Sorocaba, 1890 - 1930. 2018. 309 f. Dissertação (mestrado em História) – Universidade Federal de São Paulo, Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em História: Guarulhos, 2018.

LEITE, J. F. A ocupação do Pontal do Paranapanema. São Paulo: Hucitec, 1998.202 p.

LEITE, J. F. A alta sorocabana e o espaço polarizado de Presidente Prudente. Presidente Prudente: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, 1972. 249 p.

LOHMANN, G.; PANOSSO NETTO, A. Teoria do turismo. 2. ed. ampliada e atualizada ed. São Paulo: Aleph, 2012. (Série Turismo).

MAIA, D. S. A ferrovia nas cidades bocas de sertão, Terra Brasilis (Nova Série) [Online], n.8, 2017. Disponível em: http:// journals.openedition.org/terrabrasilis/2160. Acesso em: 20 nov. 2021.

MARQUES, P. P. Técnica, modernização e produção do espaço: um estudo sobre o papel da estrada de ferro nas transformações sócio-espaciais da zona Alta Sorocabana. 2009. 179 f. Dissertação (Mestrado em Geografia)- Faculdade de Filosofia, Letras e ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

MARQUES, S. de A. Privatização do sistema ferroviário brasileiro. Brasília: IPEA, 1996.

MATOS FILHO, J. C. M; OLIVEIRA, C. W de A. O Processo de Privatização das Empresas Estatais Brasileiras. Brasília: IPEA, 1996.

MINISTÉRIO DO TURISMO. Cartilha de orientação para proposição de Projetos de Trens Turísticos e Culturais. [S.l: s.n.]. Disponível em: <http://www.turismo.gov.br/sites/default/turismo/o_ministerio/publicacoes/downloads publicacoes/cartilha-final-b.pdf> Acessado em: 18 fev. 2021.

MONASTIRSKY, L. B. Ferrovia: patrimônio cultural. Estudo sobre a ferrovia brasileira a partir da região dos Campos Gerais (PR). 2006. 203 f. Tese (Doutorado em Geografia), Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

MONBEIG, P. Estudo monográfico duma estrada de ferro. Boletim Geográfico, Rio de Janeiro, v. 4, n. 45. p. 1147-1150, dez. 1946.

MORAES, E. H.; PASSARELLI, S. H. F.; OLIVEIRA, E. R. Preservação e Usos Turísticos do Patrimônio Ferroviário: Panorama dos trens turísticos no estado de São Paulo. Anais XVIII ENANPUR 2019, 2019. Disponível em: <http://anpur.org.br/xviiienanpur/anais-sts/>. Acesso em: 19 fev. 2021.

O IMPARCIAL,Multa diária contra ALL alcança R$ 67,4 milhões. Disponível em: <https://www.imparcial.com.br/noticias/multa-diaria-contra-all-alcanca-r-674-milhoes,12673> Acessado em: 10 fev. 2021.

PAULA, D.A.de. Estado, sociedade civil e hegemonia do

rodoviarismo no Brasil.Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 142-156, jul/dez. 2010.

PAULA, D.A. de. Fim de Linha: a extinção de ramais da Estrada de Ferro

Leopoldina. 2000. 356 f. Tese (Doutorado em História), Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2000.

PMPP. Prefeitura Municipal de Presidente Prudente. 2022. Disponível em: <http://www.presidenteprudente.sp.gov.br/site/index.xhtml>. Acesso em: 23 jan. 2022.

PMPE. Prefeitura Municipal de Presidente Epitácio. 2022. Disponível em: <https://www.presidenteepitacio.sp.gov.br/ > . Acesso em: 23 jan. 2022.

PMS. Prefeitura Municipal de Sorocaba. Museu da Estrada de Ferro Sorocabana. 2022. Disponível em: <https://turismo.sorocaba.sp.gov.br/visite/museu-ferroviario-de-sorocaba-e-macs/>. Acesso em: 23 jan. 2022.

PUPIM, R. G. Cidade e território do oeste paulista: mobilidade e modernidade nos

processos de construção e re-configuração do urbano. 2008. 238 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2008.

ROSA, Á. D. da. O processo da privatização da Fepasa na década de 90. Revista de Iniciação Científica da FFC – UNESP, [S./l.], v.4, n.3, p.105-116, Marília, 2004.

RUMO LOGÍSTICA. 2022. Disponível em: <https://rumolog.com/>. Acesso em: 23 de jan. 2022.

SAES, F. de A. M. As ferrovias de São Paulo (1870-1940). Editora Hucitec, São Paulo, 1981.

SAMPAIO, C. E. A. Ferrovia Sorocabana: Proposta de reativação do trecho entre os municípios de Presidente Prudente e Presidente Epitácio. 2018. 127 f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2018.

SANTOS, M.da G. R. O Moderno Chega de Trem: Um estudo sobre o impacto da ferrovia numa freguesia (1887 – 1926). 1992. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo), Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1992.

SCHIAVON, T. A conformação dos caminhos do Estado de São Paulo: breves correlações com seu desenvolvimento urbano e econômico. Confins [Online], [S./l.], n.44, 2020, Disponível em:http://journals.openedition.org/confins/25959. Acesso em: 15 nov. 2021.

SILVA JUNIOR,R. F. A formação da infraestrutura ferroviária no Brasil e na

Argentina. RA EGA (UFPR), [S./l.], v. 14, p. 19-33, 2007.

SILVEIRA, M. R. Circulação Transportes e Logística: Diferentes perspectivas. São Paulo: Outras Expressões, 2011. 624 p.

SILVEIRA, M. R.A importância geoeconômica das estradas de ferro no Brasil. 2003. 454 f. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, 2003.

SILVEIRA, M. R. Transporte e Logística: as ferrovias no Brasil. Geosul (UFSC), Florianópolis/SC, v.17, n. 34, p. 118-130, 2002.

SOUZA, F.C; SILVEIRA, M.R. A Estrada de Ferro Sorocabana após a concessão à iniciativa privada e as mudanças nas interações espaciais. In: II Semana de Geografia – UNESP / Ourinhos. Anais da II Semana de Geografia – UNESP / Ourinhos. Ourinhos, p.1-6, 2006.

STEFANI, C. R. B. O sistema ferroviário paulista: um estudo sobre a evolução do transporte de passageiros sobre trilhos. 2007. 307f. Dissertação (Mestrado em Geografia)- Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

VENCOVSKY, V. P. Ferrovia e logística do agronegócio globalizado: avaliação das políticas públicas e privadas do sistema ferroviário brasileiro. 2011. 172 f. Tese (Doutorado em Geografia), Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/CAMP_5e6fa529bf234d263622e9e8793c96eb . Acesso em: 10 nov. 2021.

VENCOVSKY, V. P. Sistema ferroviário e o uso do território brasileiro: uma análise do movimento de produtos agrícolas. 2006. 167 f. Dissertação (Mestrado em Geografia), Unicamp, Instituto de Geociências, Campinas, 2006.

ZAMBELLO, M.H.. A história do sindicalismo ferroviário Paulista (1930-1961) In: Araújo, S. M.; Bridi, M. A.; Ferraz, M. (orgs.). O Sindicalismo Equilibrista: entre o continuísmo e as novas praticas. Curitiba: UFPR/SCHLA, 2006, p. 349.

ZORZO, F. A. Ferrovia e Rede Urbana na Bahia. 1. ed. Feira de Santana: Universidade de Feira de Santana, 2001. 264 p.

Downloads

Publicado

2022-03-01

Como Citar

SAMPAIO, C. E.; GOMES, M. T. S. . A Ferrovia Sorocabana: o auge, a decadência, a concessão à iniciativa privada e a proposta de reativação. Revista Cerrados, [S. l.], v. 20, n. 01, p. 187–220, 2022. DOI: 10.46551/rc24482692202208. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/4580. Acesso em: 3 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos

Categorias