Reflexões teóricas e políticas sobre os serviços ambientais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202134%20

Palavras-chave:

Mudanças do clima. Pagamento por serviços Ambientais – PSA. Desenvolvimento sustentável.

Resumo

A conservação da natureza tem passado por um longo processo de amadurecimento em termos filosóficos, teóricos e tecnológicos. Esse processo de mudança foi estimulado pelos desafíos impostos à compreensão do dinamismo das complexas interações sociedade-natureza. Em geral, o simultâneo desenvolvimento do modelo de produção capitalista, em sua forma industrialista, sustentado pelos avanços da ciência e alicerçado sobre os pilares da civilização judaico-cristão, dissociaram, ao longo do tempo histórico, sociedade e natureza. Em tempos recentes, o desafio de gerar modelos de desenvolvimento menos impactantes e mais racionais conduziu à criação do conceito de serviços ecossistêmicos e, como corolário deste, o Pagamento por Serviços Ambientais – PSA. É nesse contexto que o objetivo geral deste artigo é de contextualizar e compreender o surgimento e desenvolvimento desse conceito. A metodologia escolhida consiste em uma abordagem exploratória, fundada em revisões bibliográficas. Observa-se um avanço na construção do arcabouço teorico, jurídico, institucional e metodológico, internacional e doméstico para sustentar as mudanças necessárias para potencializar a melhoria relação sociedade-natureza. A aplicabilidade das metodologias e a efetividade da lei perpassa o amplo entendimento dos governantes e sociedade, como gestores públicos e atores importantes da/para melhoria de vida das populações e formação de uma consciência ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Magno Santos Clemente, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC/MG, Belo Horizonte (MG), Brasil

É Graduado em Geografia pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES), Mestre em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES) e Doutor em Gegrafia (Tratamento da Informação Espacial) pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC MG). Atualmente é Professor no Centro Universitário UniFG (Guanambi – BA) e coordenador do Observatório UniFG do Semiárido Nordestino.

Alecir Antônio Maciel Moreira, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC/MG, Belo Horizonte (MG), Brasil

É Graduado em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Doutor em Geografia - Tratamento da Informação Espacial pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Universidade (PUC MG). Atualmente é Professor Assistente IV da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC MG) e professor permanente do Programa de Pós-graduação em Geografia - Tratamento da Informação Espacial.

Referências

ACHARYA, R.P; MARASENI, T;COCKFIELD, G. Global trend of forest ecosystem services valuation – An analysis of publications. Ecosystem Services, [S.L.], v. 39, p. 100979, out. 2019. Elsevier BV. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1016/j.ecoser.2019.100979>. Acesso em: 14 nov. 2021.

ARAGÃO, A. A natureza não tem preço... mas devia. O dever de valorar e pagar os serviços dos ecossistemas. In: Amorim, J.P (Autor). Estudos em homenagem a Jorge Miranda. Coimbra: Coimbra Editora, 2012, p. 11 - 41. Disponível em: <https://eg.uc.pt/bitstream/10316/17696/1/A%20natureza%20n%C3%A3o%20tem%20pre%C3%A7o%20Alexandra%20%20Arag%C3%A3o%2025%20de%20Outubro.pdf>. Acesso em: 16 de agost. de 2019.

ARAÚJO, J.P.G; MORAES, G.I. Utilitarismo e desenvolvimento sustentável: eles podem se encontrar? Revista de Economia Mackenzie, v. 11, n. 3, São Paulo, SP, jul. p. 187-208, 2016. Disponível em: <http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/rem/article/view/10075 >. Acesso em: 30 mar. 2021.

BALVANERA, P; URIARTE M; ALMEIDA-LEÑERO, L; ALTESOR, A,; et al.,; Ecosystem services research in Latin America: The state of the art. Ecosystem Services, Netherlands, v. 2, n. 2, p.56-70, dez. 2012. Disponível em: <https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S2212041612000320>. Acesso em: 15 dez. 2020.

BAHIA. Secretária do Meio Ambiente – Sema (org.). Sistema Estadual de Informações Ambientais e de Recursos Hídricos – SEIA. 2020. Disponível em: <http://sistema.seia.ba.gov.br/lai.xhtml>. Acesso em: 10 mar. 2020.

BAHIA. lei nº 13.223 de 12 de janeiro de 2015. Institui a Política Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais e dá outras providências. 2015. Disponível em: <http://aiba.org.br/wp-content/uploads/2014/10/LEI-N-13-233-PSA.pdf> Acesso em: 30 maio de 2019.

BLANCO, G.D. Do paradigma global de modernização ecológica às apropriações locais: o mecanismo de desenvolvimento limpo (MDL) no Brasil. 2013. 111 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas), Programa de Pós Graduação em Sociologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

BRAAT, L.C; GROOT, R. The ecosystem services agenda: bridging the worlds of natural science and economics, conservation and development, and public and private policy. Ecosystem Services, [S.L.], v. 1, n. 1, p. 4-15, jul. 2012. Elsevier BV. Disponível em: <https://doi.org/10.1016/j.ecoser.2012.07.011>. Acesso em: 14 nov. 2021.

BRASIL. Lei nº 12.187, de 29 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC e dá outras providências. 2009. Disponível em: <https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=841507&filename=LegislacaoCitada+-> Acesso em: 02 jun. 2019.

BRASIL. ENREDD+: estratégia nacional para redução das emissões provenientes do desmatamento e da degradação florestal, conservação dos estoques de carbono florestal, manejo sustentável de florestas e aumento de estoques de carbono florestal / Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Mudanças do clima e Qualidade Ambiental. Departamento de Políticas de Combate ao Desmatamento. Brasília: MMA, 2016. 48 p. Disponível em <http://redd.mma.gov.br/images/central-de-midia/pdf/artigos/enredd_final_pt_WEB.pdf>. Acesso em: 12 dez. 2020.

BRASIL. Comissão Nacional para REDD+. 2016. Ministério do Meio Ambiente. Disponível em <http://redd.mma.gov.br/pt/comissao-nacional-para-redd>. Acesso em: 09 de agost. 2019.

BRASIL. Entenda como funciona o crédito de carbono. 2012. Disponível em: <http://legado.brasil.gov.br/noticias/meio-ambiente/2012/04/entenda-como-funciona-o-mercado-de-credito-de-carbono>. Acesso em: 12 agost. 2019.

BRASIL. Protocolo de Quioto. Ministério do Meio Ambiente. Disponível em: <https://www.mma.gov.br/clima/convencao-das-nacoes-unidas/protocolo-de-quioto.html>. Acesso em: 30 ago. 2019.

BRASIL. Constituição (2009). Lei nº 12144, de 09 de dezembro de 2009. Cria o Fundo Nacional sobre Mudança do Clima, altera os arts. 6o e 50 da Lei no 9.478, de 6 de agosto de 1997, e dá outras providências. Lei Nº 12.114, de 9 de dezembro de 2009. Brasília, DF, 09 dez. 2009. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L12114.htm>. Acesso em: 30 ago. 2019.

BRASIL. Contribuição nacionalmente determinada para consecução do objetivo da convenção-quadro das nações unidas sobre mudança do clima. 2016. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1930-1949/D23793.htm>. Acesso em: 05 jun de 2019.

BRASIL. Lei nº 14.119, de 13 de janeiro de 2021. Institui a Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2021/Lei/L14119.htm>. Acesso em: Jan. de 2021.

BRASIL. Lei nº 12.512, de 14 de outubro de 2011. 2011. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Lei/L12512.htm>. Acesso em: 09 agost. 2019.

BRASIL. Portaria nº 288, de 2 de julho de 2020. Institui o Programa Nacional de Pagamentos por Serviços Ambientais - Floresta+, no âmbito do Ministério do Meio Ambiente. Disponível em: <https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-288-de-2-de-julho-de-2020-264916875?_ga=2.13018039.1800391225.1610981851-857528008.1606503591>. Acesso em: Jan. de 2021.

CARBON PRICING LEADERSHIP COALITION – CPLC. Who we are. 2020. Disponível em: <https://www.carbonpricingleadership.org/who-we-are>. Acesso em: 05 maio 2020.

BUCHIANERI, V.C. O valor dos serviços ecossistêmicos nas bacias hidrográficas dos rios Itaguaré e Guaratuba, Bertioga, SP. 2017. 268 f. Tese (Doutorado em Geografia Física) - Curso de Programa de Pós- Graduação em Geografia Física, Departamento de Geografia Física, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Cap. 4. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8135/tde-30052018-105644/pt-br.php>. Acesso em: 10 abr. 2019.

BURSZTYN, M. A.; BURSZTYN, M. Fundamentos de política e gestão ambiental: caminhos para a sustentabilidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2012.

CARMO, H.F;MADARI, B.E; WANDER, A.EL; MOREIRA, F.R.B; GONZAGA, A.C.O;SILVEIRA, P.M; SILVA, A. G; SILVA, J.G; MACHADO, P.L.O.A. Balanço energético e pegada de carbono nos sistemas de produção integrada e convencional de feijão-comum irrigado. Pesquisa agropecuária brasileira, Brasília, v.51, n.9, p.1069-1077, 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pab/v51n9/0100-204X-pab-51-09-1069.pdf>. Acesso em: 19 de agost. 2019.

COSTANZA, et al. . The value of the world’s ecosystem services and natural capital. Nature, v. 387, p. 253-260, 1997. Disponível em: <https://www.nature.com/articles/387253a0>. Acesso em: 15 dez. 2020.

DIEGUES, A. C. S. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: NUPAUB-USP, 1994.

ELMQVIST, T.E.; MALTBY, E.; BARKER, T.; MORTIMER, M.; PERRINGS, C.; ARONSON, J.; GROOT, R.S. DE; FITTER, A.; MACE, G.; NORBERG, J.; SOUSA PINTO, I.; RING, I. Biodiversity, ecosystems and ecosystem services. In: The Economics of Ecosystems and Biodiversity, Ecological and Economic Foundations / Kumar, P., Londen: Earthscan, 2010. p. 41 - 112. Disponível em: <https://library.wur.nl/WebQuery/wurpubs/401251>. Acesso em: 26 de mai de 2021.

FEARNSIDE, P. M. Valoração do estoque de serviços ambientais como estratégia de desenvolvimento no Estado do Amazonas. Inclusão social (Online), v. 12, p. 141-151, 2018. Disponível em: < http://revista.ibict.br/inclusao/article/view/4400>. Acesso em: 15 dez. 2020.

FEARNSIDE, Philip M.. Environmental services as a strategy for sustainable development in rural Amazonia. Ecological Economics, [S.L.], v. 20, n. 1, p. 53-70, jan. 1997. Elsevier BV. Disponivel em: <http://dx.doi.org/10.1016/s0921-8009(96)00066-3>. Acesso em: 14 nov. 2021.

FEARNSIDE, P. M. O presidente Bolsonaro retirará o Brasil do Acordo de Paris? Mongabay, 2019 [documento www]. Disponível em: https://news.mongabay.co / 01 / / ommentary-will-president-bolsonaro -draw-brazil-from-the-paris-agreement />. Acesso em: 30 mar. 2021.

FEARNSIDE, P. M. Amazon forest maintenance as a source of environmental services. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v. 80, n. 1, p. 101-114, 2008. Disponível em: < https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0001-37652008000100006&lang=en#:~:text=Amazonian%20forest%20produces%20environmental%20services,obtained%20by%20destroying%20the%20forest> Acesso em: 15 dez. 2020.

FERREIRA, Vitor F. The future we want. Journal Of The Brazilian Chemical Society, [S.L.], v. 23, n. 5, p. 795-796, maio 2012. FapUNIFESP (SciELO). Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/s0103-50532012000500001>. Acesso em: 14 nov. 2021.

FOLETO, E.M; LEITE, M.B. Perspectivas do pagamento por serviços ambientais e exemplos de caso no BrasiL. Rea – Revista de Estudos Ambientais (online), Santa Maria - Rs, v. 1, n. 13, p.6-17, jan. 2011. Disponível em: <https://bu.furb.br/ojs/index.php/rea/article/viewFile/1537/1570>. Acesso em: 13 ago. 2019.

FOREST TRENDS. Mapping Ecosystem Markets. 2019. Disponível em: <https://www.forest-trends.org/about-our-project-data/> Acesso em: 15 de ago. 2019.

GROOT, R; BRANDER, L; PLOEG, S.V. DER ; COSTANZA, R. et al., Global estimates of the value of ecosystems and their services in monetary units. Ecosystem Services. V. 1, n. 1, p. 50-61, 2012. Disponível em: <https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2212041612000101#fn5>. Acessado em 06 de ago. 2019.

GÓMEZ-BAGGETHUN, E. RUDOLF, G, P L. LOMAS; CARLOS. M. The history of ecosystem services in economic theory and practice: from early notions to markets and payment schemes. Ecological Economics, [S./l.], 69, n. 6, p. 1209-1218, 2010. Disponível em: <https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S092180090900456X> Acesso em: 15 dez. 2020.

HAMRICK, K. Fertile Ground: State of Forest Carbon Finance 2017. Forest Trends’ Ecosystem Marketplace. Washington. 2017. Disponível em: <https://www.forest-trends.org/wp-content/uploads/2018/01/doc_5715.pdf>. Acesso em: 09 de jun. 2019.

INVESTING. Crédito Carbono - Futuros. 2019. Disponível em: <https://br.investing.com/commodities/carbon-emissions-streaming-chart>. Acesso em: 12 de ago. de 2019.

INTERGOVERNMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE - IPPC.2019. Global Warming of 1.5 ºC. [2019]. Disponível em: <https://www.ipcc.ch/sr15/> Acessado em maio de 2021.

INVESTING. Crédito Carbono - Futuros. 2019. Disponível em: <https://br.investing.com/commodities/carbon-emissions-streaming-chart>. Acesso em: 12 de ago. de 2019.

INVESTING. Climate Change 2007. 2007. Disponível em: <https://www.ipcc.ch/2007/ >. Acesso em: 16 de set. 2019.

LEITE, J. C. Controvérsias na climatologia: o IPCC e o aquecimento global antropogênico. Estudos Avançados, São Paulo, v. 13, n. 3, p. 643-77, 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ss/v13n3/2316-8994-ss-13-03-00643.pdf>. Acesso em: 11 de maio 2019.

LIMA, R.C.C; CAVALCANTE, A.M.B; MARIN, A.M.P. Desertificação e mudanças climáticas no semiárido brasileiro. Campina Grande: Embrapa Semiárido, 2009. 209 p. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/574628/mudancas-climaticas-e-desertificacao-no-semi-arido-brasileiro. Acesso em: 14 nov. 2021.

MATTOS, L. Análise do Proambiente como política pública federal para a Amazônia brasileira. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 28, n. 3, p. 721-749, set./dez. 2011. Disponível em: <https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/86694/1/Analise-do-proambiente.pdf>. Acesso em: maio de 2021.

MEDEIROS, R., YOUNG, C. E. F., PAVESE, H. B., ARAÚJO, F. F. S., PEREIRA G.S; et al., Unidades de conservação e desenvolvimento: a contribuição do SNUC para economia nacional; In: Medeiros. R & Araújo, F. F. S. (Org.). Dez anos do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. 57-88. 2011.

MENDONCA, F. A.. Geografia Socioambiental. Terra Livre, São Paulo, v. 1, n.16, p. 113-132, 2001. Disponível em: <https://publicacoes.agb.org.br/index.php/terralivre/article/view/352/334>. Acesso em: maio de 2021

MENEZES, R.S.C; SALES, A.T; PRIMO, D.C; ALBUQUERQUE, E.R.G.M; JESUS, K.N; PAREYN, F.G.C; SANTANA, M.S; SANTOS, U.J; MARTINS, J.C. R; ALTHOFF, T.D. Soil and vegetation carbon stocks after land-use changes in a seasonally dry tropical forest. Geoderma, [S.L.], v. 390, p. 114943, maio 2021. Elsevier BV. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1016/j.geoderma.2021.114943> Acesso 14 nov. 2021.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA. Conferência das Partes. 2019-a. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/clima/convencao-das-nacoes-unidas/conferencia-das-partes.htm>. Acesso em: 14 de mai. 2019.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA. Acordo de Paris. 2019-b Disponível em: <http://www.mma.gov.br/clima/convencao-das-nacoes-unidas/acordo-de-paris> Acessado em 04 de julho de 2019.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA. Fontes de Financiamento Climático. 2019. Disponível em: <https://www.mma.gov.br/images/arquivos/apoio_a_projetos/fontes_de_financiamento/Fontes-de-Financiamento-Climatico.pdf>. Acesso em: 30 ago. 2019.

MINISTÉRIO DO INTERIOR. Relatório da Delegação Brasileira à Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente – Volume I. Estocolmo, 72 – Volume I. Brasília, 1972. Disponíel em: <https://cetesb.sp.gov.br/proclima/wp-content/uploads/sites/36/2013/12/estocolmo_72_Volume_I.pdf> Acesso em: 11 de mai. 2019.

MOREIRA, H.M; Giometti, A.B.R. O Protocolo de Quioto e às Possibilidades de Inserção do Brasil no Mecanismo de Desenvolvimento Limpo por meio de Projetos em Energia Limpa. Contexto Internacional. Rio de Janeiro, v. 30, n.1, p. 9-47, janeiro/abril 2008. Disponível em: < https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-85292008000100001&script=sci_abstract&tlng=pt> Acesso em 15 dez. 2020.

MOREIRA, A. A. M. Desafios à conservação na bacia do Paraopeba/MG: identificando valores. 1. ed. Belo Horizonte: Editora da PUC Minas, 2020. 271p .

DE OLIVEIRA, L.D. Os "Limites do Crescimento" 40 Anos Depois. Continentes , [S.l.], n. 1, p. 72-96, jul. 2012. ISSN 2317-8825. Disponível em: <http://www.revistacontinentes.com.br/index.php/continentes/article/view/8>. Acesso em: 14 nov. 2021.

NOVAES, W. Eco-92: avanços e interrogações. Estudos Avançados, v. 6, n.15, p. 79-93. 1992. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141992000200005>. Acesso em: dez. 2020.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. A ONU e o meio ambiente. 2019. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/acao/meio-ambiente/ >. Acesso em: 03 de maio 2019.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano. 1972. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/estruturas/agenda21/_arquivos/estocolmo.doc>. Acesso em: 08 de mai. 2019.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. Década das Nações Unidas para a Restauração. 2021. Disponível em: < https://www.decadeonrestoration.org/>. Acesso em: 14 de abri. 2021.

RAMID, J; RIBEIRO, A. Declaração do Rio de Janeiro. Estudos avançados. v. 6, n° 15, 1992. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ea/v6n15/v6n15a13.pdf> Acesso em: 10 jun. 2019.

SAAD, S I. Modelagem e valoração dos serviços ambientais hidrológicos na recuperação da vegetação no Ribeirão das Posses, Extrema, MG. 2015. 169 f. Tese (Doutorado em Ciência Ambiental) - Curso de Programa de Pós-graduação em Ciência Ambiental, Instituto de Energia e Ambiente, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/106/106132/tde-23032018-155045/publico/SandraSaad2015_tese_corrigida.pdf>. Acesso em: 02 jun. 2019.

SAATCHI, S.S., HARRIS, N.L., BROWN, S., LEFSKY, M., MITCHARD, E.T.A., et al., Benchmark map of forest carbon stocks in tropical regions across three continents. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America - PNAS. v. 108, n.24, p. 9899-9904, 2011. Disponível em: <https://www.pnas.org/content/108/24/9899> Acesso em: 07 de ago. 2019.

SENADO FEDERAL. Protocolo de Quioto e legislação correlata. Brasília: Senado

Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2004. 88 p. Disponível em: <https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70328/693406.pdf?sequence=2>. Acesso em: 30 de agos. 2019.

SISTEMA DE ESTIMATIVAS DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA – SEEG. Estimativas totais CO2 por toneladas. 2019. Disponível em: <http://plataforma.seeg.eco.br/total_emission> Acesso em: 01 de out. 2021.

SOBRINHO, R.P; GARCIA, J.R; MAIA, A.G. Tecnologia Blockchain: inovação em Pagamentos por Serviços Ambientais. Estudos Avançados, São Paulo, v. 55, n. 33, p.151-175, jan. 2019. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/eav/article/view/159481/154258>. Acesso em: 13 ago. 2019.

STEENBOCK, W. Uma Genealogia da Política Ambiental Brasileira. 2018. Disponível em: <https://www.euricovianna.com.br/2018/11/29/se-a-poluicao-e-o-preco-do-desenvolvimento-estamos-dispostos-a-paga-lo-uma-genealogia-da-politica-ambiental-brasileira-por-walter-steenbock/>. Acesso em:12 abr. 2021.

PARKER, C., MITCHELL, A., TRIVEDI, M; MARDAS, N. The Little REDD+ Book. Global Canopy Foundation, UK. 2009, 1-136. Disponível em: <https://redd.unfccc.int/uploads/2_162_redd_20091201_gcp.pdf>. Acesso em: 15 dez. 2020.

PFAFF, A., ROBALINO, J., SANCHEZ-AZOFEIFA, G. A., ANDAM, K. S., FERRARO, P. J. PARK location affects forest protection: Land characteristics cause differences in park impacts across Costa Rica. Journal of Economic Analysis & Policy, v.9, n.2, p.1–24, 2009. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/46555914_Park_Location_Affects_Forest_Protection_Land_Characteristics_Cause_Differences_in_Park_Impacts_across_Costa_Rica> Acesso: 06 de abri. 2020.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO – PNUD. Atlas Brasil. 2011. Disponível em: <http://atlasbrasil.org.br/2013/pt/perfil_m/guanambi_ba>. Acesso em: 24 de set. 2019.

VASCONCELLOS, R.C; BELTRÃO, N.E.S. Avaliação de prestação de serviços ecossistêmicos em sistemas agroflorestais através de indicadores ambientais. Interações, Campo Grande, MS, v. 19, n. 1, p. 209-220, jan./mar. 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/inter/v19n1/1518-7012-inter-19-01-0209.pdf>. Acesso em: 02 jun. 2019.

WORLD BANK GROUP. State and Trends of Carbon Pricing 2019. Washington, DC: World Bank, 2019. Disponível em: <https://openknowledge.worldbank.org/handle/10986/31755>. Acesso em: 15 de ago. 2019.

UNITED NATIONS ENVIRONMENT PROGRAMME . Emissions Gap Report 2019. UNEP, Nairobi. 2019. Disponível em: <https://wedocs.unep.org/bitstream/handle/20.500.11822/30797/EGR2019.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 27 nov. 2020.

UNITED NATIONS FRAMEWORK CONVENTION ON CLIMATE CHANGE – UNFCCC. What is the United Nations Framework Convention on Climate Change? 2019. Disponível em: <https://unfccc.int/portal_espanol/informacion_basica/la_convencion/items/6196.php> Acesso em: 10 de jun. 2019.

UNITED NATIONS FRAMEWORK CONVENTION ON CLIMATE CHANGE – UNFCCC. Acordo de Paris. 2015. Disponível em: <https://unfccc.int/process-and-meetings/conferences/past-conferences/paris-climate-change-conference-november-2015/cop-21 > Acesso em: 26 de mai. 2020.

Downloads

Publicado

2021-11-15

Como Citar

CLEMENTE, C. M. S. .; MOREIRA, A. A. M. . Reflexões teóricas e políticas sobre os serviços ambientais. Revista Cerrados, [S. l.], v. 19, n. 02, p. 451–484, 2021. DOI: 10.46551/rc24482692202134 . Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/4402. Acesso em: 8 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Categorias