Territórios da Educação do Campo: do campo em movimento à aprendizagem territorial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202126%20

Palavras-chave:

Educação do Campo, Território em Disputa, Aprendizagem Territorial

Resumo

Este artigo objetiva analisar teoricamente o que convencionalmente configurou-se como território(s) da educação do campo, intentando ampliar o debate sobre esta temática quando considera que há uma conflitualidade no campo brasileiro entre o território do campesinato e o do agronegócio. Além disso, as experiências de educação do campo revelam um território educativo como dimensão prática da aprendizagem territorial, fruto da participação dos povos e movimentos do campo. Embora este trabalho esteja centrado no debate teórico e na revisão bibliográfica, foi realizada a pesquisa documental em sítios eletrônicos do INCRA, IBGE e Censo Escolar/INEP, a fim de correlacionar dados educacionais e de assentamentos rurais do município de Grajaú à luz da análise qualitativa e apresentação de algumas incursões de pesquisa de campo nas escolas do município em tela. Persiste a necessidade de coibir o fechamento de escolas do campo em Grajaú e, por extensão, nos municípios do Sul do Maranhão nos quais avança o agronegócio, bem como a superação da precarização de escolas e territórios rurais. Consequentemente, também é necessária a separação da educação dos vínculos políticos, que a colocam como moeda de troca para alocação de empregos oriundos de apoio político após eleições municipais e/ou estaduais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Nicolau Santos da Silva, Universidade Federal do Maranhão – UFMA, Grajaú (MA), Brasil

É Graduado em Geografia pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES), Mestre e Doutor em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Atualmente é Professor da Universidade Federal do Maranhão (UFMA, Câmpus de Grajaú).

Rosimary Gomes Rocha, Universidade Federal do Maranhão – UFMA, Grajaú (MA), Brasil

É Graduada em Geografia pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), Mestra em Geografia Universidade Federal de Goiás (UFG) e Doutora em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Atualmente é Professora da Universidade Federal do Maranhão (UFMA, Câmpus de Grajaú).

Luciano Rocha da Penha, Universidade Federal do Maranhão – UFMA, Grajaú (MA), Brasil

É Graduado em Geografia, Mestre em Planejamento do Desenvolvimento e Doutorando em Geografia Universidade Federal do Pará (UFPA). Atualmente é Professor da Universidade Federal do Maranhão (UFMA, Câmpus de Grajaú).

Referências

ALMEIDA, M. G. de. Diáspora: viver entre-territórios. E entre-culturas? In: SAQUET, M. A.; SPOSITO, E. S. (Org.). Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. São Paulo: Expressão Popular, 2009. p. 175-194.

ARAÚJO, S. M. da S. Educação do campo no Brasil: um discurso para além do pós-colonial?. Revista Latinoamericana de Ciências Sociais, [S./l.], v. 8, n. 1, p. 221-242, 2010.

ARROYO, M. G. A educação básica e o movimento social do campo. In: ARROYO, M. G.; FERNANDES, B. M. (Org.). Por uma educação básica do campo. Brasília: Coordenação da Articulação Nacional Por uma Educação Básica do Campo, 1999. p. 08-26.

BOIX, R. Escuela rural y territorio: entre la desruralización y la cultura local. Revista Digital eRural: educación, cultura y desarrollo rural, [S./l.], v. 1, n. 1, p. 1-8, jul. 2003. Disponible en: . Acceso en: 21 nov. 2017.

CALDART, R. S. Por uma educação do campo: traços de uma identidade em construção. In: ARROYO, M. G.; CALDART, R. S.; MOLINA, M. C. (Org.). Por uma educação do campo. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2011. p. 149-158.

FERNANDES, B. M. Reforma agrária e educação do campo no Governo Lula. Campo – Território: revista de geografia agrária, Uberlândia, v. 7, n. 14, p. 1-23, ago. 2012. Disponível em: <http://www.seer.ufu.br/index.php/campoterritorio/article/view/17406>. Acesso em: 21 nov. 2017.

FERNANDES, B. M. Diretrizes de uma caminhada. In: ARROYO, M. G.; CALDART, R. S.; MOLINA, M. C. (Org.). Por uma educação do campo. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2011. p. 135-145.

FERNANDES, B. M. Sobre a tipologia de territórios. In: SAQUET, M. A.; SPOSITO, E. S. (Org.). Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. São Paulo: Expressão Popular, 2009. p. 197-215.

FERNANDES, B. M. Os campos da pesquisa em educação do campo. 2005. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaodocampo/artigo_bernardo.pdf>. Acesso em: 20 maio 2013.

FERREIRA, F. de J.; BRANDÃO, E. C. Educação do Campo: um olhar histórico, uma realidade concreta. Revista Eletrônica de Educação, [S./l.], v. 5, n. 9, p. 1-14, jul./dez. 2011.

FREITAS, C. B.; PINHO, L. A.; ANTUNES-ROCHA, M. I. Educação do Campo: da luta à conquista de direitos. Belo Horizonte: FaE/CAED/UFMG, 2013. 44 p.

HAESBAERT, R. Concepções de território para entender a desterritorialização. In: SANTOS, M. [et al.]. Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006. p. 43-70.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007. 400 p.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010. Brasília: IBGE, 2010.

INCRA – Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Assentamentos – Informações Gerais. Brasília: INCRA, 2017. Disponível em: <http://painel.incra.gov.br/sistemas/index.php>. Acesso em: 21 nov. 2017.

GIRARDI, E. P. Atlas da questão agrária brasileira. Presidente Prudente: NERA, 2008. Disponível em: <http://www2.fct.unesp.br/nera/atlas/violencia.htm>. Acesso em 21 nov. 2017.

MOREIRA, R. Pensar e ser em geografia: ensaios de história, epistemologia e ontologia do espaço geográfico. 2. ed., 1. reimpr. São Paulo: Contexto, 2013. 188 p.

NASCIMENTO, C. G. do. Políticas “públicas” e educação do campo: em busca da cidadania possível?. Revista Travessias, [S./l.], v. 3, n. 3, p. 178-198, set./dez. 2009.

QUEIROZ, J. B. P. de. A educação do campo no Brasil e a construção das escolas do campo. Revista NERA, Presidente Prudente, v. 14, n. 18, p. 37-46, jan./jun. 2011.

ROCHA, G. de M. Aprendizagem territorial. In: ROCHA, G. de M.; VASCONCELLOS SOBRINHO, M.; TEISSERENC, P. (Org.). Aprendizagem territorial: dinâmicas territoriais, participação social e ação local. Belém: NUMA/UFPA, 2016. p. 9-22.

SAMPAIO, P. de A. A reforma agrária que nós esperamos do governo Lula. In: OLIVEIRA, A. U.; MARQUES, M. I. M. (Org.). O campo no século XXI: território de vida, de luta e de construção da justiça social. São Paulo: Ed. Casa Amarela/ Paz e Terra, 2004. p. 329-334.

SANTOS, Milton. O retorno do território. In: SANTOS, M.; SOUZA, M. A. A. de.; SILVEIRA, M. L. (Org.). Território: globalização e fragmentação. 2. ed. São Paulo: Hucitec/ANPUR, 1996. p. 15-20.

SANTOS, Milton. O dinheiro e o território. In: SANTOS, Milton [et al.]. Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006. p. 13-21.

SAQUET, Marcos Aurélio. Abordagens e concepções de território. São Paulo: Expressão Popular, 2007. 200 p.

SOUZA, F. E. de. As “geografias” das escolas no campo do município de Goiás: instrumento para a valorização do território do camponês?. 2012. 380 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Presidente Prudente, 2012.

SOUZA, M. A. A prática educativa e a pesquisa no movimento social. Práxis Educativa, Ponta Grossa, PR, v. 1, n. 1, p. 7-18, jan./jun. 2006.

UNESCO – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Educação para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: Objetivos de Aprendizagem. Brasília: UNESCO Brasil, 2017.

VILLAS BÔAS, B. Sete estados ainda devem encolher este ano, diz estudo. Valor Econômico, Rio de Janeiro, 11 set. 2017. Disponível em: <http://www.valor.com.br//brasil/5113624/sete-estados-ainda-devem-encolher-este-ano-diz-estudo>. Acesso em: 26 nov. 2017.

Downloads

Publicado

2021-08-01

Como Citar

SILVA, M. N. S. da; ROCHA, R. G. .; PENHA, L. R. da . Territórios da Educação do Campo: do campo em movimento à aprendizagem territorial. Revista Cerrados, [S. l.], v. 19, n. 02, p. 238–271, 2021. DOI: 10.46551/rc24482692202126 . Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/4318. Acesso em: 19 out. 2021.