Setor Sucroalcooleiro de Rio Brilhante (MS): Uma análise de Insumo-Produto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202122

Palavras-chave:

Rio Brilhante (MS). Setor Sucroalcooleiro. Matriz de insumo-produto. Desenvolvimento Regional. Polos de Crescimento.

Resumo

Rio Brilhante, localizado no estado de Mato Grosso do Sul, vem se destacando na produção de cana de açúcar, sendo que no ano de 2017 foi a segunda maior produtora do Brasil. Neste sentido, pensar no conceito Região é entender que existem inúmeras diferenciações regionais, o que, consequentemente, coloca como necessária uma análise mais aprofundada. Não obstante, diversos teóricos tenham buscado, por meio do desenvolvimento regional, explicar essas complexidades encontradas em cada região de cada subespaço, entre eles destaca-se François Perroux, que permeou sua teoria a partir dos polos de crescimento. Assim, fundamentado nas ideias do autor, estabelecemos como objetivo deste trabalho analisar, por meio de uma matriz insumo-produto, se o setor sucroalcooleiro atua como um polo de crescimento no município de Rio Brilhante - MS. Para tanto, foi adotada uma análise de matriz insumo-produto que permite verificar quais setores possuem maior capacidade de gerar impactos na economia. No resultado das análises sobre o setor sucroalcooleiro de Rio Brilhante (MS), observamos indícios de que este atua como um setor chave para o crescimento econômico do município, entretanto não se pode afirmar que ele atua como um polo de crescimento no sentido estrito da teoria de Perroux.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiane Aparecida Dreger Fernandes, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul – UEMS, Campo Grande (MS), Brasil

Graduanda em Geografia (Licenciatura) pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS).

Mateus Boldrine Abrita, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul – UEMS, Campo Grande (MS), Brasil

É Graduado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Mestre em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e Doutor em Economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Atualmente é Professor da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) unidade Campo Grande, atuando nos cursos de Geografia Licenciatura e Bacharelado.

Wesley Osvaldo Pradella Rodrigues, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS, Naviraí (MS), Brasil

É Graduado em Administração de Empresas pela Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (UNIDERP), Mestre em Agronegócios pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) e Doutor em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional pela Universidade Anhanguera (UNIDERP). Atualemnte é Professor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Câmpus Naviraí, no curso de Administração.

Referências

ATVOS. Linha do Tempo. 2017. Disponível em: < https://www.atvos.com/a-empresa/linha-do-tempo/>. Acesso em 30 abril 2020.

ATVOS. Relatório Anual, Safra 2018/2019. 2019. Disponível em:<https://www.atvos.com/comunicacao/relatorio-anual/>. Acesso em: 29 abril 2020.

BELLINGIERI, Júlio Cesar. Teorias Do Desenvolvimento Regional E Local: Uma Revisão Bibliográfica. Revista de Desenvolvimento Econômico, Salvador, v. 2, n. 37, p. 6-34, 2017.

BIOSEV. Relatório de Sustentabilidade, Safra 2018/2019. 2019. Disponível em:< https://www.biosev.com/sustentabilidade/relatorio-de-sustentabilidade/>. Acesso em: 02 abril 2020.

BIOSUL. Associação dos Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul. Associadas. 2020. Disponível em:< http://biosulms.com.br/institucional/associadas/ >. Acesso em: 27 abril 2020.

BIOSUL. Associação dos Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul. Notícias. 2020. Disponível em:< http://biosulms.com.br/municipios-produtores-de-cana-de-acucar-em-ms-estao-entre-as-maiores-economias-agricolas-do-pais/>. Acesso em: 04 maio 2020.

BRENE, P. R. A.; SESSO FILHO, U. A.; COSTA, A. J. D.; RANGEL, R. R. Estimativa da matriz de insumo-produto do município de São Bento do Sul no Estado de Santa Catarina. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, [S./.], v. 7, n. 3, p. 250-269, 2011.

BRITTS, Thiago Henrique; DA SILVA, Walter Guedes; ABRITA, Mateus Boldrine. O crescimento canavieiro no município de Rio Brilhante-MS e os impactos ambientais causados pela queima da palha da cana-de-açúcar (2001 a 2010). Revista Cerrados, Montes Claros, v. 14, n. 1, p. 58-76, 2016.

COSTA, E. D.; JÚNIOR, I. T.; BEZERRA, J. F.; MELO, M. V. Matriz de Insumo-Produto de Pernambuco para 1999: metodologia de cálculo e subsídios ao planejamento regional. Economia Aplicada, Ribeirão Preto, v.9, n.4, p.595-621, 2005.

COSTA, Rogério Haesbaert da. Regional-Global: Dilemas da Região e da Regionalização na Geografia Contemporânea. Rio de Janeiro, 2010.

DALBERTO, Cassiano Ricardo; STADUTO, Jefferson Andronio Ramundo. Uma análise das economias de aglomeração e seus efeitos sobre os salários industriais brasileiros. Revista de Economia Contemporânea, [S./l.], v. 17, n. 3, 2013.

FEIJÓ, C. A. (Orgs). Contabilidade social: referência atualizada das contas nacionais do Brasil. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017.

FRAINER, D. M.; RODRIGUES, W. O. P.; EDUARDO, A. S.; MOREIRA, M. G.. Matriz insumo-produto de Mato Grosso do Sul 2015: construção e análise dos principais indicadores econômicos. Revista de Desenvolvimento Econômico, [S./l.], v. 2, n. 49, 2021 (no prelo).

GOMES, Paulo Cesar da Costa. O Conceito de Região e Sua Discussão. In: CASTRO, Iná, E.; GOMES, Paulo Cesar da C.; CORRÊA, Roberto, L. Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro. p. 49-76, 1995.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cadastro Central de Empresas. 2018. Disponível em: < https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ms/rio-brilhante/pesquisa/19/29761 >. Acesso em 28 abril 2020.

HIRSCHMAN, A.O. The Strategy of Economic Development. New Haven: Yale University Press. 217p.1958.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. 2018. Disponível em: < https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ms/riobrilhante/pesquisa/14/10193?tipo=ranking&indicador=10246>. Acesso em 11 maio 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo, Amostra -Trabalho. 2018. Disponível em:<https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ms/rio-brilhante/pesquisa/23/22957?detalhes=true>. Acesso em: 04 maio 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Bases e referencias, bases cartográficas, malhas digitais. 2015. Disponível em:< https://mapas.ibge.gov.br/bases-e-referenciais/bases-cartograficas/malhas-digitais>. Acesso em: 25 maio 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção Agrícola Municipal – Lavoura Temporária. 2018. Disponível em: < https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ms/rio-brilhante/pesquisa/14/10193 >. Acesso em 30 abril 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produto Interno Bruto dos Municípios. 2017. Disponível em:<https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ms/rio-brilhante/pesquisa/38/46996 >. Acesso em: 01 maio 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sistema de contas nacionais do Brasil. Rio de Janeiro: 2011.

IPEA, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Matriz Insumo-Produto Regional. 2010. Disponível em: . Acesso em: 07 Dez. 2019.

JESUS, Josias Alves; SPINOLA, Noelio Dantaslé. Seis Décadas Da Teoria Dos Polos De Crescimento: Revisitando Perroux. Revista de Desenvolvimento Econômico, Salvador, ano XVII, n. 2, p. 935-952, 2015.

MATTE JÚNIOR, Alexandre Aloys; ALVES, Darlã de. A Teoria Dos Polos De Crescimento De Perroux: Uma Revisão Sistemática. Revista de Administração e Negócios da Amazônia, [S./l.], v.9, n.3, p. 103-115, 2017.

MILLER, R.E e BLAIR, P.D. Input-Output Analysis: Foundations and Extensions. Cambridge University Press, 2009.

PEREIRA, Luiz C. et al. Bresser. Desenvolvimento e crise no Brasil. V. 1. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1968.

PEREIRA, Marcelo Castro. A Expansão Sucroalcooleira em Mato Grosso do Sul, Dinâmica e Determinante. 2007. 152 f. Dissertação (Mestrado em Agronegócios) -Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Universidade de Brasília, Universidade Federal de Goiás. Campo Grande, 2007.

PORSSE, A. A. Multiplicadores de impacto na economia gaúcha: aplicação do modelo de insumo-produto fechado de Leontief. Porto Alegre: FEE, 2002.

RIPPEL, Ricardo; LIMA, Jandir Ferreira de. Polos de crescimento econômico: notas sobre o caso do estado do Paraná. Redes. Santa Cruz do Sul. v. 14, n. 1, p. 136-149. 2009.

SANTOS, Milton. Uma Ontologia do Espaço: Noções Fundadoras. In: SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. 4. ed. 8. reimpr. São Paulo: Edusp, 2014. Cap. 1. p. 29-103

SEMADE. Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico. BdEweb – Base de Dados do Estado. 2017. Disponível em: <http://bdeweb.semade.ms.gov.br/bdeweb/ >. Acesso em: 01 maio 2020.

SEMAGRO. Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar. Comissão Mista Brasil-Paraguai aprova resultado da licitação da ponte sobre o Rio Paraguai. 2020. Disponível em:< https://www.semagro.ms.gov.br/comissao-mista-brasil-paraguai-aprova-resultado-da-licitacao-da-ponte-sobre-o-rio-paraguai/ >. Acesso em: 30 maio 2020.

SEMAGRO. Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar. Dados Estatísticos dos Municípios de MS. 2019. Disponível em:< http://www.semagro.ms.gov.br/perfis-socioeconomicos-do-ms-e-municipios/ >. Acesso em: 04 maio 2020.

SIMÕES, Rodrigo Ferreira; LIMA, Ana Carolina da Cruz. Teorias do desenvolvimento regional e suas implicações de política econômica no pós-guerra: o caso do Brasil. texto para discussão N° 358, Cedeplar, Belo Horizonte, 2009.

SOUZA, Nali de Jesus de. Teoria Dos Pólos, Regiões Inteligentes E Sistemas Regionais De Inovação. Análise. Porto Alegre, v. 16, n. 1, p. 87-112, 2005.

WIEBUSCH, F. C.; FOCHEZATTO, A. Um método simples de obtenção de matrizes regionais de insumo-produto: aplicação ao Vale do Taquari. In. ALVIN, A. M.; SOUZA, O. T.; CALANDRO, M. L.(Orgs). Os desafios do desenvolvimento: tendências e perspectivas para a economia gaúcha. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2011. 538P.

Downloads

Publicado

2021-08-01

Como Citar

FERNANDES, T. A. D.; ABRITA, M. B. .; RODRIGUES, W. . O. P. Setor Sucroalcooleiro de Rio Brilhante (MS): Uma análise de Insumo-Produto. Revista Cerrados, [S. l.], v. 19, n. 02, p. 136–160, 2021. DOI: 10.46551/rc24482692202122. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/3863. Acesso em: 19 out. 2021.