A dinâmica do setor sucroenergético no Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202001

Palavras-chave:

Modernization of agriculture. Agribusiness. Commodities. Globalization. Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba.

Resumo

No início do século XXI, o agronegócio sucroenergético teve forte expansão no território brasileiro, especialmente nas regiões que estão no domínio morfoclimático do Cerrado, em função da construção de novas Unidades Agroindustriais Sucroenergéticas (UAS) e dos processos de financeirização e centralização do capital. O objetivo deste artigo é analisar o processo de modernização da cultura canavieira na produção agrícola na mesorregião Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba. Para a realização da pesquisa, fizeram-se imprescindíveis os seguintes passos metodológicos: a) levantamento bibliográfico, leituras de material acadêmico já publicado sobre o tema (teses e dissertações, livros, periódicos, dentre outros) através de levantamento bibliográfico temático (específico sobre o setor sucroenergético e a cultura canavieira); b) pesquisa em campo que consistiu em levantamento, exame e organização de dados secundários da produção e da situação econômico-financeira das empresas, assim como de bases de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).O Brasil se consolidou nas últimas décadas como uma das modernas fronteiras de expansão agrícola e agroexportador de produtos ligados ao agronegócio, especialmente no período pós - anos 2000, sob o paradigma da agricultura científica globalizada. Um conjunto de circunstâncias favoráveis, tanto técnica e político-econômica provocaram uma nova organização do setor, pautada na internacionalização do mercado e na difusão de inovações científico-tecnológicas, confirmando o caráter mais corporativo do território e a procura de novas áreas estratégicas. Concluímos que, a partir da organização dos dados e informações coletadas, o Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba se tornou nas últimas décadas uma importante Região Produtiva do Agronegócio impactando as relações e o mercado de trabalho, os fluxos migratórios, os municípios aonde a atividade se implantou, a articulação da região as redes de produção global, bem como questões ambientais decorrentes da produção em larga escala.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Féo Castro de Araújo, Universidade de Brasília – UnB, Brasília, Distrito Federal, Brasil

Possui Graduação em Geografia e Mestrado em Ciências Sociais cursados pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Atualmente é Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade de Brasília (UnB).

Fernando Luiz Araújo Sobrinho , Universidade de Brasília – UnB, Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Possui Graduação em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Mestrado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Brasília (UnB) e Doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Atualmente é Professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia, Departamento de Geografia da Universidade de Brasília (UnB).

Referências

ANDRADE, M. C. de. Espaço e tempo na agroindústria canavieira de Pernambuco. Estudos Avançados, São Paulo, v. 15, nº 43, p. 267-280, 2001.

ANDRADE, M. C. de. A terra e o homem no Nordeste: contribuição ao estudo da questão agrária no Nordeste. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1986.

ANDRADE, M. C. Modernização e pobreza: a expansão da agroindústria canavieira e seu impacto ecológico e social. São Paulo: Editora Unesp, 1994. 250 p.

ARACRI, L. A. Reestruturação produtiva, território e difusão de inovações no campo: a agricultura de precisão em Mato Grosso. Rio de Janeiro: Arquimedes, 2012.

ARACRI, L. A. dos S.; AMARAL, G. M. de O.; LOURENÇO, T. C. M. A expansão do cultivo da soja e as transformações do espaço agrário no Cerrado Mineiro. Revista de Geografia (PPGEO/UFJF), Juiz de Fora, v. 2, n. 1, p. 1-9, 2011.

ARAÚJO, D. F. C. de. O lado amargo da cana: estudos sobre trabalhadores migrantes no setor sucroenergético no pontal do triângulo mineiro. 2018. 176 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Ciências Sócias, Instituto de Ciências Sociais, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2018.

ARAÚJO, D. F. C. de; ARAÚJO SOBRINHO, Fernando Luiz. A cultura agrícola da cana-de-açúcar no Brasil: contribuição ao estudo dos territórios rurais e suas contradições e conflitos. Geopauta, [S.l.], v. 4, n. 1, p. 162-183, abr. 2020. ISSN 2594-5033. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/geo/article/view/6303>. Acesso em: 12 maio 2020.

ARAUJO S. F. L; FERREIRA, L. C. G. A produção canavieira e o mito do progresso: agronegócio e agricultura familiar na microrregião Ceres, Goiás. Revista Patry Ter, Brasília, vol. 2 | n. 1 | abril 2019.

ARAUJO S. F.L; PIZARRO, R. E. C. A construção do agronegócio na região de planejamento Sudoeste Goiano. Campos Neutrais – Revista Latino-Americana de Relações Internacionais, Porto Alegre, v. 1, n. 2, p. 91–106, 2019.

ARAUJO S. F. L; RUFO, T. F. Modernização agrícola nos Cerrados piauienses: novas dinâmicas socioespaciais e transformações urbanas em Bom Jesus e Uruçui, Piauí. Revista Equador (UFPI), v. 5, n. 4 (Edição Especial 03), p.164 – 186, 2018.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS FABRICANTES DE VEÍCULOS AUTOMOTORES ANFAVEA. Anuário da Indústria Automobilística Brasileira. 2020. Disponível em: http://anfavea.com.br/estatisticas. Acesso em: 13 de abril de 2020.

BERNARDES, J. A. Metamorfoses no Setor Sucroenergético: emergência de contradições. In: BERNARDES, J. A.; SILVA, C. A. da; ARRUZZO, R. C. (Org.). Espaço e energia: mudanças no setor sucroenergético. Rio de Janeiro: Lamparina, 2013.

BERNARDES, J. A; ARRUZZO, R. C. Expansão do setor sucroenergético e a História dos lugares: a questão territorial dos Guarani e Kaiowá em Mato Grosso do Sul. Revista da ANPEGE, [S.l.], v. 12, n. 17, p. 5-33, jun. 2017. Disponível em: <http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/anpege/article/view/6411>. Acesso em: 24 jun. 2020.

BESSA, K. A. Dinâmica da Rede Urbana no Triângulo Mineiro: convergências e divergências entre Uberaba e Uberlândia. Uberlândia: Composer, 2007.

BRAY, S. C. As Políticas do Instituto do Açúcar e do Álcool e do Programa Nacional Álcool e Suas Influências na Área Açucareira – Alcooleira de Catanduva. In: RUAS, D. G. G.; FERREIRA, E. R.; BRAY, S. C. (Orgs.). A agroindústria sucroalcooleira nas áreas canavieiras de São Paulo e Paraná. 1. ed. Rio Claro: IGCE/UNESP, 2014. v. 1. 213 p.

BRAY, S. C . O Proálcool e as transformações nas áreas canavieiras do estado de São Paulo. Boletim de Geografia Teorética, Rio Claro, v. 22, n. 43-44, p.21-26, 1992.

CAMELINI, J. H. Regiões competitivas do etanol e vulnerabilidade territorial no Brasil = o caso emblemático de Quirinópolis, GO. 2011. 137 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociências, Campinas, SP.

CAMELINI, J. H. Agricultura de precisão para cana-de-açúcar: expressão local de um processo global. In: ANAIS XIV ENCUENTRO DE GEÓGRAFOS DE AMÉRICA LATINA. Lima, Peru 2013.

CASTILLO, R. A. Dinâmicas recentes do setor sucroenergético no Brasil: competitividade regional e expansão para o bioma Cerrado. GEOgraphia, [S.l.] v. 17, p. 95-119, 2015.

CASTILLO, R. Agronegócio e Logística em Áreas de Cerrado: expressão da agricultura científica globalizada. Revista da Anpege, [S.l.], v. 3, p. 33-43, 2007.

CHESNAIS, F. A finança mundializada. Tradução de Rosa Marques e Paulo Nakatani. São Paulo: Boitempo, 2005. 255 p

CGEE. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Bioetanol de cana-de-açúcar: uma oportunidade para o Brasil. Brasília, DF: CGEE, 2009. Disponível em: http://www.cgee.org.br/atividades/redirect.php?idProduto=5913. Acesso em: maio/2020.

CLEPS JUNIOR, J. Concentração de poder no agronegócio e (des)territorialização: os impactos da expansão recente do capital sucroalcooleiro no Triângulo Mineiro. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 10, n. 31, p. 249-264, 2009.

CLEPS JUNIOR, J. Expansão e territorialização das agroindústrias do setor sucroenergético em Minas Gerais e o contexto das lutas sociais no campo. Revista Geonordeste, [S.l.], v. 27, p. 123-137, 2016.

DELGADO, G. C. Do Capital Financeiro na Agricultura à Economia do Agronegócio: Mudanças Cíclicas em Meio Século: (1965-2012). Porto Alegre- RS: Editora da UFRGS, 2012. v. 01. 142 p.

DELGADO, G. C. Especialização primária como limite ao desenvolvimento. Desenvolvimento em Debate, [S.l.], v.1, n.2, p.111-125, 2010.

ELIAS, D. Construindo a noção de Região Produtiva do Agronegócio. In: OLIVEIRA, H. C. M. de; CALIXTO, M. J. M. S.; SOARES, B. R. Cidades Médias e Região. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2017.

ELIAS, D. Regiões produtivas do agronegócio: notas teóricas e metodológicas. In: BERNARDES, J. A., SILVA, C. A., ARRUZZO, R. C. (Org.). Espaço e energia: mudanças no paradigma sucroenergético. Rio de Janeiro: Lamparina, 2013a, p. 201-220.

ELIAS, D. Globalização, Agricultura e Urbanização no Brasil. Revista ACTA Geográfica, Boa Vista, (edição esp. Geografia Agrária), p. 13-32, 2013b.

FAÇANHA, S. L. O. Aquisições, fusões e alianças estratégicas na configuração da cadeia sucroenergética brasileira. 2012. Tese (Doutorado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

FAO FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS – FAO. Food Outlook: biannual report on global food markets. Rome/ Italy, FAO, 2019.

FURTADO, Celso. Formação Econômica do Brasil. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 2005.

FREDERICO, S. Agricultura científica globalizada e fronteira agrícola moderna no Brasil. Revista Confins, Paris, vol. 17, p. 1-17, 2013.

HARVEY, D. (2005). O Neoliberalismo: história e implicações. Trad. Adail Ubirajara Sobral, Maria Stela Gonçalves. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2011.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Divisão Territorial Brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2016. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/geociencias/organizacao-do-territorio/estrutura-territorial/23701-divisao-territorial-brasileira.html?=&t=o-que-e. Acesso em: 19 jun. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Pesquisa Pecuária Municipal (PPM). Rio de Janeiro: IBGE, 2017. Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br. Acesso em: fevereiro/2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Produção Agrícola Municipal (PAM). Rio de Janeiro: IBGE, 2017. Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br. Acesso em: fevereiro /2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Produto Interno Bruto Municipal (PIB MUNICIPAL). Rio de Janeiro: IBGE, 2017. Disponível em: <http://www.sidra.ibge.gov.br>. Acesso em: fevereiro/2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Regiões de Influência das cidades 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/geografia>. Acesso em: fevereiro/2020.

INFOCANA. Portal da Infocana. As usinas de Açúcar e Etanol do Brasil 2017. Disponível em:<https://www.infocana.com.br>. Acesso em: fevereiro/2020.

IPCA/IBGE. Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Sistema nacional de índices de preços ao consumidor. 2020. Disponível em: <https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/precos/inpc_ipca/defaultseriesHist .shtm>. Acesso em : 21/02/2020.

MACÊDO, F. S. A reestruturação do setor sucroenergético no Brasil: uma análise do período entre 2005 e 2011. 2011. 71 f. Dissertação (Escola de Economia de São Paulo) – FGV, São Paulo, 2011.

MATOS, P. F.; VERISSIMO, T. O. O aumento do arrendamento na Microrregião de Ituiutaba (MG) para produção de cana-de-açúcar. Espaço em Revista, [S.l.], v. 17, p. 18-30, 2015.

MCCORMICK, K. “Communicating bioenergy: a growing challenge”. United States, Biofuels, Bioproducts and Biorefining, 2010.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR – MDIC. Estatísticas de Comércio Exterior: Balança Comercial dos Municípios. Disponível em: <https://goo.gl/kdJi7D>. Acesso em: fevereiro /2020.

MESQUITA, F. C. O processo de desconcentração industrial no eixo de desenvolvimento São Paulo-Brasília e a dinâmica do setor de alimentos e bebidas em Uberlândia (MG). 2011. 222f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Instituto de Geografia/ÚNICAMP, Campinas, 2011.

MESQUITA, F. C. Evolução da agricultura e transformações da técnica e das relações territoriais no cerrado goiano: a dimensão endógena da expansão da agroindústria canavieira. 2015. 254 f. Tese (Doutorado em Geografia), Instituto de Geografia/ÚNICAMP, Campinas, 2015.

MOREIRA, M. A. Studies on the Rapid Expansion of Sugarcane for Ethanol Production in São Paulo State (Brazil) Using Landsat Data. Remote Sens, [S.l.], v. 2, p. 1057-1076, 2010.

MORAES, M. A. F. D. A desregulamentação do setor sucroalcooleiro do Brasil. Piracicaba, Caminho Editorial, 2000. (Coleção CEPEA).

NEVES, C. C.; HESPANHOL, A. N. A atuação do Estado brasileiro no processo de modernização agrícola e a incorporação do conceito de Microbacias Hidrográficas nas políticas públicas. Caderno Prudentino de Geografia,[S.l.], v. 1, p. 1-16, 2009.

`

NEVES, M. F. A Dimensão do Setor Sucroenergético: mapeamento e quantificação da safra 2013/14. Ribeirão Preto: Markestrat, 2014. 63 p.

OLIVEIRA, A. U. A mundialização da agricultura brasileira. São Paulo: Iãnde Editorial, 2016.

PEREIRA, M. F. V. Nexos entre campo moderno e economia urbana: situações no Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba. In: ANAIS VI SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE GEOGRAFIA AGRÁRIA. João Pessoa: UFPB, 2013.

PEREIRA, M. F. V. As ‘cidades da cana’ no Triângulo Mineiro (Brasil): para uma discussão das implicações territoriais do agronegócio e de seus nexos urbanos. In: ANAIS do 15° ENCUENTRO DE GEÓGRAFOS DE AMÉRICA LATINA. Anais. La Habana: Universidad La Habana, 2015.

PEREIRA, M. Os agentes do agronegócio e o uso do território no Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba: da moderna agricultura de grãos à expansão recente da cana de açúcar. Revista Do Departamento De Geografia, [S./l.], v. 23, 83-104. 2012.

PEREIRA, M. F. V. A feição regional do circuito espacial produtivo sucroenergético no Triângulo Mineiro e suas implicações territoriais. Campo - Território: Revista de Geografia Agrária, Uberlândia, v. 13, n. 29, p. 162-188, abr., 2018. https://doi.org/10.14393/RCT132907

PESSÔA, V. L. S. Meio técnico-científico-informacional e modernização da agricultura: uma reflexão sobre as transformações no cerrado mineiro. In: MARAFON, G. J.; RUA, J.; RIBEIRO, M. (orgs.) A. Abordagens teórico-metodológicas em geografia agrária. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2007, p. 255-269.

PITTA, F. T. As transformações na reprodução fictícia do capital na agroindústria canavieira paulista: do Proálcool à crise de 2008. 2016. 420 f. Tese (Doutorado em Geografia), FFLECH/USP, São Paulo, 2016.

PITTA, F. T.; XAVIER, C. V.; NAVARRO, C.; MENDONÇA, M. L. Empresas transnacionais e produção de agrocombustíveis no Brasil. Rede Social de Justiça e Direitos Humanos, Outras Expressões: São Paulo, 2014.

PRADO JUNIOR, C. História Econômica do Brasil. São Paulo: Braziliense, 1963.

RODRIGUES, S; OLIVEIRA, G. Infográfico da Palha a Tomada. 2012. Disponível em: http://edgblogs.s3.amazonaws.com/buzz/files/2012/12/info_258.jpg. Acesso em 14/06/2018.

SAMPAIO, M. A. P. 360º - O périplo do açúcar em direção à Macrorregião Canavieira do Centro-Sul do Brasil. 2015. 826 f. Tese (Doutorado em Geografia), FFLECH/USP, São Paulo, 2015.

SANTOS, H. F. Competitividade regional do setor sucroenergético na mesorregião Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba: agricultura científica globalizada e implicações socioambientais no município de Uberaba – MG. 2017. 281f. Dissertação (Mestrado em Geografia), IG/ÚNICAMP, Campinas, 2017.

SANTOS, J. C. Dos canaviais à Etanolatria: o (re) ordenamento territorial do capital e do trabalho no setor sucroalcooleiro da Microrregião Geográfica de Presidente Prudente- SP. 2009. 377 f. Tese (Doutorado em Geografia e Gestão do Território) – Instituto de Geografia, UFU, Uberlândia, 2009.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. São Paulo: Hucitec. 1993.

SANTOS, M. A Natureza do Espaço. Técnica e Tempo. Razão e Emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 6 ed. Rio de Janeiro: Record, 2000.

SANTOS, M. Técnica, Espaço e Tempo: globalização e meio técnico-científico- informacional. São Paulo: Hucitec, 1994.

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS - SEAPA. Panorama do Comércio Exterior do Agronegócio 2016. Belo Horizonte: SEAPA, 2016. Disponível em:https://goo.gl/5DoHPV. Acesso em: março/2020.

Associação Das Indústrias Sucroenergéticas De Minas Gerais - SIAMIG. Portal da SIAMIG. 2017. Disponível em: <http://www.siamig.com.br>. Acesso em: fevereiro/2020.

SINDICATO DA INDÚSTRIA DE FABRICAÇÃO DO ÁLCOOL NO ESTADO DE MINAS GERAIS –SIAMIG. Triângulo Mineiro tem prejuízo com usinas de álcool paradas. Disponível em: <http://www.siamig.org.br/>. Acesso em 18/04/2020.

SILVA, W. F.; PEIXINHO, D. M. A expansão do setor sucroenergético em Goiás: a contribuição das políticas públicas. Campo - Território, Uberlândia, v. 07, p. 97-114, 2012.

SZMRECSÁNYI, T.; MOREIRA, E. P. O desenvolvimento da agroindústria canavieira do Brasil desde a Segunda Guerra Mundial. Estudos Avançados, São Paulo, v. 11, n. 5, p. 57-79, 1991.

SZMRECSÁNYI, T. O planejamento da agroindústria canavieira do Brasil: 1930- 1975. São Paulo, Hucitec, 1979.

THOMAZ J. A. O agrohidronegócio no Centro das Disputas Territoriais e de Classe no Brasil do Século XXI. Campo - Território, Uberlândia, v. 5, p. 92-122, 2010.

UNIÃO DA INDÚSTRIA DE CANA-DE-AÇÚCAR - UNICA. Uma análise da concentração na agroindústria canavieira em Minas Gerais. Disponível em: . Acesso em 15 de janeiro de 2020.

VIEIRA, C.A. C. Sentido da colonização e revolução brasileira: crítica de caracterizações do modo de produção colonial. Revista Serviço Social & Sociedade, São Paulo, Epub, n. 129, p.205-224, ago. 2017.

Downloads

Publicado

2020-06-26 — Atualizado em 2020-06-26

Como Citar

ARAÚJO, . D. F. C. de .; ARAÚJO SOBRINHO , . F. L. . A dinâmica do setor sucroenergético no Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba. Revista Cerrados, [S. l.], v. 18, n. 01, p. 248–277, 2020. DOI: 10.46551/rc24482692202001. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/2527. Acesso em: 3 jul. 2022.