O perfil dos sujeitos sociais que compõem as redes de reciclagem no Estado do Rio de Janeiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202012

Palavras-chave:

Perfil dos catadores, Produção das identidades, Catação e relações de poder

Resumo

A construção da identidade é fruto das relações entre os indivíduos e os espaços, compondo uma dinâmica que está em contínua construção. Dessa forma, os sujeitos sociais possuem características que resultam de suas relações com os espaços e da soma das escalas imbricadas e estabelecidas em seus múltiplos relacionamentos e de diversas maneiras. Diante disso, demarca-se o propósito deste artigo: promover uma compreensão geográfica acerca de sujeitos sociais e redes e, mais especificamente, de sujeitos relacionados à Rede de Reciclagem do Estado do Rio de Janeiro (RRERJ) sobre os modos pelos quais compõem suas relações. Assim, o objetivo, aqui, é compreender as relações de poder que existem nas atividades de reciclagem e catação, observando o espaço e a construção da identidade dos sujeitos que compõem a RRERJ e lhes traçando um perfil mais detalhado. Nesse seguimento, é possível inferir que a discussão deste artigo pode levar a uma análise das relações de trabalho e da exploração dos sujeitos que trabalham na reciclagem de resíduos recicláveis, fomentando uma melhor compreensão da organização desigual do espaço.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Uilmer Rodrigues Xavier da Cruz, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

É Graduado em Geografia - Ênfase em Sistemas de Informações Geográficas pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG); Mestre em Geografia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Atualmente é Doutorando em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Referências

BAUMAN, Z. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Zahar, 2005. 110 p.

BOSI, A. P. A organização capitalista do trabalho “informal”: o caso dos catadores de recicláveis. Revista Brasileira de Ciências Sociais, [S./l.], São Paulo, v. 23, n. 67, p. 101–116, 2008.

BURGOS, R. Periferias Urbanas da Metrópole de São Paulo: territórios da base da indústria da reciclagem urbana periférica. 2008. 357 f. Tese (Doutorado em Geografia) — Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

CORRÊA, R. L. Espaço, um conceito-chave da Geografia. In: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (orgs.). Geografia: conceitos e temas. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000, p. 15–48.

COSTA, W. B.; CHAVES, M. R. Informalidade e precarização do trabalho de catação de materiais recicláveis no Brasil: pontos para debate. In: JORNADA DO TRABALHO, 13, 2012, Presidente Prudente. Anais... Presidente Prudente: CEGet, 2012. Disponível em: <http://www.proceedings.scielo.br/pdf/jtrab/n1/48.pdf>. Acesso em: 26 jul. 2020.

DAGNINO, R. S.; DAGNINO, R. P. Políticas para inclusão social dos catadores de materiais recicláveis. Pegada, Presidente Prudente, p. 65–93, jul. 2010. Disponível em: <http://professor.ufrgs.br/dagnino/files/dagnino_dagnino_2010_politicas_inclusao_catadores.pdf>. Acesso em: 26 jul. 2020.

DAMÁSIO, J. (coord.). Diagnóstico Econômico dos Catadores de Materiais Recicláveis da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. [S. l.]: UFBA; Centro de Estudos Socioambientais Pangea; Fundação Banco do Brasil; Petrobrás, 2018. No prelo.

FOUCAULT, M. Sujeito e poder. In: DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Universitária, 1995, p. 231–250.

GOLDENBERG, M. A Arte de Pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 8. ed. Rio de Janeiro: Record, 2004. 110 p.

GONÇALVES, M. A. O Trabalho no Lixo. 2006. 310 f. Tese (Doutorado em Geografia) — Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Presidente Prudente, 2006.

HALL, S. A Identidade Cultural na Pós-Modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2011. 102 p.

HARVEY, D. O Enigma do Capital e as Crises do Capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011. 240 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico de 2010: características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. Disponível em: <http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/94/cd_2010_religiao_deficiencia.pdf>. Acesso em: 26 jul. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. População chega a 205,5 milhões, com menos brancos e mais pardos e pretos. Agência IBGE, Rio de Janeiro, 24 nov. 2017. Disponível em: <http://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/18282-populacao-chega-a-205-5-milhoes-com-menos-brancos-e-mais-pardos-e-pretos>. Acesso em: 26 jul. 2020.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Situação Social das Catadoras e dos Catadores de Material Reciclável e Reutilizável: região Sudeste. Brasília: IPEA, 2013. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/situacao_social/130910_relatorio_situacaosocial_mat_reciclavel_regiaosudeste.pdf>. Acesso em: 26 jul. 2020.

LACOSTE, Y. A pesquisa e o trabalho de campo: um problema político para os pesquisadores, estudantes e cidadãos. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, v. 84, p. 77–92, 2006.

LUSSARI, W. R. Grupo de Apoiadores e Cooperlix em Presidente Prudente/SP, Brasil: modelo e evolução de suas relações durante quinze anos. 2016. 276 f. Tese (Doutorado em Geografia) — Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Presidente Prudente, 2016.

MASSEY, D. B. Pelo Espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008. 312 p.

MEDINA, M. The World’s Scavenger: salvage for sustainable consumption and production. Lanham: AltaMira Press, 2007. 320 p.

MINAYO, M. C. S. O desafio da pesquisa social. In: MINAYO, M. C. S. (org.); GOMES, S. F. D. R. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 26. ed. Petrópolis: Vozes, 2017, p. 9–30.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Classificação Brasileira de Ocupações. 3. ed. Brasília: MTE; SPPE, 2010, v. 1. Disponível em: <http://wp.ufpel.edu.br/observatoriosocial/files/2014/09/CBO-Livro-1.pdf>. Acesso em: 26 jul. 2020.

MOVIMENTO NACIONAL DOS CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS. Quantos catadores existem em atividade no Brasil? MNCR, São Paulo, 2019. Disponível em: <http://mncr.org.br/sobre-o-mncr/duvidas-frequentes/quantos-catadores-existem-em-atividade-no-brasil>. Acesso em: 26 jul. 2020.

POLLACK, M. Memória e identidade social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200–212, 1992.

PORTO-GONÇALVES, C. W. A Globalização da Natureza e a Natureza da Globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006. 462 p.

RAFFESTIN, C. Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Ática, 1993. 270 p.

RAMIRES, J. C. L.; PESSOA, V. L. S. Pesquisas qualitativas: referências para pesquisa em Geografia. In: MARAFON, G. J.; RAMIRES, J. C. L; RIBEIRO, M. A.; PESSOA, V. L. S. (orgs.). Pesquisa Qualitativa em Geografia: reflexões teórico-conceituais e aplicadas. Rio de Janeiro: UERJ, 2013, p. 23–35.

ROSADO, R. M. Na Esteira do Galpão: catando leituras no território cotidiano da reciclagem do lixo de Porto Alegre/RS. 2009. 333 f. Tese. (Doutorado em Geografia) — Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

SANTOS, B. S. A construção multicultural da igualdade e da diferença. Oficina do CES, Coimbra, n. 135, jan. 1999. 61 p. Disponível em: <http://ces.uc.pt/publicacoes/oficina/ficheiros/135.pdf>. Acesso em: 26 jul. 2020.

SANTOS, M. O Espaço Dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. 2. ed. São Paulo: USP, 2008. 431 p.

SILVA, M. C. P. O trabalho dos catadores de materiais recicláveis de Uberaba/MG e a relação com os dois circuitos econômicos da reciclagem. Pegada, Presidente Prudente, v. 18, n. 3, p. 202–233, 2017. Disponível em: <http://revista.fct.unesp.br/index.php/pegada/article/view/5257/4178>. Acesso em: 26 jul. 2020.

SOUZA, M. L. Os Conceitos Fundamentais da Pesquisa Sócio-Espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013. 320 p.

Downloads

Publicado

2020-08-19

Como Citar

CRUZ, U. R. X. DA. O perfil dos sujeitos sociais que compõem as redes de reciclagem no Estado do Rio de Janeiro. Revista Cerrados, v. 18, n. 02, p. 123-151, 19 ago. 2020.