Centro e centralidade em Araguaína: reflexão preliminares a partir dos serviços e do comércio em rede

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22238/rc24482692v15n12017p178a195

Palavras-chave:

Araguaína; centro; restruturação; cidade.

Resumo

Este artigo tem por objetivo identificar e analisar o centro da cidade de Araguaína-TO a partir da dimensão econômica, tendo como variáveis o comércio e os serviços. O trabalho elegeu o comércio de eletrodoméstico e de supermercado/atacado, e os serviços bancários, dos correios, das lotéricas e cartórios como atividades chaves para a qualificação do centro e das centralidades. Para a delimitação do centro da cidade de Araguaína considerou-se as ruas e trechos que apresentam concentração de atividades comerciais e serviços acima de 70%, desde que fosse marcado pela contiguidade.  Constatou-se dois processos em cursos que consolidam tendências enquanto anunciam outras; primeiro, o centro da cidade de Araguaína tem se fortalecido nos últimos anos pela instalação de grandes empresas, como as casas Bahia e uma agência bancária do Bradesco; segundo, vê-se que diversas empresas que já atuam no centro abrem filias em outras áreas da cidade, outras se instalam diretamente fora do mesmo, como é o caso das lojas americanas, com duas unidades na cidade. Esse quadro permitiu afirmar que as transformações na estrutura urbana ligada ao consumo condizem com uma reestruturação da cidade, pois as mudanças são predominantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Reges Sodré, Universidade Federal de Uberlândia – UFU, Uberlândia, Minas Gerais, Brasil.

Possui Graduação em Geografia pela Universidade Federal do Tocantins (UFT) e Mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Atualmente é Professor na Rede Estadual de Educação do Estado do Tocantins.

Referências

BRASIL, Atlas do Desenvolvimento Humano. Araguaína: caracterização do território. ca. 2013

BRASIL, Banco Central. Relação de Agências e postos bancários 2015. Disponível em: < http://www.bcb.gov.br/pt-br/paginas/default.aspx> acesso em 07/09/2015.

CNJ – Conselho Nacional de Justiça. Justiça Aberta, 2015. Disponível em:

CORRÊA, Roberto Lobato. Processos espaciais e a cidade. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, ano 41, n. 3, p. 100-110, 1979.

CASTELLS, Manuel. A questão urbana. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

GARROCHO-RANGEL, Carlos Félix.; CAMPOS-ALANÍS, Juan. Organización espacial del sistema bancario dentro de la ciudad: estrategia territorial, accesibilidad y factores de localización. Economía, sociedad y territorio, Toluca, v. 10, n. 33, p. 413-453, 2010.

LEFEBVRE, Henry. A revolução urbana. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1999.

MURPHY, Raymond E.; VANCE, James E. Jr. Delimiting the CBD. Readings in Urban Geography. MAYER, R.; KOHN, C (eds). Chicago: University of Chigago Press, 1954. p. 418-446.

MELO, Nágela Aparecida de. Pequenas cidades da microrregião geográfica de Catalão (GO): análises de seus conteúdos e considerações teórico-metodológicas. 527. Tese (Doutorado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, UFU, Uberlândia, 2008.

PEREIRA, Cláudio Smalley Soares. Centro, centralidade e cidade média: o papel do comércio e serviço na reestruturação da cidade de Juazeiro do Norte/CE. 2014. 329 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de Ciência e Tecnologia, UNESP, Presidente Prudente, 2014.

RIBEIRO FILHO, Vitor. A Configuração da Área Central de Manaus e sua Dinâmica Recente. 2004. 246 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, UFRJ, Rio de Janeiro, 2001.

RAIS, Relação Anual de Informações Sociais. Vínculos Tocantins, 1990, 2010, 2014. ca. 2015

TOURINHO, Andréa de Oliveira. Centro e centralidade: uma questão recente. In: Oliveira, Ariovaldo Umbelino de.; CARLOS, Ana Fani Alessandri. Geografia das metrópoles. São Paulo: Contexto, 2006. pp. 277-299.

SOUZA, Marcelo Lopes de. Os conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão. O centro e as formas de expressão da centralidade urbana. Revista geografia, São Paulo, v. 10, p. 1-18, 1991.

______. Centros e centralidades no Brasil. FERNANDES, José Alberto Rio.; SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão. A nova vida do velho centro nas cidades portuguesas e brasileiras. Porto, CEGOT, 2013. p. 45-59.

WHITACKER, Arthur Magon. Centralidade intraurbana e morfologia em cidades médias: transformações e permanências. In: XI seminário internacional Red Iberoamericana de investigadores sobre globalización y territorio; Red Iberoamericana de editores de revista. Argentina: Mendoza, 2010. n.p.

VASCONCELO FILHO, João Manuel de. O direito à moradia e o discurso de implantação de políticas públicas habitacionais na perspectiva de construção de cidades saudáveis e democráticas: reflexões sobre a Araguaína-TO. 2013. 220 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, UFU, Uberlândia, 2013.

Downloads

Publicado

2017-06-30

Como Citar

SODRÉ, R. Centro e centralidade em Araguaína: reflexão preliminares a partir dos serviços e do comércio em rede. Revista Cerrados, [S. l.], v. 15, n. 01, p. 178–195, 2017. DOI: 10.22238/rc24482692v15n12017p178a195. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/1357. Acesso em: 3 jul. 2022.