O método regressivo-progressivo como possibilidade para os estudos das cidades médias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22238/rc2448269220181602110125

Palavras-chave:

Henri Lefebvre. Método regressivo-progressivo. Cidades médias.

Resumo

Na atual realidade urbana brasileira, muito se tem discutido sobre o papel das cidades médias nas regiões e redes urbanas as quais estão alocadas. Ao considerar as cidades médias para além de seu porte demográfico, nota-se uma multiplicidade em suas funções e temporalidades distintas que coexistem, bem como uma série de pares analíticos e dialéticos inerentes ao seu cotidiano. Para isto, propõe com o presente trabalho a análise do método regressivo-progressivo do filósofo Henri Lefebvre como possibilidade para o estudo das cidades médias. Apesar do método ter sido lançado, à priori, como investigação da sociologia rural, outras camadas das ciências sociais vêm se apropriando dele, inclusive a Geografia Urbana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Samarane Fonseca de Souza Barros, Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF, Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil.

Possui Graduação em Geografia pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Atualmente cursa o mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), é bolsista CAPES.

Referências

AMORIM FILHO, O. B. Cidades Médias e organização do espaço no Brasil. Revista de Geografa e Ensino, Belo Horizonte, v.2, n.1, jun. 1984, pp. 5-34.

BRANDÃO, C. Território e desenvolvimento: as múltiplas escalas entre o local e o global. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

_______________. O necessário diálogo entre a economia política do desenvolvimento e a geografia crítica em momento de crise estrutural do capitalismo. In: XIV Encontro Nacional de Economia Política, 2009, São Paulo. Anais do XIV Encontro Nacional de Economia Política, 2009. v. 1. p. 1-23.

BRENNER, N. Between fixity and motion: accumulation, territorial organization and the

historical geography of spatial scales. Envlroment and Planning D: Society and Space, 1998, v. 16, PP. 459-481.

CATELAN, M. J. Heterarquia Urbana: interações espaciais interescalares e cidades médias. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2013.

CORREA, R. L. Construindo o Conceito de Cidade Média. In: SPOSITO, Maria Encarnação B. (org). Cidades Médias: Espaço em transição. São Paulo: Expressão Popular, 2007. pp. 23-34.

DINIZ, C. C. Desenvolvimento poligonal no Brasil: nem desconcentração nem contínua polarização. Nova Economia, 3 (1), pp. 35-64, 1993.

DUARTE, C. F. A dialética entre permanência e ruptura nos processos de transformação do espaço. In: MACHADO, D. B. P.(Org). Sobre urbanismo. 1 ed. Rio de Janeiro: Viana & Mosley / Ed. PROURB, 2006.

GOTTDIENER, M. A produção social do espaço urbano. São Paulo: Edusp, 1993.

LEFEBVRE, H. La revolucion urbana. Madri: Alianza Editorial, 1972.

_____________. De lo rural a lo urbano. Barcelona: Península, 1978.

_____________. Le sens de la marche – Critique de la vie quotidienne III: De la modernité au modernisme (Pour une métaphilosophie du quotidien). Paris: L’Arche Éditeur Paris, 1981.

MARTINS, J. S. (Org.) Henri Lefèbvre e o retorno à dialética. São Paulo: Hucitec, 1996.

_____________. A sociabilidade do homem simples: cotidiano e história na modernidade anômala. São Paulo: Hucitec, 2000.

ORTIGOZA, S. A. G. O tempo e o espaço da alimentação no centro da metrópole paulista. Tese (Doutorado) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. Rio Claro, 2001.

________________. As possibilidades de aplicação do método de análise regressivo-progressivo de Henri Lefebvre na Geografia Urbana. In: GODOY, P. R. T. (Org). História do pensamento geográfico e epistemologia em Geografia. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. 289 p.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M.L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2008.

SOARES, B. R. Repensando as cidades médias brasileiras no contexto da globalização. Revista Formação, Presidente Prudente, v. 1, n. 6, p. 55-63, 1999.

SPOSITO, M .E .B. As cidades médias e os contextos econômicos contemporâneos. In:

SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão (org.). Urbanização e cidades: perspectivas geográficas. Presidente Prudente: UNESP/GAsPERR, 2001.

_________. O chão em pedaços: urbanização, economia e cidades do estado de São Paulo. Tese (livre docência em geografia) - FCT/UNESP. Presidente Prudente: 2004.

_________. Cidades médias: reestruturação das cidades e reestruturação urbana. In: SPOSITO, M. E .B. (Org) Cidades Médias: espaços em transição. São Paulo: Expressão Popular, 2007, pp. 233-253.

_________. A produção do espaço urbano: escalas, diferenças e desigualdades socioespaciais. In: CARLOS, Ana F. A.; SOUZA,Marcelo J. L. de; SPOSITO, Maria Encarnação B. (Org.). A produção do espaço urbano: agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Contexto, 2011.

_________. Para pensar as pequenas e as médias cidades brasileiras. Belém: FASE e UFPA, 2009.

SPOSITO, M. E. B; et al. O estudo das cidades médias brasileiras: uma proposta metodológica. In: Maria Encarnação Beltrão Sposito. (Org.). Cidades médias: espaços em transição. 1ed.São Paulo: Expressão Popular, 2007.

Downloads

Publicado

2018-11-12

Como Citar

BARROS, S. F. de S. O método regressivo-progressivo como possibilidade para os estudos das cidades médias. Revista Cerrados, [S. l.], v. 16, n. 02, p. 110–125, 2018. DOI: 10.22238/rc2448269220181602110125. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/1209. Acesso em: 4 jul. 2022.