Densidades do território em Anápolis – Goiás: notas sobre o trevo sul da Avenida Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22238/rc2448269220191702265289

Palavras-chave:

Consumo. Habitar. Objetos Técnicos. Sistema Urbano.

Resumo

Anápolis é uma das principais cidades industriais da região Centro-Oeste do Brasil. Estão sediadas em seu Distrito Agroindustrial importantes empresas de diversos segmentos. Este trabalho tem como objetivo analisar a presença da densidade técnica e normativa que permeiam a questão do habitar na cidade média, tendo como objeto de estudo uma área traçada a partir do viaduto da saída sul da cidade de Anápolis, onde se concentra a maior parte das indústrias e outras grandes empresas, como atacadistas e transportadoras. Para isso, utilizou-se como principal metodologia o trabalho de campo. Foi traçado um raio de 4 km a partir do referido viaduto. Dentro dessa área foram identificados os principais aparelhos urbanos responsáveis pelas conexões de Anápolis com outros pontos do território. Posteriormente, foi feito um levantamento bibliográfico a autores para análise da área de estudo, discutindo sobre a densidade técnica e normativa a luz das teorias e do trabalho de campo. Conclui-se com esta pesquisa que em Anápolis, mais especificamente a área analisada, a questão do habitar ocorre em meio à cidade que intensifica a divisão social do trabalho, que se comunica não mais apenas em redes, mas em um sistema urbano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hamilton Matos Cardoso Júnior, Universidade Federal da Paraíba - UFPB, João Pessoa, Paraíba, Brasil

Possui Graduação em Geografia e Mestrado em Territórios e Expressões Culturais no Cerrado, ambos cursados pela Universidade Estadual de Goiás (UEG). Atualmente é Técnico em Assuntos Educacionais na Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Referências

ANTUNES, M.; MELLO, M. de; ARRAIS, T. A. O entorno do Distrito Federal: nota exploratório de um trabalho de campo. Boletim Goiano de Geografia. v. 27, n. 3, p. 145-150, 2007.

ARROYO, M. M. Território Nacional e Mercado Externo: uma leitura do Brasil na virada do século XX. 2001. 250 f. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Departamento de Geografia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo – SP, 2001.

BRANDÃO, Z. Entre questionários e entrevistas. In: NOGUEIRA, M. A.; ROMANELLI, G.; ZAGO, N. (orgs.). Família & escola. Rio de Janeiro: Vozes, p. 171-83, 2000.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Produto Interno Bruto dos Municípios 2012. Rio de Janeiro, 2014.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Atlas do Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro, 2013.

CASTILLO, R.; FREDERICO, S. Dinâmica regional e globalização: Espaços competitivos agrícolas no território brasileiro. Mercator, v. 9, número 18, p. 17-26, jan./abr. 2010.

DI FELICE, M. Paisagens Pós-Urbanas: o fim da experiência urbana e as formas comunicativas do habitar. São Paulo (SP): Annablume, 2009.

GOIÁS. Companhia de Desenvolvimento Econômico de Goiás (CODEGO). Distrito Agroindustrial de Anápolis. Disponível em: < http://www.goiasindustrial.com.br/distritosin dustriais/?distrito=4>. Acessado em: dezembro de 2015.

FRANÇA, I. S. de. A cidade média e suas centralidades: o exemplo de Montes Claros no norte de Minas Gerais. 2007. 240f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal de Uberlândia, 2007.

HARVEY, D. A diferença que faz uma geração. In: Espaços de Esperança. São Paulo (SP): Loyola, p. 15-33, 2004

HARVEY, D. A Produção Capitalista do Espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. 5 ed. Petrópolis (RJ): Vozes, 2011.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – Sistema de Recuperação Automática (SIDRA). Rio de Janeiro: IBGE, 2016. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/home/ipca/brasil>. Acessado em: dezembro de 2016.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. 5 ed. São Paulo (SP): Centauro, 2011.

MORAES, A. C. R. de. Los circuitos espaciales de la producción y los círculos de cooperación em el espacio. In: Yanes, L. et all (org.). Aportes para el estúdio del espacio socioeconômico, Tomo II, El Colóqio, Buenos Aires, 1985.

PEIXOTO, E. R. A cidade genérica. Revista Estudos, Goiânia, v.31, n.10, p. 1993-2018, nov., 2004.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. São Paulo: Record, 2001.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

SANTOS, M. Circuitos espaciais de produção: um comentário. In: SOUZA, M. A. A.; SANTOS, Milton (Orgs.). A construção do espaço. São Paulo: Nobe, p. 121-134, 1986.

SILVEIRA, M. L. Escala geográfica: da ação ao império? Revista Terra Livre, Goiânia, ano 20, v. 2, n. 23, p. 87-96, 2004.

SILVEIRA, M. L. Concretude territorial, regulação e densidade normativa. In: Revista Experimental. São Paulo: Laboplan – Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, n. 02, p. 35-45, março de 1997

SPOSITO, M. E. B.; CARLOS, Ana. Fani Alessandri; SOUZA, Marcelo Lopes (orgs.). A produção do espaço urbano: Agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo (SP): Contexto, 2012.

SPOSITO, M. E. B. Novos conteúdos nas periferias urbanas nas cidades médias do estado de São Paulo, Brasil. Revista Investigaciones Geográficas, Boletín del Instituto de Geografia-UNAM, Cidade do México, n.54, p. 114-139, 2004.

SPOSITO, M. E. B. Para pensar as pequenas e médias cidades brasileiras. Belém: FASE/ICSA/UFPA, 2009.

Downloads

Publicado

2019-12-20

Como Citar

CARDOSO JÚNIOR, H. M. Densidades do território em Anápolis – Goiás: notas sobre o trevo sul da Avenida Brasil. Revista Cerrados, [S. l.], v. 17, n. 02, p. 265–289, 2019. DOI: 10.22238/rc2448269220191702265289. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/120. Acesso em: 14 jun. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)