A importância do território em ações de vigilância em saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202009

Palavras-chave:

Saúde; Território; Vigilância.

Resumo

As condições de vida das pessoas e suas interações com meio econômico, social e territorial estão intimamente ligadas ao risco e consequentemente ao processo saúde-doença. O conhecimento da dinâmica social em determinado território, os hábitos e costumes é de fundamental relevância para determinar as vulnerabilidades para a saúde. O objetivo deste trabalho é discutir a importância dos estudos de territórios como estratégia em ações de vigilância em saúde. A metodologia constituiu em revisão bibliográfica sobre a categoria em foco, autores como (RAFFESTIN, 1993), (HAESBAERT, 2004), (ALMEIDA, 2010), (SANTOS, 2003), e pesquisa documental em órgãos públicos como o Ministério da Saúde – MS.  Conclui-se que o território torna-se uma estratégia de gestão essencial para ações em vigilância, e subsídio para as políticas de saúde que devem fundamentar-se nas particularidades dos processos territoriais, considerando que apenas os aspectos biológicos não são suficientes para a organização do sistema de atenção à saúde que atenda com eficácia as especificidades da população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Fernanda Cardoso, Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES, Montes Claros, Minas Gerais

É Graduada e Mestre em Geografia pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES).

Valéria Aparecida Moreira Costa , Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES, Brasil, Minas Gerais, Brasil.

É Graduada e Mestre em Geografia pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Atualmente é Professora na Secretaria Estadual de Educação de Minas Gerais.

Cássio Alexandre da Silva, Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES, Brasil, Minas Gerais, Brasil.

É Graduado em Geografia e Mestre em Desenvolvimento Social pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES), e Doutor em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Atualmente é Professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia – PPGEO e do Departamento de Geociências da Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES).

Referências

AERTS, D.; ALVES, G. G.; LA SALVIA, M. W.; ABEGG, C. Promoção de saúde: a convergência entre as propostas da vigilância da saúde e da escola cidadã. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.20, n.4, pp.1020-1028, Jul - Ago, 2004.

ALMEIDA, M. G. Festas rurais e turismo em territórios emergentes. Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales, Barcelona, v. 15, n. 918, S/P, 2011. Disponível em: <http://www.ub.edu/geocrit/b3w-919.htm >. Acesso: 15 de Novembro de 2018.

ARREAZA, A. L. V.; MORAES, J. C. Vigilância da saúde: fundamentos, interfaces e tendências. Ciênc. saúde coletiva [online], Rio de Janeiro, v.15, n.4, pp. 2215-2228, Julho, 2010. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232010000400036>. Acesso: 19 de Novembro de 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Diretrizes para a integração entre atenção básica e vigilância em saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 13p. Disponível em< https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/3317.pdf > Acesso: 19 de Novembro de 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde – MS. LEI Nº 8.080, DE 19 DE SETEMBRO DE 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm>. Acesso: 17 de Mai. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 1.679, de 19 de setembro de 2002. Dispõe sobre a estruturação da rede nacional de atenção integral à saúde do trabalhador no SUS e dá outras providências. Disponível em:< http://ftp.medicina.ufmg.br/osat/legislacao/Portaria_1679_12092014.pdf>. Acesso em: 21 de Mai. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Departamento de Apoio à Descentralização. Coordenação-Geral de Apoio à Gestão Descentralizada. Diretrizes operacionais dos Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão. Brasília: Editora MS, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Área Técnica de Saúde do trabalhador. Saúde do trabalhador - Cadernos de Atenção Básica n. 5. Brasília: Editora MS, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde - MS. Portaria nº 1.378, de 9 de Julho de 2013. Brasília: Editora MS, 2013. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt1378_09_07_2013.html>. Acesso: 14 de Novembro de 2018.

CARVALHO H. M. Os territórios da saúde e a saúde dos territórios: discutindo o processo de territorialização em saúde a partir do caso de um serviço de atenção primária em Porto Alegre/RS. 2003. 155 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre – RS, 2003.

CASTELLANOS, P. L. On the concept of health and disease. Description and explanation of the health situation. Epidemiol Bull, Pennsylvania, v.10, n.1-8, S/P, Jan. 1990. Disponível em:< https://plato.stanford.edu/entries/health-disease/>. Acesso: 15 de Novembro de 2018.

COLIN, E. C. S.; PELICIONI, M. C. F. Territorialidade e promoção da saúde: quando a gestão participativa faz a diferença. In: II Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente. Belo Horizonte. Anais do II Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente. Belo Horizonte: ABRASCO, 2014. S/P. Disponível em:<http://www.sibsa.com.br/resources/anais/4/1403114962_ARQUIVO_ResumoElaineeCecilia-simpMG2.pdf >. Acesso: 14/09/2018.

CONASS - Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Para entender a gestão do SUS - Progestores. Brasília: CONASS, 2015.

CZERESNIA, D.; RIBEIRO, A. M. O conceito de espaço em epidemiologia: uma interpretação histórica e epistemológica. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 16 n. 3: pp. 595-617, 2000.

DEMATTEIS G. Sistema Local Territorial: um instrumento para representar, ler e transformar o território. In: ALVES, A. F.; CORRIJO, B. R.; CANDIONOTTO, Z. P. (Org.). Desenvolvimento territorial e agroecologia. São Paulo: Expressão popular, 2008. p. 33-44.

DUTRA, D. A. Geografia Da Saúde No Brasil: Arcabouço téorico-epistemológicos, temáticas e desafios. 2011. 191 f. Tese (Doutorado em Geografia), Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Paraná – UFPR, Curitiba, 2011.

FARIA, R. Os desiguais limites da porta de entrada do Sistema Único de Saúde (SUS) em Pouso Alegre, Minas Gerais, Brasil. Ra’eGa: O Espaço Geográfico em Análise, Curitiba, v. 29, p. 135-156, 2013.

FERNANDEZ, J. C. A. Determinantes culturais da saúde: uma abordagem para a promoção de equidade. Saúde Soc., São Paulo, v. 23, n.1, p.167-179, 2014.

GOLDSTEIN R. A.; BARCELLOS C. Geoprocessamento e Participação Social: ferramentas para a vigilância ambiental em saúde In: Território, Ambiente e Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2008.

GONDIN, G. M. et al. O território da saúde: A organização do sistema de saúde e a territorialização. In: BARCELLOS, C. et. al. (Org.). Território, ambiente e saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2008, p. 237-255.

GUIMARÃES, R. B. Saúde: fundamentos de Geografia humana [online]. São Paulo: Editora UNESP, 2015.

GUIMARÃES, R. B.; PICKENHAYM, J. A.; LIMA, S. C. Geografia e Saúde: Sem fronteiras. Uberlândia: Editora Assis, 2014.

GUIMARÃES, R.B. Geografia e saúde. In: Saúde: fundamentos de Geografia humana [online]. São Paulo: Editora UNESP, 2015, p. 17-39.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização 1958. In: Do “fim dos territórios” à Multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

ITABORAHY, Nathan Zanzoni. A geografia, o conceito do território e os processos de territorialização das comunidades quilombolas: primeiras aproximações. In: XVI Encontro Nacional de Geógrafos. Anais do ENG - Encontro Nacional de Geógrafos. Porto Alegre: Associação dos Geógrafos Brasileiros - AGB, 2010. S/P. Disponível em: < https://www.agb.org.br/xvieng/anais/index.html >. Acesso: 15 de Novembro de 2018.

LIMA, L.; SILVA, L. X.; FORNO, M. A. R. Dal. A Evolução Histórica dos Conceitos de Território/Territorialidade no Contexto do Desenvolvimento Rural. Caderno de Estudos Interdisciplinares, Alfenas, v.1, n.1, p. 1 – 11. Março, 2014. Disponível em <https://cadernodeestudosinterdisciplinares.com.br>. Acesso: 14 de Novembro de 2018.

MENDONÇA, F.; ARAÚJO, W. M.; FOGAÇA, T. K. A geografia da saúde no Brasil: Estado da arte e alguns desafios. Revista Investig. Geogr. Chile, [S./l.], v. 48, p. 41-52, 2014. Disponível em: < www.investigacionesgeograficas.uchile.cl/index.php/IG/article/download/.../38269>. Acesso: 11/09/2017.

MONKEN, M.; BARCELLOS, C. Vigilância em saúde e território utilizado: possibilidades teóricas e metodológicas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 898-906, Mai - Jun, 2005. Disponível em:

<https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S0102311X2005000300024&script=sci_arttext&tlng=pt>. Acesso: 14 de Novembro de 2018.

MORAES, P. A.; BERTOLOZZI, M. R.; HINO, P. Percepções sobre necessidades de saúde na Atenção Básica segundo usuários de um serviço de saúde. Revista Escola Enfermagem USP, São Paulo, v. 1, n. 45, p.19-25, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v45n1/03.pdf>. Acesso em: 21 de Maio de 2019.

NETTO, G. F. et al. Vigilância em Saúde brasileira: reflexões e contribuição ao debate da 1a Conferência Nacional de Vigilância em Saúde. Ciênc. saúde coletiva [online], [S./l.], v. 22, n.10, p. 3137-3148, 2017. http://www.scielo.br/pdf/csc/v22n10/1413-8123-csc-22-10-3137.pdf>. Acesso: 20 de Novembro de 2018.

Organização Mundial de Saúde- OMS. Constituição da Organização Mundial da Saúde (OMS/WHO) – 1946. Nova Iorque em 22 de Julho de 1946. Disponível em:< http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/OMS-Organiza%C3%A7%C3%A3o-Mundial-da-Sa%C3%BAde/constituicao-da-organizacao-mundial-da-saude-omswho.html>. Acesso: 08/02/2019.

PAIM, J. S. Recursos humanos em saúde no Brasil: problemas crônicos e desafios agudos. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública - Universidade de São Paulo, 1994.

PEREHOUSKEI, N. A.; BENADUCE, G. M. C. Geografia da saúde e as concepções sobre o território. Revista Gestão & Regionalidade, São Paulo, v. 23, n. 68, Set - Dez/2007. Disponível em:< http://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_gestao/article/view/78/39>. Acesso: 11/09/2017.

PESSOTO, U. C.; RIBEIRO, E. A. W.; GUIMARÃES, R. B. O papel do Estado nas políticas públicas de saúde: um panorama sobre o debate do conceito de Estado e o caso brasileiro. Saúde Soc., São Paulo, v. 24, n.1, p. 9-22, 2015.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Editora Ática, 1993.

RATZEL, F. Geografia do homem (Antropogeografia). In: MORAES, Antônio Carlos Robert de (Org.). Ratzel. São Paulo: Ática, 1990. p. 33-107.

RECKTENWALDT, M.; JUNGES, J. R.. A organização e a prática da Vigilância em Saúde em municípios de pequeno porte. Saúde Soc., São Paulo, v. 26, n.2, p.367-381, 2017. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v26n2/1984-0470-sausoc-26-02-00367.pdf >. Acesso: 23 de Novembro de 2018.

SACK, R. Human Territoriality. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

SAQUET, Marcos Aurélio. Abordagens e concepções de território. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: 6º Ed. Record, 2003.

SILVA, L. A. A vigilância permanente da saúde e o método epidemiológico. Rev. Saúde pública, Florianópolis, v. 1, n. 1, Jan.- Jun. 2008. Disponível em:<http://www.dive.sc.gov.br/conteudos/publicacoes/livros_artigos/Artigo_Revista_SPSC.pdf>. Acesso: 14 de Novembro de 2018.

SILVA, P. A. S. Território: abordagens e concepções. Boletim DATALUTA, São Paulo, n. 96, Dez. 2015. Disponível em: <http://www2.fct.unesp.br/nera/artigodomes/12artigodomes_2015.pdf>>. Acesso: 15 de Novembro de 2018.

SOUZA, M. J. L. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (Org.). Geografia: Conceitos e temas. – 8ª ed. – Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

STÜRMER, A. B.; COSTA, B. P.. Território: aproximações a um conceito-chave da geografia. Revista Geografia, Ensino & Pesquisa, Santa Maria, V. 21, n.3, p. 50-60. 2017.

THACKER, S. B.; BERKELMAN, R. L. Public health surveillance in the United States. Revista Epidemiologic Reviews. Oxford: Ed. Oxford, 1988.

Downloads

Publicado

2020-07-01

Como Citar

CARDOSO, A. F.; COSTA , V. A. M.; SILVA, . C. A. DA. A importância do território em ações de vigilância em saúde. Revista Cerrados, v. 18, n. 02, p. 50-68, 1 jul. 2020.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)