“Entre a cruz e a coroa, o trono e o altar, a fé e o império”: o padroado real e a colonização brasileira a partir das minas do Serro do Frio e Vila do Príncipe, Minas Gerais, 1702-1721

“Between cross and crown, throne and altar, faith and empire”: the real standard and Brazilian colonization from the mines of Serro do Frio and Vila do Príncipe, Minas Gerais, 1702-1721

Autores

Palavras-chave:

Brasil Colônia, Colonização brasileira, Sistema do padroado, Comarca do Serro do Frio, Vila do Príncipe

Resumo

Relacionamos a colonização das minas gerais, em especial do território das minas do Serro do Frio (1702) e sua Vila do Príncipe (1714), capital da Comarca do Serro do Frio (1720), com os ordenamentos da Coroa portuguesa, o Regimento dos Superintendentes (1702) e da Igreja católica, as Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia (1707). Analisamos documentos do cotidiano relativos aos dois regulamentos essenciais ao sistema do padroado real brasileiro do século XVIII, um deles o processo de habilitação sacerdotal. A metodologia de pesquisa bibliográfica permitiu investigação de documentos portugueses e brasileiros e sus análise tendo por base os fundamentos da microhistória ou análise microanalítica da história. O resultado se apresenta pari passu na narrativa dos fatos e culmina com a noção de que a colonização mineira se deveu aos regulamentos escritos da Igreja e da Coroa portuguesa introjetados na vida cotidiana das minas serranas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danilo Arnaldo Briskievicz, Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG) - Campus Santa Luzia

Doutor em Educação. Professor de Filosofia e Sociologia do Instituto Federal de Minas Gerais - Campus Santa Luzia, Brasil. E-mail: doserro@hotmail.com. ORCID: http://orcid.org/0000-0002-7652-1959.

Referências

BIBLIOTECA NACIONAL. Documentos Históricos. Correspondência dos Governadores Gerais 1704-1714. V. XL. Carta para Antônio Soares Ferreira guarda-mor das Minas do Serro do Frio, sobre vários particulares tocantes às mesmas minas. Rio de Janeiro: Typ. Baptista de Souza, p. 352-360.

BOSCHI, Caio César. Em Minas, os negros e seus compromissos. In: MARTINS FILHO, Amílcar (Org.). Compromissos de irmandades mineiras do século XVIII. Belo Horizonte: Claro Enigma/Instituto Cultural Amílcar Martins, 2007, p. 277-293.

BOXER, Charles Ralph. A igreja e a expansão ibérica: 1440-1770. Lisboa: Edições 70, 2013.

CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. Preconceito racial em Portugal e Brasil Colônia. Os cristãos-novos e o mito da pureza de sangue. 3.ed. rev. amp. São Paulo: Perspectiva, 2005.

CASIMIRO, Ana Palmira Bittencourt Santos. Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia: educação, lei, ordem e justiça no Brasil colonial. Disponível em: <http://www.histedbr.fe.unicamp.br/navegando/artigos_pdf/Ana_Palmira_Casimiro1_artigo.pdf>. Acesso em: 20 jul. 2020.

COELHO, José João Teixeira. Instrução para o governo da Capitania de Minas Gerais. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 1994.

COSTA, Joaquim Ribeiro. Conceição do Mato Dentro, fonte de saudade. Belo Horizonte: Itatiaia, 1975.

FEITLER, Bruno; SOUZA, Evergton Sales; JANCSÓ, Istvan; PUNTONI, Pedro (Orgs.). Estudo introdutório. In: VIDE, Sebastião Monteiro da. Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia. São Paulo: Edusp, 2010.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 6.ed. Rio de Janeiro/São Paulo, Paz e Terra, 2017.

MESQUITA, Sônia Nunes; SEABRA, Maria da Glória. Paróquia do Serro. História de fé. Serro: Edição das Autoras, 2013.

PEREIRA FILHO, Jorge da Cunha. Inquirição “de genere” de Paschoal da Cunha Pereira. Rio de Janeiro, Edição do Autor, 2009.

PINTO, Luiz Antônio. Memórias municipaes. Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte/MG, n. VII, p. 939-962, 1902.

SANTOS, Patrícia Ferreira dos. O Tribunal Eclesiástico à época de dom frei Manuel da Cruz: a afirmação da jurisdição episcopal. In: Travessias inquisitoriais das Minas Gerais aos cárceres do Santo Ofício: diálogos e trânsitos religiosos no império luso-brasileiro (sécs. XVI-XVIII. FURTADO, Júnia Ferreira; RESENDE, Maria Leônia Chaves de. Belo Horizonte: Fino Traço Editora, 2013, p. 47-77.

SILVA, Dario Augusto Ferreira da. Memória sobre o Serro antigo. Serro: Typographia Serrana, 1928.

VAINFAS, Ronaldo. Trópico dos pecados. Moral, sexualidade e Inquisição no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.

VIDE, Sebastião Monteiro da. Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia. São Paulo: Edusp, 2010 [1707].

VILLALTA, Luiz Carlos. Introdução. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLALTA, Luiz Carlos (Orgs.). História de Minas Gerais. As minas setecentistas 2. Belo Horizonte: Autêntica; Companhia do Tempo, 2007a, p. 19-24.

VILLALTA, Luiz Carlos. A igreja, a sociedade e o clero. In: RESENDE, Maria Efigênia Lage de; VILLALTA, Luiz Carlos (Orgs.). História de Minas Gerais. As minas setecentistas 2. Belo Horizonte: Autêntica; Companhia do Tempo, 2007b, p. 25-57.

Downloads

Publicado

2021-07-01

Como Citar

Briskievicz, D. A. . (2021). “Entre a cruz e a coroa, o trono e o altar, a fé e o império”: o padroado real e a colonização brasileira a partir das minas do Serro do Frio e Vila do Príncipe, Minas Gerais, 1702-1721: “Between cross and crown, throne and altar, faith and empire”: the real standard and Brazilian colonization from the mines of Serro do Frio and Vila do Príncipe, Minas Gerais, 1702-1721. Revista Caminhos Da Historia, 26(2), 153–173. Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria/article/view/4356

Edição

Seção

Artigos Livres