https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria/issue/feed Caminhos da História 2023-01-02T14:21:23+00:00 Revista Caminhos da História revista.caminhosdahistoria@unimontes.br Open Journal Systems <p>A Revista Caminhos da História é uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História (PPGH) da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Trata-se de um periódico semestral, recebendo submissão de artigos em fluxo contínuo. São bem-vindas contribuições de pesquisadorxs e professorxs de outras instituições; efetivamente, tem-se conseguido este intento, com a publicação de artigos de diversas regiões do país, inclusive do exterior. </p> https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria/article/view/6129 Editorial 2022-12-26T18:24:36+00:00 Ester Liberato Pereira ester.pereira@unimontes.br Rafael Dias de Castro rafael.castro@unimontes.br <p>Editorial do dossiê e da edição.</p> 2023-01-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Caminhos da História https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria/article/view/6130 Apresentação - Dossiê - Consonâncias entre História e Música 2022-12-26T19:14:12+00:00 Priscila Gomes Correa pgcorrea@uneb.br Raiana Maciel do Carmo raianamaciel@yahoo.com.br <p>Apresentação - Dossiê - Consonâncias entre História e Música</p> 2023-01-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Caminhos da História https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria/article/view/6131 Ecos de outras Áfricas: festas domiciliares de santos católicos nas Américas 2022-12-26T19:43:06+00:00 Michael Iyanaga michaeliyanaga@gmail.com <p>O trabalho visa reimaginar o legado africano nas Américas. Em particular, o foco do texto são as festas domiciliares de santos católicos que as pessoas celebram hoje em alguns países específicos da América: Venezuela, Brasil, Colômbia, Equador e República Dominicana. De forma significativa, as celebrações musicais para os santos católicos que se realizam em casas particulares nestas várias localidades da América são bastante parecidas em termos tanto cosmológicos como estéticos. Isso se deve, em grande parte, a uma matriz comum não só na Ibéria como também na África Central, pois, ao comparar as dimensões musicais, estruturais, sociais e cosmológicas destas festas americanas numa perspectiva histórica, percebemos que seriam evidentes frutos da contribuição centro-africana às Américas, e especialmente do catolicismo centro-africano que começou a se desenvolver desde o século XV. Ainda, o texto procura avançar –– de modo implícito –– um argumento metodológico-teórico de que as práticas musicais têm uma historicidade que deixa com que o seu estudo (especialmente quando comparativo e historicizado) possa fazer ressoar vozes e narrativas esquecidas e silenciadas.</p> 2023-01-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Caminhos da História https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria/article/view/6132 A imagem do samba: a materialidade da imagem e o intangível do som – um olhar sobre a história da música no Brasil 2022-12-27T12:34:57+00:00 Tiago de Oliveira Pinto tiago.oliveira@hfm-weimar.de <p>Este ensaio aborda alguns itens de uma historiografia geral do samba no Brasil, baseando-se em diversas fontes e dados. A primeira questão que se coloca é porque o samba foi, ele próprio, filetado para se ajustar a critérios epistemológicos divergentes. De um lado temos a historiografia que inclui o samba, do outro a pesquisa etnomusicológica e os estudos de música popular, que mantém as suas abordagens claramente delimitadas, com pouco diálogo entre si. Parece claro que o mais factível seria assumir-se o contrário, o da adequação dos métodos e das abordagens de acordo com as questões que se colocam a partir do próprio objeto de inquirição, o samba. Mas este procedimento ainda é raro. Pensar uma historiografia do samba exige, portanto, ampliar os conhecimentos sobre um patrimônio vivo no Brasil, tal qual representado por este gênero musical. Isso implica em suplantar as limitações impostas pela segmentação epistemológica que até hoje domina a musicologia em geral e assim também o estudo do samba em particular.</p> 2023-01-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Caminhos da História https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria/article/view/6133 Lia de Itamaracá, rainha da ciranda: de mãos dadas com a história 2022-12-27T12:58:35+00:00 Sonia Teller tellersonia31@gmail.com <p>Pretendemos perceber nas práticas musicais, dançantes e cotidianas da cirandeira Lia do Itamaracá, modo de viver ou forma cultural como prática de si, antagônica às técnicas do biopoder, ou biopolíticas que se espalham e nos atravessam, uma contraconduta. Tendo como pressuposto metodológico a história cultural e conceitos foucaultianos, buscar a efetivação de ações libertárias como quebra da corporeidade, social e culturalmente vigentes. Recorrendo à história da ciranda e a de Lia e sua obra, como compositora, intérprete, cirandeira e mestre de ciranda, atriz e cidadã, concluímos que o coco e a ciranda, provenientes das manifestações e práticas populares dos terreiros e festas profanas dos negros escravizados, praticantes das formas musicais, dançantes e de convívio, marginalizadas do batuque e do calundu, circunscrevem a tradição à qual Lia se vincula. Propiciando um corpo como suporte e estrutura dos valores propagados pela prática cotidiana da dança, promove ética e esteticamente a cultura do corpo singular e social, implicando o cuidado de si e a autoconstituição do sujeito no uso dos prazeres. Desacelerando o tempo do capital, une a emergência de uma ética de si com a presença contínua do outro, elaborando uma estetização da existência.</p> 2023-01-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Caminhos da História https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria/article/view/6135 Breves apontamentos sobre as relações entre história, música e tecnologia. Um estudo de caso na música do Radiohead 2022-12-27T13:18:06+00:00 Luiz Filipe da Silva Correia luiz.correia@usp.br <p>Neste artigo serão discutidos aspectos da relação entre história, música e tecnocultura para isso, a música <em>The Tourist</em> da banda britânica Radiohead será a trilha sonora usada para discutir como as transformações tecnológicas estão conectadas com as formas de produção artística, criação musical e consumo da música. Tais temas ajudam na compreensão de aspectos da história do cotidiano e da cultura pelo viés das mudanças propiciadas pela difusão de novas tecnologias no final do século XX. O artigo está dividido em 3 eixos principais: o primeiro apresenta um breve histórico das relações entre história e música na primeira década dos anos 2000 e aborda a definição de Música Popular Urbana e o conceito de paisagem sonora; o segundo trata das relações entre tecnologia e música e apresentada o conceito de tecnocultura, neste eixo ainda discute aspectos relacionados ao uso do ruído como recurso estético na música; o terceiro eixo relaciona os dois eixos anteriores e defende que a Música Popular Urbana é um objeto privilegiado quando se pretende estudar as transformações nas sensibilidades e no cotidiano a partir da popularização da tecnologia.</p> 2023-01-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Caminhos da História https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria/article/view/6137 “Zombie”: terrorismo, violência e globalização nas trilhas do sucesso da banda “The Cranberries” 2022-12-28T12:34:19+00:00 Alessandro de Almeida hg6alessandro@gmail.com <p>O avanço tecnológico, notadamente no século XX, potencializou a criação de armas de destruição em massa que, da “metralha” aos armamentos nucleares, aterrorizou o mundo na Era da Catástrofe -1914-1945, termo empregado pelo historiador Eric Hobsbawm. Com essa mesma perspectiva, os tempos de Guerra-fria (1945-1991) também foram marcados pelo terrorismo, violência e avanço da indústria fonográfica, em que o rock and roll, principalmente no Woodstock de 1969, potencializaram as ações da contracultura com críticas à violência, ao Estado burocrático e ao capitalismo. A partir desse contexto, nos anos 1990, a banda <em>The Cranberries</em>, como a música <em>Zombie,</em> produzida em 1994, procurou criticar o terrorismo, inspirada no atentado de Warrington, na Inglaterra, que matou duas crianças Tim Parry, de 12 anos e Johnathan Ball, de 3 anos. A ação do grupo católico nacionalista IRA, além de inspirar a banda irlandesa, também justifica a análise do videoclipe da canção supracitada para investigarmos a relação da música e produções audiovisuais com o choque de civilização e as ações terroristas que persistiram e se fortaleceram, mesmo com o “apagar das luzes” da Guerra-fria, em 1991.</p> 2023-01-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Caminhos da História https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria/article/view/6138 As práticas musicais não monumentalizadas da Minas setecentista na história da música no Serro e Diamantina por Francisco Curt Lange 2022-12-28T13:12:52+00:00 Rachel de Ulhôa rachelulhoa@hotmail.com Edite Rocha editerocha@ufmg.br <p>As pesquisas de Francisco Curt Lange em meados do século XX foram primordiais para situar Minas Gerais como um centro documental relevante no Brasil colonial. O curso da narrativa historiográfica foi redirecionada, novos músicos foram destacados e outras práticas e contextos musicais foram evidenciados. Recorrendo particularmente à pesquisa que este musicólogo desenvolveu sobre Serro e Diamantina setecentista, e disponibilizadas no Acervo Curt Lange da UFMG, este trabalho reflete sobre o lugar de Curt Lange em relação à narrativa musicológica e construção da história da música local a partir da documentação acessada. Assim, com base na revisita e releitura da documentação selecionada por Curt Lange, este artigo centra-se na visão e discurso contextual encontrado em relatos de viagem e escritos de memorialistas, onde se identificaram registros de práticas e manifestações musicais que permitem novos horizontes interpretativos à luz da atualidade musicológica.</p> 2023-01-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Caminhos da História https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria/article/view/6140 A metodologia da preguiça: concepções sobre o processo criativo em um manuscrito musical de Mário de Andrade 2022-12-28T13:57:03+00:00 Maurício de Carvalho Teixeira mauriciodeteixeira@gmail.com <p>Na leitura de Macunaíma, principal romance de Mário de Andrade, logo se percebe que a preguiça está no centro dos acontecimentos. Um levantamento documental mostra que essa questão se potencializa nas pesquisas desse autor sobre os processos de criação da poesia cantada no Brasil. A preguiça, nesse caso, está ligada a uma economia necessária à produção, fruto de um procedimento técnico, com suas origens nas tradições populares e nos embates culturais. Este artigo observa estudos que ajudam a analisar a ocorrência do termo preguiça na sociedade e na arte. Percorre pontos do pensamento musical modernista para relacionar com o manuscrito <em>Poética popular</em> de Mário de Andrade, pertencente ao arquivo do Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo.</p> 2023-01-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Caminhos da História https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria/article/view/6144 Elementos da cultura e do trabalho dos povos originários em Óbidos-PA, 1698 a 1763: um estudo com base nos registros literários da Amazônia colonial 2022-12-29T12:14:15+00:00 Délio Reis Matos de Aquino delio_reis@yahoo.com.br Lúcia Helena Alfaia de Barros profluciahbarros@gmail.com <p>A partir de fontes literárias, o objetivo primordial deste artigo é analisar elementos culturais e do trabalho dos indígenas entre 1698 -1763, no espaço onde está a atual cidade de Óbidos-Pará. A base documental é a literatura do período, com ênfase no diário do Bispo Queirós, 1762/63. A documentação reunida sobre o “Forte Pauxis”, mais tarde vila de Óbidos – crônicas, cartas, diários, documentos estatais - permitiu uma confrontação metodológica crítica, uma análise bibliográfica dos elementos descritivos de fragmentos do passado, suas evidências e conexões de múltiplos elementos entrelaçados nas narrativas. A interpretação da cultura e a etnografia do cotidiano forneceu maior compreensão dos discursos narrativos, assim como a observação dos “esquecimentos” de fatos históricos passados viabilizaram a apresentação de resultados peculiares sobre o trabalho, as tecnologias, usos florísticos e faunísticos para medicina e alimento dos povos originários naquele período. Além das referências às características dos rios, a potabilidade das águas para consumo humano, os documentos apresentam novos conhecimentos socioambientais, revelam inéditas informações de sujeitos históricos, a exemplo das mulheres e dos negros, além da produção/consumo do açaí na Óbidos oitocentista, imprescindíveis ao emprego no ensino/aprendizagem da disciplina História de Óbidos, componente curricular do Ensino Fundamental no município.&nbsp;</p> 2023-01-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Caminhos da História https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria/article/view/6145 A formação da malha eclesiástica do território da comarca do Serro do Frio, Minas Gerais, 1702-1821 2022-12-29T12:45:55+00:00 Danilo Arnaldo Briskievicz doserro@hotmail.com <p>Este estudo propõe avaliar de maneira crítica a relação entre a colonização portuguesa do território brasileiro a partir das minas do Serro do Frio [atual cidade do Serro/MG] no período entre 1702 e 1821 e a criação da malha eclesiástica em constante disputa entre três arcebispados, o da Bahia, a do Rio de Janeiro e a de Mariana pela massa de fiéis devotos sob influência da “sombra tridentina”. Discutimos a atuação dos bispos diocesanos no cotidiano dessas populações da Comarca do Serro do Frio com suas freguesias fundamentais para a compreensão do processo de formação do território nacional, uma vez que as igrejas enquanto templos delimitavam espaços de sociabilidades e de exercício político da autoridade e do poder dos seus padres e irmandades. A metodologia de investigação centrou-se na pesquisa bibliográfica e na moldura teórica micro-histórica a fim de descrever o espaço de atuação dos personagens do período. As conclusões apontam para uma divisão temporal da formação da malha eclesiástica serrana e mineira, entre os períodos de 1702 a 1750 o (Antigo Regime português) e de 1750 a 1821 (despotismo esclarecido português) marcada pela atuação dos sujeitos no sistema do padroado real.</p> 2023-01-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Caminhos da História https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria/article/view/6146 Prescrições patrióticas e os mecanismos de controle no governo Vargas: as festas cívico-militares, nacionalismo e as contravenções no Piauí (1930 - 1945) 2022-12-29T13:19:16+00:00 José de Arimatéa Freitas Aguiar Júnior arimateaaguiar@hotmail.com Pedro Pio Fontineles Filho pedropio@ccm.uespi.br <p class="CItao" style="margin-left: 0cm;"><span style="font-size: 12.0pt;">Este artigo tem como objetivo principal analisar como as comemorações cívico-militares foram utilizadas para conclamar a juventude masculina piauiense ao serviço militar no Piauí no período de 1930 a 1945. Neste momento, marcado pelo estado de beligerância brasileiro, causado pela Segunda Guerra Mundial, ocorreu uma forte campanha a favor do serviço militar em território nacional e, consequentemente, no Piauí. O chefe do serviço de recrutamento estadual enviava telegramas para as guarnições de vários municípios com as recomendações de como deveriam acontecer as festividades militares, como a Semana do Serviço Militar e o Dia do Reservista. Percebemos que esses eventos ganharam ampla divulgação na imprensa escrita da época e foram utilizados como mecanismos de controle para os jovens atenderem aos chamados da Pátria. Nesta pesquisa, foram utilizadas fontes documentais, como o jornal <em>Diário Oficial</em>, os <em>Boletins do Exército</em> e os <em>Boletins Internos </em>da 26ª Circunscrição de Serviço Militar do Piauí. </span></p> 2023-01-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Caminhos da História https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria/article/view/6148 Sobre a gênese do pensamento econômico do Brasil: aspectos da economia colonial 2022-12-30T12:49:19+00:00 Marcelo Lunardi do Carmo marcelolcarmo@usp.br <p>Resenha do Livro:</p> <p>PAULA, João Antônio de. <strong>Capítulos de história do pensamento econômico do Brasil.</strong> Prefácio: Maria Alice Rosa Ribeiro. São Paulo: Hucitec: ABPHE, 2021.</p> 2023-01-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Caminhos da História https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria/article/view/6149 A interdisciplinaridade nas pesquisas científicas: do conceito ao acorde 2022-12-30T14:04:57+00:00 Rodrigo dos Santos digao_santos9@hotmail.com <p>Resenha do livro:</p> <p>BARROS, José D’ Assunção. <strong>O uso dos conceitos</strong>: uma abordagem interdisciplinar. Petrópolis: Vozes, 2021.</p> 2023-01-02T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2022 Caminhos da História