Homem, lugar e paisagem - topofilia e topofobia: reflexões sobre o patrimônio histórico arquitetônico e urbanístico de Diamantina-MG

Man, place and landscape - topophilia and topophobia: reflections on the architectural and urban historic heritage of Diamantina-MG

Autores

  • José Antônio Souza de Deus Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
  • Marly Nogueira Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
  • Rahyan de Carvalho Alves Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Palavras-chave:

Homem, Paisagem, Turismo, Mercantilização

Resumo

As paisagens representam as formas de existência de uma comunidade, sendo sentidas a sua apresentação social, principalmente nos patrimônios históricos que formam alicerces culturais. E nesta conjuntura de representatividade e elo cultural, muitos municípios no Brasil, como Diamantina-MG, se apresentam como centros com materiais-elementos tombados, vinculados aos conjuntos patrimoniais arquitetônicos (urbanos ou rurais), instituindo um ambiente próspero ao que se refere
ao laço de topofilia. Todavia, muitos elementos tombados apresentam, na contemporaneidade, como produtos mercantilizados, uma vez que o poder público municipal e os agentes capitalistas os vislumbram como uma possibilidade de
lucratividade, através do turismo cultural, que atropela os sentidos de uma vida coletiva expressa nas paisagens e nas manifestações culturais; realizando, no visível, uma fonte de intenção que induz o consumo das formas, ocorrendo à ativação da trama do comércio pelas atividades da rede hoteleira, gastronômica, do ecoturismo, dentre outros. Assim, este artigo denota-se como relevante, pois tem como objetivo discutir a mercantilização da paisagem na relação patrimônio/paisagem e culturacomércio, destacando o município de Diamantina-MG. Para alcançar o objetivo utilizou-se como metodologia leituras bibliográficas e reconhecimento de campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Antônio Souza de Deus, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Professor Dr. Associado e pesquisador do Instituto de Geociências da Universidade Federal de Minas
Gerais – IGC/UFMG E-mail: jantoniosdeus@uol.com.br

Marly Nogueira, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Professora Dra. Adjunta e pesquisadora do Instituto de Geociências da Universidade Federal de Minas
Gerais – IGC/UFMG. E-mail: nogueira.marly@yahoo.com.br

Rahyan de Carvalho Alves, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Geógrafo, Mestrando em Geografia pelo Instituto de Geociências da Universidade Federal de Minas
Gerais – IGC/UFMG. E-mail: rahyancarvalho@yahoo.com.br

Referências

ABREU, Maurício. Sobre a memória das cidades. In.: CARLOS, Ana Fani Alessandri; SOUZA, Marcelo Lopes de & SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão (Orgs.). A produção do espaço urbano: agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Contexto, 2011. p.19-39.

ALVES, Rahyan de Carvalho & FONSECA, Gildette Souza da. A Paisagem cultural como elemento comercial: uma análise do patrimônio histórico de Diamantina-MG. In.: VIII Encontro de estudantes de história e I encontro de pósgraduandos em história. Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros [Anais...], 2011. p.01-17.

CALDEIRA, Altino Barbosa. As cidades e o patrimônio cultural. Cadernos de arquitetura e urbanismo. Belo Horizonte: EdPUC Minas. v.16, n.18+19, p.31-45. 2009.CARLOS, Ana Fani Alessandri. A cidade. São Paulo: Contexto, 2001.

CARVALHO, Luiz Eugênio Pereira. Trabalho de campo em Geografia e a percepção ambiental. In.: CARDOSO, Antônio & SOUZA, Mário Ângelo de Meneses (Orgs.). Indicações geográficas e temas em foco. Teresina: EdUFPI, 2011. p.101-113.

CLAVAL, Paul. A revolução pós-funcionalista e as concepções atuais da Geografia. In.: MENDONÇA, Francisco & KOZEL, Salete (Orgs.). Elementos de epistemologia da Geografia contemporânea. Curitiba: EdUFPR, 2002. p.14-28.

______. A contribuição francesa ao desenvolvimento da abordagem cultural na Geografia. In.: CÔRREA, Roberto Lobato & ROSENDAHL, Zeny (Orgs.). Introdução á Geografia cultural. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007. p.147-166.

CÔRREA, Roberto Lobato & ROSENDAHL, Zeny (Orgs.). Introdução á Geografia cultural. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

COSGROVE, Denis. A geografia está em toda parte: cultura e simbolismo nas paisagens humanas. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1998.

GEOMINAS. Banco de dados geográficos. 1996. Disponível em: <<http://www.geominas.mg.gov.br>>. Acesso em: 11 jul. 2011.

GOMES, Elias. Paisagem e registros de conceitos a partir a Geografia Alemã. In.: VASCONCELOS, Silva (Org.). Novos estudos de Geografia urbana brasileira. Salvador: EdUFA, 1999. p.44-62.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Monumentalidade e cotidiano: os patrimônios culturais como gênero de discurso. In.: OLIVEIRA, Lúcia Lippi (Org.). Cidade: história e desafios. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 2002. p.108-123.

HAESBAERT, Rogério. Identidades territoriais. In.: ROSENDAHL, Zeny & CORRÊA, Roberto Lobato. Manifestações da cultura no espaço. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1999. p.169-190.

______. Concepções de território para entender a desterritorialização. In.: SANTOS, Milton & BECKER, Bertha (Orgs.). Territórios, territórios: Ensaio sobre o ordenamento territorial. 3ª edição. Rio de Janeiro: DP&A, 2007. p.43-68.

KEESING, Felix Maxwell. Antropologia cultural: a ciência dos costumes. Rio

de Janeiro: Fundo de Cultura, 1961.

LUCHIARI, Maria Tereza Duarte Paes. Centros históricos – mercantilização e territorialidades do patrimônio cultural urbano. In.: Encontro de Geógrafos da América Latina. Universidade de São Paulo, São Paulo. [Anais...], 2005. pp.8175-8190.

______. Patrimônio cultural: uso público e privatização do espaço urbano. In.: Geografia, Rio Claro, v.31, n.1, pp.47-60, jan./abr. 2006.

MARCONI, Marina de Andrade & PRESOTTO, Zelia Maria Neves. Antropologia: uma introdução. São Paulo: Atlas, 2009.

MELO, Laura Ludovico de. Ouro Fino: Um arraial... uma Igreja... um Largo... e uma vaga lembrança na paisagem. 221f. Dissertação (Mestrado) – Instituto Goiano de Pré História e Antropologia. Universidade Católica de Goiás, 2009

NIGRO, Cíntia. Territórios do patrimônio. Tombamentos e participação social na cidade de São Paulo. 202f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas (FFLCH), Universidade de São Paulo, 2001.

SÀNCHEZ, Fernanda. Cidade espetáculo: Política, planejamento e city marketing. Curitiba: Palavra, 1997.

SCHIER, Raul Alfredo. As concepções da paisagem no código florestal. 203f. Dissertação (Mestrado) – Setor de ciências da Terra, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2003.

SWARBROOKE, John. Turismo sustentável: turismo cultural, ecoturismo e ética. São Paulo: Aleph, 2000.

TUAN, Yi-fu. Topofilia: Um estudo da percepção, atitudes e valores do meio

ambiente. Tradução de Lívia de Oliveira. Rio de Janeiro: Difel, 1980.

______. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Tradução de Lívia de Oliveira. Rio de Janeiro: Difel, 1983.

ZUKIN, Sharon. Paisagens urbanas pós-modernas: mapeando cultura e poder.

Revista do patrimônio histórico e artístico nacional (IPHAN), v.23, n. 24, p.204-

1996.

Downloads

Publicado

2013-01-02

Como Citar

Antônio Souza de Deus, J., Nogueira, M., & de Carvalho Alves, R. . (2013). Homem, lugar e paisagem - topofilia e topofobia: reflexões sobre o patrimônio histórico arquitetônico e urbanístico de Diamantina-MG: Man, place and landscape - topophilia and topophobia: reflections on the architectural and urban historic heritage of Diamantina-MG. Revista Caminhos Da Historia, 18(1), 13–26. Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria/article/view/3223

Edição

Seção

Dossiê