Atitude muda: o Grupo Um, a produção musical independente e o Lira Paulistana (1976 – 1984)

Speechless attitude: Grupo Um, the musical independent production and the Lira Paulistana (1976 – 1984)

Autores

Palavras-chave:

Grupo Um, Vanguarda Paulista, Música Instrumental, Jazz, Lira Paulistana

Resumo

A partir de entrevistas com os gestores da carreira do Grupo Um (jazz brasileiro instrumental), este artigo analisa as ações empreendidas pela banda no cenário de transformações da indústria fonográfica brasileira da virada dos anos 1970. Tendo como principal objetivo analisar as contribuições do Grupo Um para a formação da produção musical independente, que emergia nessas décadas, o propósito foi refletir sobre os modos de atuação da banda frente ao novo dinamismo do mercado brasileiro de gravações musicais. Dentre as hipóteses formuladas, destaca-se a relação de intensa proximidade que o jazz brasileiro e a música instrumental tiveram com o surgimento da Vanguarda Paulista e as ações do Lira Paulistana, tal vinculo é geralmente deixado de lado pela historiografia. Assim, a bibliografia sobre o assunto delegou um lugar coadjuvante e secundário as composições de caráter instrumental e jazzístico, cerne da sonoridade não só do Grupo Um, como de outras bandas de fusion brasileiro desse período (Divina Increnca, Pé ante Pé, Metalurgia, Medusa, entre outras). Essa relação se constituiu sobre uma base de tensões com o universo da canção (composições com letra e canto), que também ficou mais alinhado a ideia de Vanguarda Paulista. Tal termo foi criado pela imprensa e se consolidou como o elo para algumas transformações estéticas e experimentações que circulavam pelo Lira Paulistana (em São Paulo no início dos anos 1980) mesmo que a música instrumental e o jazz brasileiro estivessem umbilicalmente presentes nesse contexto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renan Branco Ruiz, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)

Mestre e Doutorando em História pela Faculdade de Ciências Humanas e Sociais (FCHS). Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Franca-SP, Brasil. E-mail: renan.ruiz@unesp.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-0778-8895. 

Referências

ADORNO, Theodor W. Filosofia da Nova Música. São Paulo: Perspectiva, 2011a.

ADORNO, Theodor W. Introdução à Sociologia da Música: doze preleções teóricas. São Paulo: Editora da UNESP, 2011b.

ADORNO, Theodor W. Teoria Estética. Tradução: Artur Mourão. Lisboa: Edições 70, 2012.

CAROCHA, Maika Lois. Pelos versos das canções: um estudo sobre o funcionamento da censura musical durante a ditadura militar brasileira (1964-1985). Dissertação (mestrado em História) – IFCS. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

CASTRO, Igor Garcia. O lado B: a produção fonográfica independente brasileira. São Paulo: Annablume, 2010.

DIAS, Márcia Tosta. Os donos da voz: indústria fonográfica e mundialização da cultura. São Paulo: Boitempo, 2000.

FENERICK, José Adriano. Façanha às próprias custas: a produção musical da vanguarda paulista (1979-2000). São Paulo: Annablume, 2007.

GHEZZI, Daniela Ribas. De um porão para o mundo: a vanguarda paulista e a produção independente de LP's através do selo Lira Paulistana nos anos 80 - um estudo dos campos fonográfico e musical. 2003. 264 p. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

GUIMARÃES, Antônio Carlos Machado. A “nova música” popular de São Paulo. Dissertação (mestrado em Antropologia Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1985.

IANNI, Octavio. A sociedade global. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

JAMESON, Fredric. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Editora Ática, 1997.

MACHADO, Regina. A voz na canção popular brasileira – um estudo sobre a Vanguarda Paulista. Campinas, 2007. Dissertação de Mestrado em Música. Instituto de artes da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, 2007.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. A história, cativa da memória? Para um mapeamento da memória no campo das Ciências Sociais. Revista IEB, n.34, p. 9-23, 1992.

MORELLI, Rita de Cássia Lahoz. Indústria fonográfica: um estudo antropológico. Campinas: Ed. UNICAMP, 2009,

MOTTA, Luísa Nemésio Toller. Se a obra é a soma das penas: um estudo feminista sobre as cantoras da Vanguarda Paulista. Dissertação (Processo de Criação Musical) Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

MULLER, Daniel Gustavo Mingotti. Música instrumental e indústria fonográfica no Brasil: A experiência do selo Som da Gente. 2005. 201 f. Dissertação (Mestrado em Música) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

MURGEL, Ana Carolina Arruda de Toledo. Alice Ruiz, Alzira Espíndola, Tetê Espíndola e Ná Ozetti: produção musical feminina na vanguarda paulista. 2005. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

NAPOLITANO, Marcos. 1964: História do Regime Militar Brasileiro. SP. Contexto, 2014

NAPOLITANO, Marcos. A arte engajada e seus públicos (1955-1968). Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n. 28, p. 103-124, 2001a.

NAPOLITANO, Marcos. Cultura brasileira: utopia e massificação (1950-1980). São Paulo: Contexto, 2001b.

OLIVEIRA, Laerte Fernandes. Em um porão de São Paulo: o Lira Paulistana e a produção alternativa. 1999. 131f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1999

ORTIZ, Renato. A moderna tradição brasileira: cultura brasileira e indústria cultural. São Paulo: Brasiliense, 1988.

ORTIZ, Renato. Mundialização e cultura. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1994.

RUIZ, Renan Branco. “Procura-se Mecenas”: Música independente e indústria fonográfica na trajetória artística do Grupo Um (1976-1984). Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Franca, 2017.

SANTOS, Anajá Souza. A canção oculta: um estudo sobre a vanguarda paulista. 2015. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Estadual Paulista, Franca, 2015.

SEIXAS, Jacy Alves de. Os tempos da memória: (des) continuidades e projeção. Uma reflexão (in) atual para a história? Revista Projeto História, São Paulo, n. 24, p. 43-63, jun. 2002.

SEIXAS, Jacy Alves. Percursos da memória em terras de história: problemáticas atuais. In: BRESCIANI, Stella; NAXARA, Márcia Regina. Memória e (res)sentimento: indagações sobre uma questão sensível. Campinas: Ed. UNICAMP, 2001.

SIGNORI, Paulo Cesar. Tamba Trio: a trajetória histórica do grupo e análise de obras gravadas entre 1962-1964. 2009. 153 f. Dissertação (Mestrado em Música) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

VAZ, Gil Nuno. História da música independente. São Paulo: Brasiliense, 1988.

VICENTE, Eduardo. Da vitrola ao ipod: uma história da indústria fonográfica no Brasil. São Paulo: Alameda, 2014.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo e literatura. Trad. Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Ed. Zahar, 1979.

WILLIAMS, Raymond. Política do modernismo: contra os novos conformistas. Trad. André Glaser. São Paulo: Ed. Unesp, 2011.

WILLIAMS, Raymond. Recursos da esperança: cultura, democracia, socialismo. São Paulo: Ed. UNESP, 2015.

Downloads

Publicado

2020-07-01

Como Citar

Branco Ruiz, R. (2020). Atitude muda: o Grupo Um, a produção musical independente e o Lira Paulistana (1976 – 1984) : Speechless attitude: Grupo Um, the musical independent production and the Lira Paulistana (1976 – 1984). Revista Caminhos Da Historia, 25(2), 136-162. Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria/article/view/2840