Da utilidade da ciência: a febre amarela nos debates da sociedade de medicina e cirurgia de Juiz de Fora no início do século XX

On the utility of science: yellow fever in the discussions of Juiz de Fora's Society of Medicine and Surgery in the early 20th century

Autores

Palavras-chave:

História das Ciências, Associativismo Científico, Academias e Instituições, Sociedade de Medicina e Cirurgia, Febre Amarela

Resumo

O presente texto analisa os debates sobre as controvérsias em torno das formas de transmissão da febre amarela que envolveram a elaboração de um plano de defesa sanitária pelos médicos da Sociedade de Medicina e Cirurgia de Juiz de Fora (SMCJF) no início do século XX. A Instituição foi fundada em 20 de outubro de 1889 e se constituiu num espaço de integração e defesa dos interesses profissionais, debatendo problemas sanitários locais e questões de ordem médica em pauta nos cenários científicos nacional e internacional. As associações médicas fundadas no Brasil em fins do século XIX estiveram pautadas em questões científicas, corporativas e políticas, atuando tanto na defesa dos interesses profissionais dos associados quanto na busca do monopólio da função de consultores do Estado em relação à saúde. A elaboração e divulgação dos planos de intervenção, aqui analisada a partir dos estatutos e boletins da instituição, foi uma das principais estratégias utilizadas pelo corpo societário para legitimar sua categoria profissional e obter prestígio e reconhecimento perante seus pares, a municipalidade e os poderes públicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Lana, Universidade Federal de Viçosa (UFV)

Doutora em História das Ciências. Pós-Doutorado pela Casa de Oswaldo Cruz/FIOCRUZ. Professora do Departamento de História da Universidade Federal de Viçosa e do Mestrado em Patrimônio Cultural, Paisagens e Cidadania. E-mail: vanessalana@ufv.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-1950-1206.

Referências

ACKERKNECHT, Erwin. Anticontagionism between 1821 and 1867. Bulletin of the History of Medicine, v.22, pp.562-593, 1948.

BENCHIMOL, Jaime (cord). Febre Amarela: a doença e a vacina, uma história inacabada. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2001.

BENCHIMOL, Jaime. Dos micróbios aos mosquitos: Febre amarela e a revolução pasteuriana no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz/UFRJ, 1999.

BOLETIM DA SMCJF - Ata da inauguração em 20 de outubro de 1889 - Discurso pronunciado pelo Dr. João Penido (Pai).

BOLETINS da Sociedade de Medicina e Cirurgia de Juiz de Fora. Juiz de Fora: Typ. de Obras d’O Pharol, 1904.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1987.

CAPEL, Horacio. El associativismo cientifico em iberoamerica. La necessidad de um enfoque globalizador. Interciencia, v.17, n.3, maio/junho, 1992, p.168-176.

CHRISTO. Maraliz Vieira. Europa dos Pobres, a belle-époque mineira. Juiz de Fora: EDUFJF, 1994.

CUNNIGHAM, Andrew; WILLIANS, Perry. The Laboratory Revolution in Medicine. Cambrige, 1992.

ESTATUTOS DA SMCJF - 1890 e 1906.

FERREIRA, Luiz Otávio; MAIO Marcos Chor e AZEVEDO, Nara. Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro: a gênese de uma rede institucional alternativa. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, IV(3): 475-491, nov. 1997 – fev, 1998.

FIGUEIRÔA, Silvia Fernanda de Mendonça. As Ciências Geológicas no Brasil: uma história social e institucional, 1875-1934. São Paulo: HUCITEC, 1997.

GIROLETTI, D. Industrialização de Juiz de Fora: 1850/1930. Juiz de Fora: EDUFJF, 1988.

JORNAL “O PHAROL” – 1888/ 1890-1897/ 1899-1908

LANA, Vanessa. Intercâmbio Científico: as relações Brasil - Alemanha através das lentes do colposcópio em meados do século XX. Caminhos da História, v.22, n.2, jul./dez. 2017.

LANA, Vanessa; TEIXEIRA, Luiz Antônio. Saúde, ciência e profissão médica em Minas Gerais: A Sociedade de Medicina e Cirurgia de Juiz de Fora (1889-1908). Cadernos de História da Ciência. Instituto Butantan. Vol. 4, N. 1, 2008, p. 07 - 38.

LANA, Vanessa. Uma associação científica no “interior das Gerais”: a Sociedade de Medicina e Cirurgia de Juiz de Fora (SMCJF) 1889-1908. Dissertação de Mestrado. Casa de Oswaldo Cruz / Fundação Oswaldo Cruz; 2006.

MIRANDA, Sônia. Cidade, capital, poder: políticas públicas e questões urbanas na Velha Manchester Mineira. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal Fluminense; 1990.

PELLING, Margaret. Contagion/ germ theory/ specificity. In: W.F. Bynun; Porter, Roy (ed). Companion Encyclopedia of the History of Medicine, vol.1, London e New York, Routledge, pp.309-334, 1993.

ROSEN, George. Uma História da Saúde Pública. São Paulo: HUCITEC/Abrasco, 1994.

TEIXEIRA, Luiz Antonio. Na Arena de Esculápio. A Sociedade de Medicina e Cirurgia de São Paulo (1895 – 1913). São Paulo: Editora Unesp, 2007.

TEIXEIRA, Luiz Antonio. Da transmissão hídrica à culicidiana: a febre amarela na Sociedade de Medicina e Cirurgia de São Paulo. Revista Brasileira de História, v. 1, n. 41, 2001.

VASCONCELOS, Pedro Fernando da Costa. Febre Amarela. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 36(2):275-293, mar-abr, 2003.

VERSSURI, Hebe. Las asociaciones científicas Del siglo XIX en América Latina. Interciencia, v.17, n.3, maio/junho, pp.133, 1992.

Downloads

Publicado

2020-07-01

Como Citar

Lana, V. (2020). Da utilidade da ciência: a febre amarela nos debates da sociedade de medicina e cirurgia de Juiz de Fora no início do século XX: On the utility of science: yellow fever in the discussions of Juiz de Fora’s Society of Medicine and Surgery in the early 20th century. Revista Caminhos Da Historia, 25(2), 115-135. Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria/article/view/2839