Terrorismo de gênero: estratégia às violências epistêmicas a partir de um debate decolonial global

Gender terrorism: strategy for epistemic violence from a global decolonial debate

Autores

Palavras-chave:

História Global, Feminismos subalternos, Estudos Pós-coloniais, Terrorismo de gênero

Resumo

O presente artigo objetiva apresentar alguns apontamentos iniciais da noção “terrorismo de gênero” e ação “terrorista”, como possibilidade de abordagem crítica e teórica às investidas colonialistas de produção de narrativas e violências epistêmicas, a partir do campo da História Global, feminismos subalternos e decoloniais. A hipótese que defendo aqui é de que a partir do que consideramos como “abordagens concorrentes” na História Global, segundo Sebastian Conrad (2019), ou seja, a crítica pós-colonial, os feminismos subalternos e os estudos decoloniais constroem opções epistêmicas plurais desde o sul global em detrimento de uma historiografia hegemônica do Norte. Além disso, apresentar uma possibilidade teórico-metodológica diversa, anticolonial e que abra caminhos para a ruptura dos epistemicídios, ou seja, a invisibilidade, apagamento e destruição de saberes locais. O artigo se divide em duas sessões: na primeira apresentamos o estado da arte do debate em História Global e os estudos subalternos, incluindo os feminismos que se inclinam a esta perspectiva. Na segunda sessão, refletimos, a partir da breve revisão bibliográfica, como o campo possibilita perceber e compreender a relevância da ação das terroristas de gênero no tempo presente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Jardim Martins Afonso, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Doutorandx em História Global pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Membrx do Laboratório de Estudos de Gênero e História (LEGH-UFSC). Colunista do Jornal Balaiada. Mestre e Licenciadx em História pelo Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). E-mail: paula_jardim@hotmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-7767-6285.

Referências

ARMITAGE, David; GULDI, Jo. The History Manifesto. Cambridge, MA: Cambridge University Press, 2014.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Rev. Bras. Ciênc. Polít., Brasília, n. 11, p. 89-117, Ago. 2013.

BALLESTRIN, Luciana. Feminismos Subalternos. Estudos Feministas, Florianópolis, 25(3): 530, setembro-dezembro/2017.

BARROS, José d’Assunção. História comparada. Petrópolis: Vozes, 2014a.

BRAUDEL, Fernand. O Mediterrâneo e o Mundo Mediterrânico na Época de Felipe II. São Paulo: Martins Fontes, 1983 [1949]. 2 v.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CHAKRABARTY, Dipesh. Provincializing Europe: Postcolonial Thought and Historical Difference. Princeton University Press, 2000.

CONRAD, Sebastian. O que é história global?. Nova Jersey: Princeton University Press, 2019.

COSTA, Sergio. Pós-colonialismo e différance. In: COSTA, Sergio. Dois Atlânticos: teoria social, anti-racismo, cosmopolitismo. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, vol. 10, n. 1, p. 171-188, 2002.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 1: A vontade de saber. Trad. Rio de Janeiro: Graal, 1998.

GÓMEZ GRIJALVA, Dorotea. Mi cuerpo un territorio político. En: Voces Descolonizadoras. Cuaderno 1. Ed. Brecha Lésbic, 2013.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere - Introdução ao Estudo da Filosofia. A Filosofia de Benedetto Croce. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999. 494 p. v. 1.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, 2008. p. 115-147.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva, Guacira Lopes Louro. 7º ed. Rio de Janeiro: DP & A, 2002.

HARTOG, François. Ordens do tempo, regimes de historicidade. In: HARTOG, François. Regimes de historicidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2013. p.17-41.

HARTOG, François. Experiência do tempo: da história universal à história global?. História, Histórias, Brasília, v. 1, n. 1, p. 164-179, 2013a.

LOURO, G. L. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. 2.Ed.; 2.reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

MATA, INOCÊNCIA. Estudos pós-coloniais: desconstruindo genealogias eurocêntricas. Civitas. v.14, n.1, p. 27-42, 2004.

PELBART, Peter Pál. Vida capital: ensaios de biopolítica. SP: Iluminuras, 2003.

PRECIADO, Beatriz. Manifesto contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. Trad. Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: n-1 edições, 2014.

PRECIADO, Beatriz. Multidões queer: notas para uma política dos “anormais”. Revista Estudos Feministas, v. 19, n. 1, p. 11-20, 2011.

PRECIADO, Beatriz. Nós dizemos revolução! Libération, França, 20 de mar 2013. Culture. Disponível em < http://next.liberation.fr/culture/2013/03/20/nous-disons-revolution_890087> acesso em 05/08/2016.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder y clasificación social. Journal Of World-Systems Research, v. 11, n. 2, 2004, p. 342-386.

ROSA, Hartmut. Aceleração: A transformação das estruturas temporais na Modernidade. São Paulo: Editora Unesp, 2019.

SANTOS, João Júlio Gomes Júnior; SOCHACZEWSKI, Monique. História Global: um empreendimento intelectual em curso. 2017. Revista Tempo. Vol.23 n.3. Set./Dez/ 2017.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? 1. ed. Trad. Sandra Regina Goulart Almeida; Marcos Pereira Feitosa; André Pereira. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

SUBRAHMANYAM, Sanjay. Em busca das origens da História Global: Aula inaugural proferida no Collège de France em 28 de novembro de 2013. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, Vol. 30, nº 60, p.219-240, 2017.

SWAIN, Tania Navarro. A invenção do corpo feminino ou a hora e a vez do nomadismo identitário. Textos de História: Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Unb. Brasília, Unb, vol.8, n.1/2, p. 47-86, 2000.

SWAIN, Tania Navarro. Imagens de gênero em quadrinhos. Universa (UCB), BRASÍLIA, v. 5, n. 3, p. 401-414, 1997.

Downloads

Publicado

2020-07-01

Como Citar

Jardim Martins Afonso, A. P. . (2020). Terrorismo de gênero: estratégia às violências epistêmicas a partir de um debate decolonial global: Gender terrorism: strategy for epistemic violence from a global decolonial debate. Revista Caminhos Da Historia, 25(2), 69-87. Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/caminhosdahistoria/article/view/2837