Governança dos comuns e conflitos na gestão da bacia do Rio Itanhém no extremo sul da Bahia

Palavras-chave: Conflito socioambiental, Governança dos Comuns, Comitê de Bacias, Rio Itanhém, Extremo sul da Bahia.

Resumo

O artigo analisa o Comitê das Bacias Hidrográficas dos rios Peruípe, Itanhém e Jucuruçu (CBHPIJ), localizado no extremo sul da Bahia, Brasil. O foco da investigação é compreender as razões pelas quais o referido Comitê, após sete anos da sua criação, em dezembro de 2012, não desenvolve as ações de gestão ambiental que garanta a preservação destes rios, em particular do rio Itanhém foco da pesquisa. O estudo segue o modelo de Análise de Desenvolvimento Institucional para Sistemas Sócioecológicos (IAD-SES Framework) construído por Ostrom (1990, 2009), que resulta em oito princípios de design representando um tipo ideal de análise das relações entre sociedade, economia e meio ambiente. Tal modelo permite comparar a realidade ao tipo ideal e, dessa forma, compreender as dificuldades enfrentadas pelo Comitê. Foram entrevistados 14 membros da gestão e 10 usuários de água. Os achados da pesquisa revelam que o Comitê carece do reconhecimento dos usuários; que todos precisam conhecer seus limites e condições biofísicas necessitam fazer valer com equidade as regras, e respeitar a heterogeneidade da comunidade envolvida conforme suas diversas narrativas.

Referências

ACSERALD, Henri. As práticas espaciais e o campo dos conflitos ambientais. In: Conflitos Ambientais no Brasil/Organizador Henri Acserald – Rio de Janeiro: Relume Dumará: Fundação Heinrich Böll, 2004.
AZEVEDO, Aldemir; MARTINS, Herbert Toledo; DRUMMOND, José Augusto. A dinâmica institucional de uso comunitário dos produtos nativos do cerrado no município de Japonvar (Minas Gerais). Sociedade e Estado, v. 24, n.1, jan/abr. 2009.
BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora Unesp, 2004.
HARDIN, Garrett. “The tragedy of the Commons”. Science, v. 162, n. 3859, 1968,1243-1248.
MANCUR, Olson. The Logic of Collective Action: Public Goods and the Theory of Groups. Cambridge, MA: Harvard University Press,1965.
MEINZEN-DICK, Ruth. “Beyond panaceas in water institutions”. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United State of America, Vol. 104, No. 39 (Sep. 25, 2007), 15200-15205
OSTROM, Elinor. El Gobierno de los Bienes Comunes: la evolución de las Instituciones de Accion Colectiva. México: Fondo de Cultura Económica, 1990, p. 25-105.
OSTROM, Elinor. “Coping with tragedies of the commons”. Annual Review of Political Science, v. 2, n. 1, 1999, 493-535.
OSTROM, Elinor. “A General Framework for Analyzing Sustainability of Social-Ecological Systems”. Science, v. 325, n. 5939, 2009, 419-22.
PEREIRA, Elaine Aparecida Teixeira. O conceito de campo de Pierre Bourdieu: possibilidade de análise para pesquisas em história da educação brasileira. Revista Linhas. Florianópolis, v. 16, n. 32, p. 337 – 356, set./dez. 2015.
SANTOS, Márcio Soares; MARTINS, Herbert Toledo. Uma história ambiental da formação socioeconômica do extremo sul da Bahia (1948-1972). Maceió: VIII Congresso Internacional Interdisciplinar em Sociais e Humanidades (Coninter), Outubro/Novembro, 2019.
Publicado
2020-02-14
Seção
Dossiê