“Estourou a Reforma Agrária”: o movimento reivindicatório de Camaquã

Autores

  • Bernard José Pereira Alves Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de Roraima (IFRR)

DOI:

https://doi.org/10.46551/issn.2527-2551v19n1p56-75

Palavras-chave:

Ocupação de terra, Reforma Agrária, Governo Leonel Brizola, Rio Grande do Sul, Banhado do Colégio

Resumo

O texto explora os elementos que compuseram a organização do movimento responsável pela ocupação de terra ocorrida no município de Camaquã, no Rio Grande do Sul, no início da década de 1960, numa área conhecida como Banhado do Colégio. O evento é relevante pois permite um aprofundamento, tanto na forma pela qual a luta por terra se desenhava naquele período, quanto por revisitar os instrumentos mobilizados pelo poder público para, não somente atender às demandas dos sem terra, mas também tornar público um posicionamento favorável a projetos de assentamento e reforma agrária durante o governo de Leonel Brizola (1959-1963). O texto se propõe a realizar uma análise qualitativa, a partir de entrevistas, documentos e jornais da época. Dessa forma, está dividido em três partes. A primeira busca refazer, por meio das memórias daqueles que participaram o evento, como se desenrolou a organização do movimento. A segunda se concentra em explorar a liderança responsável pela articulação local e suas conexões com representantes do poder público municipal e estadual. Na terceira são apontados os recursos mobilizados pelo governo do estado do Rio Grande do Sul para atender a demanda, entre outras ações de apoio à reorganização da estrutura fundiária estadual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bernard José Pereira Alves, Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de Roraima (IFRR)

Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professor efetivo do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de Roraima (IFRR) e professor permanente do Programa de Pós-graduação em Agroecologia, parceria interinstitucional entre Universidade Estadual de Roraima (UERR), Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de Roraima (IFRR) e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Referências

ALVES, Bernard José Pereira. Na lei e na marra: sociogênese das formas de luta pela terra, 1950-1964. Campinas, 2015. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Estadual de Campinas.

CAMARGO, Aspásia. A Questão Agrária: Crise de Poder e Reformas de Base (1930 - 1964. In FAUSTO, Boris. (Coord.), História Geral da Civilização Brasileira. São Paulo: Bertrand Brasil, 1981.

ELIAS, Norbert. O processo Civilizacional. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1989.

HARRES, Marluza Marques. Conflito e Conciliação no processo de reforma agrária do Banhado do Colégio – Camaquã/RS. Porto Alegre, 2002. Tese - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

MARTINS, José de Souza Martins. Os camponeses e a política no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1986.

MEDEIROS, Leonilde Sérvolo. A História dos Movimentos Sociais no Campo. Rio de Janeiro: Fase, 1989.

ROSA, Marcelo. O engenho dos movimentos: reforma agrária e significação social na zona canavieira de Pernambuco. Rio de Janeiro, 2004. Tese - Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro.

ROSA, Marcelo. Encruzilhadas: acampamentos e ocupações na Fazenda Sarandi, Rio Grande do Sul (1962-1980). In SIGAUD, Lygia; ERNADES, Marcelo; ROSA, Marcelo, Ocupações e Acampamentos: Sociogênese das Mobilizações por reforma agrária no Brasil. Rio de Janeiro: Garamond, 2010.

SIGAUD, Lygia. “A forma acampamento: Notas a partir da versão pernambucana”. Novos Estudos Cebrap, V.3, n.58, p.73-92, 2000.

Downloads

Publicado

2022-05-07

Como Citar

Pereira Alves, B. J. (2022). “Estourou a Reforma Agrária”: o movimento reivindicatório de Camaquã. Revista Argumentos, 19(1), 56–75. https://doi.org/10.46551/issn.2527-2551v19n1p56-75

Edição

Seção

Dossiê