Ganhando a vida? Estratégias adotadas por travestis trabalhadoras do sexo nas ruas de Montes Claros, MG

Autores

  • Giovanni Campos Fonseca Universidade Federal de Minas Gerais
  • Thiago Gonçalves da Silva Universidade Federal de Minas Gerais
  • Rose Elizabeth Cabral Barbosa Universidade Estadual de Montes Claros

Palavras-chave:

Trabalho sexual, Transexual, Violência, Prevenção, Brasil

Resumo

Este artigo examina estratégias adotadas por travestis trabalhadoras do sexo nas ruas de Montes Claros, Minas Gerais. O trabalho de campo envolveu entrevistas semiestruturadas com duas profissionais sobre aspectos relevantes do cotidiano de trabalho. A discussão do material empírico baseou-se na análise de conteúdo e incluiu o diálogo com estudos sobre violência contra profissionais do sexo no Brasil e no mundo. Os resultados evidenciaram que as estratégias adotadas pelas profissionais entrevistadas têm o duplo objetivo de aumentar a renda obtida com o trabalho e reduzir a exposição aos riscos de violência na atividade. Porém, em muitas circunstâncias narradas pelas trabalhadoras, essas opções são autoexcludentes. As profissionais demonstraram observar uma espécie de hierarquia de riscos e acabam tendo que optar pela exposição àqueles considerados menores nas diferentes situações enfrentadas. Em consonância com a literatura, as condutas relatadas – embora relevantes – mostraram-se insuficientes para reduzir a exposição a riscos de violência no trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovanni Campos Fonseca, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil. Professor da UFMG Campus Montes Claros. Subcoordenador do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa em Tecnologia e Humanidades – Niptech

Thiago Gonçalves da Silva, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduado em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil. Pesquisador associado ao Niptech – UFMG Campus Montes Claros, Brasil. Técnico de sistema de gestão Enterprise Resource Planning – ERP.

Rose Elizabeth Cabral Barbosa, Universidade Estadual de Montes Claros

Mestre em Saúde Pública, Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil. Doutoranda em Saúde Coletiva pelo Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde da Universidade Estadual de Montes Claros, Brasil.

Referências

BARNARD, Marina. Violence and vulnerability: conditions of work for streetworking prostitutes. Sociology of Health & Illness. v. 15, n. 5, p. 683-705, 1993.

BOWEN, Raven. From the curb: sex workers’ perspectives on violence and domestic trafficking. Vancouver, BC: British Columbia Coalition of Experiential Women, 2006. Disponível em: <http://www.pace-society.org/library/final-report-violence-and-domestic-trafficking-bccew.pdf>. Acesso em 24 nov. 2020.

BRENTS, Barbara; HAUSBECK, Kathryn. Violence and legalized brothel prostitution in Nevada. Journal of Interpersonal Violence. v. 20, n. 3, p. 270-295, mar, 2005.

CAMPOS, Claudinei José Gomes. Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem. v. 57, n. 5, p. 611-614, set-out, 2004.

CARRARA, Sérgio; VIANNA, Adriana. ‘Tá lá o corpo estendido no chão...’: a violência letal contra travestis no município do Rio de Janeiro. PHYSIS: Revista de Saúde Coletiva. v. 16, n. 2, p. 233-249, 2006.

COSTA-VAL, Alexandre; GUERRA, Andréa. Corpos trans: um ensaio sobre normas, singularidades e acontecimento político. Saúde & Sociedade. v. 28, n. 1, p. 121-134, 2019.

FARLEY, Melissa; BARKAN, Howard. Prostitution, violence, and posttraumatic stress disorder. Women and Health. v. 27, n. 3, p. 37-49, 1998.

FONSECA, Cláudia. A dupla carreira da mulher prostituta. Revista Estudos Feministas. v. 4, n. 1, p. 7-33, 1996.

FRANÇA, Marina Veiga. Quando a intimidade sobe e desce as escadas da zona boêmia de Belo Horizonte. Cadernos Pagu. v.43, p. 321-346, jul-dez, 2014.

______. A vida pessoal de trabalhadoras do sexo: dilemas de mulheres de classes populares. Sexualidad, Salud y Sociedad. v. 25, p. 134-155, abr, 2017.

GUIMARÃES, Kátia; MERCHÁN-HAMANN, Edgar. Comercializando fantasias: a representação social da prostituição, dilemas da profissão e a construção da cidadania. Revista Estudos Feministas. v. 13, n. 3, p. 525-544, set-dez, 2005.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/montes-claros/panorama>. Acesso em: 24 nov. 2020.

IZUGBARA, Chimaraoke. ‘Ashawo suppose shine her eyes’: female sex workers and sex work risks in Nigeria. Health, Risk and Society. v. 7, n. 2, p. 141-159, jun, 2005.

KATSULIS, Yasmina et al. Female sex workers and the social context of workplace violence in Tijuana, Mexico. Medical Anthropology Quarterly. v. 24, n. 3, p. 344-362, 2010.

KURTZ, Steven et al. Sex work and ‘date’ violence. Violence against Women. v. 10, n. 4, p. 357-385, 2004.

LIMA, Francisca Sueli da Silva et al. Fatores associados à violência contra mulheres profissionais do sexo de dez cidades brasileiras. Cadernos de Saúde Pública [online]. v. 33, n.2, e00157815, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csp/v33n2/1678-4464-csp-33-02-e00157815.pdf>. Acesso em: 24 nov. 2020.

MINTZBERG, Henry. Ascensão e queda do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2004.

OTERO, Luis Manuel Rodríguez et al. Violencia en parejas transexuales, transgénero e intersexuales: una revisión bibliográfica. Saúde & Sociedade. v. 24, n.3, p. 914-935, 2015.

PELÚCIO, Larissa. Na noite nem todos os gatos são pardos: notas sobre a prostituição travesti. Cadernos Pagu. v. 25, p. 217-248, 2005.

PENHA, Jardeliny Corrêa da et al. Caracterização da violência física sofrida por prostitutas do interior piauiense. Revista Brasileira de Enfermagem. v. 65, n. 6, p. 984-990, nov-dez, 2012.

PLUMRIDGE, Libby; ABEL, Gillian. A ‘segmented’ sex industry in New Zealand: sexual and personal safety of female sex workers. Australian and New Zealand Journal of Public Health. v. 25, n. 1, p. 78-83, 2001.

POLANYI, Michael. The tacit dimension. New York: Anchor, 1967.

SANDERS, Teela. A continuum of risk? The management of health, physical and emotional risks by female sex workers. Sociology of Health & Illness, v. 26, n. 5, p. 557-574, 2004.

SHANNON, Kate et al. Social and structural violence and power relations in mitigating HIV risk of drug-using women in survival sex work. Social Science and Medicine. v. 66, n. 4, p. 911-921, fev, 2008.

SOUSA, Fabiana. Entre o medo e a ousadia: educando-se na prática da prostituição. Revista Ártemis. v. 18, n.1, p. 61-66, jul-dez, 2014.

TRIGO, Luiz Gonzaga Godoi. Travesti: prostituição, sexo, gênero e cultura no Brasil. Cadernos de Saúde Pública. v. 24, n. 9, p. 2195-2196, set, 2008.

WEITZER, Ronald. Sex work: paradigms and policies. In: ______. Sex for sale: prostitution, pornography, and the sex industry. 2 ed. New York: Routledge, p. 1-43, 2010.

WHITTAKER, Dawn; HART, Graham. Research note: managing risks: the social organization of indoor sex work. Sociology of Health and Illness. v. 18, n.3, p. 399-414, 1996.

WILLMAN, Alys. Safety first, then condoms: commercial sex, risky behavior, and the spread of HIV/AIDS in Managua, Nicaragua. Feminist Economics. v. 14, n. 4, p. 37-65, 2008.

Downloads

Publicado

2021-08-13

Como Citar

Campos Fonseca, G. ., Gonçalves da Silva, T. ., & Cabral Barbosa, R. E. . (2021). Ganhando a vida? Estratégias adotadas por travestis trabalhadoras do sexo nas ruas de Montes Claros, MG. Revista Argumentos, 18(2). Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/argumentos/article/view/4485

Edição

Seção

Artigos