Gênero e cidadania: reflexões sobre a participação política das mulheres no processo eleitoral de 2018 no Brasil

Autores

Palavras-chave:

Cidadania, gênero, processo eleitoral de 2018, ciberativismo

Resumo

Este artigo discute a cidadania na perspectiva específica de gênero, ao propor reflexões sobre a participação política das mulheres no processo eleitoral de 2018 no Brasil, em duas perspectivas: enquanto eleitoras - a partir de mobilizações nas redes sociais digitais e manifestações de rua em diversas cidades do país e no exterior – e enquanto candidatas a um cargo de representatividade política,  pois naquela eleição houve um aumento, em relação ao pleito anterior,  de cinquenta por cento da bancada feminina na Câmara Federal.  Neste trabalho são contempladas reflexões em torno da construção histórica e consolidação da cidadania; da participação política das mulheres no Brasil; para depois discutir especificamente a participação das mulheres no processo eleitoral de 2018.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Licemar Vieira Melo, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Jornalista, Mestre em Ciências Sociais Aplicadas, doutoranda no PPG em Ciências Sociais da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo, Brasil. E-mail: licemarvm@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/ 0000-0002-1140-0929.

Thaís da Rosa Alves, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Licenciada em Ciências Sociais.  Mestre em Ciências Sociais, doutoranda no PPG em Ciências Sociais da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo, Brasil. E-mail: thaisalves1406@gmail.com.  ORCID: https://orcid.org/ 0000-0002-8994-0247. 

Referências

ALVAREZ, Sonia E. Politizando as relações de gênero e engendrando a democracia. In: STEPAN, A. (Org.) Democratizando o Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988, pp. 315-380.

ALVES, José Eustáquio Diniz et al. Meio século de feminismo e o empoderamento das mulheres no contexto das transformações sociodemográficas do Brasil. In: BLAY, Eva Alterman; AVELAR, Lúcia (Org.). 50 anos de feminismo: Argentina, Brasil e Chile: A construção das mulheres como atores políticos e democráticos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, Fapesp, 2017, p. 15-54.

ALVES, Thaís da Rosa. Entre a política e o movimento: as concepções e as práticas políticas de mulheres negras no Morro da Polícia/ Porto Alegre. 2018, 119 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Curso de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo, 2018. Disponível em: http://www.repositorio.jesuita.org.br/bitstream/handle/UNISINOS/6992/Thais%20da%20Rosa%20Alves_.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 3 maio 2020.

ARISTÓTELES. A Política. – 2ª Ed. – São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ASSEMBLEIA NACIONAL CONSTITUINTE. Declaração dos direitos do homem e do cidadão. Adotada e proclamada pela Assembleia Nacional Constituinte da França em 26 de agosto de 1789, São Paulo: Biblioteca Virtual de Direitos Humanos, [2018?]. Disponível em: http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Documentos-anteriores-%C3%A0-cria%C3%A7%C3%A3o-da-Sociedade-das-Na%C3%A7%C3%B5es-at%C3%A9-1919/declaracao-de-direitos-do-homem-e-do-cidadao-1789.html. Acesso em: 19 dez. 2018.

AVELAR, Lúcia; RANGEL, Patrícia. Como as mulheres se representam na política? Os casos de Argentina e Brasil. In: BLAY, Eva Alterman; AVELAR, Lúcia (Org.). 50 anos de feminismo: Argentina, Brasil e Chile: A construção das mulheres como atores políticos e democráticos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, Fapesp, 2017, p. 255-300.

BECKER, Fernanda. #EleNão: após tomar as redes, movimento liderado por mulheres contra Bolsonaro testa forças nas ruas. El País, São Paulo, 30 set. 2018. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/09/26/politica/1537989018_413729.html. Acesso em: 26 mar. 2019.

BLAY, Eva Alterman. A Participação das mulheres na redemocratização. In: Fleischer, David. (org.). Da distensão a abertura: as eleições de 1982. Brasília: Editora da UnB, 1988, p. 185-206.

______. Como as mulheres se construíram como agentes políticas e democráticas: o caso brasileiro. In: BLAY, Eva Alterman; AVELAR, Lúcia (Org.). 50 anos de feminismo: Argentina, Brasil e Chile: A construção das mulheres como atores políticos e democráticos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, Fapesp, 2017, p. 65-97.

BOLDRINI, Angela. Maior, bancada feminina enfrenta barreiras. Zero Hora, Porto Alegre, 08 de mar. De 2020. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/politica/noticia/2020/03/maior-bancada-feminina-enfrenta-barreiras-ck7j21bmh01g601qpop9vqiyj.html. Acesso em: 03 maio 2020.

BONETTI, Alinne de Lima; FONTOURA, Natália; MARINS, Elizabeth. Sujeito de direitos? Cidadania feminina nos vinte anos da constituição cidadã. In: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Políticas Sociais: acompanhamento e análise. Brasília- DF, v. 3, n. 14, p. 199-257, 2009.

BOURDIEU, Pierre. Sobre o Estado: Cursos no Collège de France (1989-92). Trad. Rosa Freire dÁguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

BRASIL. Senado Federal. Com sete senadoras eleitas, bancada feminina no Senado não cresce. Brasília, DF: Senado Federal, 2018. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2018/10/08/com-sete-senadoras-eleitas-bancada-feminina-no-senado-nao-cresce. Acesso em: 17 dez. 2018.

CERQUIER-MANZINI. Maria Lourdes. O que é cidadania. 4. Ed. – São Paulo: Brasiliense, 2010.

CUCHET, Violaine Sebillotte. Cidadãos e cidadãs na cidade grega clássica. Onde atua o gênero? In: Revista Tempo, Revista Digital do Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal Fluminense (UFF) vol. 21, n 38, Niterói-RJ, 2015. Pág. 281 a 300. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/tem/v21n38/1413-7704-tem-21-38-00281.pdf>

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM E DO CIDADÃO. Assembleia Nacional da França, 1789. Disponível em: http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Documentos-anteriores-%C3%A0-cria%C3%A7%C3%A3o-da-Sociedade-das-Na%C3%A7%C3%B5es-at%C3%A9-1919/declaracao-de-direitos-do-homem-e-do-cidadao-1789.html . Acesso: 26 mar. 2019.

EINSENBERG, José. Ciberativismo. In: GIOVANNI, Geraldo Di & NOGUEIRA, Marco Aurélio (Org.). Dicionário de Políticas Públicas. 2v. São Paulo: Fundap / Imprensa oficial, 2015.

ERNESTO, Marcelo. MP de Minas denuncia ministro do Turismo e mais 10 por candidaturas laranjas em 2018. Estado de Minas, Belo Horizonte, 4 out. 2019. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/politica/2019/10/04/interna_politica,1090330/mp-de-minas-denuncia-ministro-do-turismo-e-mais-10-por-candidaturas-l.shtml. Acesso em: 20 nov. 2019.

FERNANDES, Marcella. O primeiro ano da maior bancada feminina da Câmara dos Deputados. Huffpost Brasil, São Paulo, 21 de dez. de 2019. Disponível em: https://www.huffpostbrasil.com/entry/2019-bancada-feminina_br_5df93d04e4b08083dc5a7765. Acesso em 03 maio 2020.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2018. Relatório de Pesquisa. São Peulo, 2018. Disponível em: http://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2019/02/Anuario-2019-v6-infogr%C3%A1fico-atualizado.pdf. Acesso em: 25 de mar. 2019.

FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Mulher estuda mais, trabalha mais e ganha menos do que o homem. Rio de Janeiro: IBGE, 2018. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20234-mulher-estuda-mais-trabalha-mais-e-ganha-menos-do-que-o-homem. Acesso em: 25 mar. 2019.

GIDDENS, A. A terceira via: reflexões sobre o impasse político atual e o futuro da social-democracia. Rio de Janeiro: Record, 2001.

JELIN, Elizabeth. Mulheres e direitos humanos. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 2, n. 1, p. 117-149, 1994.

KLIKSBERG, B. Repensando o Estado para o desenvolvimento social: superando dogmas e convencionalismos. 2 ed. São Paulo: Cortes, 2002.

LOZANO, Betty Ruth L. El feminismo no puede ser uno porque lãs mujeres somos diversas. Aportes a um feminismo negro decolonial desde la experiência de las mujeres del Pacífico colombiano. La manzana de la discórdia. Cali, v. 5, n. 2, p. 7-24, jul. – dez. 2010. Disponível em: http://manzanadiscordia.univalle.edu.co/index.php/la_manzana_de_la_discordia/article/view/1516. Acesso em: 4 maio 2020.

LUNARDI, G.; SECCO, M. (org). Fundamentação Filosófica dos Direitos Humanos. Florianópolis: Ed. Da UFSC, 2010.

MARTINS, Laís; BOADLE, Anthony. Saiba mais – veja algumas das declarações mais polêmicas de Bolsonaro. Agência de Notícias Reuters, São Paulo, 17 de maio de 2018. Disponível em: https://br.reuters.com/article/domesticNews/idBRKCN1II30R-OBRDN. Acesso em: 14 dez. 2018.

MIGUEL, Luis Felipe. Gênero e representação política. In: MIGUEL, L. F. e BIROLI, F. Feminismo e política. São Paulo: Boitempo, 2014, pp. 89-103.

MOURA, Rafael Moraes; CURY, Teo. Mulheres ficarão com pelo menos 30% do fundo eleitoral e do tempo da propaganda, decide TSE. Estadão, São Paulo, 22 de maio de 2018. Disponível em: https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/mulheres-ficarao-com-pelo-menos-30-do-fundo-eleitoral-e-do-tempo-da-propaganda-decide-tse/. Acesso em: Acesso: 25 mar. 2019

NAÇÕES UNIDAS. Assembleia Geral. Declaração universal dos direitos humanos. Adotada e proclamada pela Assembléia Geral das Nações Unidas (resolução 217 A III) em 10 de dezembro 1948. Brasília, DF: ONU, [2018?]. Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2018/10/DUDH.pdf. Acesso em: 19 dez. 2018.

PACHECO, Ricardo de Aguiar. De Escravo a não-consumidor: as representações sociais acerca da cidadania no Ocidente e o cidadão brasileiro. In: BILHÃO, Isabel (org). Visões do Brasil: realidade e perspectivas. Caxias do Sul: EDUCS, 2003.

PINHEIRO-MACHADO, Rosana; BURIGO, Joanna. #Elenão deixou de ser uma simples hashtag: é um movimento feminista e político que pode mudar o Brasil. The Intercept Brasil, São Paulo, 28 set. 2018. Disponível em: <https://theintercept.com/2018/09/28/elenao-movimento-feminista-politico/>. Acesso em: 20 nov. 2018.

PINSKY, Jaime; PINSKY. Carla Bassanezi. História da Cidadania. 5ª Ed. – São Paulo: Contexto, 2010.

QUEIROZ, Antônio Augusto de. O congresso mais conservador dos últimos quarenta anos. Le Monde Diplomatique Brasil, São Paulo, 05 de nov. de 2018. Disponível em: https://diplomatique.org.br/o-congresso-mais-conservador-dos-ultimos-quarenta-anos/. Acesso em 04 maio 2020.

RESENDE, Roberta Carnelós; EPITÁCIO, Sara. Mulheres à esquerda e à direita: carreiras políticas e partidos políticos. Mediações – Revista de Ciências Sociais, v. 22, p. 350-355, 2017.

ROSSI, Amanda; CARNEIRO, Julia Dias; GRAGNANI, Juliana. #EleNão: a manifestação histórica liderada por mulheres no Brasil vista por quatro ângulos. BBC Brasil, São Paulo, 30 set. 2018. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-45700013. Acesso em: 17 dez. 2018.

SADI, Andréia. Maia e deputadas articulam derrubar veto de Bolsonaro em lei sobre violência contra a mulher. In: SADI, Andréia. Blog da Andréia Sadi. Rio de Janeiro, 14 out. 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/politica/blog/andreia-sadi/post/2019/10/14/maia-e-deputadas-articulam-derrubada-de-veto-a-prazo-de-24-horas-para-notificacao-de-violencia-contra-mulher.ghtml. Acesso em: 20 nov. 2019.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Educação e realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, 1995, p. 71-99. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71721/40667. Acesso em: 4 maio 2020.

SINGER, Paul. O feminino e o feminismo. In SINGER, P. e BRANT, V. (Orgs.). São Paulo: O povo em movimento. Petrópolis: Vozes; São Paulo: CEBRAP, 1980, pp. 109-142.

TOURAINE, Alain. O que é democracia? Trad. Guilherme João de Freitas Teixeira. Petrópolis: Vozes, 1996.

UOL. Em resposta ao #EleNão, apoiadores de Bolsonaro promovem atos pelo país. In: Notícias UOL, São Paulo, 30 set. 2018. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/politica/eleicoes/2018/noticias/2018/09/30/manifestacoes-apoio-bolsonaro-varias-cidades-pais.htm. Acesso em: 17 dez. 2018.

Downloads

Publicado

2021-02-17

Como Citar

Vieira Melo, L. ., & da Rosa Alves, T. . (2021). Gênero e cidadania: reflexões sobre a participação política das mulheres no processo eleitoral de 2018 no Brasil. Revista Argumentos, 18(1). Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/argumentos/article/view/3837

Edição

Seção

Artigos