Quando nenhum lugar é seguro: a violência contra corpos negros em Alagoas

Autores

Palavras-chave:

Violência, Negros, Alagoas

Resumo

A violência, em suas mais variadas facetas, constitui-se em um fenômeno histórico, social e político e, no Brasil, o fenômeno tem guardado uma profunda conexão com um processo de naturalização da dor e sofrimento, especialmente contra pessoas negras. O artigo analisa os significados da violência racializada, com atenção para as responsabilidades estatais e da sociedade civil para o seu enfrentamento. Discute os desdobramentos da relação entre segurança pública e negritude no Brasil, bem como os limites da extensão dessa violência sobre a população negra no estado de Alagoas. A despeito da extensão que o tema da violência impõe ao observador, a análise priorizou o tratamento dos dados referentes à violência letal. O argumento central é o de a violência pode ser entendida como um trauma que, em se tratando do caso alagoano, tem cimentado na psiquê dos membros da sociedade e das próprias instituições de segurança do estado, a normalização dessa violência e das injustiças outras que o fenômeno impõe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emerson do Nascimento, Universidade Federal de Alagoas

Cientista político. Professor do Programa de Pós-Graduação em Sociologia e do Instituto de Ciências Sociais da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Brasil. E-mail: emersondonascimento@yahoo.com.br. ORCID: http://orcid.org/0000-0002-5983-5964.  

Luciana Santana, Universidade Federal de Alagoas

Cientista política. Professora do Instituto de Ciências Sociais da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Brasil. E-mail: luhist@gmail.com ORCID: http://orcid.org/0000-0002-0203-1594 . 

Referências

ALMEIDA, Sílvio. Racismo Estrutural. Série Feminismos Plurais. São Paulo: Pólen, 2019.

ADORNO, Sérgio. Discriminação Racial e Justiça Criminal em São Paulo. Novos Estudos, n.º 43, p. 45-63, nov. 1995.

ALEXANDER, Michelle. A Nova Segregação: Encarceramento em Massa na Era da Neutralidade Racial. São Paulo: Boitempo, 2017.

CHALHOUB, Sidney. Visões da Liberdade: Uma História das Últimas Décadas da Escravidão na Corte. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

CRENSHAW, Kimberle. On Interseccionality. Essential Writings. Nova York: New Press, 2017.

DAVIS, Angela. Mulheres, Raça e Classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

FANON, Frantz. Em Defesa da Revolução Africana. Lisboa: Sá da Costa, 1980.

GORENDER, Jacob. O Escravismo Colonial. São Paulo: Expressão Popular; Perseu Abramo, 2016.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. São Paulo: N-1, 2018.

____________. Necropolítica: Uma Revisión Critica. In: MC GREGOR, H. C. Estética y Violência: Necropolítica, Militarizacion y Vidas Lloradas. México: Universidade do México, 2012, p. 130-140.

NASCIMENTO, Abdias do. O Genocídio do Negro Brasileiro: Processo de um Racismo Mascarado. São Paulo: Perspectiva, 2016.

RIBEIRO JÚNIOR, A. C. As Drogas, os Inimigos e a Necropolítica. Cadernos do CEAS, Salvador, n.º 238, p. 595-610, 2016.

VARGAS, J. C. A Diáspora Negra Como Genocídio: Brasil, Estados Unidos ou uma Geografia Supranacional da Morte e Suas Alternativas. Revista da ABPN, v. 1, n.º 2, p. 31-65, jul./out. 2010.

WEISSINGER, Sandra E.; MACK, Dwayne A.; WATSON, Elwood. Violence Against Black Bodies: Un Intersectione Analysis of How Black Lives Continue to Matter. Nova York/Londres: Routledge.

Downloads

Publicado

2021-02-17

Como Citar

do Nascimento, E. ., & Santana, L. . (2021). Quando nenhum lugar é seguro: a violência contra corpos negros em Alagoas. Revista Argumentos, 18(1). Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/argumentos/article/view/3834

Edição

Seção

Dossiê