Fernando de Azevedo e a cultura brasileira: relações possíveis

Fernando de Azevedo and the Brazilian culture: possible relations

Autores

Palavras-chave:

Fernando de Azevedo. Cultura brasileira. Nação. Cultura Organizacional

Resumo

O artigo versa sobre a contribuição do conceito de cultura brasileira de Fernando de Azevedo para a ideia de Brasil-nação no século XX, e para as teorias organizacionais. A interlocução com a obra deste autor se justifica por ser um intérprete oficial do conceito de cultura no país, desde a década de 1930, e também um significativo construtor institucional. A artesania intelectual aqui proposta contempla uma revisão bibliográfica que articula as produções de Azevedo e a literatura especializada sobre cultura brasileira e cultura organizacional. Como resultado, destaca-se que a noção de cultura legada por este autor permanece como uma referência importante para pensar o Brasil, possibilitando dentro e fora das organizações, a criação de um retrato multifacetado, provisório e flexível da sociedade brasileira. Ressalta-se ainda que, no século XXI, sua definição de cultura brasileira ainda orienta, implícita ou explicitamente, alguns teóricos que se dedicam a olhar para o contexto organizacional do Brasil, demonstrando como as culturas nacionais influenciam nos estilos administrativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra Santos Nascimento, Universidade Estadual Paulista e Universidade de Araraquara

Doutora e mestre em Sociologia pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP). É pesquisadora do Laboratório de Política e Governo da UNESP. Atualmente, colabora no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial e Meio Ambiente da Universidade de Araraquara (UNIARA). Brasil. E-mail: alesantosnas@gmail.com. ORCID:  https://orcid.org/0000-0002-6006-946X.

Referências

AIDAR, Marcelo Marinho; ALVES, Mário Aquino. Comunicação de massa nas organizações brasileiras: explorando o uso de histórias em quadrinhos, literatura de cordel e outros recursos populares de linguagem nas empresas brasileiras. In: MOTTA, Fernando Claudio Prestes; CALDAS, Miguel Pinto. (Orgs.). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997. p. 203-220.

AZEVEDO, Fernando de. A cidade e o campo na civilização industrial: e outros estudos. São Paulo: Melhoramentos, 1962.

AZEVEDO, Fernando de. A cultura brasileira. São Paulo: Melhoramentos; EDUSP, 1971.

BARBOSA, Lívia. Cultura administrativa: uma nova perspectiva das relações entre antropologia e administração. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 36, n. 4, p. 6-19, out./nov./dez. 1996.

BARBOSA, Lívia. Cultura e empresas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

BARBOSA, Lívia. Igualdade e meritocracia, a ética do desempenho nas sociedades modernas. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1999.

BARROS, Betânia Tanure de; PRATES, Marco Aurélio Spyer. O estilo brasileiro de administrar: sumário de um modelo de ação cultural brasileiro com base na gestão empresarial. In: MOTTA, Fernando Claudio Prestes; CALDAS, Miguel Pinto. (Orgs.). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997. p. 55-70.

BAUMAN, Zygmunt. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

BION, Wilfred Ruprecht. Experiências com grupos: os fundamentos da psicoterapia de grupos. Rio de Janeiro/São Paulo: Imago/Edusp, 1975.

BOSI, Alfredo. (Org.). Cultura brasileira: temas e situações. São Paulo: Ática, 1999.

BROOKSHAW, David. Raça & cor na literatura brasileira. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1983.

CALÁS, Marta B.; ARIAS, Maria Eugênia. Compreendendo as organizações latino-americanas: transformação ou hibridização? In: MOTTA, Fernando Claudio Prestes; CALDAS, Miguel Pinto. (Orgs.). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997. p. 316-325.

CALDAS, Miguel Pinto; TONELLI, Maria José; LACOMBE, Beatriz. Desenvolvimento histórico do RH no Brasil e no mundo. Manual de gestão de pessoas e equipes. V. I. São Paulo: Gente, 2002.

CHU, Rebeca Alves; WOOD JR., Tomaz. Cultura organizacional brasileira pós-globalização: global ou local? Revista de Administração Pública – RAP, Rio de Janeiro, n. 42, v. 5, p. 969-991, set./out., 2008.

COSTA, Jurandir Freire. Ordem médica e norma familiar. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

DUTRA, Eliana Regina de Freitas. A nação nos livros: a biblioteca ideal na Coleção Brasiliana. In: DUTRA, Eliana Regina de Freitas; MOLLIER, Jean-Yves. (Orgs.). Política, nação e edição. O lugar dos Impressos na Construção da Vida Política. Brasil, Europa e Américas. Séculos XVII-XX. 1 ed. São Paulo: Annablume, 2006. p. 299-314.

ETZIONI, Amitai. Organizações modernas. São Paulo: Pioneira, 1984.

FLEURY, Maria Tereza Leme; SHINYASHIKI, Gilberto Tadeu; STEVANATO, Luiz Arnaldo. Arqueologia teórica e dilemas metodológicos dos estudos sobre cultura organizacional. In: MOTTA, Fernando Claudio Prestes; CALDAS, Miguel Pinto. (Orgs.). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997. p. 273-292.

FREITAS, Alexandre Borges de. Traços brasileiros para uma análise organizacional. In: MOTTA, Fernando Claudio Prestes; CALDAS, Miguel Pinto. (Orgs.). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997. p. 38-54.

FREITAS, Maria Esther de. Cultura organizacional: o doce controle no clube dos raros. In: MOTTA, Fernando Claudio Prestes; CALDAS, Miguel Pinto. (Orgs.). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997. p. 293-304.

FREYRE, Gilberto. Casa grande e senzala: introdução à história da sociedade patriarcal no Brasil. Rio de Janeiro: Record, 2000.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. São Paulo: UNESP, 1991.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

HOLANDA, Sergio Buarque de. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1989.

LESSER, Jeffrey. A negociação da identidade nacional: Imigrantes, minorias e a luta pela etnicidade no Brasil. São Paulo: UNESP, 2001.

DAMATTA, Roberto. Canaviais, malandros e heróis. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

DAMATTA, Roberto. A casa e a rua. São Paulo: Brasiliense, 1985.

DAMATTA, Roberto. O que o Brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

MARTELLI, Carla Gandini Giani. Autoajuda e gestão de negócios: uma parceria de sucesso. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2006.

MARTINS, Humberto Falcão. A ética do patrimonialismo e a modernização da administração pública brasileira. In: MOTTA, Fernando Claudio Prestes; CALDAS, Miguel Pinto. (Orgs.). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997. p.171-183.

MELLO e SOUZA, Antonio Candido. Literatura e sociedade. São Paulo: T. A. Queiroz; Publifolha, 2000.

MERTON, Robert K. Sociologia: teoria e estrutura. São Paulo: Editora Mestre Jou, 1968.

MORTARA, Giorgio. Os aspectos internacionais do recenseamento. Revista Brasileira de Estatística – IBGE. Rio de Janeiro, Ano I, nº. 3, p. 421-431, jul./set., 1940.

MOTA, Carlos Guilherme. Ideologia da cultura brasileira: Pontos de partida para uma revisão histórica. São Paulo: Ática, 2002.

MOTTA, Fernando Claudio Prestes. Cultura e organizações no Brasil. In: MOTTA, Fernando Claudio Prestes; CALDAS, Miguel Pinto. (Orgs.). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997. p. 25-37.

MOTTA, Fernando Claudio Prestes. Teoria geral de administração. São Paulo: Pioneira, 1985.

NASCIMENTO, Alessandra Santos. A construção da nação arco-íris: problematizando o quesito raça/cor (1936-1960). Araraquara-SP, 2005. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

NASCIMENTO, Alessandra Santos. Fernando de Azevedo - Coleção Clássicos & Contemporâneos. 1. ed. V. 1. Penápolis: FUNEPE, 2018.

NASCIMENTO, Alessandra Santos. Fernando de Azevedo: dilemas na institucionalização da Sociologia no Brasil. 1. ed. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012.

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 2003.

REVISTA DE ECONOMIA E ESTATÍSTICA. Rio de Janeiro: INE, Ano II, n. 1, p. 55-63, 1937. Seção Notícias sobre o desenvolvimento da Estatística.

SCHEIN, Edgar H. Organizational culture and leadership. San Francisco: Jossey-Bass, 1989.

SCHEIN, Edgar H. Organizationat psychology. Englewood Cliffs, N. J.: Prentice-Hall, 1965.

SCHNEIDER, Jens. Discursos simbólicos e símbolos discursivos: Sobre a etnografia da Identidade Nacional. MANA, Rio de Janeiro, v. 10 (1), p. 97-129, 2004.

SODRÉ, Muniz. A verdade seduzida: por um conceito de cultura no Brasil. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988.

TOLEDO, Maria Rita de Almeida. Fernando de Azevedo e a Cultura Brasileira: ou as aventuras e desventuras do criador e da criatura. São Paulo, 1995. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

VILLARDI, Beatriz Quiroz; FERRAZ, Viviane Narducci; DUBEUX, Veranise Jacubowski Correia. Uma metodologia para diagnóstico de clima organizacional: integrando motivos sociais e cultura brasileira com fatores do ambiente de trabalho do Poder Judiciário. Revista de Administração Pública – RAP, Rio de Janeiro, v. 45 (2), p. 303-329, mar./abr., 2011.

WOOD JR., Tomaz. Terra em transe: liderança em Eldorado. In: MOTTA, Fernando Claudio Prestes; CALDAS, Miguel Pinto. (Orgs.). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997. p. 143-156.

Downloads

Publicado

2020-07-20

Como Citar

Santos Nascimento, A. (2020). Fernando de Azevedo e a cultura brasileira: relações possíveis: Fernando de Azevedo and the Brazilian culture: possible relations. Revista Argumentos, 17(2). Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/argumentos/article/view/3056

Edição

Seção

Artigos