ASPECTOS GEOAMBIENTAL DAS ÁREAS DE NASCENTES NO ALTO CURSO DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO FIGUEIREDO/CEARÁ

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rvg2675239520202327

Palavras-chave:

Meio Físico , Ocupação Humana, Análise sistêmica

Resumo

Os estudos destinados ao entendimento da dinâmica dos elementos (físicos e humanos) do ambiente são importantes para tomada de decisões sobre o uso dos resursos naturais. Nesse tocante, a compreensão do quadro físico e da ocupação humana de um dado espaço pode ser fundamental para a gestão daquele território. O presente estudo teve como objetivo principal fazer uma contextualização geoambiental das áreas de nascentes no alto curso da sub-bacia hidrográfica do rio Figueiredo, estado do Ceará. O trabalho foi realizado através de estudos bibliográficos, levantamentos geocartográficos, técnicas de geoprocessamento e trabalhos de campo. Obteve-se uma base de dados consistente para a realização da análise sistêmica mais profícua, com vista a identificar os sistemas ambientais. Constata-se que a área em evidência apresenta uma rica diversidade paisagística, sendo essa proporcionada pelos seus atributos naturais. Quanto as atividades de ocupação, deflagram-se como potencializadoras da degradação ambiental. Desta feita, fica nítida a necessidade da adoção de práticas conservacionistas que proporcionem a sustentabilidade dos sistemas ambientais da área em foco.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diêgo Souza Albuquerque, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Mestre em Planejamento e Dinâmicas Territoriais no Semiárido - Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Campus Avançado de Pau dos Ferros.

Maria Losângela Martins de Sousa, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Possui doutorado em Geografia pela Universidade Federal do Ceará (2016), mestrado em Geografia pela Universidade Federal do Ceará (2012) e graduação em Geografia pela Universidade Estadual do Ceará (2009). Atualmente é professora Adjunta do departamento de Geografia da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte e professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Dinâmicas Territoriais no Semiárido (PLANDITES) da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). 

Referências

BOTELHO, R. G. M. Planejamento Ambiental em microbacia hidrográfica. In: GUERRA, A. J. T; SILVA, A. S.; BOTELHO, R. G. M. (org.). Erosão e Conservação dos solos: Conceitos, temas e aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999 p. 269-295.

BRASIL. Lei no 12.651, de 25 de maio de 2012. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/L12651compilado.htm>. Acesso em: 12 mai. 2019.

CEARÁ. Produto Interno Bruto Municipal: Análise do PIB dos Municípios Cearenses-2002, 2010, 2016 e 2017. SPG/IPECE, Fortaleza, 2019. Disponível em: <https://www.ipece.ce.gov.br/wpcontent/uploads/sites/45/2019/12/PIB_dos_Municipios_Cearenses_2002_2017.pdf>. Acesso em: 18 mai. 2020.

______. Ceará em Mapas – Tipos Climáticos. Fortaleza, 2007.

______. Programa Nacional de Combate à Desertificação. Panorama da desertificação no estado do Ceará. Fortaleza/CE, 2005.

______. Mapa Exploratório - Reconhecimento de solos do Estado do Ceará. 1972.

CHAVES, L. A. História do Ceará. Sobral/CE: INTA, 2016.

CPRM. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais. Mapa Geodiversidade do Estado do Ceará. 2014.

______. Mapa Geológico do Estado do Ceará. 2003.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5. ed., rev. e ampl. Brasília/DF: Embrapa, 2018.

______. Solos do Nordeste. Recife: Embrapa Solos, 2015.

FERNANDES, A. Fitogeografia brasileira: fundamentos fitogeográficos. 1ª parte. 2ª ed. Fortaleza/CE: Edições UFC, 2006.

FERREIRA NETO, C. Indígenas e negros no Vale do Jaguaribe: entre o cativeiro e a liberdade. Disponível em: <https://apeoc.org.br/wp-content/uploads/2018/08/Indigenas_e _Negros_no_Vale_Jaguaribe.pdf> . Acesso em: 30 jan. 2019.

______. Estudos de História Jaguaribana: documentos, notas e ensaios diversos para história do Baixo e Médio Jaguaribe. Fortaleza: Premius, 2003.

FUNCEME. Fundação Cearense de Meteorologia e Recurso Hídrico. Ceará passa pela pior seca prolongada desde 1910. 2016.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População estimada municipal – 2019. IBGE Cidades, 2019. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ce/panorama>. Acesso em: 19 mai. 2020.

______. Manual técnico de geologia. Departamento de Recursos Naturais e Estudos Ambientais. Rio de Janeiro: IBGE, 1998.

IPECE. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Classes de Solos. Disponível em: <http://www2.ipece.ce.gov.br/atlas/capitulo1/12/pdf/1.2.4_classes_de_solos.Pdf> . Acesso em: 22 mar. 2020.

MAIA, R. P.; BEZERRA, F. H. R. Condicionamento Estrutural do Relevo no Nordeste Setentrional Brasileiro. Mercator, Fortaleza, v. 13, n. 1, p. 127-141, jan./abr. 2014. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/mercator/v13n1/1676-8329-mercator-13-01-0127.pdf>. Acesso em: 8 jun. 2019.

NUNES, E. Geografia física do Rio Grande do Norte. 1ª. Natal: Ed. Natal, 2006.

ROSS, J. Geomorfologia: ambiente e planejamento. São Paulo: Contexto, 2012.

SANT’ANNA NETO, J. L. Clima e organização do espaço. Boletim de Geografia, Maringá, v. 16, n. 1, p. 119-131, 1998. Disponível em: <http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/BolGeogr/article/view/12158/7322>. Acesso em: 6 ago. 2019.

SILVA, V.; ALENCAR, F. A, G. Formação territorial do Ceará: das 16 vilas originais aos 184 municípios atuais. Boletim Goiano de Geografia, v. 35, n. 1, jan-abr. p. 53-69, 2015. Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=337138459005>. Acesso em: 21 mai. 2019.

SOUSA, M. L. M. Diagnóstico geoambiental da sub-bacia hidrográfica do rio Figueiredo, Ceará: subsídios ao planejamento ambiental. Dissertação de Mestrado apresentado Programa de Pós-Graduação em Geografia/Universidade Federal do Ceará, 2012. 144f.

SOUZA, M. J. N. Contribuição ao estudo das unidades morfoestruturais do estado do Ceará. Revista de Geologia, n. 1, v. 1, 1988.

SOUZA, M. J. N.; OLIVEIRA, V. P. V. Análise ambiental – uma prática da interdisciplinaridade no ensino e na pesquisa. REDE – Revista Eletrônica do Prodema, Fortaleza, v. 7, n. 2, nov. 2011. Disponível em: <http://www.revistarede.ufc.br/rede/article/view/168 >. Acesso em: 18 mar. 2019.

VIEIRA, P. P. B.; GONDIM FILHO, J. G. C. Água Doce no Semiárido. In: REBOLÇAS, A. C.; BRAGA.; TUNDISI, J. G. Águas Doces no Brasil: Capital Ecológico, Uso e Conservação. 3ª ed. São Paulo: Escrituras, 2002, p. 481-504.

Downloads

Publicado

2020-07-16 — Atualizado em 2020-07-17

Versões

Como Citar

Souza Albuquerque, D., & Martins de Sousa, M. L. (2020). ASPECTOS GEOAMBIENTAL DAS ÁREAS DE NASCENTES NO ALTO CURSO DA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO FIGUEIREDO/CEARÁ. Revista Verde Grande: Geografia E Interdisciplinaridade, 2(02), 03-27. https://doi.org/10.46551/rvg2675239520202327 (Original work published 16º de julho de 2020)