Esta é uma versão desatualizada publicada em 2020-06-29. Leia a versão mais recente.

DESTERRITORIALIZAÇÃO E RETERRITORILIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NO CAMPO NO SUDOESTE PAULISTA: A QUESTÃO ENTRE OS TRABALHADORES DA CITRICULTURA E OS CAMPONESES PRODUTORES DE LEITE

Autores

  • Ricardo Manffrenatti Venturelli Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.46551/rvg26752395202013766

Palavras-chave:

Campesinato, Trabalho, Território

Resumo

Este artigo é fruto de uma série de pesquisas realizadas pelo autor e neste momento apresentamos uma síntese relacionando os processos contraditórios e intrínsecos ao capital nas quais promovem dialeticamente a desterritorialização camponesa e ao mesmo tempo, mas em outro fenômeno, a sua reterritorialização. Demonstrando a relação entre capital e campesinato, como modos de produção distintos, mas vinculados em uma dialética de destruição e recriação. Certamente este estudo não tem a prerrogativa de responder a todas questões pertinentes a relação entre capital e campesinato. Mas sim, focar nos fenômenos presenciados na região Sudoeste Paulista, mais especificamente na Região Geográfica Imediata de Avaré (IBGE, 2017). Tendo como justificativa a presença marcante de atividades citricultoras e camponeses pecuaristas de gado leiteiro. Assim, iremos relacionar os processos de territorialização do capital e monopolização do território pelo capital e suas expressões na configuração da fração do território a partir das relações de trabalho. Essa categoria foi escolhida, uma vez que iremos demonstrar como que as relações de exploração do trabalho assalariado na citricultura e a subordinação do trabalho camponês com a sujeição de sua produção a indústria, mesmo que se aparentem como expressões do capital no campo, contraditoriamente agem para a recriação camponesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Manffrenatti Venturelli, Universidade Estadual Paulista

Mestre em Geografia pela Universidade de São Paulo (USP) e Doutorando em Geografia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP – campus Presidente Prudente). Professor do Centro Paula Souza-SP.

Referências

ALMEIDA, Rosemeire Aparecida; PAULINO, Eliane Tomiasi. Fundamentos Teóricos para o Entendimento da Questão Agrária: Breves Considerações. Geografia, Londrina, vol. 09, n. 02, p. 113-128, jun/dez 2000.

BRAVERMAN, Harry. Trabalho e capital monopolista: A degradação do trabalho no século XX. Rio de Janeiro: Guanabara/Koogan, 1987.

BOMBARDI, Larissa Mies. O Bairro Reforma Agrária e o Processo de Territorialização Camponesa. São Paulo: AnnaBlume, 2004.

CALABI, Donatella; INDOVINA, Francesco. Sobre o uso capitalista do território. Archivio di studi urbani e regionali, Veneza, anno IV, n. 2, p, 1-12, junho 1973.

CHAYANOV, Alexander V. La Organización de la Unidad Económica Campesina. Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión, 1974.

CHESNAIS, François A mundialização do Exército Industrial de Reserva. O Comuneiro, São Paulo, nº 16, p. 1-8, Mar/2013.

CUBAS, Tiago Egídio Avanço. São Paulo Agrário: representações da disputa territorial entre camponeses e ruralistas de 1988 a 2009. 2012, Dissertação (Mestrado em Geografia). FCT-UNESP, Presidente Prudente, 2012.

KAUTSKY, Karl. A questão Agrária. São Paulo: Proposta, 1980.

LENIN, Vladimir Ilyich. O desenvolvimento do Capitalismo na Rússia: O processo de formação do Mercado Interno para a Grande Indústria. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

LUXEMBURGO, Rosa. A acumulação do capital: estudo sobre a interpretação econômica do imperialismo. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1970.

MARTINS, José de Souza. Expropriação e Violência. São Paulo: Hucitec, 1980.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. 2º Ed. São Paulo: Escala, 2009.

MST. Dossiê Cutrale. Tribuna Popular, 2011. Disponível em: <http://www.mst.org.br/sites/default/files/Dossie_Cutrale.pdf>. Acesso em: 10 mai. 2012.

NUNES, Everardo Duarte. Saúde Coletiva: História de uma ideia e de um conceito. Saúde e Sociedade, São Paulo, 3(2): 5-21, 1994.

OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino. A Geografia Agrária e as Transformações Territoriais Recentes no Campo Brasileiro. In: CARLOS, Ana Fani Alessandri (Org.). Novos Caminhos da Geografia. São Paulo: Contexto, 1999, p. 63-110.

______. A Longa Marcha do Campesinato Brasileiro. Estudos Avançados, São Paulo, USP, 15 (43) p. 185-206, 2001.

______. A Questão da Aquisição de Terras por Estrangeiros no Brasil - um retorno aos dossiês. Agrária, São Paulo, nº 12, pp. 3-113, 2010.

______. Agricultura e indústria no Brasil. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, AGB, nº 58, p. 5-64, 1981.

______. Barbárie e Modernidade: As transformações no campo e o agronegócio no Brasil. Terra Livre, São Paulo, AGB, ano 19, v. 2, n 21, p. 113-156, jul/dez 2003.

______. Modo Capitalista de Produção, Agricultura e Reforma Agrária. São Paulo: FFLCH/Labur Edições, 2007.

PAULINO. Eliane Tomiasi. (‘) Terra e Vida: A Geografia dos Camponeses no Norte do Paraná. 2003. Tese (Doutorado em Geografia). FCT – UNESP, Presidente Prudente. 2003.

RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Àtica, 1993.

RIGOTTO: Raquel Saúde ambiental e saúde dos trabalhadores: uma aproximação promissora entre o verde e o vermelho. Revista Brasileira de Epidemiologia, Rio de Janeiro, vol.6, n.4, p. 388-404, 2003.

SÃO PAULO. Secretaria de Agricultura e Abastecimento. Coordenadoria de Assistência Técnica Integrada (CATI).

SANTOS, Clóvis Caribé Menezes dos. MATOPIBA: uma nova fronteira agrícola ou um reordenamento geográfico do agronegócio e dos espaços produtivos de “cerrados”? Cadernos do CEAS, Salvador/Recife, n. 245, p. 570-600, set./dez., 2018.

SANTOS, Milton. Técnica, Espaço e Tempo: Globalização e meio técnico científico-informacional. São Paulo: Edusp, 2008.

SHANIN, Teodor. A definição de camponês: conceituação e desconceituação: o velho e o novo em uma discussão marxista. Estudos Cebrap, Petrópolis, n.26, p.43-79, 1980.

TAVARES DOS SANTOS, José Vicente. Os Colonos do Vinho: Estudo sobre a subordinação do trabalho camponês ao capital. São Paulo: Hucitec, 1978.

THOMAZ JR, Antônio. Por trás dos canaviais, os “nós” da cana: a relação capital x trabalho e o movimento sindical dos trabalhadores na agroindústria canavieira paulista. São Paulo: AnnaBlume, 2002.

VENTURELLI, Ricardo Manffrenatti. Da pecuária de leite a indústria de lacticínios – breves considerações sobre a produção do município de Cerqueira César – SP. In: III SINGA – Simpósio Internacional de Geografia Agrária, 3, 2007, Londrina. Anais...Londrina: UEL, 2007, p. 1-22.

______. Terra e Poder: as disputas entre o agronegócio e a resistência camponesa no Sudoeste Paulista. Uma abordagem sobre o uso de terras públicas. 2013. 322 f. Dissertação. (Mestrado em Geografia Humana) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP. 2013.

______. Territorialidades do Agronegócio e da Agricultura Camponesa em Cerqueira César-SP. 2009. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Geografia). UEL – Londrina.

WELCH, Cliford Andrew; FERNANDES, Bernardo Mançano. Agricultura e mercado: campesinato e agronegócio da laranja nos EUA e no Brasil. In: PAULINO, Eliane Tomiasi; FABRINI, João Edmilson (Orgs.). Campesinato e Territórios em Disputa. Presidente Prudente: Expressão Popular, 2008, p. 161-190.

Downloads

Publicado

2020-06-26 — Atualizado em 2020-06-29

Versões

Como Citar

Manffrenatti Venturelli, R. (2020). DESTERRITORIALIZAÇÃO E RETERRITORILIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NO CAMPO NO SUDOESTE PAULISTA: A QUESTÃO ENTRE OS TRABALHADORES DA CITRICULTURA E OS CAMPONESES PRODUTORES DE LEITE. Revista Verde Grande: Geografia E Interdisciplinaridade, 2(01), 37-66. https://doi.org/10.46551/rvg26752395202013766 (Original work published 26º de junho de 2020)