ASSISTENTES SOCIAIS EM EQUIPES MULTIPROFISSIONAIS NO CONTEXTO DA PANDEMIA POR COVID-19

ANÁLISES MULTIFACETADAS

Autores

  • Bruna Cristina Faustino de Souza UNIFESP
  • Stella Aparecida Geraldo Lima UNIFESP
  • Ana Maria Santana de Alcântara UNIFESP
  • Cristhiene Montone Nunes Ramires UNIFESP

DOI:

https://doi.org/10.46551/rssp.202107

Palavras-chave:

Covid-19, Serviço Social, Equipe Multiprofissional, Saúde e Desigualdade

Resumo

Este artigo busca realizar uma reflexão sobre o novo coronavírus e as relações sociais de classe, gênero e raça/etnia, como subsídio para a análise do trabalho do (a) assistente social no atual contexto, especialmente no que concerne o diálogo com a equipe multiprofissional em uma unidade de urgência e emergência. Possui como metodologia o relato de experiência de residentes multiprofissionais em Serviço Social da Universidade Federal de São Paulo, inseridas no campo de prática do Hospital São Paulo, organização com significante aparato de atendimento à vítimas do novo coronavírus. O cenário pandêmico alterou de maneira brutal o funcionamento da sociedade e dos serviços de saúde, acirrando as desigualdades sociais e evidenciando a relevância de um sistema de saúde universal, integral e equânime. A incorporação do conceito ampliado de saúde e o acesso à políticas sociais de qualidade destacam-se como elementos imprescindíveis para o enfrentamento de tal crise sanitária, que é resultante da crise estrutural do capitalismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AQUINO, E. M. L. et al. Medidas de distanciamento social no controle da pandemia de COVID-19: potenciais impactos e desafios no Brasil. Rio de Janeiro: Ciência & Saúde Coletiva, v. 25, p. 2423-2446, 2020.

BRASIL. Portaria nº 1.600, de 7 de julho de 2011. Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, 2011.

CFESS. Parâmetros para atuação de assistentes sociais na política de saúde. Brasília: CFESS, p. 82, 2010.

CISNE, M. Relações sociais de sexo, “raça”/etnia e classe: uma análise feminista-materialista. Brasília: Temporalis, ano 14, n. 28, p. 133-149, julho-dezembro, 2014.

ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA. Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde. A gestão de riscos e governança na pandemia por covid-19 no Brasil: análise dos decretos estaduais no primeiro mês - relatório técnico e sumário executivo. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2020.

GIGLIO-JACQUEMOT, A. Urgências e Emergências em Saúde: perspectivas de profissionais e usuários. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2005.

HARVEY, D. et al. Coronavírus e a luta de classes. Brasil: Terra sem Amos, 2020.

IBGE. Desigualdade Social por cor ou raça no Brasil. IBGE, Rio de Janeiro, 2019. Disponível em https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101681_informativo.pdf. Acesso em: 13/04/2020.

KERGOAT, D. Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais. São Paulo: Novos Estudos (Cebrap), São Paulo, n. 86, mar. 2010.

MOREIRA, E. et al. Em tempos de pandemia: Propostas para a defesa da vida e de direitos sociais. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro - Centro de Filosofia e Ciências Humanas - Escola de Serviço Social, 2020.

MOTA, A. E. et al. Serviço social e saúde: formação e trabalho profissional. São Paulo: Cortez, 2009.

SAFFIOTI, H. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Perseu Abramo, 2004.

SPOSATI, A. de O. COVID-19 Revela a Desigualdade de Condições da Vida dos Brasileiros. Revista NAU Social - v.11, n.20, p. 101 – 103 Mai/Out 2020.

Downloads

Publicado

2021-01-16

Como Citar

Faustino de Souza, B. C., Geraldo Lima, S. A., Santana de Alcântara, A. M., & Montone Nunes Ramires, C. (2021). ASSISTENTES SOCIAIS EM EQUIPES MULTIPROFISSIONAIS NO CONTEXTO DA PANDEMIA POR COVID-19: ANÁLISES MULTIFACETADAS. Serviço Social Em Perspectiva, 5(1), 117-127. https://doi.org/10.46551/rssp.202107