O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE

A CONSTRUÇÃO DE UM FLUXO INTEGRADO DE ATENDIMENTO ÀS GESTANTES

Autores

  • Cleverton Alves de Souza Universidade Federal de Sergipe
  • Maria da Conceição Almeida de Vasconcelos
  • Ana Karla Goes Costa
  • Catarina Nascimento de Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.46551/rssp.202012

Palavras-chave:

Estágio Supervisionado em Serviço Social. Formação Profissional. Saúde. Atenção Básica.

Resumo

Este trabalho tem como objetivo trazer algumas reflexões sobre o estágio supervisionado em Serviço Social, realizado na Unidade de Saúde da Família (USF) Amélia Leite – Aracaju/SE. Relata a experiência de elaboração de um fluxo integrado de atendimento às gestantes, cuja demanda foi identificada a partir de discussões e observações conjuntas entre os supervisores (pedagógico e de campo) e o estagiário. Parte-se da compreensão do estágio enquanto espaço privilegiado que permite capturar as contradições e limites existentes na dinâmica institucional e no fazer profissional, aprofundar os fundamentos que compõem as dimensões do processo formativo, além de estimular um olhar crítico em relação às demandas, às potencialidades, às fragilidades e aos desafios enfrentados pelo assistente social no cotidiano profissional. Para tanto, busca-se fazer uma contextualização do lócus do estágio e do papel do assistente social na atenção básica, descrever a experiência desenvolvida com a equipe da Unidade de Saúde e gestantes usuárias dos serviços, além de reflexões sobre o estágio na formação profissional do discente. Pontua-se que, para além das dificuldades e desafios do trabalho em equipe, a experiência contribuiu para a redefinição de procedimentos, e, consequentemente, com a possibilidade de ações de atendimento à saúde mais integradas.

Este trabalho tem como objetivo trazer algumas reflexões sobre o estágio supervisionado em Serviço Social, realizado na Unidade de Saúde da Família (USF) Amélia Leite – Aracaju/SE. Relata a experiência de elaboração de um fluxo integrado de atendimento às gestantes, cuja demanda foi identificada a partir de discussões e observações conjuntas entre os supervisores (pedagógico e de campo) e o estagiário. Parte-se da compreensão do estágio enquanto espaço privilegiado que permite capturar as contradições e limites existentes na dinâmica institucional e no fazer profissional, aprofundar os fundamentos que compõem as dimensões do processo formativo, além de estimular um olhar crítico em relação às demandas, às potencialidades, às fragilidades e aos desafios enfrentados pelo assistente social no cotidiano profissional. Para tanto, busca-se fazer uma contextualização do lócus do estágio e do papel do assistente social na atenção básica, descrever a experiência desenvolvida com a equipe da Unidade de Saúde e gestantes usuárias dos serviços, além de reflexões sobre o estágio na formação profissional do discente. Pontua-se que, para além das dificuldades e desafios do trabalho em equipe, a experiência contribuiu para a redefinição de procedimentos, e, consequentemente, com a possibilidade de ações de atendimento à saúde mais integradas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARACAJU (Brasil). Protocolo do Serviço Social nas Redes de Saúde do SUS/Aracaju. GOMES; L.V. B.; LEITE; M. C. T, BELFORT; S. R. C. (org.). Secretaria Municipal de Saúde. Aracaju, SE, 2016.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENSINO E PESQUISA EM SERVIÇO SOCIAL (Brasil). Diretrizes Gerais para o Curso de Serviço Social. Cadernos ABEPSS, São Paulo, Cortez, n. 7, 1997.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENSINO E PESQUISA EM SERVIÇO SOCIAL (Brasil). Política Nacional de Estágio da Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social – ABEPSS. 2010. Disponível em:< http://www.cfess.org.br/arquivos/pneabepss_maio2010_corrigida.pdf > Acesso em:13 jan. 2018.

BRASIL. Portal do Planalto. Lei nº 8.862, de 7 de junho de 1993. Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências. Brasília, DF: Portal do Planalto, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8662.htm. Acesso em: 18 nov. 2018.

BRASIL. Portal do Planalto. Lei nº 11.778, de 25 de setembro de 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes. Brasília, DF: Portal do Planalto, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11788.htm. Acesso em: 17 nov. 2018.

FORTI, V.; GUERRA, Y. “Na prática a teoria é outra”. In: FORTI, V.; GUERRA, Y. (org.). Serviço Social: temas e contextos. RIO DE JANEIRO: LUMEN JURIS, 5 ed., 2016.

IAMAMOTO, M. V. e CARVALHO, R. de Relações Sociais e Serviço Social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 10° ed. São Paulo: Cortez, 2006.

ORTIZ, F. G. Desafios contemporâneos para o processo de estagio e supervisão em Serviço Social. In: FORTI, V.; GUERRA, Y. (org.). Serviço Social: temas e contextos. RIO DE JANEIRO: LUMEN JURIS, 5 ed., 2016.

Downloads

Publicado

2020-07-04

Como Citar

Alves de Souza, C., Almeida de Vasconcelos, M. da C., Goes Costa, A. K., & Nascimento de Oliveira, C. (2020). O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE : A CONSTRUÇÃO DE UM FLUXO INTEGRADO DE ATENDIMENTO ÀS GESTANTES. Revista Serviço Social Em Perspectiva, 4(1), 231-241. https://doi.org/10.46551/rssp.202012