OS ESTUDOS OLÍMPICOS NA EDUCAÇÃO FÍSICA: análise curricular das Universidades Federais presentes nas capitais do Brasil

Autores

  • Igor Maciel da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora - Campus Governador Valadares https://orcid.org/0000-0002-6560-0475
  • Jáder Íthalo Guerra Silva Universidade Federal de Juiz de Fora - Campus Governador Valadares

DOI:

https://doi.org/10.46551/rn2022131900056

Palavras-chave:

Estudos Olímpicos; Olimpíadas; Currículo

Resumo

O estudo mapeou a presença do conteúdo Estudos Olímpicos nos Currículos dos cursos presenciais de Educação Física das Universidades Federais (UF), presentes nas capitais do Brasil, modalidades bacharelado e licenciatura. Para isso, os Currículos das UF foram eleitos fontes. As plataformas consultadas foram o banco de dados e-ME e os sites das UF. Os Currículos foram separados em 3 grupos: 1) Currículo sem nenhuma referência olímpica; 2) Currículo com referência vaga sobre as Olimpíadas; 3) Currículo que tem Estudos Olímpicos dentro de outra disciplina. Ao final observou-se que, nenhuma UF da amostra abriga a disciplina de Estudos Olímpicos. Contudo, destaca-se que a Universidade Federal de Rondônia, a Universidade Federal de Minas Gerais e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul se propuseram aos Estudos Olímpicos como tópico de outros conteúdos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Igor Maciel da Silva, Universidade Federal de Juiz de Fora - Campus Governador Valadares

Graduação em Educação Física (UEMG, 2013-2016), mestre (2016-2018) e doutorando (2019-2023) em Estudos do Lazer (UFMG). Atualmente trabalha como professor substituto no curso de Bacharelado em Educação Física da Universidade Federal de Juiz de Fora - Campus Governador Valadares. Possui experiências no ensino da História da Educação Física, Sociologia do Esporte, Pesquisa Qualitativa, Esportes de Aventura, Estudos Olímpicos, Danças, Hidroginástica e Ginástica de academia. Na pesquisa e extensão tem experiência com Danças Circulares. Ofertou palestras sobre gênero e currículo, e diversidade no esporte e na Educação Física. Também trabalhou com colônias de férias, ensino de ballet clássico e danças afro-brasileiras, curadoria de exposições, organização de eventos em Universidades e Faculdades, gestão pedagógica no Ensino EaD, coordenação de periódicos científicos, proposição de Dossiês nas revistas INSEPE e Caminhos da História, membro de conselho editorial e avaliador de artigos. Suas publicações permeiam as temáticas tempo livre, esporte, dança, cinema e mulheres nas diversões. Fora isso, desenvolve atividades de ilustração e literatura com dois livros de contos publicados pela Valor Editora e seleção em concursos literários nas categorias crônica e poesia.

Currículo: http://lattes.cnpq.br/7695738227562483

Referências

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Tradução de Luís Antero Reta e Augusto Pinheiro, editora Edição 70, França, 1977.

BARROS, G. N. M. As olimpíadas na Grécia antiga. São Paulo: Pioneira, 1996.

BENTO, J. O. Desporto – Discurso e Substância. Campo das Letras Editores S.A. Porto, 2004.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física. Ministério da Educação-Secretaria de Educação Fundamental, MEC/SEF, Brasília, 1997.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Institui as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União: título 2, Brasília-DF, ano 108, 20 jan. 1996.

BOOTH, D. História do Esporte: abordagens em mutação. Recorde: Revista de História do Esporte, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, 2011, p. 1-40.

BOURDIEU, P. Sobre a televisão: seguido de a influência do jornalismo e os Jogos Olímpicos. Tradução de Maria Lúcia Machado. Rio de Janeiro, editora ZAHAR, 1997.

CABRAL, L. A. M. Os Jogos Olímpicos na Grécia Antiga: Olímpia antiga e os jogos olímpicos. São Paulo, Odysseus, 2004.

CARDOSO, V. D. et al. Esporte paraolímpico no Brasil: de sua estruturação a sua consolidação. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, Porto, v. 1, n. 16, 2017, p. 59-72.

CONDE, A. J. M. Educação Física na escola inclusiva e a base do esporte paraolímpico. In: CONDE, A. J. M.; SOBRINHO, P. A. S.; SENATORE, V. (Orgs.). Introdução ao movimento paraolímpico: manual de orientação para professores de educação física. Brasília: Comitê Paraolímpico Brasileiro, 2006, p.54-63.

FRANCHINI, E. As modalidades de combate nos Jogos Olímpicos. In: MORAGAS, M.; DA COSTA, L. P. (Org.). Universidade e Estudos Olímpicos. Barcelona: Centre d'Estudis Olímpics, Servei de Publicacions, 2007, p. 716-724.

GODOY, L. Os jogos olímpicos na Grécia Antiga. São Paulo: Nova Alexandria, , 1996.

LE GOFF, J. História e Memória (1924). Tradução de Bernardo Leitão et. al. Ed. 7. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2013, 499 p.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, Editora E.P.U., 1986.

MAGNANE, G. Sociologia do Esporte. Editora Perspectiva: São Paulo, 1969.

MARCELLINO, N. C. Legado de megaeventos esportivos. Campinas, editora Papirus, 2013.

MELO, V. A.; FORTES, R. História da História da Educação Física e do Esporte no Brasil: panorama, perspectivas e propostas. Revista Eletrônica de História do Brasil, Juiz de Fora, v.1, n.1, 1997.

MELLO, M.; WINCKLER, C. Esporte olímpico. São Paulo, editora Atheneu, 2012.

NETO-WACKER, M. F.; WACKER, C. O Brasil torna-se olímpico: fragmentos históricos do Brasil e do Movimento Olímpico até 1936. Confederação Brasileira de Atletismo, 2012.

NUNES, M. L. F.; RÚBIO, K. O(s) currículo(s) da educação física e a constituição da identidade de seus sujeitos. Currículo sem Fronteiras, São Paulo, v. 8, n. 2, 2008, p. 55-77.

OLIMPÍADAS ESPECIAIS. Atividades motoras - Programa de Treinamento. SEDES/PR, Departamento dos desportos das pessoas portadoras de Deficiências, 1990.

OLIVEIRA, V.M. O que é Educação Física? São Paulo: Brasiliense, 4ª ed., 1986.

PLATONOV, V. N. Teoria Geral do Treinamento Desportivo. Editora Artmed, Porto Alegre, 2004.

REPPOLD FILHO, A. R.; PINTO, L. M. M.; RODRIGUES, R.P.; ENGELMAN, S. (Orgs). Olimpismo e educação olímpica no Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. 270 p.

RODRIGUES. R. P. et al. DA COSTA L. P.. Legados de megaeventos esportivos. Brasília: Ministério do Esporte, 2008.

RUBIO, K. Legado educativo dos megaeventos esportivos. Motrivivência, Florianópolis, ano XXI, n. 32/33, 2009, p. 71-88.

RUBIO, K. Jogos Olímpicos da Era Moderna: uma proposta de periodização. Rev. Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.24, n.1, 2010, p.55-68.

SCHIAVON, L. M. Ginástica Artística feminina e História Oral: a formação desportiva de atletas brasileiras participantes de Jogos Olímpicos (1980-2004). 2009. 379 f. Tese (doutorado em Educação Física) Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP, 2009.

SILVA, I. M. O mais completo dos sports espirituaes: o cinema silencioso em Barbacena (Minas Gerais, 1914-1931). 2021. 172 f. Tese (doutorado em Estudos do Lazer). Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Estudos do Lazer, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2021.

SILVA, I. M.; MARTINS, R.; LIMA, R. S. Cadê os jogos olímpicos nos currículos da educação física? RENEF: Revista Eletrônica Nacional de Educação Física, Montes Claros, v. 3, n. 3, p. 49, 2020.

Publicado

2022-03-23 — Atualizado em 2022-03-28

Versões

Como Citar

MACIEL DA SILVA, I.; ÍTHALO GUERRA SILVA, J. . OS ESTUDOS OLÍMPICOS NA EDUCAÇÃO FÍSICA: análise curricular das Universidades Federais presentes nas capitais do Brasil: . RENEF, [S. l.], v. 13, n. 19, p. 27–48, 2022. DOI: 10.46551/rn2022131900056. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/renef/article/view/4943. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)