O Programa de Gestão de Desempenho no IF Goiano: análise do projeto-piloto

Autores

  • Rodrigo Bombonati de Souza Moraes Universidade Federal de Goiás – UFG
  • Kenny William Pena Universidade Federal de Goiás – UFG
  • Isadora Ayres Arantes de Paiva Universidade Federal de Goiás – UFG

Resumo

O Programa de Gestão e Desempenho – PGD é uma ferramenta de gestão que substitui a assiduidade do servidor pelo controle de entregas de resultados que possam ser efetivamente mensuradas, modelo parecido com o teletrabalho. Trata-se de uma pesquisa descritiva. Assim, foram utilizados dados secundários de um questionário com perguntas abertas e fechadas, aplicado pelo Instituto Federal (IF) Goiano através da sua comissão de implantação do PGD, sendo que a participação foi voluntária e direcionada aos servidores aderentes ao PGD e às suas respectivas chefias. O objetivo deste artigo é fazer uma análise sobre o PGD nos dois primeiros meses do projeto-piloto, sob a ótica dos servidores aderentes ao PGD e suas respectivas chefias, como também conhecer as dificuldades e desafios e propor melhorias que possam subsidiar a decisão sobre a continuidade do PGD. Entre pontos positivos encontrados, destacam-se o aumento da produtividade e melhorias nas rotinas e na qualidade de vida do servidor aderente ao PGD. Entre as maiores dificuldades mencionadas, observou-se a elaboração do plano de trabalho e a definição de critérios para avaliação dos resultados pela chefia imediata. Este estudo pode contribuir para a discussão sobre a continuidade do PGD, oferecendo sugestões e perspectivas sobre benefícios, desafios e possibilidades.

Palavras-chave: PGD; home office; teletrabalho; IF Goiano; gestão de desempenho; produtividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Bombonati de Souza Moraes, Universidade Federal de Goiás – UFG

Doutorado em Administração Pública e Governo. Universidade Federal de Goiás – UFG.

Kenny William Pena, Universidade Federal de Goiás – UFG

Mestrando em Administração Pública. Universidade Federal de Goiás – UFG.

Isadora Ayres Arantes de Paiva, Universidade Federal de Goiás – UFG

Mestrando em Administração Pública. Universidade Federal de Goiás – UFG.

Referências

ADERALDO, I. L.; ADERALDO, C. V. L.; LIMA, A. C. Aspectos Críticos do Teletrabalho em uma Companhia Multinacional. Cadernos EBAPE.BR, v. 15, n. Edição Especial, p. 511-533, 2017.

ALMEIDA, L. B. Q (2018). Teletrabalho em instituições públicas: um estudo de caso no Tribunal de Contas do Estado do Ceará. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Economia, Administração, Atuária e Contabilidade, Programa de Pós-graduação em Administração e Contro-ladoria Universidade Federal de Ceará, Fortaleza, 2018.

ANTONIALLI, F.; ANTONIALLI, L. M.; ANTONIALLI, R. Uses and Abuses of the Likert Scale: Bibliometric Study in the Proceedings of Enanpad from 2010 to 2015. Reuna, v. 22, n. 4, p. 1-19, 2017.

ANTUNES, R. Uberização, trabalho digital e Indústria 4.0. 1ª. ed. São Paulo: Boitempo, 2020.

ARAÚJO, S. A., FRANÇA, F. S., CAVALCANTE, G. F. F., LIMA, I. F. MEDEIROS, J. W. M. Teletrabalho (Telework): uma prospecção para a editora universitária da UFPB. Informação Em Pauta, v. 4, n. especial, p. 132–151, nov. 2019.

BACCILI, S.; CRUZ, N. J. Virtualização do trabalho durante a Pandemia do COVID-19: avaliação da experiência dos servidores de uma Instituição Federal de Ensino Superior. Navus: Revista de Gestão e Tecnologia, v. 11, n. 1, p. 1-15, 2021.

BARRETO, B. C. Saúde mental em tempos de pandemia: um pro- grama de comunicação interna de atenção à saúde do servidor da Universidade Federal de Goiás. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Administração Pública em Rede Nacional (PRO- FIAP), Universidade Federal de Goiás, Aparecida de Goiânia -GO, 2021.

BENAVIDES, F. G., AMABLE, M., CORNELIO, C., VIVES, A., MILIÁN, L. C., BARRAZA, D., BERNAL, D., SILVA-PEÑAHERRERA, M., & DEL- CLOS, J. O futuro do trabalho após a COVID-19: o papel incerto do teletrabalho no domicílio. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 46, 2021.

BRANDÃO, H. P.; GUIMARÃES, T. A. Gestão de competências e gestão de desempenho: tecnologias distintas ou instrumentos de um mesmo construto?. Revista de Administração de Empresas, v. 41, n. 1, p. 8-15, 2001.

BRASIL. Decreto Nº 11.072, de 17 de maio de 2022. Dispõe sobre o Pro- grama de Gestão e Desempenho - PGD da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. Diário Oficial da União, Brasilia, DF, p. 5, 18 maio 2022.

BRASIL. Ministério da Economia / Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital / Secretaria de Gestão e Desempenho de Pessoal. Estabelece orientações, critérios e procedimentos gerais a serem observados pelos órgãos e entidades integrantes do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal - SIPEC relativos à implementação de Programa de Gestão. Instrução Normativa Nº 65, de 30 de julho de 2020. Diário Oficial da União, 31 jul. 2020.

BRASIL. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. [S. l.], 30 dez. 2008.

BRASIL. Presidência da República. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasília: Mare, 1995.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Uma reforma gerencial da Administração Pública no Brasil. Revista do Serviço Público, v. 49, n. 1, p. 5-42, 1998.

COELHO JR., F. A.; BORGES-ANDRADE, J. E. Efeitos de variáveis individuais e contextuais sobre desempenho individual no trabalho. Estudos de Psicologia, v.16, n.2, p.111- 120, 2011.

COLLINS, J., HUSSEY, R. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2ª. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

CRESWEL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2ª. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

FILARDI, F.; CASTRO, R. M.; ZANINI, M. T. F. Vantagens e Desvantagens do Teletrabalho na Administração Pública: Análise das Experiências do Serpro e da Receita Federal. Cadernos EBAPE.BR, v. 18, n. 1, p. 28-46, 2020.

GODOY, A. S.Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Ad- ministração de Empresas, v. 35, n. 3, p. 20-29, 1995.

GÓES, G. S, MARTINS, F. D. S., NASCIMENTO, J.A.S. O Trabalho Remoto Potencial e Efetivo no Brasil: Possíveis Razões de um Hiato Elevado. Texto para Discussão. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA, 2022. Disponível em http://repositorio.ipea.gov.br/bits-tream/11058/11094/1/td_2738.pdf. Acesso em: out 2022.

GOMES, P. B. Avaliação de desempenho do DENASUS no contexto de teletrabalho. Trabalho de conclusão de curso (Especialização), Especialização em Gestão de Pessoas, Inovação e Resultados, Escola Nacional de Administração Pública. Brasília-DF, 2021.

GUERRA, M. H. T. S., NETO, R. R. da S., RANIERI, T. R., & GOMES, Ú. C. Teletrabalho Estruturado na Administração Pública: A Experiência do Tribunal Regional do Trabalho da 8a Região. Revista de Administração, Sociedade e Inovação, v. 6, n. 3, p. 98–116, 2020.

HAU, F.; TODESCAT, M. O Teletrabalho na Percepção dos Teletrabalhadores e seus Gestores: Vantagens e Desvantagens em um Estudo de Caso . NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, v. 8, n. 3, p. 37-52, 2018.

KAWASAKI, H. H. O A adoção do teletrabalho no Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais: reflexos sobre a produtividade institucional. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Administração Pública em Rede Nacional (PROFIAP), Universidade Federal de Viçosa, Florestal-MG, 2021.

LEITE, A. L.; LEMOS, D. C.; SCHNEIDER, W. A. Teletrabalho: Uma Revisão Integrativa da Literatura Internacional. Contextus - Revista Contemporânea de Economia e Gestão, v. 17, n. 3, p. 186-209, 2019.

LEITE, E. D.; AIRES, C. V. . O TeleTrabalho durante a Pandemia do CO- VID-19 : Diretoria de Gestão de Pessoal da Polícia Federal no Distrito Federal. Rebena - Revista Brasileira de Ensino e Aprendizagem, [S. l.], v. 4, p. 47–73, 2022.

LIKERT, R. (1932). A technique for measurement of attitudes. Archives of Psychology, 140, 5-55.

MELO, P. S.. Efetividade social e pedagógica do ensino médio integrado: análise de sua implantação no instituto federal goiano. Tese (Doutorado) - Doutorado em Educação, Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2018.

NOGUEIRA FILHO, J. A.; OLIVEIRA, M. A. M.; SÄMY, F. P. C.; NUNES, A. O Teletrabalho como Indutor de Aumentos de Produtividade e da Racionalização de Custos: Uma Aplicação Empírica no Ministério da Justiça e Segurança Pública. Revista do Serviço Público, v. 71, n. 2, p. 274-296, 2020.

OLIVEIRA, M. A.; PANTOJA, M. J. Perspectivas e desafios do teletrabalho no setor público. In: Congresso Internacional de Desempenho do Setor Público, 2., 2018, Florianópolis. Anais eletrônicos... Florianópolis: Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL; Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC; Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC; Fundação Ena Escola de Governo, 2018.

RAFALSKI, J. C.; ANDRADE, A. L. Home-office: aspectos exploratórios do trabalho a partir de casa. Temas psicol., Ribeirão Preto, v. 23, n. 2, p. 431-441, jun. 2015.

ROCHA, C. T. M.; AMADOR, F. S. O Teletrabalho: Conceituação e Questões para Análise. Cadernos EBAPE.BR, v. 16, n. 1, p. 154-162, 2018.

SANTOS, L. A. D.; COSTA, D.. O novo normal: A evolução do trabalho home-office e hibrido após pico da crise. e-Acadêmica, v. 3, n. 2, p. e1632151, 2022.

SILVA, J. S. (Con) figurações do teletrabalho no contexto de um Instituto Federal a partir da Instrução Normativa nº. 65/2021. Educação e Ensino Superior Online, 2, (1), 101-108, 2022.

SOBRATT - Sociedade Brasileira de Teletrabalho e Teleatividades. Home office aumenta o rendimento e reduz o estresse. Disponível em: <http://www.sobratt.org.br/index.php/homeoffice-aumenta-o-rendimento-e--reduz-o-estresse/>. Acesso em: 27 abr. 2015.

SOUZA, I. M.; BACHTOLD, C. A cultura organizacional e sua influência no desempenho e motivação no trabalho do servidor público: estudo de caso na prefeitura de Colombo-PR. Revista Mundi Engenharia, Tecno- logia e Gestão. v. 5, n. 4, 2020.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS (MG). Resolução nº 973, 4 de outubro de 2021. Regulamenta o teletrabalho no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais. Diário do Judiciário eletrônico do Tribunal de Justiça de MG, Belo

Horizonte, 5 out. 2021.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS (MG). Portaria nº 5481/PR/2022, 2 de fevereiro de 2022. Estabelece as normas e os procedimentos necessários à realização de teletrabalho por magistrados e servidores do Poder Judiciário do Estado de Minas Gerais. Diário do Judiciário Eletrônico, Belo Horizonte, p. 3-5, 3 fev. 2022.

VILHENA, R.; MARTINS, H. Percepções sobre gestão do desempenho no setor público. Revista do Serviço Público, v. 73, n. Especial Consad, p. 8-25, 2022.

VILLARINHO,, K. P. B.; PASCHOAL, T. Teletrabalho no Serpro: Pontos Positivos e Negativos e Relações com Desempenho Profissional, Bem-Estar e Contexto de Trabalho. EnANPAD, Costa do Sauípe, 2016.

WHO - World Health Organization. Statement on the second meeting of the International Health Regulations (2005) Emergency Committee regarding the outbreak of novel coronavirus (2019-nCoV) [Internet]. Ge- neva: World Health Organization; 2020.

WOORTMANN, Mario. Teletrabalho no Serviço Público: Teletrabalho e outros regimes flexíveis de atuação: tendências, desafios, riscos e vantagens para a administração pública. [S. l.], 12 jul. 2019. Disponível em: https://institutopublix.com.br/teletrabalho-no-servico-publico/. Acesso em: 8 ago. 2022.

Downloads

Publicado

2023-01-09

Edição

Seção

Artigos