https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/issue/feed Revista Economia e Políticas Públicas 2021-12-30T22:21:49+00:00 Prof. Marcos Fábio revista.epp@unimontes.br Open Journal Systems <p>A Revista <strong>ECONOMIA E POLÍTICAS PÚBLICAS (ISSN 2318-647X</strong>) é um periódico eletrônico do Departamento de Economia da Universidade Estadual de Montes Claros, mantida em parceria com a Fundação João Pinheiro.<br />Quanto ao seu conteúdo, sua ênfase é na difusão do conhecimento em economia, história econômica e políticas públicas, especialmente pesquisas inéditas. Aceitam-se também contribuições de outras ciências sociais com temáticas relacionados a revista.</p> https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4816 O PAPEL DO SISTEMA FINANCEIRO NA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O EXEMPLO DO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS 2021-12-21T21:03:13+00:00 Sergio Gusmão Suchodolski adrianom@bdmg.mg.gov.br Adauto Modesto Júnior adrianom@bdmg.mg.gov.br Adriano Miglio Porto adrianom@bdmg.mg.gov.br Leila Maria Bedeschi Costa adrianom@bdmg.mg.gov.br <p>O presente artigo nasceu da reflexão sobre o papel do sistema financeiro e de seu braço de fomento, realizada no âmbito das comemorações de 75 anos da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo – FEA/USP. Naquele contexto, instigou-se a reflexão sobre o papel do sistema financeiro na retomada da economia pós-COVID e da implantação <br>das agendas Globais de Desenvolvimento, em particular o Acordo de Paris e a Agenda 2030. Com base na evolução histórica e nas experiências recentes, argumenta-se que o Sistema Financeiro tem papel central – tanto por dar suporte à atividade econômica tornando-a mais dinâmica quanto por ser capaz de induzir os agentes na direção do modelo de desenvolvimento que se quer, <br>através das condicionantes impostas à concessão de crédito. Portanto, o sistema financeiro - global, regional e local - que no passado recente foi parte do problema, converte-se nesse momento em parte essencial da solução. Dentro desse escopo, bancos regionais de fomento se destacam, ao conciliar sua missão histórica - atuação anticíclica, suporte a segmentos estratégicos - com a opção por gerar impacto social e ambiental. Eles exercem papel civilizatório. Trabalham na última milha de uma cadeia que converte finanças líquidas em projetos materiais portadores de futuro no território onde atuam. E isso em razão um maior conhecimento da dinâmica econômica do território e do melhor relacionamento que são capazes de estabelecer com os agentes <br>que nele operam. O artigo foca a evolução do sistema financeiro neste o último século, em articulação aos grandes movimentos da economia mundial em uma síntese sobre seus papéis e, em especial, sobre o dos sistemas financeiros de fomento. Finalmente, os argumentos são ilustrados com a experiência recente do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais – BDMG – cuja missão consiste em ser banco de atuação local, mas também referência global em impacto.</p> <p><br>Palavras-chave: desenvolvimento – sistema financeiro – SNF – fomento - BDMG</p> 2021-12-21T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Economia e Políticas Públicas https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4857 AS CONTRIBUIÇÕES DA TERMODINÂMICA AO PENSAMENTO ECONÔMICO 2021-12-30T22:21:49+00:00 Tiago Soares Barcelos t.s.barcelos9@gmail.com Pedro Luiz Teixeira de Camargo pedropeixe@yahoo.com.br Valmir Percival Guimarães valmir.pg@gmail.com Loyslene de Freitas Mota loyslenef_mota@hotmail.com <p>As Ciências Econômicas como um todo e a Economia Ecológica em especial, tem nas definições de temperatura, calor, energia, trabalho e entropia alguns dos seus principais conceitos epistemológicos. Doravante, trabalhos teleológicos capazes de abordar historicamente tais definições, bem como seu uso nesse campo científico são raros, sendo por isso importantes. Dessa forma, propõe nesse artigo discutir, através de uma revisão bibliográfica profunda, as contribuições da termodinâmica ao pensamento econômico. Como resultado, é possível apontar que Brandão (2004); Pádua, <em>et al</em> (2008); Cechin e Veiga (2010); Castro e Ferracioli (2012); Georgescu-Roegen (2012) e Daly e Farley (2016) são os principais autores que relacionam a temática econômica e termodinâmica. Como conclusão, é possível afirmar que são necessários mais estudos de revisão historiográfica dentro da Economia Ecológica, sendo indicados mais trabalhos similares a esse que sejam capazes de oferecer uma abordagem acerca da epistemologia dos termos mais usados nessa área científica.</p> <p>Palavras-chave: Economia Ecológica; Epistemologia; Entropia</p> 2021-12-30T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Economia e Políticas Públicas https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4738 O DILEMA DISTRIBUTIVO DAS PETROFEDERAÇÕES: COMO ESCAPAR DA MALDIÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS? 2021-11-20T22:23:08+00:00 Enrique Natalino enrique.natalino@gmail.com <p>O trabalho se propõe é analisar o problema da Maldição do Petróleo sob a perspectiva dos petro-Estados e das petrofederações, abordando as diversas experiências de Estados que possuem economias voltadas, em maior ou menor grau, à exploração do petróleo, bem como os diversos arranjos institucionais e distributivos existentes. A existência de uma relação entre a instabilidade econômica e política de nações que exportam petróleo e a existência de instituições fracas é um tema estudado pela literatura da Economia Política há várias décadas. Tanto a estruturação do Estado quanto os arranjos políticos distributivos construídos sob a <br>égide de um modelo dependente do petróleo teriam enrijeceriam as possibilidades de escolhas de escolhas desses países, ajudando a explicar as suas trajetórias. Utilizando abordagens neoinstitucionalistas (KARL, 1997; ROSS, 2015), procura-se mostrar como a administração de problemas econômicos nos petro-Estados dependeu de um conjunto de incentivos e regras que balizaram os atores políticos, afetando decisivamente os resultados alcançados. Nesse sentido, o paper buscou analisar o impacto da redistribuição das rendas do petróleo em federações como Brasil, Argentina, México, Canadá, Estados Unidos, Rússia, Índia, Nigéria e Austrália para entender se a maior descentralização ajudaria a combater ou agravaria os problemas advindos da Maldição dos Recursos Naturais. Ao invés de crescimento econômico e distribuição de renda, ao serem mal administrados e distribuídos, os recursos do petróleo levariam a padrões rentistas de comportamento, ao descontrole fiscal, à redução da diversificação econômica, agravando a desigualdade, a corrupção e podendo levar, no limite, a saídas autoritárias e a conflitos armados.</p> <p>Palavras-chave: Petróleo; Federalismo; Maldição dos Recursos Naturais</p> 2021-11-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Economia e Políticas Públicas https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4817 O MODELO DE ORGANIZAÇÕES SOCIAIS INSERIDO NO HISTÓRICO DE REFORMAS ADMINISTRATIVAS NO BRASIL 2021-12-22T03:03:45+00:00 Andrea Cabello andreafc@gmail.com Natália Vieira natavir3@gmail.com <p>O artigo discute de forma histórica as principais reformas administrativas pelas quais o Brasil passou ao longo do século XX de modo a contextualizar a criação do modelo de Organizações Sociais (OSs) com foco em seu papel como mecanismo institucional de reestruturação do papel do Estado. São analisados a criação do DASP, a reforma de 1967 e a reforma de 1990, na qual foi criado o modelo OS, como resposta a um problema de crise fiscal e gerencial do Estado brasileiro. Discute-se seu uso no setor de saúde e ciência e tecnologia e suas vantagens frente a restrições fiscais impostas por leis como a Lei de Responsabilidade Fiscal e questiona-se a falta de análises mais profundas sobre o uso do modelo na literatura e por órgãos de controle.</p> <p>Palavras-Chave: Organizações Sociais, Reforma Administrativa, Administração Pública Brasileira.</p> 2021-12-22T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Economia e Políticas Públicas https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4746 BRASIL DO “MILAGRE” E “ANTIMILAGRE” ECONÔMICO: A SAÍDA DA CRISE DE 1980 NA INTERPRETAÇÃO DE IGNÁCIO RANGEL 2021-11-25T14:45:01+00:00 LEANDRO NOGUEIRA leandromenog@hotmail.com <p>Esse artigo analisa a interpretação que Ignácio Rangel fez da crise econômica brasileira dos anos 1980 e a conclusão a que chega: a necessidade de conceder os serviços de utilidade pública à iniciativa privada como alternativa para sair da maior e mais prolongada crise desde o início da industrialização do país. Segundo Rangel, as mudanças institucionais entorno da concessão viabilizariam a transferência de recursos ociosos presentes no Departamento I (indústria pesada) para a área estrangulada da economia brasileira, os serviços de utilidade pública. Desse modo, criaríamos um forte aparelho de intermediação financeira capaz de levantar e orientar esses recursos ociosos no desenvolvimento do país. Mais do que isso, essa alternativa representaria, na sua interpretação, a última etapa da substituição industrial de importações e a consolidação do capitalismo brasileiro. No entanto, o que assistimos foi a implantação de um modelo que dificultou a continuidade das transformações pelas quais a economia brasileira vinha passando. A partir da sua interpretação do capitalismo brasileiro, Rangel desenvolveu um diagnóstico e propôs uma intervenção, mas a história desenrolou-se na contramão do que ele propunha.</p> <p>Palavras-Chave: Ignácio Rangel; Recursos ociosos; Concessões; Serviços de utilidade pública; Crise econômica.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Economia e Políticas Públicas https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4745 DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE EMPÍRICA DE PREVISÃO BASEADA NA METODOLOGIA BOX-JENKINS 2021-11-25T14:29:59+00:00 ÉDER DE SOUZA BEIRÃO ederbeirao@gmail.com MARIA ELIZETE GONÇALVES mariaeliz.unimontes@gmail.com DARCY RAMOS DA SILVA NETO neto.darcy@usp.br <p>Um dos problemas sociais que mais aflige os países subdesenvolvidos é o desemprego. O caso do Brasil não é diferente, visto que este problema se agravou e muito em decorrência da crise econômica que atingiu o país. Neste sentido, o presente estudo objetiva prever a da taxa de desemprego do Brasil através de análise empírica baseada na metodologia Box-Jenkins. O mesmo possui abordagem quantitativa e descritiva, embasado em pesquisa bibliográfica e documental, tendo como fonte de dados a plataforma <em>Bases de Datos y Publicaciones Estadísticas</em> da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPALSTAT). Os resultados demonstraram que a série da taxa de desemprego trimestral do Brasil, entre 1995 e 2016 é não estacionária, ou seja, a mesma não se desenvolve no tempo aleatoriamente ao redor da média, refletindo um tipo de equilíbrio. Porém, em nível, a série apresenta tendência estocástica. A tendência das taxas de desemprego indicam queda da referida taxa, porém através da previsão realizada por meio do método utilizado o que pôde ser observado foi a elevação da mesma, uma vez que nos períodos posteriores ao primeiro trimestre de 2016 a taxa de desemprego se elevou.</p> 2021-11-25T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Economia e Políticas Públicas https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4695 GESTÃO DA MARCA EM IES: UM ESTUDO BIBLIOMÉTRICO 2021-10-27T14:05:47+00:00 Ramon Alves de Oliveira ramonalves@yahoo.com.br Danilo de Melo Costa danilomct@gmail.com <p>Este artigo pretende realizar uma análise bibliométrica do estado atual da pesquisa de “marca” e “gestão da marca”, buscando identificar autores e países mais produtivos ao longo do tempo, análise de publicações, cooperação entre autores, co-ocorrências de palavras-chave para visualizar a estrutura conceitual do campo do conhecimento. Utilizou-se a base de dados Scopus Elsevier, contemplada no Portal Capes. Os seis grandes grupos de investigação contemplaram as palavras: “Brand”; “Brand Management”; “Brand Hatred”; “Brand Loyalty”; “Brand and Educational Institution”; “Brand Management and Educational Institution”. A proposta de pesquisa foi: TITLE-ABS-KEY a fim de levar em consideração diferentes pesquisas que contemplaram o construto. Percebe-se que as temáticas aqui abordadas contribuem para a pesquisa acadêmica em quantidade, mediante número de publicações e relevância, mediante os trabalhos citados. Não obstante, a análise bibliométrica também permitiu concluir que há uma lacuna ao observar a busca pelas palavras-chave Brand hatred; Hate the Brand; e Education Institution, as quais não constaram publicações na base de dados Scopus. Diante dessa lacuna, sugere-se que sejam realizados estudos voltados para o ódio à marca e o ódio à marca em instituições de ensino e gestão da marca como fator de estratégia de retenção e promoção da lealdade e fidelização de alunos.</p> 2021-10-27T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Economia e Políticas Públicas https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4737 GÊNERO E DESIGUALDADE NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES DE TRABALHO ENTRE HOMENS E MULHERES NO BRASIL NO ANO DE 2018 2021-11-20T22:02:56+00:00 Maria Clara Maia mariaclarammaia@outlook.com.br Arthur Ribeiro Queiroz mariaclarammaia@outlook.com.br <p>O presente estudo tem por objetivo traçar um panorama dos padrões de l, por setores de atividades, entre homens e mulheres com foco na realidade brasileira. Através da Pesqui- sa Nacional de Amostra de Domicílios de 2018 (PNAD 2018), buscou-se analisar a composição dos setores de atividades por sexo; a diferença de rendimento mensal do trabalho principal entre os setores; a diferença de rendimento mensal por setor de atividade entre os sexos; e avaliar de for- ma integrada a diferença salarial entre os sexos, traçando um panorama recente para as desigualdades entre gênero e trabalho no Brasil. Os dados apresentados refletem a persistência das desigualdades de gênero no que diz respeito ao mercado de trabalho.</p> <p><br>Palavras-Chave: Gênero; Trabalho; Desigualdades.</p> 2021-11-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Economia e Políticas Públicas https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4696 DESEMPREGO TECNOLÓGICO NA INDÚSTRIA: UMA ANÁLISE SOBRE O SETOR TÊXTIL NO BRASIL 2021-10-27T14:19:41+00:00 Guilherme Barbosa de Oliveira guilhermeboliveira13@gmail.com <p>O progresso técnico é estudado desde os primeiros economistas. As discussões sobre o tema afirmam que essa variável é de suma importância para o crescimento econômico, entretanto o trabalho humano empregado na produção é reduzido. Partindo dessa constatação, o objetivo desta pesquisa é analisar as implicações do progresso técnico no desemprego do setor têxtil brasileiro. É uma pesquisa bibliográfica, descritiva e analítica. Conclui-se que o setor têxtil brasileiro possui desemprego tecnológico, onde progresso técnico gerou aumentos na produção, todavia, desempregou trabalhadores com menos qualificação profissional.</p> 2021-10-27T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Economia e Políticas Públicas https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4722 EMPREENDEDORISMO FEMININO NO NORTE DE MINAS GERAIS - ALGUMAS CIDADES, MUITAS PERSPECTIVAS 2021-11-11T18:45:03+00:00 June Marize Castro Silva june.silva@unimontes.br Cezar Karpinsk cezar.karpinski@gmail.com Eline Cecília Ribeiro da Costa elineceliarc@gmail.com Fabrícia Aparecida Gonçalves Costa Costa fabriciagcosta@yahoo.com.br Vanessa Rodrigues Mendes vanessarm1384@gmail.com Miguel Augusto de Oliveira Neto migueldoesporte2020@gmail.com Edileuza Rodrigues Neves edileuzarodrigues92@yahoo.com.br <p>O presente estudo tem como objetivo geral analisar as<br>características do empreendedorismo feminino nos municípios de Brasília de Minas, Campo Azul, <br>Icaraí de Minas, São Francisco e Várzea da Palma. E teve como objetivos específicos: identificar o <br>perfil das empreendedoras relacionadas aos municípios base do estudo; expor os principais desafios <br>no momento de empreender; e, apresentar as características das empreendedoras. Para <br>tal finalidade, realizou-se uma pesquisa de natureza <br>descritiva e abordagem quantitativa. A técnica de amostragem utilizada foi a snowball, já <br>que a indicação facilita o processo de coleta de dados. Para coletar os dados, utilizou-se <br>como principal fonte de evidências o questionário on-line realizado por meio da plataforma <br>Google Forms, com 179 respondentes. Com os resultados da pesquisa ficou evidenciado que o <br>empreendedorismo feminino nas cidades de Brasília de Minas, Campo Azul, Icaraí de Minas, São <br>Francisco e Várzea da Palma é composto em sua maioria por mulheres de 20 a 29 anos, solteiras, com <br>curso superior completo e com filhos. Concluiu-se, portanto, que, estudos que visam <br>entender e quantificar o papel feminino no empreendedorismo das cidades do Norte de Minas <br>Gerais, são de grande relevância para aqueles que<br>buscam criar um negócio e obter sua independência financeira.</p> <p>Palavras-Chave: Empreendedorismo Feminino; Norte de Minas; Gênero; Trabalho.</p> <p>&nbsp;</p> 2021-11-11T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Economia e Políticas Públicas