https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/issue/feed Revista Economia e Políticas Públicas 2021-01-22T18:18:48+00:00 Prof. Marcos Fábio revista.epp@unimontes.br Open Journal Systems <p>A Revista <strong>ECONOMIA E POLÍTICAS PÚBLICAS (ISSN 2318-647X</strong>) é um periódico eletrônico do Departamento de Economia da Universidade Estadual de Montes Claros, mantida em parceria com a Fundação João Pinheiro.<br />Quanto ao seu conteúdo, sua ênfase é na difusão do conhecimento em economia, história econômica e políticas públicas, especialmente pesquisas inéditas. Aceitam-se também contribuições de outras ciências sociais com temáticas relacionados a revista.</p> https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/3733 APRESENTAÇÃO 2021-01-22T17:20:11+00:00 Luís Antonio Paulino revista.epp@unimontes.br 2021-01-22T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Economia e Políticas Públicas https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/3734 HÁ ALGUMA LUZ NO FIM DO TÚNEL? UM BREVE BALANÇO DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2019 E PERSPECTIVAS PARA 2020 2021-01-22T17:28:10+00:00 Luís Antonio Paulino luis.paulino@unesp.br <p>Depois de um resultado frustrante em 2019, há um certo consenso entre os analistas econômicos de que, em 2020, a economia brasileira deverá crescer entre 2 e 2,5%. O governo aposta que os juros baixos, os investimentos privados e a retomada do consumo, aliados à agenda de reformas em curso, farão a economia brasileira retomar uma trajetória de crescimento sustentado e não apenas uma retomada cíclica, de folego curto. Este artigo aponta os riscos que podem levar a que essas expectativas otimistas possam ser novamente frustradas.&nbsp;</p> 2021-01-22T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Economia e Políticas Públicas https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/3735 ESTADO, NEOLIBERALISMO E CRISE: TRANSFORMAÇÕES NA ARGENTINA DURANTE A DÉCADA DE 1990 2021-01-22T17:40:12+00:00 Luiz Eduardo Simões de Souza luiz.souza@ufma.br Laryssa Costa Silva revista.epp@unimontes.br <p>No intento de se analisar a relação entre o Estado e o Capital, na Argentina, no contexto da ideologia neoliberal, vigente, principalmente, nos países latino-americanos no período pós-1970. Busca-se, através deste, apresentar um contraponto entre a aplicação dessa agenda de política econômica com algumas características das experiências desenvolvimentistas, ocorridas no período pós-1929 e nos desdobramentos políticos do país, os quais viram a imposição dessas políticas neoliberais iniciadas sob a Ditadura Militar (1976 - 1982) e impulsionadas na implementação da agenda neoliberal da década de 1990.&nbsp;</p> 2021-01-22T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Economia e Políticas Públicas https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/3736 RELAÇÃO ENTRE A TAXA EFETIVA DE IMPOSTO E OS INDICADORES DE RENTABILIDADE DAS EMPRESAS BRASILEIRAS: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL PARA O PERÍODO DE 2007-2018 2021-01-22T17:53:43+00:00 Wagner de Paulo Santiago revista.epp@unimontes.br Geraldo Alemandro Leite Filho revista.epp@unimontes.br Raiane Benevides Ferreira revista.epp@unimontes.br Paulo Ricardo da Cruz Prates revista.epp@unimontes.br <p>O estudo buscou verificar a relação entre os indicadores de rentabilidade (ROE e ROIC) e a a Taxa de Imposto Efetiva (ETR) das empresas brasileiras de capital aberto cadastradas na B3. A metodologia emprega foi a de dados em Painel com efeitos fixos clusterizados para o período de 2007-2018. Os principais resultados obtidos evidenciaram que o ROE e o tamanho possuiram relação negativa com a ETR. Por outro lado, o ROIC, Alavancagem Financeira e Endividamento apresentaram uma relação positiva com a ETR, ou seja, um aumento nestas variáveis também aumenta a ETR. Os resultados obtidos através do modelo adotado sugeriram que os indicadores de rentabilidade e de alavancagem têm sobre a ETR, considerado as diferenças temporais e espaciais, medida por meio do método de dados em painel curto fortemente balanceado com efeitos fixos clusterizados.</p> 2021-01-22T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Economia e Políticas Públicas https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/3737 A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS VERDES NO ESPAÇO URBANO DE MONTES CLAROS –MG 2021-01-22T18:00:16+00:00 Carlos Alexandre de Bortolo revista.epp@unimontes.br Vivânia Pereira Domingues de Santana revista.epp@unimontes.br <p>O presente artigo tem por objetivo propor reflexões e avaliações das práticas sobre o planejamento das áreas verdes no espaço urbano de Montes Claros. Serão abordados as características físicas e os aspectos históricos da cidade, bem como a importância das áreas verdes na qualidade de vida da população reforçando os valores de coexistência sustentável na relação cidade e natureza. Utiliza-se uma revisão de ideias conceituais que definem e classificam as principais funções das áreas verdes públicas.<br>As diferentes concepções e perfis caracterizam esses espaços representados hoje, pelos parques, praças, jardins e arborização de acompanhamento viário. A reavaliação dessas áreas evidencia a necessária adoção de uma estrutura verde local e, atitudes que possibilitam implantar, recuperar, preservar a fauna e a flora, tornando a vida urbana mais bonita, mais natural e mais saudável na promoção da saúde pública.</p> 2021-01-22T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Economia e Políticas Públicas https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/3738 A PARTICIPAÇÃO NO TERRITÓRIO E AS IMPLICAÇÕES PARA A CONDIÇÃO SOCIAL DE UM MUNICÍPIO: UMA ANÁLISE EMPÍRICA PARA O ESTADO DE GOIÁS (2010) 2021-01-22T18:15:52+00:00 Karine Aparecida Obalhe da Silva Piorski karineobalhe@gmail.com César Ricardo Leite Piorski piorski@ufu.br Dinny Kelly Borges dinnykelly0507@gmail.com <p>O presente trabalho tem como objetivo, analisar empiricamente, a<br>política de desenvolvimento territorial em Goiás, de modo a identificar a<br>relação entre a participação de um município em território rural goiano e a<br>melhora de seus indicadores sociais relevantes. Para tanto, estimou-se um<br>modelo de regressão linear com variáveis instrumentais. No Brasil, o<br>enfrentamento da pobreza rural ocorre por meio da política de<br>desenvolvimento territorial. E neste sentido, arranjos sócioprodutivos<br>territoriais, economicamente deprimidos, foram induzidos por políticas<br>públicas pautadas em ações top down e botton-up para o desenvolvimento.<br>Passados mais de 10 anos de muitas estratégias de políticas adotadas, das<br>quais sobressaem os Territórios da Cidadania, a literatura teórico-empírica<br>se encontra no estado de discussão das potencialidades e limites das<br>territoriedades rurais, de modo a realçar, inclusive, os desafios para<br>estratégias endogenistas e de políticas de desenvolvimento territorial. Os<br>resultados do presente trabalho sugerem que os Territórios goianos, no<br>tocante as suas condições socioeconômicas, corroboram com o ceticismo<br>quanto ao êxito das políticas de desenvolvimento territorial, na medida em<br>que, a participação de um município no território tem efeito inverso na<br>melhora do seu Indicador Social (IS).</p> 2021-01-22T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2021 Revista Economia e Políticas Públicas