Revista Economia e Políticas Públicas https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas <p>A Revista <strong>ECONOMIA E POLÍTICAS PÚBLICAS (ISSN 2318-647X</strong>) é um periódico eletrônico do Departamento de Economia da Universidade Estadual de Montes Claros, mantida em parceria com a Fundação João Pinheiro.<br />Quanto ao seu conteúdo, sua ênfase é na difusão do conhecimento em economia, história econômica e políticas públicas, especialmente pesquisas inéditas. Aceitam-se também contribuições de outras ciências sociais com temáticas relacionados a revista.</p> Editora Unimontes pt-BR Revista Economia e Políticas Públicas 2318-647X ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE CADEIAS PRODUTIVAS ENTRE 2012 E 2018 https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4932 <p>O objetivo deste trabalho é desenvolver um levantamento da produção científica brasileira sobre cadeias produtivas no Portal de Periódicos CAPES, de janeiro de 2012 a junho de 2018, identificando as áreas de inserção, as principais revistas, o ano de publicação, o método, a abordagem e o conceito de cadeia produtiva de cada trabalho. A abordagem usada foi a revisão sistemática. Após algumas filtragens, a amostra ficou composta por 53 artigos, dos quais a maioria utilizou a metodologia de descrição e estudo das interações do sistema produtivo. Quanto às áreas, tem-se que pecuária, agricultura e alimentos são as mais pesquisadas. Tal resultado evidencia que o conceito de cadeia produtiva, que nasceu atrelado à agricultura, embora tenha sido expandido a outras áreas nos últimos anos, continua fortemente ligado a esta área. Além disso, ficou evidente a dispersão dos artigos, uma vez que não há um periódico concentrando um grande número de publicações sobre o tema em questão.&nbsp; Também foi possível perceber uma tendência de queda na quantidade de trabalhos publicados sobre cadeias produtivas. Dos 53 artigos, a maioria é do tipo estudo de caso (73,58%). Por sua vez, a abordagem mais usada é a qualitativa, correspondendo a 67,92% dos artigos analisados.&nbsp;</p> Jamaika Prado Gisele Gonçalves Brito Isabella Oliveira Martins Marcelo Lacerda Rezende Copyright (c) 2022 Revista Economia e Políticas Públicas 2022-02-11 2022-02-11 9 2 10 33 10.46551/epp2021921 EFICIÊNCIA DO GASTO PÚBLICO EM EDUCAÇÃO PARA OS MUNICÍPIOS DO CAMPO DAS VERTENTES EM MINAS GERAIS PARA O ANO DE 2019 https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4933 <p>O objetivo deste estudo é determinar a eficiência relativa dos gastos públicos com educação fundamental para todos os municípios da mesorregião do Campo das Vertentes em Minas Gerais, que é composta por 36 municípios. Para tal, foram avaliados dois inputs: gasto por aluno e número de alunos por professor; e dois outputs: notas no IDEB e números de matrículas no ensino fundamental, através de técnicas de Análise Envoltória de Dados (DEA). Dessa forma, usando o software SIADV 3.0 pela ótica de eficiência modelo BCC com orientação output, um município será considerado eficiente se apresentar escore igual a 1,0. Contudo, pôde-se verificar um alto nível de ineficiência no gasto público em educação, visto que apenas 7 municípios obtiveram escore máximo. Vale ressaltar ainda, que o município mais ineficiente, isto é, com o menor escore, é uma das menores redes de educação da amostra. Por outro lado, foi constatado que municípios com maiores gastos per capita, não são considerados eficientes de acordo com os resultados obtidos, rejeitando assim, a hipótese de que os que possuem elevados gastos per capita apresentam maior eficiência. Por fim, conclui-se que a educação fundamental necessita de mudanças para que haja um maior e melhor nível de eficiência no sistema educacional brasileiro.</p> Marlon Bruno Salazar Bruno Rodrigues Pereira Copyright (c) 2022 Revista Economia e Políticas Públicas 2022-02-11 2022-02-11 9 2 34 63 10.46551/epp2021922 A EFICIÊNCIA DOS GASTOS MUNICIPAIS EM EDUCAÇÃO NO ESTADO DO PARANÁ https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4934 <p>Este estudo objetiva avaliar a eficiência dos gastos públicos no ensino fundamental nos municípios do Estado do Paraná no ano de 2017. Foi utilizada a Análise Envoltória de Dados (DEA), que consiste em um método de programação matemática, capaz de medir as eficiências técnica, de escala e total para a relação produto/insumo. A pesquisa é classificada como quantitativa, descritiva de resultados e os softwares <em>R, SPSS e QGIS</em> foram utilizados na análise de resultados. Os resultados indicam que não necessariamente uma maior alocação de recursos proporcionará melhores resultados, diante de uma aplicação ineficiente. Ademais, o nível médio de eficiência técnica dos municípios é de 58,5%, com um desvio padrão de 17,5; isso significa que os municípios podem, em média, reduzir 41,5% dos insumos sem comprometer seus resultados. Na análise da eficiência da relação <em>outputs/inputs</em> na educação dos municípios paranaenses por meio das possíveis combinações dos tipos de retornos e, com base nos dados, conclui que mudanças nas práticas de gestão se fazem necessárias, dado que o aporte de novos recursos financeiros não irá impactar o desempenho da maioria dos municípios.</p> Wanderson Dutra Gresele Eliana Cunico Copyright (c) 2022 Revista Economia e Políticas Públicas 2022-02-11 2022-02-11 9 2 64 91 10.46551/epp2021923 CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E FINANCEIRAS PESSOAIS: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS CLASSES SOCIAIS https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4935 <p>O objetivo do trabalho foi verificar se houve diferenças significativas entre as características socioeconômicas e financeiras das pessoas quando separadas por classes sociais. A pesquisa foi descritiva com dados secundários de uma amostra de 2653 respondentes. Concluiu-se que a Classe A apresentou a menor média de filhos, a Classe C apresentou menores médias de renda familiar enquanto a Classe A apresentou maior renda, condições de trabalho mais estáveis nas Classes A e B, enquanto a Classe C apresentou o maior número de pessoas com trabalhos informais e condições de emprego instáveis e também o maior número de pessoas desempregadas. &nbsp;Concluiu-se ainda que a Classe A apresentou maior escolaridade e maior letramento financeiro, houve o maior percentual de pessoas sem dívidas e de pessoas com baixo endividamento enquanto na classe C apresentou maior percentual de pessoas super endividada.&nbsp; Concluiu-se ainda que a Classe C apresentou o maior percentual de pessoas com forte tendência de não ser consumista e maiores percentuais de descontrole financeiro. Concluiu-se ainda que os atributos “número de filhos, renda familiar, situação laboral, estado civil, escolaridade, uso do cartão de crédito, uso de controles financeiros pessoais e níveis de endividamento pessoal” foram estatisticamente diferentes entre as classes sociais. &nbsp;&nbsp;</p> Geraldo Alemandro Leite Filho Copyright (c) 2022 Revista Economia e Políticas Públicas 2022-02-11 2022-02-11 9 2 92 115 10.46551/epp2021924 “QUANDO O DINHEIRO ENTRA NA TRIBO”: A MONETARIZAÇÃO DA VIDA PAITER SURUÍ (1969-1990) https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4936 <p><span style="font-size: 10.0pt;">O artigo que segue partiu da hipótese de que o avanço da economia madeireira, no território rondoniense, provocou a monetarização da vida dos Paiter Suruí, cuja principal alteração se deu na produção e reprodução da vida material: se antes havia um forte sentido comunal e de coletividade, esse processo passou a ser intermediado pela lógica monetária, acumulatória e individual. O objetivo geral deste estudo foi identificar as transformações na vida dos Paiter Suruí após a monetarização das relações sociais. Especificamente: a investigação buscou historicizar as mudanças e apontar os impactos sociais causados pela lógica monetária na vida dos Paiter Suruí. Como suporte teórico a pesquisa utilizou entre outros teóricos, Georg Simmel, para qual a economia do dinheiro é que determina as relações sociais na modernidade. Para o filosofo alemão nas sociedades pré-monetárias, o indivíduo depende diretamente da coletividade para sua existência, após a monetarização os indivíduos passam a exercer cada vez mais o individualismo, marcado por uma lógica relacional de compra e venda do tempo, das relações sociais e do trabalho.</span></p> Carlos Alexandre Barros Trubiliano Bruno Surui Copyright (c) 2022 Revista Economia e Políticas Públicas 2022-02-11 2022-02-11 9 2 116 133 10.46551/epp2021925 TEORIA MONETÁRIA MODERNA E OS ENTES SUBNACIONAIS: O QUE A TEORIA MONETÁRIA MODERNA TEM A DIZER SOBRE A SITUAÇÃO FISCAL DO RIO GRANDE DO SUL https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4938 <p>O presente artigo busca fazer uma discussão sobre a interpretação que a Teoria Monetária Moderna (TMM) pode alcançar sobre a conjuntura de deterioração fiscal dos entes federados brasileiros, cujo destaque é a situação do governo gaúcho, justamente por ser um caso emblemático no cenário nacional. O trabalho conta com uma síntese sobre o entendimento da Teoria Monetária Moderna quanto a funcionalidade do orçamento público, além de apresentar o cenário fiscal gaúcho dos últimos anos e uma breve discussão sobre a forma geral de financiamento dos estados brasileiros. Por fim, o artigo conclui que a TMM, dentro da negação pela austeridade fiscal prolongada e entendendo as atribuições institucionais brasileiras, contribui intelectualmente para uma agenda nacional de socorro aos estados por meio do orçamento público da união.</p> Rafael Pahim Copyright (c) 2022 Revista Economia e Políticas Públicas 2022-02-11 2022-02-11 9 2 134 153 10.46551/epp2021926 PARA UMA HISTÓRIA DAS CONTAS NACIONAIS NO BRASIL: ORIGENS https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4939 <p>Trata-se de uma primeira incursão em uma narrativa da implementação e desenvolvimento do Sistema de Contas Nacionais (SCN) do Brasil, criado em 1952, seguindo diretrizes da Organização das Nações Unidas. O processo de instauração, consolidação, emprego de metodologias e interpretação das diretrizes da ONU esteve, nesses quase setenta anos da adoção do sistema, longe de uma estabilidade que permitisse dados consistentes à interpretação da economia brasileira. A Fundação Getúlio Vargas e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística disputaram a primazia do cálculo e a divulgação dos dados por mais de quatro décadas, além de interferências no contexto externo, que causaram divergências de entendimento e diversas revisões às séries, que são apresentadas hoje ainda como fontes capazes de fornecer coerência ao analista. Neste texto, busca-se apresentar algumas primeiras considerações para debate sobre esse tema das políticas públicas na história do Brasil republicano pós-guerra.</p> <p>Palavras-chave: Sistema de Contas Nacionais; Economia Brasileira; História Econômica.</p> Luiz Eduardo Simões de Souza Copyright (c) 2022 Revista Economia e Políticas Públicas 2022-02-11 2022-02-11 9 2 154 165 10.46551/epp2021927 O IMPACTO DA QUALIDADE DE VIDA ATRAVÉS DOS PROCESSOS DE CULTURA ORGANIZACIONAL ALIADA A GESTÃO ESTRATÉGICA NO SETOR PÚBLICO https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4944 <p>A junção das atividades ao bem-estar dos trabalhadores no que diz respeito à qualidade de vida no trabalho tem ganhado cada vez mais destaque. O objetivo geral do estudo foi analisar o impacto da qualidade de vida no trabalho através dos processos de cultura organizacional aliada a gestão estratégica no setor público em um órgão de ensino superior no município de Montes Claros. Os procedimentos metodológicos aplicados nesta pesquisa seguiram as delimitações propostas da pesquisa “As influências da cultura organizacional na prestação de serviços públicos”, assim trata-se de um estudo de natureza aplicada, exploratória e descritiva. Para a análise e identificação foi utilizado o Instrumento Brasileiro para Avaliação da Cultura Organizacional – IBACO adaptado à realidade do setor público, o questionário dispôs de 43 perguntas distribuídas em 06 fatores entre Valores e Práticas Organizacionais, foram utilizadas técnicas de estatística com escala Likert de cinco pontos para<br>mensuração do grau da cultura organizacional. A amostra foi composta por 50 respondentes da área administrativa de uma instituição pública de ensino superior, obtendo 47 retornos. Após as análises dos dados em relação aos resultados do IBACO, pode-se entender a Cultura Organizacional moderada, que quer dizer que a instituição cumpre suas metas e atende as necessidades do usuário, no entanto seus colaboradores transitam por um ambiente cordial e diplomático, onde a qualidade de vida no trabalho é tida como baixa, o que foi descrito pela insatisfação dos servidores. Portanto, acerca da temática delimitada é possível contribuir com à instituição pesquisada demonstrando que as proposições afincadas podem ser reposicionadas, com a finalidade de propiciar um melhor bem-estar e produtividade; e viés preventivo em organizações públicas instaurar um plano de<br>qualidade de vida no trabalho.</p> <p><br>Palavras-chave: Qualidade de Vida no trabalho, Cultura Organizacional, Planejamento Estratégico e Setor<br>Público.</p> CARLOS ALEXANDRE DE BORTOLO LETÍCIA BARBOSA SANTOS Copyright (c) 2022 Revista Economia e Políticas Públicas 2022-02-11 2022-02-11 9 2 166 183 10.46551/epp2021928 O PROGRAMA MAIS MÉDICOS: CONCEPÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO E O PAPEL DA MÍDIA https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4945 <p>Introdução: O Programa Mais Médicos (PMM) foi um esforço de qualificação da Atenção Primária a Saúde (APS) no Brasil. Den- tre seus eixos, englobavam-se o aumento do número de profissionais médicos na APS e a melhor distribuição destes pelo território nacional, objetivando a redução das desigualdades em saúde. Após aprovado como projeto de lei, sua implementação, em 2013, passou por desafios e conquistas, atrelando-se a opiniões divergentes sobre seus benefícios à saúde do país. Nesse sentido, a mídia teve papel importante, representando a principal fonte informativa e influenciando diretamente no significado que o programa possuiria. Objetivo: O presente estudo tem como objetivo abordar os pontos da concepção e implementação do PMM, bem como a relação deste com o poder midiático da época, analisando a importância da imprensa para a aceitação da população ao programa. Método: Realizou-se revisão bibliográfica que levantou estudos de mídia e de políticas públicas e compilou-se os resultados conforme as etapas do programa. Conclusão: A partir dos resultados, conclui-se que o processo de concepção foi regulamentado e embasado em indica- dores de saúde fidedignos, assim como sua implementação representou melhorias para a APS exercendo a mídia grande influência para o real significado que o programa obteve para a população.</p> <p>Palavras-Chave: Acesso à informação; Atenção Primária à Saúde; Administração em Saúde Pública</p> Murilo Fahel Silvio Ferreira Júnior Luis Felipe Marinho Costa Carina Silva de Freitas Nathália Alves Santana Copyright (c) 2022 Revista Economia e Políticas Públicas 2022-02-11 2022-02-11 9 2 184 211 10.46551/epp2021929 ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS DESTINADOS AO COMBATE DA COVID-19 NA MICRORREGIÃO DE MONTES CLAROS https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4946 <p>Este trabalho tem por objetivo realizar uma análise das contas municipais referentes aos recursos e despesas municipais na microrregião de Montes Claros, exclusivos para enfrentamento e combate à pandemia da COVID-19, além de confrontar recursos recebidos com o número de casos e óbitos dos municípios investigados, no exercício financeiro de 2020. Para tratar os dados foi efetuado um levantamento dos recursos recebidos e apurado a despesa por fonte de recursos na esfera Federal, Estadual e Municipal, tendo como estrutura a classificação da despesa pública por natureza. Dessa maneira, ficou evidente a baixa concentração da despesa pública na Despesa de Capital, verificando um pequeno investimento na estruturação dos ambientes hospitalares, sendo notório também a grande concentração da despesa pública nas despesas com pessoal e encargos sociais, no período estudado, demostrando a política de gestão na microrregião. Conclui-se que esse tipo de análise pode servir de ferramenta de gestão financeira pública, planejamento financeiro, tomada de decisão para os gestores e matéria para fiscalização dos órgãos competentes.</p> Wagner de Paulo Santiago Luis Fernando Pereira Souto Magalhães Cláudio José Rodrigues Ribeiro Jerfeson Gonçalves Costa Lucas Duarte Miranda Copyright (c) 2022 Revista Economia e Políticas Públicas 2022-02-11 2022-02-11 9 2 212 244 10.46551/epp2021930 APRESENTAÇÃO https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4947 Revista Economia e Políticas Públicas Copyright (c) 2022 Revista Economia e Políticas Públicas 2022-02-11 2022-02-11 9 2 06 09 SUMÁRIO https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/economiaepoliticaspublicas/article/view/4948 Revista Economia e Políticas Públicas Copyright (c) 2022 Revista Economia e Políticas Públicas 2022-02-11 2022-02-11 9 2 04 05