O CONSUMO NA CIDADE DE SÃO PAULO EM CENÁRIO DE PANDEMIA: INVESTIGAÇÃO DO PERÍODO DE MARÇO DE 2020 A MARÇO DE 2021

Autores

  • Natânia Silva Ferreira Faculdade Anclivepa de Gestão e Humanologia (FAGH)
  • Sueli de Sousa aculdade Anclivepa de Gestão e Humanologia (FAGH)

DOI:

https://doi.org/10.46551/epp2021938

Resumo

Resumo: Os impactos mais profundos e graves da pandemia de Covid-19 para a vida de diversas pessoas dizem respeito à saúde física e mental. Vale ressaltar, entretanto, que a pandemia afetou o cotidiano da população de maneiras distintas, e podemos considerar consequências para outras áreas da vida, como a financeira, que está relacionada com hábitos econômicos, sociais, culturais e de consumo. O objetivo deste artigo é o de analisar o consumo na cidade de São Paulo durante uma fase da pandemia de Covid-19, considerando março de 2020 a março de 2021. A principal fonte de dados foi um questionário aplicado a uma amostra aleatória de residentes das cinco regiões de São Paulo (Norte, Sul, Leste, Oeste, Centro). Foi possível notar alterações em hábitos de consumo e novas formas de consumir, decorrentes das transformações econômicas, sociais e culturais oriundas do
contexto pandêmico.

Palavras-Chave: Consumo. Consumidores. São Paulo. Pandemia. Hábitos de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natânia Silva Ferreira, Faculdade Anclivepa de Gestão e Humanologia (FAGH)

Doutora em Desenvolvimento Econômico pelo Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (IE-UNICAMP). Docente da Faculdade Anclivepa de Gestão e Humanologia (FAGH) e Mentora do Núcleo de Estudos do Consumo (NECON) da Instituição. São Paulo capital, Brasil.

Sueli de Sousa, aculdade Anclivepa de Gestão e Humanologia (FAGH)

Discente do curso de Gestão de Recursos Humanos da Faculdade Anclivepa de Gestão e Humanologia (FAGH) e Colaboradora do Núcleo de Estudos do Consumo (NECON) da Instituição. São Paulo capital, Brasil.

Referências

Dicionários:

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez & latino: aulico, anatomico, architectonico ... Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus. 8 v. Disponível em: http://dicionarios.bbm.usp.br/pt-br/dicionario/edicao/1. Acesso em: 23/06/2020, 1789.

HOUAISS, Antonio. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009. Disponível em: http://www.institutofsbpesquisa.com.br/. Acesso em: 23/06/2020.

SANDRONI, Paulo. Novíssimo dicionário de Economia. São Paulo: Editora Best Seller, 1999.

SILVA, Antonio Moraes. Diccionario da lingua portuguesa. Lisboa: Typographia Lacerdina. Disponível em: http://dicionarios.bbm.usp.br/pt-br/dicionario/edicao/2. Acesso em: 23/06/2020, 1890.

SILVA, Kalina Vanderlei; SILVA, Maciel Henrique. Dicionário de conceitos históricos. 3 ed. São Paulo: Contexto, 2015.

Referências Bibliográficas:

ARAÚJO, Tânia Maria de; LUA, Iracema. “O trabalho mudou-se para casa: trabalho remoto no contexto da pandemia de COVID-19”. Ensaio. Dossiê Covid-19 e Saúde do Trabalhador. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 2021; 46: e27. (Online), p. 1-11.

ARAÚJO, Iara Soares de; BRANDÃO, Viviane Bernadeth Gandra. “Trabalho e renda no contexto da Pandemia de Covid-19 no Brasil. Revista Prâksis, Novo Hamburgo, a. 18, n. 2, mai./ago., 2021, p. 96-111.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. 2 ed. Tradução de Daniela Kern e Guilherme Teixeira. Porto Alegre: Zouk, 2011.

BRAUDEL, Fernand. Civilização Material, Economia e Capitalismo (séculos XV-XVIII) – Vol. 1: As estruturas do cotidiano: o possível e o impossível. Tradução de Telma Costa. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BRITO, Sávio Breno Pires et all. “Pandemia da COVID-19: o maior desafio do século XXI”. Revista Visa em Debate – sociedade, ciência e tecnologia. Fiocruz. Vigil sanit. debate, 2020; 8(2), p. 54-63.

CANO, Wilson. Raízes da Concentração Industrial em São Paulo. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Econômico) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1975.

CHASE, Stuart. “Nota prévia”. In: VEBLEN, Thorstein. A teoria da classe ociosa (Um estudo econômico das instituições). Tradução de Olivia Krähenbühl. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1965.

COSTA, Simone da Silva. “Pandemia e desemprego no Brasil”. Revista de Administração Pública. Rio de Janeira 54(4), jul./ago., 2020, p. 969-978.

DOUGLAS, Mary; ISHERWOOD, Baron. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2004.

KEYNES, John Maynard. A Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

FERREIRA, Natânia Silva. O consumo na capital criada nos anseios da modernidade da Primeira República – Belo Horizonte (1894-1930). Tese (Doutorado em Desenvolvimento Econômico) – Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2022.

FREITAS; NAPIMOGA; DONALISIO. “Análise da gravidade da pandemia de Covid-19”. Epidemiol. Serv. Saúde. Brasília, 29(2) : e2020119, 2020, p. 1-5.

JEVONS, William Stanley. A Teoria da Economia Política. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

MCCRACKEN, Grant David. Cultura e Consumo – novas abordagens ao caráter simbólico dos bens e das atividades de consumo. Tradução de Fernanda Eugenio. Rio de Janeiro: MAUAD, 2003.

MILL, John Stuart. Princípios de Economia Política. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

MILLER, Daniel. “Consumo como cultura material”. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 13, n. 28, p. 33-63, jul./dez. 2007.

OLIVEIRA, Milena Fernandes de. O mercado do prestígio: consumo, capitalismo e modernidade na São Paulo da “Belle Époque” (1890-1914). São Paulo: Alameda, 2014.

PINHO, Lucinéia de et all. “Pandemia da Covid-19: Impactos à renda e ao aumento do Consumo de alimentos ultraprocesssados”. Revista Unimontes Científica – RUC, Montes Claros (MG), Brasil, v. 22, n. 2, jul./dez., 2020, p. 1-15.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. [recurso eletrônico]. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

SANTOS; Walter Rodrigo das Neves; DIB, Alfredo. “Inovação do E-commerce Brasileiro na Pandemia”. Econômica – Niterói, v. 22, n. 1, p. 95–115, Junho, 2020.

SILVA, Sérgio. Expansão Cafeeira e Origens da Indústria no Brasil. São Paulo: Alfa Omega, 1976.

VEBLEN, Thorstein. A teoria da classe ociosa (Um estudo econômico das instituições). Tradução de Olivia Krähenbühl. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1965.

Sites consultados:

DEAK, Mariel; CERQUEIRA, Claudia. Diagnóstico do estado de São Paulo e suas regiões. Diretoria de Análise de Dados – Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Produtividade e Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: https://www.desenvolvimentoeconomico.sp.gov.br/Content/uploads/Boletim%20diagnostico%20SP.pdf. Acesso em 26/04/2022.

LOFT BLOG. “Guia da Zona Oeste de SP: quais os bairros e as características da região”. 23/12/2021. Disponível em: https://blog.loft.com.br/morar-zona-oeste-sp/. Acesso em 26/04/2022.

https://mundoeducacao.uol.com.br/geografia/cidade-de-sao-paulo.htm. Acesso em 27/04/2022.

VEJA SP. “Zona Sul concentra maioria de desempregados na cidade de São Paulo”. 24/01/2020. Disponível em: https://vejasp.abril.com.br/cidades/zona-sul-concentra-maioria-dos-desempregados-na-cidade-de-sao-paulo/. Acesso em 26/04/2022.

Downloads

Publicado

2022-09-05

Edição

Seção

Artigos