IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO DE RISCOS: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE ECONOMIA MISTA PRESTADORA DE SERVIÇO PÚBLICO

Autores

  • Paulo Henrique Vieira Gomes Universidade de Brasília (UNB)
  • Anna Karine Moitas Universidade de Fortaleza (UNIFOR)
  • Sabrina Leitão Mainardi Universidade Federal do Ceará (UFC)

DOI:

https://doi.org/10.46551/epp2021935

Resumo

Resumo: O presente artigo tem como objetivo principal apresentar o processo de implementação da gestão de riscos corporativos, em uma sociedade de economia mista prestadora de serviço público, com a finalidade de expor a metodologia utilizada e relatar os desafios encontrados. Para isso foi realizada uma pesquisa qualitativa, utilizando-se de um estudo de caso como procedimento técnico, e como instrumento de pesquisa a observação participativa. Como principais resultados, foi
possível perceber que o processo de implementação do gerenciamento de riscos, idealizado em uma sociedade de economia mista foi executado com influência das principais estruturas COSO ERM e ISO 31000, dando atenção aos riscos envolvidos nos processos, tratando-os no intuito de mitigá-los, proporcionando assim maior garantia no alcance dos objetivos estratégicos da organização.

Palavras-chave: Implementação; estudo de caso; gestão de riscos; controles internos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Henrique Vieira Gomes, Universidade de Brasília (UNB)

Doutorando em Contabilidade pela Universidade de Brasília (UNB).

ORCID: https://orcid.org/0000-0001-5488-3513.

Anna Karine Moitas, Universidade de Fortaleza (UNIFOR)

Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade de Fortaleza (UNIFOR).

ORCID: https://orcid.org/0000-0001-7053-2166.

Sabrina Leitão Mainardi, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-7846-7482.

Referências

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO 31000: Gestão de riscos - Princípios e diretrizes. Rio de Janeiro. ABNT, 2009.

ALMEIDA, M. C. Auditoria: um curso moderno e completo. São Paulo: Atlas, 1996.

AUDIBRA - Instituto dos Auditores Internos do Brasil. Normas brasileiras para o exercício da auditoria interna. 2ª ed. São Paulo: Audibra, 1992.

BRASIL. Lei nº 13.303, de 30 de junho de 2016. Dispõe sobre o estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade de economia mista e de suas subsidiárias, no âmbito da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Brasília, DF, 30 jun. 2016. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13303.htm>. Acesso em: 14 jan. 2022.

BUENO, A. F. Problemas de disclosure no Brasil: o caso das empresas com ações no exterior. Caderno de Estudos, v. 20, n. 1, São Paulo: FIPECAFI, 1999.

COSO - Integrada Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission. Gerenciamento de Riscos Corporativos-Estrutura Integrada, 2007. Disponível em: <https://www.coso.org/Documents/COSO-ERM-Executive-Summary-Portuguese.pdf> Acesso em: 04 jan. 2022.

COSO - Integrada Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission. Controle Interno - Estrutura Integrada, 2013. Disponível em: <http://www.auditoria.mpu.mp.br/bases/legislacao/COSO-I-ICIF_2013_Sumario_Executivo.pdf> Acesso em: 04 jan. 2022.

COSO - Integrada Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission. Enterprise Risk Management Integrating with Strategy and Performance, 2017. Disponível em: <https://www.coso.org/Documents/2017-COSO-ERM-Integrating-with-Strategy-and-Performance-Executive-Summary.pdf> Acesso em: 04 jan. 2022.

DAMODARAN, A. Gestão estratégica do risco: uma referência para a tomada de riscos empresariais. Traduzido por Félix Nonnenmacher. Porto Alegre: Bookman, 2009.

DAVIS, M.D.; BLASCHEK, J.R. de S. Deficiências dos sistemas de controle interno governamentais atuais em função da evolução da economia, 2005 Disponível em: <http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/3268049/DLFE-259741.pdf/0.2..pdf> Acesso em: 04 jan. 2022.

DELOITTE e ICC Brasil - International Chamber of Commerce. Integridade corporativa no Brasil - Evolução do compliance e das boas práticas empresariais nos últimos anos, 2018. Disponível em: <https://www2.deloitte.com/content/dam/Deloitte/br/Documents/risk/DL_ICC_Publica%C3%A7%C3%A3o_v09.pdf> Acesso em: 04 jan. 2022.

FARRELL, J. Internal controls and managing enterprise-wide risks. The CPA Journal, New York State Society of CPA’s, p. 11-12 Aug. 2004.

FAYOL, H. Administração industrial e geral. 9 ed. São Paulo: Atlas, 1981.

FREITAS, W. R. S.; JABBOUR, C. J. C. O estudo de caso(s) como estratégia de pesquisa qualitativa: Fundamentos, roteiro de aplicação e pressupostos de excelência. In: XXX Encontro Nacional de Engenharia de Produção, São Paulo, 2010. Disponível em: <http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2010_tn_sto_122_790_15342.pdf>. Acesso em: 18 jan. 2022.

GIL, A. C. Metodologia do ensino superior. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

GITMAN, L. J. Princípios de Administração Financeira. Tradução Antonio Zoratto Sanvicente. 10 ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley, 2010.

IIA-Brasil – Instituto dos Auditores Internos do Brasil. Declaração de Posicionamento do IIA: As três linhas de defesa no gerenciamento eficaz de riscos e controles, 2013. Disponível em: <https://iiabrasil.org.br//ippf/declaracoes-de-posicionamento> Acesso em: 28 jan. 2022.

IBGC - Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Caderno 3 - Guia de Orientação para Gerenciamento de Riscos Corporativos. São Paulo, 2007. Disponível em <https://conhecimento.ibgc.org.br/Paginas/Publicacao.aspx?PubId=22121> Acesso em: 04 jan. 2022.

IBGC - Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Caderno 19 - Gerenciamento de riscos corporativos: evolução em governança e estratégia. São Paulo, 2017. Disponível em <https://conhecimento.ibgc.org.br/Paginas/Publicacao.aspx?PubId=21794> Acesso em: 04 jan. 2022.

JORION, P.. Value at risk: a nova fonte de referência para a gestão de risco financeiro. Tradução de: Thierry Barbe. 2 ed. São Paulo: BM&F, 1988.

LOPES, M. A. Gestão de riscos e incertezas – base para um futuro sustentável. Notícias. Jornal Correio Braziliense, p. 17, Brasília, 10 mai. 2015. Disponível em: <https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/3107185/artigo-gestao-de-riscos-e-incertezas---base-para-um-futuro-sustentavel> Acesso em: 31 dez. 2021

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de Pesquisa. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

MARTINS, G. A. 2008. Estudo de caso: uma reflexão sobre a aplicabilidade em pesquisas no Brasil. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 2, n. 2, São Paulo: USP, 2008.

MINAYO, M. C. de S. Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

MIRANDA, R. F. de A. Implementando a gestão de riscos no setor público. Belo Horizonte: Forum, 2017.

PADOVEZE, C.L.; BERTOLUCCI, R.G. Gerenciamento do risco corporativo em controladoria: Enterprise Risk Management (ERM). São Paulo: Cengage Learning, 2008.

SANTOS, P. S. M. dos. Gestão de Riscos Empresariais: Um guia prático e estratégico para gerenciar os riscos de sua empresa. Osasco, SP: Novo Século Editora, 2002.

SOLOMON, E.; PRINGLE, J. J. Introdução à administração financeira. São Paulo: Atlas, 1981.

TCU - Tribunal de Contas da União. Critérios Gerais de Controle Interno na Administração Pública. Brasília, 2009. Disponível em: <https://portal.tcu.gov.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=8A8182A15A4C80AD015A4D5CA9965C37> Acesso em: 04 jan. 2022.

YIN. R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3 ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Downloads

Publicado

2022-09-05

Edição

Seção

Artigos