CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E FINANCEIRAS PESSOAIS: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AS CLASSES SOCIAIS

Autores

  • Geraldo Alemandro Leite Filho Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES

DOI:

https://doi.org/10.46551/epp2021924

Resumo

O objetivo do trabalho foi verificar se houve diferenças significativas entre as características socioeconômicas e financeiras das pessoas quando separadas por classes sociais. A pesquisa foi descritiva com dados secundários de uma amostra de 2653 respondentes. Concluiu-se que a Classe A apresentou a menor média de filhos, a Classe C apresentou menores médias de renda familiar enquanto a Classe A apresentou maior renda, condições de trabalho mais estáveis nas Classes A e B, enquanto a Classe C apresentou o maior número de pessoas com trabalhos informais e condições de emprego instáveis e também o maior número de pessoas desempregadas.  Concluiu-se ainda que a Classe A apresentou maior escolaridade e maior letramento financeiro, houve o maior percentual de pessoas sem dívidas e de pessoas com baixo endividamento enquanto na classe C apresentou maior percentual de pessoas super endividada.  Concluiu-se ainda que a Classe C apresentou o maior percentual de pessoas com forte tendência de não ser consumista e maiores percentuais de descontrole financeiro. Concluiu-se ainda que os atributos “número de filhos, renda familiar, situação laboral, estado civil, escolaridade, uso do cartão de crédito, uso de controles financeiros pessoais e níveis de endividamento pessoal” foram estatisticamente diferentes entre as classes sociais.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Geraldo Alemandro Leite Filho, Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES

Doutor em Administração pela UFLA/MG, Professor do Departamento de Ciências Contábeis da UNIMONTES, Montes Claros – MG, Brasil.

Referências

AGARWAL, S.; DRISCOLL, J.; GABAIX, X.; LAIBSON, D. The age of reason: financial decisions over the lifecycle with implications for regulation. Brookings Papers on Economic Activity Fall, p. 51–101, 2009.

ALVES, G. L. C.; STUCCHI, B. de O.; MAHMOUD, R.; NASCIMENTO, B.; SAMPAIO, Y.; BACHA, M. de L.. Baixa renda: endividamento e compreensão de notícias econômicas. Inovcom, Vol 5, n. 2, pp. 38-51, 2013

AMADEU, J. R. A educação financeira e sua influência nas decisões de consumo e investimento: proposta de inserção da disciplina na matriz curricular. 91 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Oeste Paulista, São Paulo, 2009.

ARAUJO, W. da R. Representações sociais sobre família e classes sociais. 113 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.

ATKINSON, A.; MESSY, F. Measuring financial literacy: results of the OECD / International Network on Financial Education (INFE) pilot study, 2012. Disponível: http://dx.doi.org/10.1787/5k9csfs90fr4-en

BERG, C. J.; SANEM, J. R.; LUST, K. A.; AHLUWALIA, J. S.; KIRCH. M. A. Health-related characteristics and incurring credit card debt as problem behaviors among college students. The Internet Journal of Mental Health, 6, (2), pp.1-9, 2010.

BONADIA, P. R. A Relação Entre o Nível de Escolaridade e a Renda no Brasil. 25 f. Monografia de Conclusão de Curso (Economia) – IBMEC, São Paulo, 2008.

BRICKER, J.; KENNICKELL, A. B.; MOORE, K. B.; SABELHAUS, J Changes in U.S. family finances from 2007 to 2010: evidence from the Survey of Consumer Finances. Federal reserve Bulletin, 98, (2), pp.1-80, 2012.

BROWN, M.; GRAF, R. Financial literacy and retirement planning in Switzerland. Numeracy, v. 6, n. 2, art. 6, 2013.

CAMPARA, J. P.; VIEIRA, K. M.; CERETTA, P. S. Entendendo a atitude ao endividamento: fatores comportamentais e variáveis socioeconômicas o determinam? Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 15, (1), pp. 5-24, 2016.

CHAPLIN, L.N.; HILL, R.P.; JOHN, D.R. 2014. Poverty and materialism: A look at impoverished versus affluent children. Journal of Public Policy & Marketing, 33,(1), pp.78-92, 2014.

CHEN, H.; VOLPE, R. P. An analysis of personal financial literacy among college students. Financial Services Review, v. 7, n. 2, p. 107-128, 1998.

COHEN, P.; COHEN, J. Life values and adolescents mental health. Mahwah, Lawrence Erlbaun, 196 p, 1996.

DAVIES, E.; LEA, E. G. Student attitudes to student debt. Journal of Economic Psychology, vol. 16, issue 4, 663-679, 1995.

DISNEY, R.; GATHERGOOD, J. Financial literacy and indebtedness: new evidence for UK consumers. In: Econ Papers, 2011.

FINKE, M. S.; HOWE, J. S.; HUSTON, S. J. Old Age and the Decline in Financial Literacy. Social Science Research Network Working Paper, 2011. Disponível em: < http://www.tilkingroup.com/texastech.pdf>. Acesso em: 23 jan. 2021.

GATHERGOOD, J. Self-Control, Financial Literacy and Consumer Over-Indebtedness. Journal of Economic Psychology, 33, (3), 2012.

HASTINGS, J.; TEJEDA-ASHTON, L. Financial literacy, information, and demand elasticity: Survey and experimental evidence from Mexico. NBER Working Paper 14538. 2008. Disponível em: < http://www.nber.org/papers/w14538.pdf?new_window=1>. Acesso em: 22 dez, 2013.

HUANG, J.; KISGEN, D. J. Gender and Corporate Finance: Are Male Executives Overconfident Relative to Female Executives? Journal of Financial Economics, 180,(3), pp.822-839, 2013.

KAMAKURA, W.; MAZZON, J. A. Critérios de estratificação e comparação de classificadores socioeconômicos no Brasil. Revista de Administração de Empresas. vol.56 no.1 São Paulo Jan./Feb. 2016

KARSAKLIAN, E. Comportamento do Consumidor. São Paulo: Atlas, 2000. 303p.

KEESE, M. Who Feels Constrained by High Debt Burdens? – Subjective vs. Objective Measures of Household Indebtedness. Journal of Economic Psychology, 33,(169), pp.5-31. 2012.

KIRBY, K. N.; WINSTON, G. C.; SANTIESTEBAN, M. Impatience and grades: delay-discount rates correlate negatively with college GPA. Learning and Individual Differences, 15, (3), pp. 213-222, 2005.

LUCENA, W. G.; SANTOS, J.; ASSIS, J.; SANTOS, M. Fatores que influenciam o endividamento e a inadimplência no setor imobiliário da cidade de Toritama-pe à luz das finanças comportamentais. Holos, 6, 10, 2014.

LUSARDI, A.; MITCHELL, O. S. Financial literacy and retirement planning in the United States. Journal of Pension Economics and Finance, 10, 4, pp. 509-525, 2011.

MARTELO, J. R.; FAVERO, E.; SOUZA, W. D. de. Personalidade e decisão financeira: um estudo com jovens do Exército Brasileiro. Revista de Contabilidade e Organizações, vol. 14, e166547, 2020.

MULLER, K. O. Sociedade de consumo e cultura do endividamento: estudo de caso sobre compradores compulsivos em Porto Alegre. Trabalho de conclusão de curso. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

ONU. Situação da População Mundial 2018 - O Poder de Escolha: Direitos reprodutivos e a transição demográfica. Disponível em: https://brazil.unfpa.org/pt-br/news/situacao-da-populacao-mundial-2018. Acesso em 21/06/2021.

POMPIAN, M. M.; LONGO, J. M. A new paradigm for practical application of behavioral finance: creating investment programs based on personality type and gender to produce better investment outcomes. The Journal of Wealth Management, 7,(2), pp. 9-15. 2004.

POTRICH, A. C. G.; VIEIRA, K. M.; CAMPARA, J. P.; SANTOS, L. F. D. O. Educação Financeira dos Gaúchos: Proposição de uma Medida e Relação com as Variáveis Socioeconômicas e Demográficas. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 9, (3), p. 109-129, 2015.

RESEARCH, R. M. ANZ survey of adult financial literacy in Australia, 2003.Disponível em: https://www.anz.com/resources/3/1/31cbc1fd-9491-4a22-91dc-4c803e4c34ab/adult-financial-literacy-survey-full-results.pdf. Acesso em: 20/05/2021.

RICHINS, M. L. Materialism, transformation expectations, and spending: implications for credit use. Journal of Public Policy & Marketing, 30, (2), pp. 141-156, 2011.

SANTOS, J. A. F.; RIBEIRO, L. V. F. Emprego, estratificação e desigualdade. Mercado de trabalho, Estudos Avançados. 30, 87, May-Aug 2016.

SCHERESBERG, C. B. Financial literacy and financial behavior among young adults: Evidence and implications. Numeracy, v. 6, n. 2, art. 5, 2013.

SOARES, S. Desigualdade, Educação e Pobreza no Brasil. São Paulo: IPEA, 2002.

SOLOMON, M. R.; BAMOSSY, G.; ASKEGAARD, S. Consumer behaviour: A European perspective. Financial Times/Prentice Hall, cop. 2002.

TAN, A. K. G.; YEN, S.; LOKE, Y. J. Credit card holders, convenience users and revolvers: a tobit model with binary selection and ordinal treatment. Journal of Applied Economics, 14, (2), pp. 225- 255, 2011.

VIEIRA, K. M.; FRAGA, L. D. S.; VALCANOVER, V. M.; CATTELAN, V. D.; FLORES, S. A. M.; CAMPARA, J. P. De Onde Vem o Bem-Estar Financeiro?: Análise dos Fatores Comportamentais, do Gerenciamento Financeiro e da Renda. Teoria e Prática em Administração, v. 6, n. 2, p. 136-171, 2016.

WARD, S. Consumer socialization. Journal of Consumer Research, v. 1, p. 1-14, Sept. 1974.

Downloads

Publicado

2022-02-11

Edição

Seção

Artigos