EFICIÊNCIA DO GASTO PÚBLICO EM EDUCAÇÃO PARA OS MUNICÍPIOS DO CAMPO DAS VERTENTES EM MINAS GERAIS PARA O ANO DE 2019

Autores

  • Marlon Bruno Salazar Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” - ESALQ/USP
  • Bruno Rodrigues Pereira Universidade Federal de São João del Rei

DOI:

https://doi.org/10.46551/epp2021922

Resumo

O objetivo deste estudo é determinar a eficiência relativa dos gastos públicos com educação fundamental para todos os municípios da mesorregião do Campo das Vertentes em Minas Gerais, que é composta por 36 municípios. Para tal, foram avaliados dois inputs: gasto por aluno e número de alunos por professor; e dois outputs: notas no IDEB e números de matrículas no ensino fundamental, através de técnicas de Análise Envoltória de Dados (DEA). Dessa forma, usando o software SIADV 3.0 pela ótica de eficiência modelo BCC com orientação output, um município será considerado eficiente se apresentar escore igual a 1,0. Contudo, pôde-se verificar um alto nível de ineficiência no gasto público em educação, visto que apenas 7 municípios obtiveram escore máximo. Vale ressaltar ainda, que o município mais ineficiente, isto é, com o menor escore, é uma das menores redes de educação da amostra. Por outro lado, foi constatado que municípios com maiores gastos per capita, não são considerados eficientes de acordo com os resultados obtidos, rejeitando assim, a hipótese de que os que possuem elevados gastos per capita apresentam maior eficiência. Por fim, conclui-se que a educação fundamental necessita de mudanças para que haja um maior e melhor nível de eficiência no sistema educacional brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlon Bruno Salazar, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” - ESALQ/USP

Doutor Economia Aplicada ESALQ/USP.

Bruno Rodrigues Pereira, Universidade Federal de São João del Rei

Graduado em Ciências Econômicas - UFSJ

Referências

BANKER, R.D.; CHARNES, H.; COOPER, W.W. Some models for estimating technical and scale inefficiencies in data envelopment analysis. Management Science, v.30, n.9, p.1078-1092, 1984.

BRASIL. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988. Brasília – DF, Senado, 1988.

BRASIL. Decreto nº 19.402, de 14 de novembro de 1930. Cria uma Secretária de Estado com a denominação de Ministério dos Negócios da Educação e Saúde Pública. Rio de Janeiro, 1930.

BRASIL. INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Ideb. 2020d. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/ideb

BRASIL. LEI Nº 9.131, DE 24 DE NOVEMBRO DE 1995. Altera dispositivos da Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961, e dá outras providências. Brasília, 1995.

BRASIL. LEI Nº 9.394, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação: Complementação do Fundeb a nove estados chega a R$ 5 bi. 2020a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/tags/tag/32009

BRASIL. Ministério da Educação: FNDE transfere R$ 918 milhões da complementação da União. 2020c. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/tags/tag/31908-fundeb#:~:text=O%20Fundeb%20%C3%A9%20a%20principal,de%20Ve%C3%ADculos%20Automotores%20(IPVA).

BRASIL. Ministério da Educação: MEC/SECADI Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16690-politica-nacional-de-educacao-especial-na-perspectiva-da-educacao-inclusiva-05122014&Itemid=30192

BRASIL. Ministério da Educação: PDE - Como Funciona. 2020b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/content/article/137-programas-e-acoes-1921564125/pde-plano-de-desenvolvimento-da-educacao-102000926/179-funcionamento

CHARNES, A., COOPER, W.W., RHODES, E. Measuring the efficiency of decision making units. European Journal of Operational Research, v.2, n.6, p.429-444, 1978.

CORREA, Licínia M.; CUNHA, Maria A. de A. A POLÍTICA EDUCATIVA E SEUS EFEITOS NOS TEMPOS E ESPAÇOS ESCOLARES: A REINVENÇÃO DO ENSINO MÉDIO INTERPRETADA PELOS JOVENS. Educação em Revista, Belo Horizonte, n.34, 2018.

CURY, Carlos R. J. A educação básica como direito. Caderno de pesquisa, v. 38, n. 134 mai/ago 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cp/v38n134/a0238134.pdf

CURY, Carlos R. J. Financiamento da Educação Brasileira: do subsídio literário ao FUNDEB. Revista Educação & Realidade, Porto Alegre, v.43, n.4, p.1217-1252, 2018.

DE OLIVEIRA, R. P. Da Universalização do Ensino Fundamental ao Desafio da Qualidade: Uma Análise Histórica. Versão revista e condensada de parte da tese de livre docência do autor, apresentada à Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), em 2006, sob o título Estado e política educacional: desafios do século XXI. Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n. 100 – Especial, p. 661- 690, out. 2007.

FARIA, F. P., JANNUZZI, P. M., SILVA, S. J. Eficiência dos gastos municipais em saúde e educação: uma investigação através da análise envoltória no estado do Rio de Janeiro. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, 42(1): 155-177, jan/fev 2008.

FARREL, M.J. The measurement of productive efficiency. Journal of the Royal Statistical Society. Series A, part III, p. 253-290, 1957.

GOMES, A.P. Impactos das transformações da produção de leite no número de produtores e requerimentos de mão-de-obra e capital. Viçosa: UFV, 1999. 161p. Tese (Doutorado em Economia Rural) – Universidade Federal de Viçosa, 1999.

GOMES, Adriano P.; ERVILHA, Gabriel T.; GOMES, Ana P. W. EFICIÊNCIA DOS GASTOS PÚBLICOS E DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL NOS MUNICÍPIOS DE MINAS GERAIS. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, v.12, n.3, p.364-384, 2018.

LOURENÇO, R. L., ANGOTTI, M.,DO NASCIMENTO, J. C. H. B., SAUERBRONN, F. F. Eficiência do Gasto Público com Ensino Fundamental: uma Análise dos 250 maiores municípios brasileiros. Revista Contabilidade Vista e Revista, ISSN 0103-734X, Universidade Federal de Minas Gerais, 89 Belo Horizonte, v. 28, n. 1, jan/abr. 2017.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino fundamental. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/prof.pdf.

MONTEIRO, J. Gasto Público em Educação e Desempenho Escolar. Revista Brasileira de Economia, 69(4), 467–488.

NASCIMENTO, S., MACHADO, D. G., SCARPIN, J. E., VESCO, D. G. D. Indicadores de desenvolvimento social: impactos na taxa de analfabetismo nos municípios do Estado de Santa Catarina. Cadernos Gestão Pública e Cidadania. São Paulo, v.21, n.70, set/dez 2016.

SANT’ANNA, R. L. Uma avaliação do ensino fundamental nos municípios fluminenses integrando estruturação de problemas e análise envoltória de dados. Dissertação de Mestrado, COPPE, Rio de Janeiro, 2012.

SANTOS, R. R., FREITAS, M. M., FLACH, L. Análise Envoltória de Dados como ferramenta de avaliação da eficiência dos gastos públicos com educação dos municípios de Santa Catarina. XXII Congresso Brasileiro de Custos – Foz do Iguaçu, Brasil, novembro 2015.

SCHERER, Greici. et al. Eficiência dos gastos em educação básica nos Estados Brasileiros a partir da Análise Envoltória de Dados (DEA). XXIII Congresso Brasileiro de Custos, Porto de Galinhas, p.1-16, 2016.

SEIFORD, L.M., ZHU, J. An investigation of returns to scale in data envelopment analysis. Omega – The Journal of Management Science. v.27, n.1, p.1-11, 1999.

SOUZA, Apolo N. G. de; RUTALIRA, Jean J. B. EFICIÊNCIA DO GASTO PÚBLICO EM EDUCAÇÃO DE NÍVEL FUNDAMENTAL: UMA ANÁLISE DOS ESTADOS BRASILEIROS. Seminário da UFRN, Revista do Centro de Ciências Sociais Aplicadas, 2016.

TRAVITZKI, Rodrigo. Qual é o grau de incerteza do Ideb e por que isso importa? Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.28, n.107, p.500-520, 2020.

Downloads

Publicado

2022-02-11

Edição

Seção

Artigos