BRASIL DO “MILAGRE” E “ANTIMILAGRE” ECONÔMICO: A SAÍDA DA CRISE DE 1980 NA INTERPRETAÇÃO DE IGNÁCIO RANGEL

Autores

  • LEANDRO NOGUEIRA INSTITUTO DE ESTUDOS BRASILEIROS (IEB/USP)

DOI:

https://doi.org/10.46551/epp2021918

Resumo

Esse artigo analisa a interpretação que Ignácio Rangel fez da crise econômica brasileira dos anos 1980 e a conclusão a que chega: a necessidade de conceder os serviços de utilidade pública à iniciativa privada como alternativa para sair da maior e mais prolongada crise desde o início da industrialização do país. Segundo Rangel, as mudanças institucionais entorno da concessão viabilizariam a transferência de recursos ociosos presentes no Departamento I (indústria pesada) para a área estrangulada da economia brasileira, os serviços de utilidade pública. Desse modo, criaríamos um forte aparelho de intermediação financeira capaz de levantar e orientar esses recursos ociosos no desenvolvimento do país. Mais do que isso, essa alternativa representaria, na sua interpretação, a última etapa da substituição industrial de importações e a consolidação do capitalismo brasileiro. No entanto, o que assistimos foi a implantação de um modelo que dificultou a continuidade das transformações pelas quais a economia brasileira vinha passando. A partir da sua interpretação do capitalismo brasileiro, Rangel desenvolveu um diagnóstico e propôs uma intervenção, mas a história desenrolou-se na contramão do que ele propunha.

Palavras-Chave: Ignácio Rangel; Recursos ociosos; Concessões; Serviços de utilidade pública; Crise econômica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

LEANDRO NOGUEIRA, INSTITUTO DE ESTUDOS BRASILEIROS (IEB/USP)

MESTRE EM ESTUDOS BRASILEIROS (IEB/USP).

Referências

BIELSCHOWSKY, R. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. 4ª ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 2000.

FURTADO, C. O Brasil pós –“milagre”. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

MALTA, M. M. Ignácio Rangel e a categoria dualidade básica: uma interpretação do Brasil. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 24, n. 1, 2014.

RANGEL, I. A presente crise das finanças públicas. Congresso Constituinte, subcomissão do sistema financeiro, Brasília-DF, 198-.

______. A história da dualidade brasileira. Revista de economia política, São Paulo, v.1, n.4, out/dez, 1981.

______. O futuro do comércio exterior. Folha de S.Paulo, São Paulo, 13 out. 1987a.

______. Privatização e mudanças institucionais. Folha de S.Paulo, (sem data), 1987b.

______. Investimento público e privado. Digesto Econômico, jan./fev., 1988a.

______. O outro lado da privatização. Folha de S.Paulo, 21 mai., 1988b.

______. A era das substituições. Economia em debate, n. 2, ano 1, 1990.

______. Um fio de prosa autobiográfica com Ignácio Rangel. São Luís: IPES/UFMA/SIOGE, 1991.

______. (1963). A inflação brasileira. In: ______. Obras reunidas. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005a. v. 1.

______. (1972). Perspectivas econômicas brasileiras para a próxima década (anos 70). In: ______. Obras reunidas. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005b. V. 2.

______. (1982). Ciclo, tecnologia e crescimento. In: ______. Obras reunidas. Ignácio Rangel. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005c. v.1.

______. (1985). Economia: milagre e antimilagre. In: ______. Obras reunidas. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005d. v. 1.

______. (1986). Posfácio à quinta edição de A inflação brasileira. In: ______. Obras reunidas. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005e. V. 1.

______. (1987). Economia brasileira contemporânea. In: ______. Obras reunidas. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005f. V. 2.

SERRA, J. Ciclos e mudanças estruturais na economia brasileira do pós-guerra. In: BELLUZZO, L. G. M.; COUTINHO, R. (Orgs.). Desenvolvimento capitalista no Brasil: ensaios sobre a crise. São Paulo: Editora Brasiliense, 1982.

Downloads

Publicado

2021-11-25

Edição

Seção

Artigos