LOGÍSTICA REVERSA DE EMBALAGENS, RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA E INOVAÇÃO: UMA ADAPTAÇÃO ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS NO BRASIL

Autores

  • Frederico Vidigal
  • Inara de Pinho Nascimento Vidigal

Resumo

A logística reversa passou a ser exigida do setor produtivo no Brasil a partir da Lei 12.305/10 que criou a Política Nacional de Resíduos Sólidos, estabelecendo uma responsabilidade compartilhada pela gestão do lixo urbano que hoje, é composto, em
sua maioria, por embalagens descartáveis. Neste artigo, objetivou-se analisar os aspectos que envolvem a implementação da logística reversa no Brasil como uma política pública de incentivo ao retorno dos resíduos após o consumo de produtos que gera o descarte de embalagens por parte da sociedade, tendo como fundamento a responsabilidade compartilhada entre o poder público e as indústrias fabricantes. Optou-se por enfocar neste trabalho os resíduos industriais pós-consumo. Metodologicamente, foi utilizada uma revisão bibliográfica envolvendo a legislação que embasa a exigência do poder público, a análise documental e o método descritivo aplicado a uma indústria multinacional de alimentos que atua no Brasil. Como resultados, concluiu-se que a dimensão econômica é um importante fator a ser considerado na implementação da logística
reversa, de forma que as soluções para a redução e retorno dos resíduos denotam maior eficácia e viabilidade para a indústria com reflexos diretos para a geração de oportunidades de renda para uma parcela da sociedade.

Palavras-chave: Aspectos econômicos. Logística reversa. Políticas Públicas.
Resíduos sólidos. Responsabilidade compartilhada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Frederico Vidigal

Doutor em Inteligência Competitiva nas Organizações pela Escola de Ciência da Informação –
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG, Belo Horizonte-MG, Brasil). Professor do Programa
de Doutorado e Mestrado em Administração da Universidade FUMEC em Belo Horizonte-
MG. Professor dos Programas de Pós-graduação das Faculdades Santo Agostinho em Montes
Claros-MG. 

Inara de Pinho Nascimento Vidigal

Mestre em Direito Ambiental pela Escola Superior Dom Helder Câmara (ESDHC, Belo Horizonte-
MG, Brasil). Professora da Faculdade de Engenharia de Minas Gerais (FEAMIG). Professora dos
programas de pós-graduação do Centro Universitário U.N.A.. Belo Horizonte-MG.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMBALAGENS (ABRE). Disponível em: http://www.abre.org.br/ .Acesso em Julho de 2015.

BECK, Ulrich. La sociedad del riesgo global. Madrid: Siglo Veintiuno de España.

BESSANT, John; Tidd Joe. Inovação e empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman, 2009.

BRASIL. Lei 12.305 de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Planalto. Brasília, 2010. Disponível em: http:// www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007- 2010/2010/lei/l12305.htm Acesso em fevereiro de 2015.

CHEHEBE, José Ribamar Brasil. Análise do ciclo de vida de produtos: ferramenta gerencial da ISSO 14000. Rio de Janeiro: Qualitymark, CNI, 1997.

COMPROMISSO EMPRESARIAL PARA A RECICLAGEM (CEMPRE). O mercado para a reciclagem. Disponível em <http://www.cempre.org.br/ft_latas.php>. Acesso em: 15 de ago. 2011.

FIORILLO, Celso Antônio Pacheco; RODRIGUES, Marcelo Abelha. Manual de Direito Ambiental e Legislação Aplicável. São Paulo: Max Limonad, 1999.

GEYER, R. JACKSON, T. Supply loops and their constraints: the industrial ecology of recycling and reuse. California Management Review, v. 46, n. 2, Winter, 2004.

GONÇALVES-DIAS S. L. F.; TEODOSIO. A. S. S. Estrutura da cadeia reversa: “caminhos” e “descaminhos” do PET. Revista Produção: ABEPRO/Poli-USP, v. 16, n.3, set-dez, p.429-441.2006

GONÇALVES-DIAS, Sylmara Lopes Francelino. Há vida após a morte: um (re)pensar estratégico para o fim da vida das embalagens. Revista Gestão & Produção, 2006.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Disponível em: http://ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/ 11122001onu.shtm. Acesso em fevereiro de 2015.

KAZAZIAN, T. (org.). Haverá a idade das coisas leves: design e desenvolvi- mento sustentável. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2005.

LEITE, Paulo Roberto. Logística reversa: meio ambiente e competitividade. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2003.

LEMOS, Patrícia Faga Iglecias. Resíduos Sólidos e Responsabilidade Ci- vil Pós-Consumo. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

LEVY, G. Introduction: Packaging, Policy and the environment. In: LEVY, G. (ed) Packaging, Policy and the Environment. Maryland: Aspen Publishers, pp.1-46, 2000b.

PEPSICO. Programa Reciclo Pepsico. Disponível em: http://www.pepsico.com.br/sustentabilidade-ambiental. Acesso em fevereiro de 2015.

PEREIRA, A. F. Da sustentabilidade ambiental e da complexidade sistêmica no design industrial de produtos. Revista Estudos em Design. Rio de Janei- ro: AEND, v.10, n.91, p. 37-36, 2003.

SMITH, C.; White, P. Life Cycle assessment of packaging. In: LEVY, G. (ed) Packaging, Policy and the Environment. Maryland: Aspen Publishers, pp.178-204, 2000.

Downloads

Publicado

2021-04-07

Edição

Seção

Artigos