A POLÍTICA DE SAÚDE E O ASSISTENTE SOCIAL NEOLIBERALISMO, FORMAÇÃO UNIVERSITÁRIA E COTIDIANO DE TRABALHO

  • Tuani Alves Lima

Resumo

Este artigo tem como objetivo trazer para análise os desafios que o assistente social encontra, atualmente, no seu cotidiano de trabalho dentro da política de saúde. Com esse intuito, destacamos as interferências neoliberais em tal âmbito, a partir dos anos 1990, uma vez que essa situação perpassa desde o processo de formação universitária do assistente social até o seu dia a dia de trabalho, resultando em desafios para o fazer profissional dentro da referida política. Para a construção desse debate, fez-se necessário conhecer o processo de construção da política de saúde contemporânea, bem como o processo de inserção e atuação do profissional de Serviço Social nesse campo. A construção dessa pesquisa se deu por meio do estudo de artigos científicos, livros e documentos da área do Serviço Social e pela leitura de leis e documentos de programas nacionais da política de saúde. A análise possibilitou uma compreensão mais ampla acerca dos desafios que circunscrevem o cotidiano profissional do assistente social dentro da política de saúde, demarcando como eles se engendram e se articulam, interferindo no dia a dia de trabalho. Por fim, são destacadas formas possíveis de se posicionar contra o fortalecimento dessa situação.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-04-03
Como Citar
Alves Lima T. (2020). A POLÍTICA DE SAÚDE E O ASSISTENTE SOCIAL NEOLIBERALISMO, FORMAÇÃO UNIVERSITÁRIA E COTIDIANO DE TRABALHO. Revista Serviço Social Em Perspectiva, 3(2), 59-76. Recuperado de //www.periodicos.unimontes.br/index.php/sesoperspectiva/article/view/460