PERCEPÇÃO DE AMBIENTE E CONDIÇÕES DE TRABALHO DE PROFESSORES DE GINÁSTICA EM ACADEMIAS

Autores

  • Rubian Diego Andrade Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis – IESGF; Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC
  • Bruna Martins Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis – IESGF
  • Sabrina Fernandes de Azevedo Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis – IESGF; Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC
  • Ana Claudia Vieira Martins Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC
  • Rafaella Zulianello dos Santos Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis – IESGF

DOI:

https://doi.org/10.46551/rn2022132000061

Palavras-chave:

Jornada de trabalho, Saúde do trabalhador, Salários e benefícios, Meio social, Qualidade de vida

Resumo

Analisar as condições de trabalho e percepção do ambiente de profissionais de Educação Física que atuam com ginástica coletiva. Participaram 21 professores das modalidades de Step Training, Power Jump, Cycling Indoor. O instrumento para avaliação das variáveis dependentes foi o “Perfil do Ambiente e Condições de Trabalho e Perfil do Estilo de Vida”. Esse instrumento é formado por 15 questões em cinco domínios: ambiente físico (AF), ambiente social (AS), desenvolvimento e realização profissional (DRP), remuneração e benefícios (RB) e relevância social do trabalho (RST). Utilizaram-se análises descritivas (médias e desvios-padrão), frequência simples e relativa. Para as análises inferenciais realizou-se o teste de correlação de Spearman e para a diferença entre as médias, o teste U de Mann-Whitney. Para todas as análises, considerou-se nível de significância de 5%. O domínio com menor pontuação foi o RB (5,71 pontos). Em relação aos indicadores desse domínio destaca-se sobre os benefícios de saúde oferecidos pela instituição aos trabalhadores com 1,33 pontos. Por outro lado, o domínio com melhor pontuação foi o AS (7,53 pontos), tendo como o indicador com melhor pontuação a oportunidades de lazer e congraçamento com trabalhadores e familiares (2,76 pontos). Os professores de ginástica coletiva das academias analisadas apresentaram melhor percepção no domínio Ambiente Social, destacando a relação com seus colegas e chefes. Além disso, percebem elevada a relevância social de suas empresas perante a sociedade. Por outro lado, os resultados para o domínio Remuneração e Benefícios indicam a necessidade de atenção maior, por apresentar menor pontuação entre os domínios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMORIM, W.A.C.; COMINI, G.; FISCHER, A.L. Ensino e pesquisa em gestão de pessoas/gestão de recursos humanos no brasil: convergência ou divergência. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 59, n. 3, p. 215-221, 2019.

ANTUNES, M.F.C.; LÜDORF, S.M.A; COELHO FILHO, C.A.A. O trabalho do profissional de educação física com ginástica coletiva em academia. Educação em Foco, Juiz de Fora, v. 1, n. 22, p. 212-236, 2017.

ANVERSA, A.L.B. et al. Satisfação de profissionais de educação física na regência em aulas de ginástica de academia. Revista Psicologia e Saúde, Campo Grande, v. 11, n. 1, p. 63-71, 2019.

BIROLIM, M.M. et al. Trabalho de alta exigência entre professores: associações com fatores ocupacionais conforme o apoio social. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, p. 1255-1264, 2019.

BORGES, A.F. et al. Condições de Trabalho e Aspectos Pedagógicos de Professores de Educação Física em Academias de Ginástica. Arquivos em Movimento, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 454-470, 2021.

BORGES, L.O. et al. Questionário de condições de trabalho: reelaboração e validação de construto. Avaliação Psicológica, Itatiba, v. 12, n. 2, p. 213-225, 2013.

BRASIL. Presidência da República. Lei n.º 9.696 de 1 de setembro de 1998. Dispõe sobre a regulamentação da Profissão de Educação Física e cria os respectivos Conselho Federal e Conselhos Regionais de Educação Física. Brasília/DF, 1998.

COSTA, M.C.S. Trabalho docente na educação básica: as condições e a jornada de trabalho na educação física na Educação de Jovens e Adultos trabalhadores no município de Belém do Pará. Revista Trabalho Necessário, Niterói, v. 16, n. 29, p. 138-155, 2018.

DORSEY, J. et al. Using the WEIS-SR to evaluate employee perceptions of their college work environment. Work, Amsterdam, v. 54, n. 1, p. 103-111, 2016.

FERREIRA, G.B.; DIAS, C.C. A importância da qualidade de vida no trabalho e da motivação dos colaboradores de uma organização. Psicologia e Saúde em Debate, Patos de Minas, v. 3, n. 2, p. 30-43, 2017.

HARTWIG, T. et al. A. Condições de saúde de trabalhadores de academias da cidade de Pelotas-RS: um estudo de base populacional. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, Florianópolis, v. 17, n. 6, p. 500-511, 2012.

KRUG, H.N. et al. Implicações das Condições de Trabalho na Prática Pedagógica de Professores de Educação Física Iniciantes na Educação Básica. Pensar Acadêmico, Manhuaçu, v. 18, n. 3, p. 487-509, 2020.

MACHADO, C.C.; FREITAS, A.M.; OLIVEIRA, C.C.M.F. As Dificuldades do Exercício Profissional da Educação Física e o Aparecimento de Sintomas Sugestivos para a Síndrome de Burnout, no Município de Cabo Frio, RJ. Revista Olhares, Salvador, v. 1, n. 7, 2017.

MACHADO, L.R. O profissional de educação física na saúde: inserção e intervenção. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, São Paulo, v. 4, n. 3, p. 137-146, 2018.

MANFREDI, S.M. Educação profissional no Brasil. São Paulo: Cortez editora, 2002.

MENDES, A.D. Atuação profissional e condições de trabalho do educador físico em academias de atividades físicas. 2010. 235 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

MENDES, A.D.; AZEVÊDO, P.H. O trabalho e a saúde do educador físico em academias: uma contradição no cerne da profissão. Revista brasileira de educação física e esporte, São Paulo, v. 28, n. 4, p. 599-615, 2014.

MOITINHO, G.C. Remuneração, benefícios e a retenção de talentos nas organizações. Revista Digital de Administração, Gama, v. 1, n. 1, 2011.

MUKAKA, M. A guide to appropriate use of correlation coefficient in medical research. Malawi Medical Journal, Zomba, v. 24, n. 3, p. 69-71, 2012.

NAHAS, M.V. et al. Reprodutibilidade de uma escala para avaliar a percepção dos trabalhadores quanto ao ambiente e às condições de trabalho. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, v. 34, n. 120, p. 179-183, 2009.

PEREIRA, É.F. et al. Associação entre o perfil de ambiente e condições de trabalho com a percepção de saúde e qualidade de vida em professores de educação básica. Cadernos Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 113-119, 2014.

PIZZIO, A.; KLEIN, K. Qualidade de vida no trabalho e adoecimento no cotidiano de docentes do Ensino Superior. Educação & Sociedade, Campinas, v. 36, n. 131, p. 493-513, 2015.

SAMPAIO, J.R. Qualidade de vida no trabalho: perspectivas e desafios atuais. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, Florianópolis, v. 12, n. 1, p. 121-136, 2012.

SANTOS, C.S.F. Qualidade de vida no trabalho: O Papel da Psicologia Organizacional. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. São Paulo, v. 3, n. 4, p. 54-71, 2019.

SILVA, M.C.; BORGES, L.O. Condições de trabalho e clima de segurança dos operários da construção de edificações. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, Brasília, v. 15, n. 4, p. 407-418, 2015.

SILVA, M.M. As condições de trabalho e sua relação com o processo de ensino e aprendizagem em educação física no ensino médio em formosa (GO). 2019. 140 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação) - Facultad De Ciencias Jurídicas, Políticas y de la Comunicación, Universidad Autónoma de Asunción, Assunção, 2019.

SOUZA, A.P et al. Qualidade de vida no trabalho utilizando a ginástica laboral. Saúde em Foco, São Lourenço, n. 7, p. 271-281, 2015.

Publicado

2022-09-29 — Atualizado em 2022-10-06

Versões

Como Citar

ANDRADE, R. D.; MARTINS, B. .; FERNANDES DE AZEVEDO, S. .; MARTINS , A. C. V. . .; DOS SANTOS, R. Z. . PERCEPÇÃO DE AMBIENTE E CONDIÇÕES DE TRABALHO DE PROFESSORES DE GINÁSTICA EM ACADEMIAS. RENEF, [S. l.], v. 13, n. 20, p. 19–31, 2022. DOI: 10.46551/rn2022132000061. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/renef/article/view/5383. Acesso em: 6 dez. 2022.